Colômbia – Viva Medellín

30
2396
Advertisement

Tinha uma vida confortável em Brasília, mas estava saturada daquele mundo de estudar para concurso, corrigir a prova e ver que não tinha sido tão fácil como imaginava ou então sentir que foi realmente fácil, mas a quantidade de pessoas por vagas se parecia à quantidade de espermatozoides que queriam fecundar um óvulo. A impressão era realmente essa: eu tinha que conseguir uma vaga para, finalmente, viver. Conforme os dias se passavam, o tocar do despertador se tornava um martírio. Eu não queria mais isso.

Conheci meu namorado no início deste ano. A ponte aérea Fortaleza – Brasília e Brasília – Fortaleza se tornou constante. Nos víamos a cada 15 dias. Quando surgiu a oportunidade para ele vir morar em Medellín, perguntou se eu topava. Caso contrário, ele iria morar na minha cidade para ficarmos mais perto. Com receio, me perguntou e eu, sem fazer charme nenhum, disse que topava morar na Colômbia. Era uma ótima chance de recomeçar minha vida e de começar uma com ele.

Pesquisas na Internet ficaram intensas. Meu namorado, que já tinha morado aqui em 2012, me mostrava alguns lugares com brilhos nos olhos e aquela animação me contagiava e ficava maior que o receio de ir morar no exterior.

Ao contar para minha família sobre a decisão tomada, ganhei apoio. Uns dois dias antes não conseguia dormir pensando sobre o que eles falariam, se se sentiriam receosos por eu vir morar em um país que já foi maltratado anteriormente com o histórico conhecido de drogas e facções: “Será que eles sabem que a Colômbia mudou? Será que eles sabem que Medellín foi considerada a melhor cidade para se viver da América Latina?” Já tinha todo o texto decorado e estava cheia de paciência para contar a eles sobre a mudança pela qual o país passou. Meu pai já sabia. Assim que contei, ele achou uma boa ideia e ficou contente com a escolha.

Malas prontas, era hora de ir.

set15

A sensação que eu tive na fila do embarque era que Brasília já não era mais para mim. Minha mãe, ao se despedir de mim, disse que quando tomamos decisões e o coração fica tranquilo, a decisão foi tomada corretamente. Ela se sentia feliz e em paz por me deixar ir. Eu me sentia, apesar da ansiedade pelo novo, também em paz.

Encontrei meu namorado no Ceará, pegamos o voo e fomos para Bogotá. Como o cansaço era grande, só deu para perceber a gentileza dos colombianos. Pegamos um ônibus no dia seguinte e viemos para Medellín. Na primeira semana, ficamos muito tempo em casa porque tínhamos que organizar todas as nossas coisas e descansar um pouco também. Então não vimos nada além de supermercado e um pouco do bairro. A sensação de deprê foi surgindo. Ela tinha os momentos dela. Aparecia acompanhada de algumas lágrimas e depois sumia.

O primeiro mês, por mais que tenha sido marcado por companheirismo e frios na barriga, foi uma fase de adaptação. Descobri que era normal e que isso não significava que eu estava triste com a decisão tomada. Eu estava me tornando outra pessoa e isso me pedia um casco novo. Doeu, mas agora já me sinto confortável e me apaixono cada dia mais pela cidade e pela nova vida.

A gentileza do povo colombiano se tornou algo que me fez sentir bem-vinda e isso me ajudou bastante. Desfiz as malas, arregacei as mangas e fui buscar emprego. Depois de vários e-mails enviados, recebi uma resposta. O processo seletivo consistia em duas entrevistas e isso me fez sair sozinha e, apesar de adorar a companhia do meu namorado, a cada pergunta feita no metrô sobre onde eu poderia descer, a cada pequena socialização feita sozinha fez com que o medo de ser nova na cidade desaparecesse. A vida no exterior pode ser fácil se a pessoa também quiser fazer parte do lugar.

O guaraná e a tapioca foram substituídos por comidas típicas colombianas como suco de lulo e arepa. Dei chance para o novo e me adaptei sem saudosismo. Hoje tento absorver o máximo cultura daqui e cada vez sinto que as coisas se tornam mais fáceis.

A saudade dos amigos e da família vai estar sempre aqui, mas agora ela não é mais latente. Ela tem um canto calmo, bem arejado e perfumado no coração.

30 Comentários

  1. Ótimo texto! Também tive a sensação de que Brasília não era mais pra mim quando embarquei pra Noruega em 2007. Vivo aqui até hoje e me sinto em casa. E, como você disse, a vida no exterior pode ser fácil se a pessoa quer fazer parte do lugar.. Muito verdadeira sua afirmação!! Boa sorte por aí! 🙂

    • Que ótimo! Mais uma brasiliense desbravadora. haha! Escuto muitas pessoas se queixarem por sentir falta de várias coisas que há no Brasil e fazer disso um sofrimento. Não é assim. Sou a favor da adaptação sem saudosismo. Brasil sempre estará no meu coração, mas, atualmente, vivo a Colômbia. Um beijo e boa sorte pra você na Noruega também! 🙂

      • Boa tarde Camila!
        Hj eu moro no Brasil mais namoro um colombiano que mora ai aí em Medellín, porém nos moramos juntos e ele fala de ir embora e quer que eu va com ele , mais eu tenho dois filhos no Brasil e o pai dos meus filhos não permite eu levar os pequenos , pensei em ir sozinha para me estabilizar mais tenho medo de tudo isso ser apenas um sonho e eu nao conseguir uma chance ou uma oportunidade de emprego e ficar na mesma , o brasileiro ai consegue um emprego legal e se estabilar normalmente? A vida ai e mais difícil ou mais fácil que aqui no Brasil. Essa é a minha dúvida?
        Estou com planos de ir mais estou com medo de ser um sonho em vão.

        • Olá Adriana,
          A Camila Valente parou de colaborar conosco, mas temos outras colunistas na Colômbia.
          Você pode entrar em contato com elas deixando um comentário em um dos textos publicados mais recentemente no site.
          Obrigada,
          Edição BPM

  2. Achei muito bom o post, queria tirar uma dúvida. Como é em relação ao visto, que tipo de visto e essas burocracias é necessarios para se mudar para a Colombia?

  3. Belo Texto Camila! Veio a mente varias situacoes que eu passei enquanto estive em medellin e o seu texto descreve exatamente como me senti nos primeiros dias. Abs!

  4. Poxa, que coisa linda ler esse texto, sério… eu sonho em morar em Medellin. Eu já fui duas vezes à Colombia, porém só conheci um pouquinho de Bogotá e Santa Marta, mas seria meu sonho viver nessa cidade. Eu também já pesquisei tanto, sonhei tanto! Espero um dia poder realizar tudo isso. O problema é que no momento não tenho condições financeiras de viajar e tampouco sei como viveria nesta cidade hahaha. Um grande abraço. Chao 😀

  5. Acabei de ler o texto, é expetacular… Estou na Colombia, mais precisamente em Medellin, é uma cidade incrivel, estou em intercambio e daqui a alguns dias estarei voltando para Fortaleza, me sinto deixando o lugar que escolhi para viver e tenho certeza que voltarei e para ficar… Parabens para o blog.

  6. Me deu vontade de aceitar a proposta do meu marido de ir morar ai!!! rsrsrsrs…
    Eu já morei nos eua por 3 anos, mas voltei para o Brasil… E eu e meu marido estamos cansados do Brasil, e ele me chamou para irmos para a Medlin… Tenho algumas perguntas: Nós temos um filho de 1 ano. Como seria as escolas ai? E quanto aluguel, o valor é alto, é dificil alugar para estrangeiros? Consigo emprego fácil falando ingles, espanhol e portugues? Pode me ajudar? rsrsrs
    Beijos Flor!!!

  7. Nossa eu adorei ler esse post. Tenho pensado muito com meu esposo sobre embarcar em um novo pais, e eu estou apaixonada pela Colômbia <3

  8. Ola, existe um grupo chamado Brasileiros em Medellín, todas as perguntas que fizerem lá serão prontamente respondidas. Vivo em Medellín e amo demais essa cidade 😍

  9. Boa noite Camila, estou com uma proposta para Medellín, estou muito propício a aceitar, na verdade meu coração já aceitou essa proposta, meu objetivo de vida sempre foi EUA, com a família (filhos e esposa) o objetivo mudou um pouco, hoje penso muito na Europa, más acredito que oportunidades como essa não podem ser dispensadas.

    Tenho pesquisado muito sobre custo de vida entre outras coisas, estou com esposa e dois filhos (um rapaz de
    6 anos e uma menina de 2 anos).

    Terias algum dica para mim ? Pois todo contato que tenho com a Colômbia, é com a empresa à qual devo trabalhar.

    • Sou casado, 53 anos, 2 filhos, 23 e 18 anos…
      Recebi uma proposta de emprego em Medellin e gostaria de saber custo de vida, já que preço passar uma taxa com tudo incluido.
      Também preciso de dicas de onde morar, transporte publico, aluguel de apto, já que de principio vou sozinho.
      Grato,
      Valdecir Jacintho

      • Valdecir, a autora desse texto parou de escrever para o BPM.
        Sugerimos consultar sites como o Numbeo.com para avaliar o custo de vida em Medellin, ou entrar em grupos de brasileiros morando na Colômbia nas redes sociais e fazer sua pergunta por lá.
        Boa sorte com seus planos,
        Equipe BPM

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui