Alemanha – O aparato da saúde à disposição da gestante: parte 1

0
1148
Nina Matthews Photography
Advertisement

A Alemanha é conhecida mundialmente por sua estrutura e organização. Felizmente, isso também está presente no que diz respeito à Saúde, inclusive não importando a nacionalidade da gestante que aqui habita.

Para receber os benefícios que tens direito, basta ter um seguro de saúde, que de qualquer forma é obrigatório para todos os habitantes da Alemanha. De maneira geral, quase todos os planos de seguro de saúde cobrem os mesmos serviços, com exceção de alguns planos que cobrem terapias alternativas como por exemplo acupuntura, medicina ayurvédica ou chinesa e osteopatia. Além disso, a maioria dos seguros arca com pelo menos 70% do valor da yoga gestacional e de massagem.

Logo após descobrir que você está grávida, uma lista de questões começa a pipocar dentro de você: E agora? E meu trabalho? Preciso ir correndo ao médico? Será que posso continuar me alimentando da mesma maneira? Como me preparar para o nascimento? E por aí vai…

Gestar em um país diferente da nossa terra natal pode gerar mais perguntas ainda, além daquelas dúvidas frequentes entre as gestantes, uma vez que, em nosso caso, temos o Brasil como referencial de gestação e maternidade.

Mas não se preocupe! Se você está grávida na Alemanha, vou te passar dicas importantes e te explicar direitinho muita coisa que envolve o aparato da saúde que está à sua disposição durante a gestação do seu bebê e posterior ao nascimento. Isso vai te auxiliar a saber para onde ir, onde buscar apoio certo, aproveitando da boa e eficiente estrutura social e de saúde que a Alemanha nos oferece.

O médico

Depois que você descobriu que está grávida, não precisa sair correndo desesperada até um consultório médico. Se você está saudável e não está com sangramento vaginal, você pode tranquilamente terminar de fazer o que estava fazendo (brincadeira!), e marcar uma consulta com um/uma ginecologista para os próximos dias ou mesmo semanas. Não existe urgência nisso – a não ser aquela ansiedade e provável necessidade de ouvir do médico que: “sim, você está REALMENTE grávida”.

Diferentemente do Brasil, aqui não é feito o exame de sangue Beta-HCG no laboratório para comprovação da gestação, mas os testes de farmácia da Alemanha costumam ser bastante precisos.

Com o seguro de saúde alemão há cobertura para você se consultar mensalmente com seu/sua ginecologista e executar todos os exames de rotina. Além disso, você tem direito a três ultrassons: o primeiro entre a 9ª e 12ª semana gestacional; o segundo entre a 19ª e 22ª semana; e o último entre a 29ª e 32ª semana de gestação. Outros ultrassons são pagos à parte, há exceção caso haja alguma constatação médica.

Com o avanço tecnológico, muitos pais sentem-se tentados a fazer mais e mais ultrassons. Existem várias possibilidades de imagens e vídeos, como o ultrassom em 3D. Alguns consultórios oferecem “pacotes promocionais” de ultrassons, porém a crítica vinda de outros colegas do setor não é pouca, já que com isso o intuito daqueles médicos é ganhar dinheiro vendendo um serviço e não o serviço sendo feito pela necessidade e evidência médica.

Além disso, existem várias pesquisas já disponíveis na Alemanha sobre os perigos e desconfortos que o ultrassom gera no bebê dentro do útero.

Enquanto mãe e doula eu aconselho buscar informações e procurar um acompanhamento médico que realmente te acolha e auxilie. A conexão com seu bebê na sua barriga é muito mais valiosa do que um ultrassom a mais. Entre em contato com seu filho/filha na barriga, converse com seu bebê, escute o que ele tem para lhe contar. Nada disso a tecnologia pode lhe dizer.

A parteira

A tradição das parteiras é bem presente na Alemanha. Elas atuam em diferentes âmbitos, que abrangem desde o acompanhamento na gestação até o final do puerpério.

Abaixo irei listar de que forma você pode ser acompanhada por uma parteira:

– no acompanhamento do pré-natal: sim, uma parteira é tão qualificada quanto um médico para fazer seu pré-natal. Ela estudou no mínimo três anos para poder exercer a profissão. A única coisa que ela não faz é o ultrassom – fora isso, pode realizar todos os exames necessários. Além disso, ela costuma ter muito mais tempo e disponibilidade para você do que o médico. Com uma parteira você pode compartilhar seus medos, ansiedades e sonhos ligados à maternidade.

Já o médico costuma não só não ter tempo como abertura para isso. E sim, o seguro de saúde também paga por este serviço! Ou seja, se você quiser você pode escolher ser acompanhada por um ginecologista e por uma parteira, ou só com um deles. Como decidir? Se você é daquele tipo de mulher que só se sente segura quando o médico realiza uma bateria de exames, então o médico é a melhor opção para você.

Porém, se você se sente mais acolhida por uma mulher profissional da saúde que te reconhece nas dimensões do teu corpo físico e emocional, então a parteira pode ser uma ótima escolha.

– para o curso de preparação para o parto: A partir da 28ª semana de gestação você já pode participar deste curso. Eles costumam variar de parteira para parteira, mesmo que possuam uma estrutura semelhante. Algumas focam mais em passar informação, outras oferecem exercícios e inspirações para o autoconhecimento e conexão com o corpo e com o bebê. Como estes cursos são muitíssimo almejados, nunca é cedo demais para garantir sua vaga! No mais tardar na 20ª semana de gestação você já pode/deve procurar ou se inscrever em algum curso. Existem cursos frequentados só por gestantes e outros abertos para os papais também – a parte dele infelizmente não é paga pela maioria dos seguros, mas o valor não passa dos 80€.

– com massagens e outras terapias: dependendo da formação, a parteira também pode oferecer massagens (Wassershiatzu – Aquashiatzu é uma ótima dica!), acupuntura, aromaterapia dentre outras.

– no parto: o momento do nascimento ainda é campo de trabalho das parteiras alemãs, mesmo passando por uma grande crise atualmente. Em hospitais, elas trabalham ao lado de médicos e em casas de parto ou em partos domiciliares são elas que guiam todo o processo. O seguro de saúde arca com os custos, com exceção do parto em casa de parto ou domiciliar, onde você deve pagar uma taxa (cerca de 200€) pela disponibilidade da parteira nas duas semanas antes e depois da data prevista para o parto.

No próximo texto irei partilhar com vocês sobre os serviços de apoio no pós-parto e os possíveis locais para dar à luz a seu bebê na Alemanha.

Link com mais informações, em inglês.

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui