Depressão em janeiro

7
617
Londres no inverno: escuro até por volta das 7h30 da manhã e após às 3h30 da tarde
Advertisement

Quando decidi escrever sobre o que acontece no mês de janeiro aqui na Inglaterra, meu primeiro desafio foi: como fazer isso sem parecer muito negativa? Afinal, o mês já tem a fama de ser depressivo por si só.

Talvez o termo “depressivo” seja um pouco forte, mas é mesmo um mês mais chatinho por diversos motivos. Em poucas palavras, se dezembro é a sexta-feira dos meses, janeiro é a segunda. Não dá para falar sobre janeiro e não mencionar esse clima de fim de festa generalizado.

Não é só ponto de vista de expatriada, não. Pergunte a qualquer inglês e provavelmente terá a mesma resposta. Mas por que essa má fama? Vou falar aqui sobre minhas opiniões e talvez muita gente vai concordar comigo, talvez muita gente vai achar que sou exagerada. Em todo caso, parto do princípio que estamos todas no mesmo barco!

Para início de conversa, o inverno ainda está longe de acabar. E vamos combinar que, se nem quem é inglês acha o inverno uma maravilha, eu, vindo de um país tropical, não sou obrigada a gostar, não é mesmo?

Além disso, muita gente gastou bastante dinheiro no mês anterior e está tendo que controlar mais os gastos, além do fato de todo aquele clima de festas, Natal e Ano Novo, ter chegado ao fim. O que sobra é o frio e um mês parado, sem muitos compromissos na agenda. Os dias são mais curtos e escuros por mais tempo – três da tarde parecem nove da noite –  e não temos mais as luzes de Natal para nos animar.

O assunto é tão sério que, não só aqui, mas também em outros países, geralmente a terceira segunda-feira de janeiro é conhecida como Blue Monday, o dia mais depressivo do ano. É um dia que trata exatamente desse desânimo generalizado, por onde você anda e com quem você conversa, parece todo mundo estar no mesmo barco, meio pra baixo.

A ideia começou a circular em 2005, quando uma empresa de turismo afirmou ter identificado a data usando uma equação. Não se tem provas de que isso realmente seja verdade, mas sabe aquela coisa que, mesmo a gente não acreditando muito, nos afeta? Oras, se ao meu redor, entre um grupo de amigos ou colegas de trabalho, tá todo mundo falando que aquele é um dia ruim, aquela energia acaba pegando. Eu, hein!

Mas então, o que fazer para que janeiro não seja um mês down? Sou da opinião que o tipo de pensamento determina como vai ser seu dia, acho que o mesmo vale para o mês. Aqui entra aquela dose de positividade que a gente tenta mentalizar bem forte. Reclamar não adianta nada, então, vamos à luta!

Por exemplo, janeiro é o início do ano, uma ótima oportunidade para tirar do papel a famosa lista das resoluções de Ano Novo. E se você reclama que está sem dinheiro, que tal aproveitar para passar mais tempo em casa, preparando uma receita diferente ou lendo aquele livro que nunca teve tempo para ler? Dizem que as melhores coisas da vida são de graça. Pode parecer papo furado, mas depois da correria das festas de fim de ano, fins de semana no aconchego do lar não parecem uma ideia tão ruim assim.

Ainda não se convenceu de que janeiro pode ser um mês empolgante? Que tal fazer como muitos ingleses e se juntar ao movimento do Dry January?

Um mês sem beber: o Dry January

Ou janeiro seco, traduzindo literalmente para o português. É um projeto que envolve saúde e caridade ao mesmo tempo. Muitos ingleses dão uma pausa nos pints (veja abaixo) e pedem doações em apoio a uma causa – o dinheiro é doado para caridade, claro. A ação é bem forte na Inglaterra, começou em 2012 com uma inglesa que decidiu parar de beber por um mês depois das festas de fim de ano e viu muitos benefícios. Algum tempo depois, ela levou a ideia para a Alcohol Concern, uma instituição que alerta sobre os riscos do álcool (lembrando que aqui as pessoas bebem muito, um copo de cerveja, o “pint”, tem 568ml). O projeto cresceu tanto que, hoje em dia, tem até um aplicativo para você medir os efeitos de ficar sem álcool por um mês e milhões de pessoas já participaram, de acordo com o site oficial. Ainda de acordo com o site, 79% das pessoas afirmam terem economizado dinheiro e 49%, terem perdido peso.

Há quem diga que ficar um mês sem beber é o pior pesadelo, há quem diga que é a melhor coisa da vida. Os curiosos só vão saber se um dia tentarem, não é mesmo? Mas não há dúvidas que a ideia pode trazer um desafio a este mês que tem a fama de ser tão chato.

Seja como for, sem dúvida, é um desafio e talvez uma forma de começar o ano de maneira mais positiva, ajudando os outros e cuidando mais da saúde.

E então, qual é a sua ideia para tornar janeiro mais atraente? Ou, se você gosta do mês, conte para mim nos comentários!

Leia mais sobre a Inglaterra: Tudo o que você precisa saber para morar na Inglaterra!

7 Comentários

  1. O janeiro pra mim aqui no RJ, é o mês do HELL! hehehe. Pra mim, é um dos meses mais quentes do ano, com sensações térmicas de até 50°C, e nem sempre da pra fugir, quase não vou a praia. 🙁
    Janeiro para os cariocas é um mês que a grana tá curta, porém não deixam de estar nos preparativos para o carnaval. Aqui já começaram os ensaios dos blocos, das escolas de samba também, e não tem sol ou chuva que impeça esse povo de ir pra rua. Eu, como não sou uma carioca da gema, prefiro fica no conforto do meu lar e correr desses tumultos, até porque a violência aqui não tá brincadeira não! Acho que queria estar curtindo o inverno ”depressivo” dos ingleses, viu? Maaaas, a realidade aqui é outra.

    Abraços Nathália, fica com Deus!

  2. Bem. Vivo no Brasil e janeiro é verão. Apesar de morar em São Paulo, posso escapar todo final de semana para o litoral, ou ir a um clube, ou parques. Meus filhos estão em férias e me obrigo a fazer programas com eles. Acho que quem mora em país com inverno rigoroso (tenho familiares que moram em New Jersey/EUA) teria que aproveitar programas indoor, tipo cafeterias, para ler o livroao lado de uma xícara de bebida fumegante e curtindo a movimentação do ambiente, de preferência perto de uma janela; sair do trabalho direto para academias no entorno, de preferência com natação inclusa (para mim, uma hora de natação vale por semanas de terapia); fazer um programas de estudo de museus, galerias de arte e bibliotecas públicas (tudo nas redondezas de casa ou trabalho); escrever em casa ou na mencionada cafeteria, seja o estudo citado anteriormente, um conto, um blog, um diário, uma confissão (depois, pode-se publicar em um site de fanfiction ou site que publica obras gratuitamente, com edições sob demanda); frequentar um massoterapeuta sempre que o estresse ou tristeza apertar. Enfim, há saídas…

    • Oi, Francisco.
      Com certeza, há muitas opções de coisas para fazer indoor. O problema do inverno (pelo menos para mim) é encarar a rotina do dia-a-dia no frio e no céu escuro. Ter um céu nublado todo dia ao ir trabalhar, aquela escuridão…você não vê o sol por semanas. Mas como tudo na vida, uma hora passa e os dias de sol são devidamente bem aproveitados!
      Obrigada pelo comentário!
      Abs

  3. Não tenho palavras para dizer o quanto acho Dezembro deprê hehehehe
    Eu sempre fui super fã do frio, sou carioca e nunca suportei o calor infernal do verão carioca, mas gente….Janeiro me deprime hahahaha
    Mas só do dia voltar a escurecer mais tarde aos pouquinhos vai dando uma energia, aos pouquinhos chega o amor pela primavera!!!

  4. Moro em Londres desde 2008 e concordo 100%. Detesto janeiro!! Minha vida social é nula neste mês, so saio de casa pra trabalhar mesmo. O que me faz bem nas horas de desânimo total é pensar na viagem ao Brasil, que marco sempre pra fevereiro, justamente pra fugir do inverno daqui.

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui