Dinamarca – Casando no Reino

124
2592
Advertisement

Eu me apaixonei por um Viking. Por mais romântico que isso possa ser – acreditem, os dinamarqueses estão entre os homens mais bonitos, românticos, dedicados, carinhosos e fiéis do planeta – existe uma parte chata que a gente tem que cumprir caso queira continuar com o amor da gente em terras escandinavas.

Casamento é coisa séria. Pelo menos pra mim, é e sempre foi. Mais do que se comprometer com alguém, é estar ligado com alguém física, espiritual e legalmente falando. A parte do físico e espiritual, cada um tem a sua percepção – porém a parte legal acaba sendo igual para todos.

Na Dinamarca, para alguém se casar é preciso que tenha completado 24 anos. Casamentos de pessoas abaixo dessa idade são autorizados – a partir dos 18 anos – mas a pessoa estrangeira não consegue o visto para morar no país se um dos nubentes ou os dois tiverem menos de 24 anos. OK, eu estando com 33 e ele com 36, até aí tudo perfeito – se a lista de exigências parasse por aí… Não sendo uma cidadã europeia eu naturalmente não teria o direito de permanecer no país, salvo se com um visto de reunificação familiar. E para conseguir o visto, eu tinha que me casar. Mas para me casar, meu namorado tinha que me pedir em casamento – e foi o que ele fez, no dia 25 de novembro; ele não queria que eu fosse embora. E depois que eu disse ‘sim’, fomos nos informar a respeito do que era preciso.

A primeira coisa que alguém que quer casar com um dinamarquês deve fazer é pedir ao seu parceiro para se informar na municipalidade de sua residência (Kommune, em dinamarquês) sobre as exigências, que diferem de regiao para regiao. Para nós, aqui em Holstebro foi relativamente simples: eu tinha que apresentar uma ‘civilstandsattest’ ou declaração de estado civil, emitida no cartório no Brasil onde eu fui registrada, provando que eu era legalmente solteira e que não havia impedimentos para que eu me casasse. Essa declaração tinha que ser traduzida para o dinamarquês, inglês ou alemão e tivemos que apresentar a tradução juramentada junto com o documento original. Além disso, pediram meu passaporte e nada mais.  Meu noivo só precisou colocar o número do CPR dele (é a identidade daqui, que vale tanto como identidade quanto como CPF) e, de posse dos documentos, fomos até a prefeitura e marcamos a data do casamento civil.

Data marcada, fomos atrás do visto. Consultamos a ‘bíblia’ dos recém-chegados, estrangeiros e expatriados na Dinamarca: o website Ny i  Danmark (“novo na Dinamarca”, em tradução livre), para providenciar o que havia sido pedido para o visto de reunificação familiar. Tínhamos que fazer tudo relativamente rápido para não perder os prazos e evitar que eu ficasse ilegal.  Enquanto ainda estávamos providenciando a documentação no Brasil com minha família (e essa foi justamente a parte que demorou mais, pois o juiz que teria que assinar o documento estava de férias em dezembro e não tinha outro pra assinar no lugar dele, coisas de Brasil) fomos até a imigração para coletar o formulário que deveria ser preenchido e tirar dúvidas a respeito de prazos e documentos.

 

Foi muito importante a gente se adiantar nas informações e deixar tudo pronto antes de marcar a data do casamento, pois como a declaração de estado civil estava demorando a chegar do Brasil eu teria realmente pouco tempo para casar, dar entrada no visto e aguardar o parecer da imigração.  Foi um sufoco!

Minha mãe mandou por e-mail uma cópia do documento no início de Janeiro (assim que ela o conseguiu, dia 4) pra adiantar com a tradução. No dia 12 do mesmo mes,recebemos o original pelo correio e já tínhamos a tradução juramentada (que providenciei aqui mesmo na Dinamarca, com um dos tradutores indicados na lista do consulado brasileiro na internet).

Dali pra frente foi só correria: marcamos a data para 25 de janeiro, um dia depois do meu aniversário e coincidentemente, aniversário da cidade de onde eu vim, São Paulo. Comprei o vestido; encomendamos um buquê, um bolo de casamento e smørrebrød pra recepcionar os convidados em casa mesmo.

Foi tudo simples e bonito. A cerimônia em si é bem rápida, e durou uns 20 minutos no máximo.

A juíza de paz fez um discurso sobre o que é o casamento e como um casal deve se ajudar e se fortalecer mutuamente.

Quando marcamos a data, tivemos a opção de escolher entre uma cerimônia em inglês e uma cerimônia em dinamarquês. Eu escolhi em dinamarquês, por dois motivos: primeiro, por ser  a única pessoa não fluente em dinamarquês presente; segundo, que se eu quisesse começar uma vida neste novo país, que tinha que começar já a me habituar ao idioma.

A correria foi tanta que nem deu tempo de ter viagem de lua-de-mel…

Depois de casados, fomos novamente à imigração. Aqui na Dinamarca, nas cidades onde não há um escritório próprio da imigração você pode procurar a polícia para resolver questões referentes a este tema.

Os processos de concessão de visto funcionam assim: você apresenta a documentação exigida (no caso, a certidão de casamento, documentos dos cônjuges – no meu caso, passaporte e no caso dele, CPR); o formulário de solicitação de visto de reunificação familiar preenchido (é bom pedir para a polícia conferir antes, para ver se está tudo OK e se não falta nenhuma informação, ou se está tudo preenchido corretamente), seus dados biométricos coletados, uma foto, e o carimbo dado no seu passaporte.

Casamos dia 25 e demos entrada no visto no dia 29 – maior correria, pois meu último dia para poder ficar como turista na Dinamarca era 2 de fevereiro!

Mas no fim, deu tudo certo. Minha permissão de residência (opholdstilladelse em dinamarquês) foi emitida no início de abril e foi relativamente rápido. O prazo dado pela imigração para resposta sobre o pedido de visto de reunificação familiar é de 3 meses a contar da data da entrega dos documentos na imigração e pode ser tanto negativa quanto positiva.

Felizmente para nós, a minha resposta foi positiva, e além de positiva, super dentro dos prazos! Porém considero que tive sorte, pois conheço casos de brasileiras que estão aqui e casadas há mais de 8 meses, e ainda não obtiveram parecer.

Depois que a imigração ‘aprova’ uma pessoa, ela deve se registrar na municipalidade, para obter o seu próprio número de CPR e, dali pra frente, ser considerado pelo governo dinamarquês como um habitante do país.

Não vou estender sobre o porquê de não ser ainda cidadão, pois isso vai ser tema para outro dia…

A parte boa de casar na Dinamarca é que todas as informações estão disponíveis nos sites do governo, em inglês e dinamarquês, para quem não tiver preguiça de procurar. Também é um dos melhores lugares no mundo em termos de rapidez: com os documentos na mão, é só ir e marcar a data que você preferir, e as datas disponíveis são geralmente uma semana pra frente do dia em que você for com os documentos pra marcar.

Aqui a união homoafetiva é amparada por lei, e parceiros homossexuais têm os mesmos direitos e deveres que parceiros heterossexuais, inclusive podendo se casar na igreja.

A parte ruim é que você pode não conseguir o visto, mesmo se casando com um dinamarquês. Outra coisa ‘ruim’ é que, para sair do país e poder voltar, é preciso ter um cartão de residência para comprovar  que você está e mora legalmente no país. Sem esse cartão, dá para viajar, porém é preciso se precaver com as autoridades e pedir permissão para voltar, antes mesmo de sair.

124 Comentários

  1. Cristiane, obrigada pelo otimo texto contando sua trajetoria. Com certeza podera vir a ajudar muita gente que esteja na mesma situacao e nao saiba por onde comecar. 🙂 x

  2. Obrigada, Ann. Espero que as pessoas também achem o texto informativo e que possa ser útil aos que buscam informação sobre o assunto! Beijos

    • Oi Cristiane leme,eu gostaria de saber se o teste em dinamarquês é dificil?E em relação aos 50 mil kr de exigência de garantia,quando eu devo depositar?Depois do casamento?Obrigada.

      • Ana, o teste é relativamente simples, e nunca ouvi falar de pessoas reprovadas. É um teste que a pessoa tem que fazer em Copenhague, no máximo 6 meses após ter recebido o visto de reunificação familiar. Quanto ao depósito-garantia, ele é feito no banco após o casamento, para que a pessoa possa receber o CPR (que é a identificação de todo mundo aqui e funciona como RG, CPF e documento para usar os serviços públicos de saúde no país).

  3. Oi Cris!

    Achei super interessante sua matéria. Casamento entre nacionalidades distintas é um tema que gera muitas dúvidas: o que fazer, onde ir, que papéis pegar, etc. Eu, por exemplo, me casei com um espanhol, em Manila, no consulado da Espanha e o processo pelo qual passei foi mais tranqüilo que o processo que passou uma filipina que se casou com outro espanhol na mesma embaixada. Acho que tudo depende das nacionalidades envolvidas…

    E o certificado de estado civíl? Quando me pediram isso, quase disse “você acha que eu tenho ORGULHO de dizer que tenho quase 35 anos e continuo solteira?” 😉 Foi engraçado!

    Um beijo

  4. Só faltou eu dizer uma coisa a respeito do casamento entre estrangeiros e dinamarqueses. O governo pede, a título de segurança, um depósito de aproximadamente 22 mil reais (50.800 kr) que é o seguro de saúde, caso a pessoa precise utilizar hospitais ou necessite ir ao médico. É uma condição ‘sine qua non’ para obter o visto. Só hoje, lendo o texto da Christine, que lembrei que tinha ‘omitido’ esse detalhe…

    • Oi Cristina meu nome e Sonia e quero me casar na Dinamarca ,gostaria de saber quanto tempo leva pra marcar o casamento e se eu posso marcar por telf e ir so no dia de se casar ,desde ja Obrigado

      • Olá Sonia. Não é possível marcar casamento pelo telefone. É preciso ir pessoalmente à prefeitura e marcar, trazendo os documentos necessários. As regras e documentos são diferentes para casamento entre dois estrangeiros na Dinamarca e casamento entre um estrangeiro e um dinamarquês. Espero ter ajudado!

      • Oi
        Sonia , me ajuda, sou brasileira meu namorado alemao , wueros casar na
        Dinamarca para pulsr etapas, como fazer teste de idiomas , na alemanha exige, estou sprendendo agora, e preciso me casar, nao sou mais menina kkk 47 anos, vou aprender , mas preciso de tempo, e queremos casar para eu nao ter que voltar ao Brasil.
        Obtigada Meg

  5. Cristiane Leme, sou meio suspeita pra falar, pois ADORO os homens nordicos, e assino embaixo, “estão entre os homens mais bonitos, românticos, dedicados, carinhosos e fiéis do planeta”, meu marido é alemao, e faremos 20 anos de casados este ano, e estamos felizes juntos ha 22 anos. Trabalhando com Suecos e Finlandeses, tive muito contato com escandivos nos meus 15 anos trabalando com ambas as culturas citadas, e como trabalhava em uma industria de tecnologia, era um minoria como mulher, e so posso dizer, que prazer trabalhar com homens bem educados, inteligentes, cultos, dedicados, leais, respeitadores, responsaveis enfim “TUDO DE BOM”. Adorei o texto, sabe que quase me casei na Dinamarca, pois como era divorciada no Brasil, e na Alemanha o processo ficou quase que impossivel de se realizar no tempo necessario (a mesma correria devido a prazo pra tirar visto pra que eu nao caisse na ilegalidade), ficamos sabendo que na Dinamarca talvez o processo pudesse ser mais simples. No final nao deu certo, e acabamos nos casando no Brasil mesmo. Muito boa a sua informaçao, mas o “detalhe” do valor do deposito, foi muito importante a acrescentar, afinal tem que se ter este tipo de dinheiro de um dia pra outro, pra que seja possivel se casar! Parabens amei o texto!!!!!! Namasté!

  6. Adorei esse texto sobre suas experiências com o casamento. Ainda não li outros textos seus, mas assim que terminar de escrever isto eu lerei. Gostaria de saber se você poderia passar algumas dicas sobre os homens dinamarqueses, conheci eu pela internet e estou interessada nele, mas não sei como me aproximar direito.
    Não sei como os dinamarqueses são, principalmente na paquera, e o cara em questão é tímido.
    Adoraria saber como tentar conquista-lo.
    Agradeceria muito se você puder me ajudar.
    Grata
    Sarita

    • Oi Sarita!
      Geralmente os dinamarqueses são mais reservados que os brasileiros, mas acredito que vai muito mais da personalidade de cada um que da nacionalidade em si. Tente descobrir do que ele gosta, veja se vocês têm afinidades, dê tempo para as coisas acontecerem. Um jeito legal de ‘impressionar’ seu pretendente é aprender algumas palavras no idioma dele, aprender sobre algumas tradições do país… eles adoram quando um estrangeiro se interessa pela cultura deles! Recomendo meu texto sobre ‘Hygge’, aqui no BPM – o ‘hygge’ ilustra bem o modo de vida dinamarquês. No mais é contar com uma boa química entre vocês e sorte.
      Beijos!

  7. Me diz uma coisa, o documento foi enviado para você do Brasil, ele teve que ser legalizado junto a embaixada da Dinamarca antes de sair do Brasil para você ou foi direto?

    Desde já obrigada

    • Oi Jennifer, acredito que você esteja perguntando sobre a declaração de estado civil. Se for isso, o documento original veio pra mim do Brasil e eu pedi a tradução juramentada aqui na Dinamarca mesmo. Não precisa reconhecer na Embaixada, pois como ele tem que ser traduzido, o tradutor fará o reconhecimento do que for preciso junto aos órgãos competentes. Se precisar de dicas a respeito de tradutores juramentados, no site da Embaixada mesmo tem uma lista, cujo link se não me engano está no texto.
      (Nota da autora: Note que cada kommune tem um entendimento próprio. Pela nova lei dinamarquesa de 2013, a declaração de estado civil precisa conter o carimbo do Itamaraty, mas ainda há municipalidades que permitem o casamento sem que haja necessidade de envio do documento para Brasília. Informe-se sempre com a kommune onde pretende se casar.)
      Boa sorte pra você!

      • Boa noite Cris.
        Adorei seu blog e como você é atenciosa, mas talvez não possa responder ao meu comentário, mas tudo bem. Apesar do seu texto ser super explicativo eu ainda fiquei uma única dúvida; já consegui a segunda via dá certidão de nascimento, porém a declaração de estado civil precisa ser necessariamente feita no cartório onde fui registrada? Ou posso fazer isso em outra cidade? Não moro mais na cidade onde nasci porém no mesmo estado. Tem algum problema eu fazer no cartório de onde estou morando agora?
        Espero sinceramente que você possa me responder pois não existe na internet uma página tão explicativa como a tua.
        Muito obrigada

        • Oi xará. Obrigada pelos comentários gentis.
          Até onde sei é preciso ser no cartório onde você foi registrada, sim, pois é lá que consta o registro do seu estado civil, a menos que você tenha sido casada. Você pode solicitar o documento por procuração mas é um procedimento que desaconselho, já que os funcionários dos cartórios são bem desinformados e muitos até desconhecem esse documento e seu propósito. O ideal é fazer o documento você mesma e ir até o cartório com o documento pronto e duas testemunhas. O melhor mesmo é se informar sobre a possibilidade de obter o documento no cartório de sua residência – pergunte por lá.
          Espero que lhe ajudem!

          Abraços e continue nos acompanhando 🙂

  8. Ola Cristiane, gostaria de saber como vc obteve esse registro de estado civil, eu pretendo casar com minha namorada na dinamarca tb, mas meu cartorio no Brasil nao faz essa declaracao de estado civil, apenas faz uma segunda via da minha certidao de nascimento com meu estado civil, isso eh valido na dinamarca? se nao for como posso obter minha declaracao de estado civil se meu cartorio nao faz?
    Abrcos

    • Luiz, a gente já conversou por e-mail? Se não, por favor me passe seu e-mail. Posso mandar um modelo do documento que eu usei, assim você mostra pra eles o que precisa ser feito, isso geralmente ajuda a orientar os cartórios… Abraços

  9. Olá, Cristiane! Muito útéis suas informações. Com certeza você ajuda muita gente. Eu gostaria de sugerir um texto sobre como encontrar trabalho para brasileiros na Dinamarca. Tô perdidinha. Agradecida já pela resposta. Tenha uma ótima semana.

    • Oi Auricélia, obrigada por ler o blog! Eu escrevi uma matéria longa sobre trabalho na Dinamarca, a primeira parte já foi publicada. Dê uma passadinha por lá. Em breve virá a segunda parte da matéria, com dicas sobre onde procurar trabalho e como, mas eu altamente recomendo ler a primeira parte antes de esperar a segunda parte ser publicada. Há informações que serão muito úteis na sua preparação para o mercado dinamarquês e busca por um emprego. Abraços e continue lendo as matérias!

  10. Olá Cristiane,

    Meu namorado é dinamarquês e no momento estamos aqui no Brasil,porém ele precisa voltar em Agosto para a Dinamarca e eu irei com ele!!! Iremos nos casar lá ….mas estou em dúvida quanto as documentações,estou meio receosa de não dar tempo !!!Você poderia me ajudar em relação ao procedimentos necessários que devo fazer?
    abraços

    Julliana

    • estou a pouco tempo me correspondendo com um homem da dinamarca,ele me parece muito atencioso,nao sabe muito o portugues,e eu nao muito o ingles, conversamos muito por tradutor
      conheci em um site de relacionamentos
      gostaria de saber ,oque faço, como agir para conquista lo
      já que estou começando a gostar dele.agradeceria muito se podesse,me da essa dica querida,bjs

      • Oi Annete! Obrigada por ler o blog. Quanto à sua dúvida, é o tipo de pergunta que me coloca numa situação onde não sei muito bem como responder, porque cada pessoa é de um jeito e penso que não há uma ‘fórmula’ para conquistar um dinamarquês, na verdade, mesmo existindo um comportamento meio que homogêneo entre os dinamarqueses. Cada pessoa tem sua personalidade, seus gostos pessoais, seu mundo e generalizar é algo que eu prefiro evitar. O que eu aconselho a você é dar tempo para a relação crescer e principalmente, contenha a sua ansiedade. Sei que é difícil. A gente fica tão feliz e empolgada quando começa um relacionamento novo que esquece dos aspectos práticos, né? Pois bem. A comunicação é fundamental. No início o tradutor é uma mão na roda mas pode ser que com o tempo ele se torne cansativo. Imagine você querer ter uma conversa séria e ter que depender de tradutor eletrônico pra isso? É complicado e vou dizer bem honestamente, isso acaba desgastando os dois lados. Aconselho que ambos comecem a aprender palavras na língua do outro, isso vai aproximar vocês e vai criar um vínculo, uma coisa em comum, e pode ser bem bacana pro relacionamento! Além disso, o interesse pela cultura dele pode ser algo muito positivo: os dinamarqueses adoram quando alguém mostra interesse por aprender sobre o país deles, que é tão pequeno e muitas vezes, tão desconhecido pra nós. Ensine pra ele palavras em português e peça a ele que lhe ensine o significado em dinamarquês. Uma troca como essa é positiva para os dois. Tente segurar a onda da paixão pra evitar se decepcionar caso as coisas aconteçam de uma forma inesperada ou negativa; vá com calma, devagar: tudo a seu tempo. E mais pra frente, quando o relacionamento começar a tomar mais corpo, convide-o para uma visita ao Brasil, pra vocês terem contato físico, olho no olho, essas coisas que são tão importantes. Muitas vezes o que acontece é que a gente cria uma fantasia na nossa cabeça e quando se depara com a realidade a gente se decepciona, porque esperamos que a pessoa real seja aquela que idealizamos, o que nem sempre acontece. Pergunte sobre a vida dele, interesse-se pelo que ele fez e faz; conte sobre a sua vida, encontrem pontos em comum entre vocês. No mais é contar com uma boa química e sorte. Espero ter ajudado. Continue a ler o blog! Beijos

      • Oi Annete! Meu nome é Jane. Eu também conheci um dinamarquês através de um site de relacionamentos há 7 meses. Moro no Rio de Janeiro e ele trabalha aqui, de vez em quando, nos encontramos, mas sinto a necessidade de conhecê-lo mais e melhor.
        Se importa se trocarmos informações a respeito? Afinal, tudo começou através de um site de relacionamentos e estou muito atenta a tudo. Não podemos permitir nenhum tipo de enganação.
        Aguardo resposta.
        Desde já, muito obrigada!

  11. Olá, gostei muito do seu texto. Vou casar com um dinamarquês também e me pediram essa tal de declaração de estado civil. Fiquei na dúvida, porque no cartório eles oferecem dois tipos de declaração, a com 2 testemunhas que é mais cara e a sem testemunhas. Já ouvi falar que posso fazer isso pela internet e só levar ao cartório para autenticar, neste caso asiria mais barato ainda. Como você fez a sua?

    Abraços,

    Michele.

    • Olá Michele, e obrigada por ler o blog. A minha foi pedida no Brasil, diretamente no cartório, com duas testemunhas. Não sei quanto custou, pois minha mãe é que cuidou disso pra mim no Brasil – eu já estava na Dinamarca quando decidimos nos casar. Desejo que dê tudo certo pra vocês e boa sorte no seu casamento! Caso tenha outras dúvidas, pode entrar em contato. Continue lendo o blog e sabendo mais sobre como é a vida aqui na Dinamarca!
      Beijos

  12. hola Cristiane, fui casada na dinamarca, agora estou divorciada há 4 anos, tenho o divorcio feito na Espanha. Meu atual namorado é danes e prentendemos nos casar no mes de Julho . Quais os procedimentos e documentos necessarios para casar outra vez na dinmarca? Desde já obrigada . agardo resposta

    • Cristina, primeiro aconselho entrar em contato com a prefeitura da cidade onde vocês vão se casar, para verificar quais documentos são solicitados, pois como eu disse no texto os documentos podem variar de municipalidade para municipalidade. É importante ter a averbação do seu divórcio em mãos e providenciar uma tradução do documento para um dos três idiomas aceitos por aqui: inglês, alemão ou dinamarquês. Peça ao seu noivo que telefone ou vá pessoalmente à Rådhus (prefeitura) do município onde vocês pretendem se casar e se informe lá sobre os documentos e datas para o casamento de vocês. Boa sorte, felicidades e continue nos acompanhando no blog! Abraços

      • Obrigada Cristiane. Outra duvida que tenho, a averbaçao tem que ser feito onde foi feito o divorcio no caso na Espanha? Obrigada

        • Acredito que a averbação deve ser ratificada (confirmada) também na Dinamarca, para obter validade legal. Novamente aconselho falar com seu noivo e pedir a ele que se informe a respeito na municipalidade onde vão se casar, visto que cada município pode pedir documentos diferentes. Abraços e boa sorte 🙂

          • Gente… volta e meia eu recebo mensagens de gente querendo saber sobre o modelo da declaração de estado civil. Por favor usem o modelo que está nesse site: http://www.portalconsular.mre.gov.br/outros-servicos/declaracao . Podem preencher em casa e levar ao cartório, junto com as duas testemunhas, para reconhecimento de firma. Há uma nova lei desde o ano passado que determina que as declarações sejam reconhecidas no Itamaraty, porém nem todas as municipalidades colocam essa exigência. Informem-se bem na municipalidade onde vocês vão se casar e boa sorte a todos!

  13. Cristiane muito obrigada pelo blog. Achei de grande importância que criou este meio para nos ajudar.
    Estou me mudando para Dinamarca com minha filha e estava perdida em relaçao a varias informaçoes, mas depois de encontrar seu blog tudo ficou mais facil. Muito obrigada, abraço e muita luz para você!!!

    • Renata, como expliquei nos comentários não me foi exigido selo do Itamaraty, primeiro porque quando me casei não era obrigatório e segundo porque na cidade onde me casei não se exige tal reconhecimento. Espero ter esclarecido sua dúvida. Abraços e continue seguindo o BPM! 🙂

  14. Hej Cristiane! Uma amiga me indicou o BPM depois que eu falei que conheci um Viking 🙂 Daí pra eu ler seus textos até quase decorar foi um pulo! Estou indo à Dinamarca em dezembro conhecer o país e a família do meu namorado. Falamos muito em casar, por isso hoje solicitei a certidão de estado civil. mas ainda tenho muitas dúvidas. Lendo alguns posts agora, me assustei quando vi a palavra Itamaraty! rsrsrs O meu namorado está muito preocupado comigo por causa do clima. Moro em Pernambuco e nem imagino o que venha a ser uma temperatura com menos de 18ºC, que aliás, só conheço por causa do ar condicionado. rsrs Será que nós podemos conversar um pouco mais? Você poderia me dar seu email? Agradeço desde já.
    Tak! Hej hej! 🙂

  15. Cristiane,
    o visto de reunião familiar tem que ser submetido no Brasil ou dá pra ser submetido aí na Dinamarca? Será que dá pra esperar pela resposta com visto de turista?

    • Elvis, obrigada por comentar. Se você ler de novo com calma o meu texto vai perceber que eu fiz tudo estando na Dinamarca. Esperei pela resposta referente à permissão temporária de residência por reunificação familiar aqui mesmo no país. Vocês só têm que fazer isso dentro dos 90 dias a que tem direito a estar legalmente no país como turista e espera na Dinamarca mesmo a decisão da imigração, mesmo após os 90 dias de turista, caso tenha feito tudo dentro dos prazos. Só não pode permanecer no país se quiser dar entrada na reunificação familiar após o prazo legal de 90 dias. Para quaisquer outras dúvidas, estou ao seu dispor pelo Facebook. Boa sorte pra vocês!

  16. Eu já não tive a felicidade de me casar com um dinamarques como você descreveu…. Eu me casei em 2012 no Brasil antes de vir para Dinamarca, quando chegou aqui foi só fazer a tradução juramentada dos papéis e levar na embaixada. Foi mais fácil assim. Mas agora quero me divorciar, sei que terei que voltar para p Brasil, mas a minha convivência com meu esposo ficou impossível, acredito que conviver com ele é pior do que voltar para o Brasil.
    Caso você saiba como e quem devo procurar para fazer o divórcio, eu fico muito grata.

  17. Oi Cristiane. Você teve algum problema no aeroporto quando entrou com visto de turista? Vou agora no meio do ano para dar entrada nos papéis de reunificação familiar mas tenho receio de ser parado na imigração e pegarem no meu pé (ainda mais que a entrada é pela Alemanha). A passagem é apenas de ida e vou levar um comprovante bancário para mostrar meios ($) de comprar a passagem de volta caso o visto seja negado. Já ouviu falar de alguém que teve problema? O que você acha que devo dizer na imigração? Que vou ver minha namorada como turista ou já falo de cara que é reunificação familiar?

    • Paulo, eu não tive problema nenhum porque fiz tudo como se deve. Você simplesmente não pode entrar com passagem só de ida num país para o qual você não tem visto de residência – você será deportado de volta para o Brasil se o fizer, porque isso é ilegal. Não tente bancar o esperto para economizar que você pode se dar mal. Conheço bem o aeroporto de Frankfurt e lá eles são bem rigorosos. Meu conselho pra você é: compre a passagem de ida e volta e caso as coisas deem certo e você venha a se casar e pedir o visto de residência temporária por reunificação familiar, aí sim você pode acionar a Lufthansa e pedir reembolso de parte da passagem. Eles não reembolsam 100% mas há a possibilidade de conseguir recuperar uma porcentagem do valor. Consulte as regras da companhia aérea para se certificar. Para passar tranquilo pela imigração, você vai precisar, além da passagem de ida e volta e passaporte válido e com data de validade dentro das novas normas internacionais, de uma carta convite da sua namorada, escrita em inglês – pode ser enviada por e-mail e impressa. Nessa carta precisa constar o nome completo dela, endereço, telefone e a confirmação de que ela está te convidando a passar 90 dias, ficando hospedado na casa dela. É também importante ter o seguro saúde obrigatório para viagens internacionais e garantia em dinheiro ou cartão de crédito comprovando que você tem meios para se manter durante a estadia. O visto de reunificação familiar na Dinamarca pode ser solicitado em duas circunstâncias: caso as partes tenham residido em endereço comum por mais de um ano, com comprovação por documentos, ou em caso de matrimônio e um dos nubentes ser estrangeiro e desejar viver na Dinamarca. Leia tudo sobre vistos no site wwww.nyidanmark.dk/en-us. Em hipótese alguma embarque com passagem só de ida.
      Boa sorte pra você!

      • Estou amando esse blog, desculpe por comentar tudo de uma vez. rsrs
        Essa tbm é a minha maior preocupação: O QUE DIZER NA IMIGRAÇÃO? Que venho à turismo? Que vou visitar meu namorado? Que vou me casar?
        O que vocês disseram?
        Abraços

  18. Hoje recebi uma dúvida por e-mail e vou deixar aqui a pergunta e a resposta. Por conta disso, suprimi o meu endereço de e-mail dos comentários. Por favor, se você tem uma dúvida, deixe aqui e tentarei responder da melhor forma que eu puder.

    Pergunta:
    Bom dia! Tenho uma duvida: Se uma brasileira casa-se com um dinamarques para conseguir o visto europeu, quanto tempo ela teria que estar casada para solicitar o visto e depois a separação???

    Resposta:
    Que tipo de pergunta é essa? Eu fico me perguntando, que tipo de pessoa é capaz desse tipo de manobra sórdida para conseguir um visto? Os brasileiros precisam parar de pensar em alternativas como essa para melhorar de vida… Desculpe pelo desabafo, mas esse é justamente o tipo de pergunta que odeio responder, porque vai totalmente contra os meus princípios de vida e do país onde vivo, esse tipo de comportamento sórdido de pensar em casamento como um negócio. Casamento é coisa séria e deve ser tratado como tal.

    Para os espertinhos de plantão, uma notícia desagradável. Quem solicita o visto para a Dinamarca por reunificação familiar baseada em casamento com cidadão dinamarquês tem que primeiro provar que merece o seu visto. Pra começar, pode até acontecer que a pessoa se case e NÃO consiga o visto para morar no país, por diversos motivos. Aqui não tem ‘festa do caqui’, nem ‘jeitinho’, e ainda bem. A imigração vai investigar a relação do casal, se é verdadeira, legítima e recíproca antes de emitir o visto, que no início é temporário. Depois que a pessoa consegue o visto, ela tem que assinar um contrato com o governo dinamarquês se comprometendo a se integrar à sociedade, aprendendo o idioma e se esforçando para arrumar um emprego. O primeiro visto é dado para dois anos, renovável se a pessoa cumprir o que assinou no contrato. A partir de 5 anos de Dinamarca, caso já tenha emprego ou tenha estudado no país em nível superior e já esteja atuando em sua área por pelo menos 3 anos, a pessoa estrangeira tem direito a pedir a residência permanente no país. E quem se casa e se divorcia em pouco tempo ou sem filhos perde automaticamente o visto temporário de residência, a menos que haja um motivo muito forte para a pessoa permanecer no país. Normalmente, quem se divorcia tem que voltar para seu país de origem, caso não tenha atendido os requisitos perante a lei.

    A pessoa que casa por interesse apenas no visto só vai se frustrar – e isso em qualquer lugar do mundo. É melhor se esforçar para estudar e melhorar de vida no país onde se está, antes de querer bancar o espertinho no país alheio, onde existem regras que são rigidamente respeitadas.
    Perdoe a franqueza mas desejo nunca mais ter que responder esse tipo de pergunta. Fiquei realmente ofendida com o pensamento absurdo de que alguém deseje se casar apenas por um visto…

    • Concordo plenamente! Atitudes como essa acabam tornando o processo mais rígido e dificultando para aqueles que tem verdadeiro interesse em viver com seu parceiro.

  19. Cristiane bom dia! Me caso em 12/12 e gostariamos de passar nossa lua de mel na Dinamarca, nos ajude? Quais dicas locais para hospedagem, locais que deveremos visitar? O preco das coisas da alimentação etc Agradeço

    • Olá Valeria e Nei. Que tipo de experiência vocês querem? A Dinamarca, apesar de ser um país pequeno, tem muito a oferecer, porém é preciso saber o interesse de vocês. Querem ver coisas modernas? Querem praia? Querem romance? Querem história? Querem cultura? Sabendo essas informações poderei lhes orientar melhor. Preparem os bolsos porque a Escandinávia em geral é muito cara, incluindo a Dinamarca. Hospedagem, comida e diversão custam e quase não há eventos gratuitos. Sem saber o seu budget e o estilo de viagem que desejam fazer fica realmente difícil dar uma orientação.

    • Anne, eu não sei se entendi bem a sua pergunta. O que você quis dizer com ‘legalizar’?
      Casamentos realizados na Dinamarca são válidos no Brasil e vice-versa e, portanto, não precisa legalizar nada, pois se trata de um ato civil legal e reconhecido por lei em ambos países. Caso opte por morar no Brasil tendo se casado na Dinamarca é preciso fazer o registro do casamento junto à embaixada do Brasil em Copenhague ou junto ao consulado dinamarquês mais próximo no Brasil. Caso opte por se casar na Dinamarca e morar no país, o registro é facultativo.

  20. Olá Cristiane!
    Exatamente hoje, descobri o seu blog através de pesquisas na internet sobre relacionamentos com estrangeiros. Realmente sua história é linda e super interessante, estou bastante empolgada, pois encontrei em você o apoio que tanto preciso…, SEU BLOG É MUITO IMPORTANTE!!!
    Estou namorando um dinamarquês há 6 meses, ele trabalha com embarcação aqui no Brasil/Rio de Janeiro e estamos com planos para o futuro. Marcamos para o início de setembro para ele vir em minha casa conhecer meus pais e em dezembro, ainda este ano, será a minha vez de conhecer os pais dele na Dinamarca e também minha primeira viagem internacional.
    Hoje, minha mãe perguntou se estou certa de ter um filho no país dele, caso futuramente o relacionamento chegue ao fim, posso perder a guarda da criança.
    Como é a lei na Dinamarca para este caso?
    Aguardo resposta.
    Desde já, muito obrigada e forte abraço!

    • Olá Jane e obrigada por ler e pelos elogios!
      A questão de ter ou não filhos é algo que vai depender muito da relação entre vocês. Geralmente a lei favorece a guarda compartilhada nos casos de separação amigável – a criança deve morar com um dos genitores e passar um fim de semana com o outro a cada 15 dias, ou conforme o acordo entre o casal. Mas se me permite, será que ainda não é muito cedo para pensar em filhos e separação se não há nem mesmo uma certeza de casamento, que dirá de uma mudança para outro país? Não se precipite colocando o carro na frente dos bois: deixe que as coisas tomem seu rumo. Entendo a preocupação e acredito ser importante saber como funciona o país em termos de leis, mas penso que é preciso dar tempo ao tempo e deixar que tudo flua dentro do seu curso natural, não é mesmo?
      Existem casos na Escandinávia e países nórdicos de mulheres estrangeiras que perderam a guarda dos seus filhos por N motivos diferentes: cada caso é um caso e eu me abstenho de tomar partido por quem quer que seja sem conhecimento de causa. Muitas mulheres estrangeiras se esquecem de que estão num país com leis e cultura diferentes das sua terra natal e acabam pecando por choque cultural. Por exemplo, na Dinamarca existem mecanismos de proteção à criança e ao adolescente que podem ser acionados pelas próprias crianças em caso de perigo. A chamada palmada corretiva, tão comum para muitos brasileiros em sua infância, por aqui é crime e pode levar à perda da guarda. É bom ficar atenta às diferenças culturais em primeiro lugar.
      Espero ter respondido sua pergunta satisfatoriamente e se tiver outras dúvidas, por favor, escreva!
      Abraços e continue acompanhando tudo sobre a Dinamarca aqui no blog! 🙂

      • Oi Cristiane!
        Muito obrigada e desculpe pela demora na resposta!
        Realmente, eu busco estar sempre atenta em tudo, inclusive, às diferenças culturais. Neste caso, estou buscando o CONHECIMENTO em sua amplitude (positivo e negativo) e é exatamente isso que encontrei no seu blog, informações diversificadas, completas e detalhadas, você está sendo uma grande aliada e amiga, compartilhando todas as informações que possui.
        Tem situações que dependemos do tempo para receber alguma resposta e, quando é negativa, é inevitável não sentir tristeza e decepção, principalmente, após envolvimento sentimental com homens brasileiros e com a situação no Brasil.
        Como é difícil encontrar um homem realmente interessado e capaz de fazer uma mulher feliz…
        Eu achei a personalidade do homem dinamarquês muito interessante e encantadora, através do artigo que você publicou e pelo o que vivenciei. Tenho consciência que o artigo publicado não é uma regra ou que está no DNA de todos eles, infelizmente…
        Conforme expliquei à você na primeira publicação que fiz, estava tudo certo para meu namorado conhecer meus pais no início deste mês de setembro, mas parece que ele sumiu…
        No dia 03, dia do desembarque do navio que trabalha, ele disse que recebeu uma ligação de sua mãe pedindo para voltar imediatamente devido a internação de seu pai, desde sábado – ele sofre com Mau de Parkinson. Enviei uma mensagem pelo WhatsApp perguntando detalhes sobre o estado de saúde do pai, fiquei muito preocupada também, mas não recebi resposta, imaginei o quanto ele deveria estar aflito com a situação e achei melhor esperar ele chegar lá. No dia 04 à noite, vi que ele entrou no WhatsApp mas, minhas mensagens continuavam com sinal apagado, indicando que não foram lidas, imaginei algum problema de transmissão com o aplicativo e enviei um SMS, logo fui respondida! Ele pediu desculpas por não ter enviado mensagens devido o grande estresse que estava enfrentando, mas que no dia seguinte, enviaria notícias e encerrou a mensagem com beijos e abraços. O sábado chegou, esperei o dia inteiro e não recebi nada. No domingo à noite, enviei outra mensagem demostrando preocupação, continuo sem receber nada. Não é a primeira vez que ele precisa prestar assistência para o pai dele, mesmo após nos conhecermos, a comunicação sempre foi contínua. Notei que o WhatsApp é visto por ele todos os dias, de manhã e à noite, mas minhas mensagens continuam do mesmo jeito, indicando que não foram lidas ou então, desconfio que houve alguma configuração…
        Cristiane, desculpe estar contando tudo isso à você, mas não tenho com quem conversar, as poucas amigas que sabem, estão ocupadas com seus parceiros e família, estamos em um feriado prolongado. Também percebi uma leve reprovação devido o meio que nos conhecemos (site de relacionamentos) e a minha mãe foi a pessoa que reprovou de imediato, assim que ouviu a palavra “INTERNET”. Se, por algum momento, eu percebesse algo negativo nele, jamais contaria para alguém, principalmente para minha mãe, logo teria me afastado do sujeito.
        Estou com a sensação de estar sendo enganada, mais uma vez.
        Nosso relacionamento era muito agradável, sempre tivemos muita sintonia. Ele estava super empolgado e dizia ter muita sorte de ter me encontrado, nossa comunicação é ampla, justamente pela preocupação que ele tinha de perder o contato comigo, devido os perigos de assalto aqui no Rio de Janeiro e também, falhas de comunicação com o WhatsApp.
        Como eu gostaria que vocês se conhecessem para aliviar essa sensação que estou sentindo…
        Estou cansada de ser forte e persistente, a resposta que sempre encontro é o fracasso acompanhado pela tristeza e enganação.
        Não sei mais o que fazer diante desta situação: Continuar esperando ou deixar de lado? Tenho certeza que não aconteceu nada de pior com o pai dele, do contrário, sua irmã não estaria usando o Facebook durante todos esses dias.
        Cristiane, estou me esforçando muito para raciocinar e não cometer nenhum ato de injustiça, até por pensamento, referente a ele. Jamais vou fazer com os outros o que eu não quero receber para minha vida. A compreensão, humanismo, respeito, lealdade fazem parte da minha vida.
        O que pensar, como proceder em um momento como este? Estou desnorteada…
        Desde já, muito obrigada por ler esse texto.
        Um forte abraço!

    • Olá Micaela, obrigada por comentar! Pode fazer suas perguntas por aqui mesmo que eu respondo o mais breve possível. Devido a questões de privacidade, prefiro usar somente esse canal para responder às dúvidas dos leitores, espero que compreenda! Abraços

  21. Oi Cristiane. Ameeei seu blog, tao bom ver historia diferentes e felizes. Eu e meu “viking” estamos querendo casar, mas minha duvida é: como é essa declaração de solteira? Porque nos apresentamos a certidão de inteiro teor e uma declaração publica atestada por 2 testemunhas e eles não aceitaram. Você poderia esclarecer melhor como seria esse documento? Grata.

    • Olá Thais. Eu publiquei o modelo aqui nos comentários. Por favor dê uma lida. Eu coloquei o link para o documento que é o recomendado pelo Itamaraty e aceito pelas autoridades dinamarquesas.
      Continue nos acompanhando para saber mais sobre a Dinamarca 🙂

  22. Cristiane ,sou cazada com alemao cazei na dinamarca eu estou com uma duvida mas nao sei se vc pode men ajudar ,seguinte minha amiga falou que eu tenho que enviar minha certidão de casamento para o cunsulado alemao na dinamarca para validar, voce acha que tenho mesmo ?

    • Até onde é do meu conhecimento os casamentos realizados na Dinamarca são reconhecidos como oficiais e válidos tanto no Brasil quanto na Alemanha. Você só deve registrar o seu casamento em repartição consular caso vá morar no Brasil, caso contrário é perfeitamente desnecessário.

  23. Olá Cris , sempre linda a história que bom que tudo deu certo. Estou com o mesmo dilema e afição terei que ir embora em dezembro se não me casar. Onde encontro cartórios para celebrar o casamento em Copenhague? Desde de já agradeço.

    Att.,

    Glauciana Morello

    • Glauciana, obrigada por ler e comentar!
      Você e seu noivo devem procurar a prefeitura local (rådhus) para prosseguir com os trâmites do casamento. Lá vocês serão orientados a respeito dos documentos necessários. A obrigatoriedade de apresentação de certos documentos e autenticações varia de comuna para comuna, portanto o melhor é procurar a comuna de Copenhague ou do distrito mais próximo para solicitar as informações e apresentar os documentos requeridos de acordo com a especificação deles. Leia também as respostas que dei aqui nos comentários para tirar mais dúvidas sobre documentos como a declaração de estado civil, por exemplo, que é obrigatória em todo o país.
      Continue nos seguindo para saber mais sobre a Dinamarca! 🙂
      Abraços

  24. Olá Cristiane, o meu irmão é Brasileiro e vai casar-se com uma Dinamarquesa. , eles solicitaram a certidão de solteiro e de nascimento traduzida mas foram autenticar no consulado da Dinamarca em Salvador e eles disserem que lá eles não fazem este serviço que tem de se enviar para Brasilia. A sua certidão foi autenticada onde? Se puder ajudar me neste tópico agradeço. Meu email é [email protected] Com

    • Marcela, obrigada por seu comentário. Eu respondo somente pelo blog, então vou deixar aqui a resposta. A minha declaração não precisou de autenticação/registro no Itamaraty, porque isso varia de comuna pra comuna. Não sei em qual municipalidade ele vai se casar mas se for em Copenhague, diga a ele para procurar a prefeitura de Frederiksberg que lá talvez não precise desse selo do Itamaraty. Em todo caso, a lei oficial é de que a declaração de estado civil seja registrada no Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty) em Brasília. Esse serviço pode ser feito por procuração, caso não tenha como se deslocar até lá.

  25. Ola boa noite, gostei demais de sua pagina. O meu caso é que eu estou conhecendo um dinarmaques pela internet falamos todos os dias ele parece ser educado cavalheiro e apaixonado ja vi alguns dos familiares pelo Skype e virs e versa, faz ja 6 meses que conversamos ele n pode vir aqui e me convidou para passar uns dia la. O que preciso fazer?No caso ele so manda o bilhete ida e volta ja q n precisa d visto. So tenho essas duvidas apesar que nao sei se vou mesmo meu ingles ainda é de iniciante rsrs tenho medo de chegar num pais e me perder. Queria que ele viesse aqui seria melhor pra mim. Mas estou orando e deixando o senhor tempo mostrar as coisas. Obg beijos.

    • Olá Carol e que bom saber que o conteúdo do blog tem sido útil pra você.
      Meu conselho é sempre esperar que a pessoa com quem você se corresponde venha para o Brasil, principalmente se você nunca saiu do país. É possível visitar a Dinamarca por até 90 dias como turista sem precisar de visto, já que o país tem acordo com o Brasil nesse sentido. O ideal seria descobrir que motivo é esse que o impede de vir até o Brasil. Ele é muito mais velho que você?
      Aconselho também dar uma lida no meu texto que fala sobre os perigos que um relacionamento online pode trazer: http://www.brasileiraspelomundo.com/dinamarca-quando-o-sonho-vira-pesadelo-o-que-fazer-351013915 – precaução nunca é demais e por mais que a gente confie e acredite em alguém, é bom estar preparado para tudo, não é mesmo?
      Boa sorte pra você.

  26. Bom Dia Cristiane!
    Eu gostei muito de seu blog e estou meia perdida,estou casada com um dinamarques no papel ainda quero o divorcio pois hoje moro na Paris,como devo fazer? tem 3 anos que estamos separados por favor me ajuda pq tenho que fazer outro passaporte e ja tenho outra pessoa na minha vida e queremos casar em breve! Muito Obrigado

    Andrea Petersen

    • Olá Andrea e obrigada por ler e comentar. Sugiro que procure um advogado na Dinamarca para cuidar do seu divórcio, caso tenha se casado no país. Há leis específicas sobre divórcio na Dinamarca. Consulte um especialista que poderá lhe ajudar. Se você souber falar dinamarquês eu posso mandar alguns links para consultar essas leis. Lembre-se de que para se casar no exterior alguns países exigem a averbação do divórcio para poder aceitar o trâmite de um novo casamento.

  27. Bom dia!
    Obrigado por me responder, eu casei na Dinamarca eu falo somente Inglês e estou mais de 5 anos fora da dinamarca, eu agora moro na França,o que eu fazo.Obrigado

    • O que você faz? Fale primeiro com seu ex-marido, de quem você está separada, e diga pra ele que quer o divórcio. Daí você procura um advogado na Dinamarca pra te ajudar com os trâmites. Eu não sou advogada e não posso lhe ajudar mais que isso, desculpe.
      Lembre-se que para casar de novo você terá que esperar a averbação do divórcio e que se o casamento tiver sido registrado no consulado brasileiro, você também terá que entrar em contato com eles para regularizar a situação. Veja também se o seu visto não está atrelado ao casamento, pois caso esteja, você pode perder o direito de morar na Europa – mas outra vez, é melhor falar com um advogado especialista que poderá lhe ajudar muito melhor do que eu.

  28. É verdade que se eu me casar com um dinamarquês ele terá que pagar um seguro ao governo dinamarquês no valor de 53000dk ?E se o meu noivo não tiver esse valor eu terei que deixar o país e o meu casamento não valerá? Estou cheia de dúvidas e triste também, o que faço? Esse valor tem que ser pago a vista e qual o prazo para pagar?Gostaria de uma ajuda para entender isso,obrigada.

    • Olá, Selma, e obrigada por ler e comentar. Sim, é verdade, é preciso pagar esse seguro ao governo dinamarquês. Isso acontece para garantir a você direito ao seguro social dinamarquês, pois como estrangeira recém-chegada ao país você não teve ainda a oportunidade de recolher imposto de renda e, assim, colaborar com o sistema de bem-estar social local. Há diversas maneiras de se obter um empréstimo no banco ou com financeiras para aqueles que não têm o valor em espécie disponível. O valor tem que ser pago à vista mas caso tenha sido feito um empréstimo, o empréstimo pode ser pago em parcelas. O valor é pago no momento em que você, estrangeira e solicitante do visto por reunificação familiar recebe notificação da prefeitura e da imigração de que o seu processo foi aprovado. Caso a pessoa com quem você vai se casar tenha filhos menores de 18 anos e seja responsável por eles ou se tiver uma doença grave, é possível pedir isenção desse pagamento. No site http://www.nyidanmark.dk há uma explicação completa a respeito, leia aqui em inglês: https://www.nyidanmark.dk/en-us/coming_to_dk/familyreunification/spouses/collateral-requirement/collateral_requirement.htm

      Espero ter respondido claramente à sua dúvida. Abraços e continue nos acompanhando!

  29. dinamarquesas podem casar e ter filhos com estrangeiros e o governo ajuda ? acho que estou mais perto de seu desejo de saber onde achei algo sobre o governo ajudar estrangeiros a se casar …… enviei a voce alguns sites que chegaram perto do que voce perguntou a mim . e fiz esta pesquisa ” dinamarquesas podem casar e ter filhos com estrangeiros e o governo ajuda ? ” e vi o SEU SITE 2 vezes !!!!!! nao ha o desejo de lhe dar aborrecimentos . como ja lhe informei , gosto de seu site e partilho entre meus amigos de face ( uns 244 ) .

    eu me formei em turismo , apanhei muito aqui no brasil , com salarios baixos , mesmo sabendo o basico de ingles e frances . tive alegria quando li no portal R7 , , sobre ajuda de governo a dinamarquesas a terem filhos .

    pelo amor que tem a seu emprego, marido , nos ajude…. ha no brasil…. ações que …sao extremamente más…. muuuuuito se roubou e se rouba dos cofres publicos e os poderosos querem decidir que nao havera mais concursos , nao mais aumentos de salario , plano de demissao voluntaria e o famosa cpmf ( imposto para a saude , que nao foi `saude e foi eliminado e agora querem criar de novo e acho , que desta vez, vai ser , permanente )

    me perdoe por algo de passado ou presente , precisamos entrar em alguma nação , o mais urgentemente possivel ,

    luiz camacho ( belem – para – brasil )

    • Luiz, por diversas vezes você tem me perguntado a mesma coisa e por diversas vezes tenho respondido sempre o mesmo, o que me deixa com uma dúvida: será que o problema, aqui, é falta de interpretação de texto ou leitura seletiva? Não sei. O que sei é que vou tentar explicar, mais uma vez, de forma bem didática para tentar sanar a sua dúvida de uma vez por todas.
      Não existe nenhum – eu disse NENHUM – programa do governo incentivando dinamarquesas a casar com estrangeiros. Não existe nenhuma campanha do governo incentivando ou dando dinheiro pra dinamarquesas terem filhos com estrangeiros. Dinamarquesas que queiram podem se casar com estrangeiros, sim, mas não é nada fácil para elas, já que pela lei daqui elas precisam PAGAR para o governo para que a parte estrangeira – no caso, o marido – possa ter direito de residência na Dinamarca.

      O que existe, então?

      Há uns três ou quatro anos atrás a taxa de natalidade na Dinamarca estava baixa, porém de 2014 pra cá aconteceu um chamado baby boom, que é o nascimento de muitas crianças num período. Aproveitando-se desse dado, uma agência de viagens, a Spies, fez uma propaganda a respeito, dizendo o seguinte: os dinamarqueses tendem a fazer mais sexo durante o período de férias, quando estão viajando fora da Dinamarca. Então eles criaram um slogan, “Do it for Denmark”, incentivando os casais a viajarem mais, para fazerem mais sexo e, assim, gerarem bebês para repopular a Dinamarca e aumentar a taxa de natalidade. Essa propaganda está disponível ainda no YouTube, se quiser ver.

      Existe, contudo, uma constatação em pesquisa de que há muitos homens dinamarqueses com problemas na qualidade de seu esperma. E como as mulheres por aqui tendem a engravidar mais tarde, elas também podem encontrar problemas para engravidar naturalmente. Sendo assim, o governo oferece ajuda no tratamento para planejamento familiar quando um casal quer ter filhos mas não consegue pelos meios naturais, porém não existe de forma alguma isso de o governo favorecer estrangeiros ou mesmo incentivar estrangeiros a virem para a Dinamarca casar com dinamarquesas para ter filhos com elas, não; essa ajuda que o governo oferece é somente para casais que já moram aqui legalmente, sejam os dois dinamarqueses ou seja uma das partes estrangeira. Então, meu amigo, tire de uma vez da cabeça essa ilusão de que há a possibilidade de o governo dinamarquês ajudar você ou qualquer outro estrangeiro a vir pra cá e se casar e ter filhos com uma dinamarquesa para, assim, morar no país de forma fácil. Sinto desapontá-lo. Aliás, eu gostaria muito de ler a fonte da sua informação, já que você afirma isso tão categoricamente, mesmo tendo ouvido todas as minhas explicações a respeito e nunca vi nada a respeito nem na mídia daqui, nem na do Brasil.

      A Dinamarca está se tornando um dos países mais fechados do mundo em relação à imigração. Viver aqui não é fácil e conseguir o visto pra viver aqui não é fácil, também, não. Portanto, se o seu sonho é sair do Brasil para tentar a vida em outro país, recomendo que pense em algo mais perto daí, ou onde a imigração seja menos exigente. Não sei indicar se existem países onde a imigração seja menos exigente porém devido a acordos bilaterais, os países do Mercosul podem ser uma boa alternativa para brasileiros.
      Para se mudar de país, planeje-se. Descarte essa ideia de ‘precisamos entrar em alguma nação o mais urgentemente possível’, primeiro porque você já está em uma, que é o Brasil, e segundo, porque mudar de país requer planejamento, aprendizagem de um novo idioma, adaptação ao choque cultural que é mudar pra outra cultura totalmente diferente da nossa, enfim… Tem que pesar tudo isso. Imediatismo e desespero só levam a atitudes desencontradas e decepção.
      Espero que agora tenha esclarecido de uma vez por todas que o governo dinamarquês não paga, não favorece, não dá visto fácil e nem promove a vinda de estrangeiros para se casarem com dinamarquesas e terem filhos. Aliás, ter filho com uma dinamarquesa não dá nem garantia de visto.

      Abraços

  30. Gostaria de informação eu casei no kommune horsens fará um mes continuo com meu nome de solteira vc sabe como faço para acrescenta sobre nome dele no meu como funciona o processo ele disse que preenche formulario cpr eles trocam automaticamente mas eu li que o consulado brasileiro faz registro de casamento mas não troca o nome.e se so com registro de casamento posso me matricula na escola estuda dinamarquês agradeço sua resposta fica com Deus

    • Jane, para trocar o nome na Dinamarca é fácil, porém mudar seu nome aqui sem mudar antes no Brasil pode causar problemas para você na emissão dos documentos no Brasil, por isso se recomenda que se faça a troca do nome no Brasil primeiro, para depois fazer aqui. Assim se evita problemas na hora de emitir um passaporte, por exemplo, com nome de casada. Para acrescentar o sobrenome de casada você precisa fazer o processo no Brasil. Não tem como fazer pela embaixada, tem que ser pessoalmente num cartório de registro civil localizado no Brasil. Depois disso você só precisa fazer a alteração dos documentos dinamarqueses, procurando a igreja mais próxima na cidade onde mora na Dinamarca.
      Para se matricular na escola de dinamarquês você só precisa ter recebido o seu cartão de residência, que é um cartão rosa constando a validade e tipo do seu visto, e seu CPR, e não é preciso registrar seu casamento na embaixada para isso. Se você já tiver esses documentos é só se dirigir ao sprogcenter mais próximo da sua municipalidade para fazer a avaliação de nível e matrícula. Só registre seu casamento na embaixada se tiver intenção de morar no Brasil.

  31. Olá, meu nome é Eduardo e também tenho o meu viking nórdico rs.
    Me casei há um mês na Dinamarca e o que percebemos é que varia muito dependendo da localidade.
    Nós moramos em Luxemburgo e queriamos oficializar a união, até mesmo pq eu precisava um de visto de permanência no país. Aqui há uma fila de espera de pelo menos 3 meses e me pediram até a certidão de nascimento da minha avó (exagero). Me deram uma relação de documentos enorme e um tempo muito longo tendo em vis ta que eu estava com visto de turista e não queria ficar ilegal esperando.
    Foi aí que uma amiga nos indicou a Dinamarca. Como o Kenneth é de lá talvez fosse maia fácil. E realmente foi! Fomos par abrir uma ilha no sul chamada Ærø (Aeroe). Chegamos em um dia e fizemos o registro no cartório, apenas com os nosso passaportes e a comprovação que eu estava legal na Europa, agendamos e casamos o dia seguinte. Super easy!
    Mas se atentem pq aa exigências variam de cada Kommuna da Dinamarca.

    • Oi Eduardo, muito obrigada por seu comentário e pelas relevantes observações. Realmente a lista de documentos solicitados varia de kommune pra kommune.
      Felicidades pra você e o Kenneth <3
      Abraços

    • Oi, Eduardo, estava pensando em me casar em Aeros tbm! Pode me ajudar?
      – Essa comprovação de que vc estava legal na Europa seria o carimbo de entrada no passaporte? Ou o que?
      – Vc não precisou mandar os documentos por email antes de se regisrar no cartório?
      – Quanto tempo demorou todo o processo?

      Já te agraço a atenção,
      Até mais, felicidades!!

    • Konichiwa Emilia, que bom que achou um tempinho pra vir aqui me visitar virtualmente!
      Espero que esteja tudo bem aí no Japão e que os artesanatos estejam indo de vento em popa.
      Beijos veranis com uma brisinha de mar da Dinamarca :*

  32. Olá Cristiane, adorei ler sua história e saber que aqui pude saber de várias questões pertinentes ao casamento com dinamarqueses, uma vez que minha mãe se casará com um dinamarquês em Kolding na próxima sexta-feira (24/6/16). Eu ajudei a ela enviando as certidões deviamente reconhecidas e juramentadas e ela e o Niels deram entrada dia 20/6.

    Não deixei de ter algumas dúvidas, que talvez, você possa nos auxiliar com sua experiência.

    Referente a prova de dinamarquês em 6 meses após o recebimento do CPR, vi que é para nível A1 e você mencionou não ser difícil e não ter conhecido ninguém que tenha reprovado. Mas minha mãe tem 60 anos e o inglês dela é bastante básico. Minha pergunta é se o governo tem alguns incentivos culturais para a língua, que ela pudesse fazer gratuitamente um curso intensivo do dinamarquês e inglês, antes do período da prova. Se tiver também algumas indicações de sites, ferramentas online, serão muito bem vindas. 🙂

    Outra dúvida que surgiu também, seria referente a cidadania. Ela somente poderia aplicar, após os 5 anos da residência ? (2 anos + renovação 3 anos) Ou a cidadania dinamarquesa é transmitida pela jus sangüínea?

    Por fim, como ambos estão na Dinamarca, na entrada do processo após a realização do casamento, li no site que você indicou da imigração (portal oficial para foreigners), que os formulários 1 e 2 (FA1a e FA1b) devem ser submetidos juntos, onde no caso, a aplicante seria minha mãe como solicitante para residência permanente através de reunificação familiar. Entendi que no formulário FA1a minha mãe será a aplicante, mas confesso que estou em dúvida se no segundo formulário (FA1b), se seria ela ou Niels, pois quando menciona os attachments à Dinamarca, bem como informações sobre ajuda de custo do governo pelos últimos 3 anos, me parecem informações do dinamarquês e não da aplicante.

    Aguardo ansiosamente seu retorno. (:

    • Marina, obrigada por ler e comentar.
      A prova de conhecimentos em dinamarquês é aplicada depois de 6 meses que a pessoa recebeu o visto de residência. O curso de dinamarquês e integração existe e é oferecido gratuitamente para as pessoas que possuam alguns tipos de visto, como o visto por reunificação familiar, como será o caso da sua mãe. Sua mãe poderá se matricular no Sprogcenter mais próximo de onde vai morar, assim que tiver recebido o visto, e terá 6 meses para estudar para a tal prova. Passar nessa prova dá direito a recuperar parte do valor do seguro caução pago pelo nubente dinamarquês quando o visto está aprovado. Essa informação, bem como o valor atualizado do seguro, está no http://www.nyidanmark.com, e é possível acessá-lo em inglês.
      Escrevi um texto sobre como falar dinamarquês aqui no blog, onde indico vários links e sites para se aprender o idioma pela Internet, e peço que por favor consulte-o para referência. O visto de residência é temporário, sendo que a primeira concessão é de 2 anos (dependendo da validade do passaporte dela no ato da emissão do visto), podendo ser renovada a cada dois anos enquanto ela morar no país, for casada e não tiver preenchido os requisitos necessários para solicitar o visto permanente. O visto permanente é concedido, em média, quando a pessoa completa 5 anos morando na Dinamarca, porém atendendo os requisitos necessários como por ex. ter trabalhado em período integral nos últimos 3 anos, ter completado os estudos em dinamarquês num determinado nível, não ter dívida pública (com o governo) etc.

      A Dinamarca é um dos países que mais tem apertado o cerco da migração. Conseguir o visto já pode ser problemático e difícil em alguns casos, e para um estrangeiro, filho de estrangeiros e sem nenhum vínculo anterior com o país se tornar cidadão dinamarquês é quase uma luta, pois há uma série de requisitos a preencher. A pessoa só pode solicitar a cidadania mediante critérios bastante rígidos, sendo o primeiro que a pessoa tem que ter visto permanente para morar no país, tendo morado no país há pelo menos 9 anos e trabalhado em período integral, recolhendo impostos, por no mínimo 5 anos antes de fazer o pedido. Há também a exigência de que se fale dinamarquês em nível B1 – a pessoa tem que ter passado na prova que se chama DU3 ou equivalente – e há uma prova de conhecimentos gerais, onde a pessoa tem que acertar 32 de 40 questões para poder se tornar cidadão local. A questão da cidadania via jus sanguinis também é complicada por aqui. Escreverei a respeito no futuro mas caso queira consultar as diferentes formas de se obter cidadania dinamarquesa, o link é esse: http://uibm.dk/arbejdsomrader/statsborgerskab/in-english

      Quanto ao formulário mencionado, a parte A é preenchida pela parte estrangeira e a parte B, pela parte dinamarquesa.

      Espero ter esclarecido suas dúvidas. Leia os demais textos sobre a Dinamarca para se informar melhor a respeito de questões referentes a trabalho, saúde, custo de vida, cultura e outros aspectos interessantes, e volte a comentar sempre que desejar 🙂

      Abraços estivais e felicidades à sua mãe e ao Niels <3

  33. Olá,
    A minha dúvida é sobre o direito de quem é casado(a) com um dinamarquês poder estudar sem precisar pagar por isso. Vi no site da Universidade de Arnhus que quem tem visto temporário com possibilidade de conseguir o visto permanente está isento de pagamento para cursar o mestrado, por exemplo. Gostaria de saber se eu casar com meu namorado posso em seguida me inscrever pro mestrado ou preciso de um tempo para me inscrever? Com o meu visto de reunificação familiar posso conseguir bolsas de estudos pro mestrado ou, novamente, preciso esperar estar apta a me inscrever para bolsas?

    Muito Obrigada

    • Olá. Recebi os dois comentários.
      A informação está correta, porém antes de tudo é preciso obedecer ao prazo mínimo de dois anos de casada para poder acessar esse direito. Também vai depender do regime do seu casamento, se é pela lei da Dinamarca ou CE.
      Em suma, primeiro você precisa se casar e conseguir o visto temporário. Para conseguir o visto há requisitos a serem atendidos, como passar no teste de dinamarquês em nível A1 depois de seis meses da obtenção da permissão de residência.
      A Universidade de Aarhus poderá explicar a você os procedimentos para ingresso em seus cursos nestas condições.

      • Olá, obrigada pela resposta.
        Gostaria de saber quanto tempo preciso esperar para trabalhar na Dinamarca depois de casada. Estou super em dúvida sobre isso.

        • Olá. Obrigada por ler e comentar.
          Assim que o seu visto for emitido você terá o direito de trabalhar legalmente na Dinamarca. A parte difícil é conseguir o emprego sem falar o idioma.
          Consulte meus textos sobre trabalho e o texto da Camila, minha colega que mora em Copenhague.
          Em geral, os vistos de reunificação familiar têm sido emitidos com uma média de 3 a 10 meses após a data de solicitação, estando tudo nos conformes.

  34. Oi Cris. Minha dúvida é um pouquinho diferente. Meu partner é British ele esta querendo ir morar na Dinamarca. Sendo europeu em quanto tempo vc acha que sai o CPR dele?
    Eu poderia casar com ele na dinamarca com meu visto de turista?
    Talvez vc ache estranho a gente se casar na dinamarca uma vez que eu poderia casar em Uk. O problema é que ele tem uma ex que realmente nao nos deixaria em paz. Entaum seria viavel se mudar de país.
    Fico na espera de sua resposta
    Cris tb. : )

    • Olá. Obrigada por ler e comentar.
      Seu parceiro deve ler as regras no Ny i Danmark, pois a regra que vale para ele é da Comunidade Europeia, já que por enquanto a Grã-Bretanha ainda faz parte. O CPR é um número que é emitido com o visto e o fato de ser europeu não necessariamente facilita as coisas nesse sentido. Atualmente a imigração dinamarquesa tem demorado a processar os casos de vistos e por conta disso os documentos são emitidos em prazos que variam de 5 meses (prazo mínimo oficial) a um ano. É impossível prever com exatidão.
      A Dinamarca é um conhecido lugar para turistas se casarem, devido à pouca burocracia e rapidez do processo. É possível vocês se casarem aqui estando na condição de turistas. Sugiro que escolham uma cidade e consultem a prefeitura local para informações sobre documentos a serem apresentados e taxas a pagar, já que varia de municipalidade para municipalidade. É importante que ele tenha os documentos de averbação do divórcio no país de origem dele (se é que foi casado previamente).

      Espero ter respondido com clareza às suas dúvidas.
      Continue nos acompanhando 🙂

  35. Ah, tão bom quando alguém explica tudo passo a passo! rs Obrigada pelas informações. Duas perguntinhas rápidas:
    1. Vcs tiveram que apresentar comprovante de residência?
    2.. Vcs entregaram os documentos para análise pessoalmente? Pelo que pesquisei, nas outras Kommunes os documentos são enviados por email, depois de um mês mais ou menos eles marcam uma data para o casal se registrar e agendar o casamento dali três dias (ou algumas semanas, no caso de Copenhagen). Vcs não precisaram fazer isso, então?
    Abraço e felicidades!

    • Olá e obrigada por comentar.
      Eu me casei na municipalidade onde o meu na época namorado já tinha residência fixa. Eu me casei com um dinamarquês. O comprovante de residência pode ser exigido no caso de um dos cônjuges ser dinamarquês ou se for estrangeiro residindo legalmente na Dinamarca ou em outro país europeu. As regras são um pouco diferentes no caso de dois estrangeiros não residentes na Dinamarca se casando no país. Por desconhecer a sua situação, fica difícil dar uma instrução correta, mas pelo que entendi o seu caso é esse, então é melhor se informar na municipalidade onde o casamento será celebrado. Em geral, no caso de casamento entre estrangeiros não residentes a regra é enviar tudo por e-mail e vir uma semana antes para agendar, apresentando os originais. É necessário ter duas testemunhas. Em algumas cidades como Tønder a própria municipalidade pode arranjar as testemunhas.
      Acredito ter esclarecido suas dúvidas. Espero que continue nos acompanhando pelo blogue!

  36. Olá Cristiane.moro em Bruxelas tenho passaporte português. Sou solteiro tenho minha namorada no Brasil. estou querendo casar na Dinamarca mas viver aqui na Bélgica e possível comuna em Bruxelas aceita a certidão de casamento daí. .obrigada

    • Vanderlan, sugiro procurar informações na sua comuna. Não sei informar sobre a lei vigente na Bélgica, desculpe. Tanto a Dinamarca quanto a Bélgica fazem parte da Comunidade Europeia e em geral os casamentos celebrados num dos países do grupo é aceito nos demais, porém aconselho confirmar com as autoridades belgas a respeito.
      Boa sorte.

  37. Oi cris tudo estive lendo seu texto e me chamou a atenção pois estou indo viajar em abril para dinamarka pra casar.então a minha duvida é minha documentação ela tem que passar pela embaixada da dinamarka em Brasília ou coisa assim pois ja estou com minha documentação para ser traduzida . E tanbém si é necessario um advogado ? Aguardo sua resposta obrigado beijos!.

    • Olá. A documentação tem que passar pelo Ministério das Relações Exteriores, não por repartição consular. Porém eu aconselho a perguntar no município (kommune) onde vai ser celebrado o casamento se essa é uma exigência pra eles, pois varia de kommune pra kommune. Não precisa de advogado pra nada, não.
      Boa sorte com seus planos e continué nos acompanhando!

      • Sim ,entendo minhas apostillas estão com as dois carimbos da harai do brasil certo .meu noivo me falou que eles querem apenas isso .mas ainda sim fiquei preucupada com essa coisa de Itamarati até porque moro bem longe de Brasília e não saberia como fazer pra adquerir esse selo do Itamaraty.confesso que estou realmente preocupada cris mas espero em deus que dê tudo certo .obrigada por me ajudar e continuarei acompanhado.

  38. Olá cria você poderia me informar ou me endicar onde séria mais fácil para nós casarmos onde não necessitam dessa exigência pois não tenho tanto tempo o Itamaraty me enformou que eles me mandam a documentação legalizada embum mês e viajo em abril exatamente dia 9 .

    • Andrea, eu não sei dizer. Não conheço os procedimentos de todas as municipalidades daqui. Você vai morar na Dinamarca após o casamento? Se sim, é interessante ver as exigências da cidade onde vai morar. Você pode viajar para a Dinamarca sem a documentação e pedir para alguém lhe enviar quando estiver pronta. Brasileiros podem ficar no país sem visto por até 90 dias. Peça para a pessoa com quem vai se casar para ajudar a encontrar as informações.
      Abraços e boa sorte.

  39. Oi obrigado cris mais uma vez por me responder agradeço muito. Como ja viajo em 9 de abril vou nós pretendemos casar exatamente nesse periodo que o governo da de 90 dias assim espero em deus que de tudo certo ,mas eu não tinha pensando nessa dica que vc me deu realmente dar certo assim minha familia pode mandar pra mim . Nesse caso muito cris mais uma vez estarei acompando vc beijos .

    • Domenica, se você souber inglês pode tentar um dos diversos sites de relacionamentos internacionais disponíveis na Internet. Os dinamarqueses gostam e estão acostumados com mulheres que tomam a frente na paquera.
      Boa sorte!

  40. Oi Cristiane,
    Já tentei me relacionar por sites, mas os que entrei haviam muitos perfis fake e os rapazes eram muito novos também. Conhece algum site bacana pra indicar? Muito obrigada pela sua atenção, to amando os seus textos. 🙂 s2

    • Eu recomendo evitar sites como Badoo, se sua intenção é um relacionamento sério. Claro que há exceções mas via de regra, a maioria dos homens que estão no Badoo procura somente passatempo e diversão. Relacionamento pela Internet é sempre uma caixinha de surpresas, então deixe o desconfiômetro sempre ligado e corte a comunicação se suspeitar de algo ou caso a pessoa tenha comportamentos estranhos. Tente um aplicativo chamado Are You Interested? (tinha no Facebook, não sei se ainda tem) ou sites como o Brazilcupid ou Par Perfeito, onde volta e meia aparecem estrangeiros. Na Dinamarca há diversos sites de relacionamento, porém é preciso se comunicar em dinamarquês para conseguir entender as informações para o cadastro.
      Boa sorte!

  41. Olá,, não achei muitas informações no link que voce postou em ingles sobre separação, poderia me ajudar? Eu e minha esposa moramos em Dublin, mas casamos na Dinarmaca, vc sabe como funciona o processo de separação. Os dois sao brasileiros, eu tenho passaporte italiano. Obrigado e fico no aguardo, se souber um link, já ajuda muito.

    • Tomaz, para se separar basta estar de comum acordo com a outra parte e dar entrada no processo, na mesma kommune onde o casamento foi celebrado. As informações estão disponíveis apenas em dinamarquês no Statsforvaltningen. Se os dois decidirem se separar em comum acordo, o processo é simples e bastante rápido. Se for apenas uma das partes que deseja se separar, precisa ver se se encaixa num dos motivos permitindo a separação: infidelidade, morar em casas separadas há mais de 2 anos, a outra parte ter cometido ato de violência contra você ou os filhos do casal, bigamia ou envio dos filhos ao exterior sem conhecimento e autorização, aí é feita uma separação de corpos por 6 meses (se o casal ainda viver junto) e depois desse período, o pedido de separação é homologado após audiência conciliatória. É cobrada uma taxa de 420 coroas como custas de processo.

      Se o seu casamento for homologado em repartição consular, é preciso pedir o divórcio também no Brasil.

      Link com as informações em dinamarquês: http://www.statsforvaltningen.dk/site.aspx?p=6012

  42. Adorei seu blog, homens como eles estão escassos no mundo de hoje, onde os jogos de interesses prevalecem em primeiro lugar. Sonho um dia conhecer esse país maravilhoso e quem sabe encontrar uma pessoa especial.

    Beijos

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui