Escócia – Estudar em uma universidade: Parte 1

16
7025
University of Edinburgh
Advertisement

Quem pretende estudar no exterior muitas vezes se vê perdido em meio a tantas informações e diferenças em sistemas educacionais. Hoje explico os diferentes níveis e formatos de curso superior na Escócia.

Graduação

Os cursos de graduação na Escócia têm duração de 4 anos e o estudante recebe o título de Bachelor (bacharelado). Em algumas áreas, como Engenharia, e dependendo da universidade, há a opção de fazer um estudo mais avançado de 5 anos e sair com o título de Master (mestrado), como o Master of Engineering (MEng).
Uma característica dos cursos de graduação escoceses é a flexibilidade. Há as cadeiras obrigatórias do programa e as demais podem ser escolhidas conforme o interesse do estudante.

Em geral, estudantes brasileiros que desejam fazer a graduação na Escócia precisam antes completar um Foundation Year, um curso para quem não estudou no sistema britânico de ensino médio. Ao final desse ano básico, o estudante costuma progredir já para o segundo ano da universidade, o que mantém a duração total do curso em 4 anos.

Cada universidade tem uma oferta diferente de Foundation. Algumas oferecem seu curso próprio, outras aceitam os Foundations feitos em outras instituições, e outras acabam não aceitando estudantes estrangeiros por não terem nenhuma destas opções. Também há diferenças e restrições para certas áreas de estudo, principalmente Medicina. O ideal é conferir as opções de cada universidade.

Quem não pretende fazer o curso inteiro pode optar por fazer somente uma parte, normalmente entre 6 meses e 1 ano, conhecida como Study Abroad. Novamente, cada universidade tem regras e ofertas diferentes. Geralmente o estudante recebe os créditos das aulas que fez durante o período, mas dependerá da universidade brasileira a decisão de revalidá-los. O Ciência sem Fronteiras oferece bolsas para estudantes que desejam vir nesta modalidade, em áreas prioritárias.

PGDip/PGCert

O Postgraduate Diploma e o Postgraduate Certificate são títulos de pós-graduação equivalentes a uma especialização. Devido ao Mestrado ter somente um ano (mais detalhes abaixo), esta acaba sendo uma opção mais popular do que os PGDips e PGCerts, que são em um nível inferior. Eles têm menos créditos que um mestrado e são mais curtos. Estudantes matriculados em mestrado que não completem todos os créditos exigidos podem receber o PGDip ou o PGCert no seu lugar.

University of Aberdeen (crédito: https://www.facebook.com/ScotlandPastAndPresent)
University of Aberdeen (crédito: https://www.facebook.com/ScotlandPastAndPresent)

Mestrado

O mestrado na Escócia tem duas modalidades. Os Taught Masters (MSc, MBA, MLitt, LLM, etc) são programas de 1 ano de duração, sendo geralmente 9 meses de curso seguidos de 3 meses de projeto final, que pode ser uma dissertação e/ou um projeto prático. São altamente focados em uma área e flexíveis no sentido do estudante poder escolher seguir para o mercado ou para um doutorado.

Os Research Masters são os programas de mestrado de pesquisa. Duram entre 1 (MRes) e 2 anos (MPhil) e exigem uma tese no final. Os estudantes que escolhem esta modalidade podem optar por começar neste nível e, tendo um bom aproveitamento, progredir para o doutorado.

University of Glasgow
University of Glasgow (crédito: www.instagram.com/uniglasgow)

Doutorado

Para quem busca pesquisa acadêmica, o doutorado (PhD) tem duração de 3 anos em geral. Na Escócia é comum o doutorado direto, ou seja, um estudante pode ser aceito no doutorado tendo somente o diploma de graduação, algo raro (porém existente) no Brasil. Os estudantes que tenham um currículo um pouco abaixo do ideal para um doutorado podem ser orientados a iniciar com um MRes e depois progredir para o PhD.

University of Strathclyde, Glasgow
University of Strathclyde, Glasgow (crédito: Rodrigo Gaspar)

Notas

O sistema de notas também é diferente do brasileiro. Na graduação as notas são estruturadas em:

. First-class honours (1st)
. Second-class honours, upper division (2:1)
. Second-class honours, lower division (2:2)
. Third-class honours (3rd)
. Ordinary degree (pass)

E na pós-graduação:

. Distinction (70+)
. Merit (60-69)
. Pass (50-59)
. Fail (0-49)

A equivalência com as notas brasileiras varia de universidade para universidade. Há um órgão do governo britânico responsável pela análise de títulos internacionais e suas equivalências ao sistema do Reino Unido, chamado NARIC, mas ele serve apenas como referência. As universidades podem definir sua própria equivalência de notas.

University of St Andrews (crédito: Dalinda Perez Alvarez)
University of St Andrews (crédito: Dalinda Perez Alvarez)

Há uma diferença entre o Reino Unido e o Brasil que é importante. Aqui os estudantes não pensam que é fundamental apenas passar no curso, mas sim obter o título mais alto, pois ele é muito valorizado nas seleções das universidades e também pelos empregadores. Um título como o First-Class Honours ou o Distinction aumenta muito as chances de um candidato a emprego e as notas são elementos muitas vezes obrigatórios nos formulários para vagas no mercado. Um estudante com um título mais alto também fica na frente para tentar bolsas de estudo.
Já ouvi de muitos brasileiros que o sistema britânico é “mais fácil” e percebi que isso acontece com estudantes que estão acostumados a apenas passar no curso, sem perceber que aqui “passar” não é considerado suficiente.

University of Stirling (crédito: https://instagram.com/adam_a10/)
University of Stirling (crédito: https://instagram.com/adam_a10/)

Bolsas

Uma das perguntas mais feitas por estudantes brasileiros é sobre a oferta de bolsas. Bolsas de estudo no Reino Unido, diferente do Brasil, são geralmente parciais, ou seja, apenas um desconto na tuition fee ou uma ajuda de custo para manutenção. Portanto, quando ouvir falar de scholarships, leia com atenção a descrição das mesmas, para não se surpreender com a cobrança do valor que não é coberto pela bolsa.

University of Dundee (crédito: Felipe Madureira)
University of Dundee (crédito: Felipe Madureira)

Visto

O visto vai depender da duração do seu programa. O mais comum para estudantes internacionais é o Tier 4. Por determinação das regras de imigração do Reino Unido, estudantes não europeus só podem cursar programas em período integral (full-time).

Neste texto eu usei muito as palavras “geralmente” ou “normalmente” por um motivo: são informações gerais, mas cada universidade tem suas regras e requisitos. Portanto, fica a dica mais importante: converse com a universidade, pergunte tudo. Elas devem ser seu primeiro ponto de contato para tudo relativo ao seu curso e ao visto que você precisa e têm equipes especializadas para trabalhar com estudantes internacionais, então não tenha vergonha de perguntar!

Para conhecer mais sobre as universidades escocesas, o Study in Scotland é uma boa referência.

Agradecimento especial ao meu amigo Rodrigo Gaspar pela revisão.

16 Comentários

  1. muito bom Post

    Ola Daniela eu estou fazendo o meu curso de INGLES em Londres e quando terminar pretendo mudar-me para Escocia e pretendo ter mais informações sobre como fazer para ingressasar numa universidade ai, quanto custa e o que é necessário ou seja toda informação possivel!!

    obrigado
    [email protected]

    • Olá Afonso, a primeira coisa a se fazer é decidir pela universidade e pelo curso que você deseja. Recomendo pesquisar as universidades e ler com cuidado a descrição dos cursos para escolher o que é melhor para você. O Study in Scotland (link no texto acima) tem os perfis e os links de cada universidade no país, é uma boa fonte de informação.
      No segundo texto que escrevi sobre universidades eu explico como se inscrever geralmente para uma universidade na Escócia – http://www.brasileiraspelomundo.com/escocia-estudar-em-uma-universidade-parte-2-491416590. O valor dos cursos varia, você pode conferir no site das instituições. Todas elas têm em seus sites páginas dedicadas a estudantes internacionais, onde você encontra informações relevantes como requisitos de entrada, nível exigido de proficência em inglês, vistos, serviços de apoio, etc. Algumas inclusive têm páginas dedicadas exclusivamente a estudantes do Brasil.
      Espero ter ajudado!
      Obrigada pelo comentário!
      Daniela

    • Oi Camila, recomendo contatar diretamente as universidades, já que a estrutura de cursos de cada uma pode variar um pouco, assim como os requerimentos para ingresso.

  2. Boa tarde Daniela. O passo a passo para entrar na universidade seria: procurar o curso de foundation antes de fazer a application pela ucas? Ou se a própria universidade já oferece o curso se faz a inscrição pra foundation year e uni ao mesmo tempo através da ucas?

    • Boa tarde Sofia! Você deve checar diretamente com a universidade, não só porque a oferta e o modo de inscrição variam, mas porque você deve checar também se o curso de foundation que você escolher será aceito pela universidade em que você deseja estudar. As universidades não aceitam qualquer curso de qualquer instituição. Em muitos casos elas têm parcerias com determinadas escolas ou colleges e somente aceitarão o foundation oferecido por eles. Portanto minha recomendação é você entrar em contato diretamente com o International Office da universidade de sua escolha.
      Obrigada pela visita e boa sorte em sua busca!

    • Oi Nicolly,
      Há diferentes fatores a considerar. Se você quer uma avaliação mais geral, pode utilizar os rankings gerais, como o QS World Universities, o Times Higher Education e o Guardian University Guide, os mais utilizados aqui no UK.
      Vale a pena checar as universidades que têm força na área em que você busca. Estes citados acima têm rankings por área também.
      Outros fatores que podem ser levados em consideração dependendo do que você quer são a excelência em pesquisa (para este há o ranking Leiden e o REF), satisfação dos estudantes e taxa de empregabilidade dos formados, por exemplo.
      Como cada ranking e avaliação obedece a critérios diferentes, eu sugiro consultar mais de um para melhor formar sua opinião.
      Boa sorte!

  3. Oi Daniela, tudo bem?

    Fui aceito para um PhD na University of Glasgow agora, porém, recebi uma unfunded offer, e estou com medo de não conseguir um financiamento a tempo. Gostaria de te perguntar uma coisa: os estudantes de PhD na Escócia recebem algum salário mesmo não tendo sido aprovados em nenhuma scholarship? Porque eu países como a França os estudantes de PhD são vistos como trabalhadores da universidade e por isso recebem um salário, e por isso queria saber. Se eu for receber um salário ainda tenho alguma esperança.

    Muito obrigado.

    • Oi Anderson, primeiramente parabéns pela oferta! A universidade é excelente!
      Não, quem vem para um doutorado geralmente não recebe salário e é categorizado como estudante, não como trabalhador. Tanto que se você entra no país, receberá o visto de estudante, geralmente é o Tier 4.

      Os estudantes que recebem algum tipo de apoio financeiro para manutenção são os que têm uma bolsa que cubra estes gastos, seja por já ser incluída no projeto (funded offer), ou por terem conseguido com algum órgão externo.

      Os únicos vistos como trabalhadores são os que conseguem uma vaga como research assistant – alguns projetos dentro do programa Marie Sklodowska-Curie da UE por exemplo oferecem estas vagas.

      Se a oferta é unfunded, significa que não há nenhum tipo de bolsa envolvida no projeto e você deve custear ou buscar formas de apoio por conta própria.

      Obrigada pela visita e boa sorte!

      Daniela

  4. Oi, Daniela! Tudo bom? Muito obrigada pelo post!
    Você saberia me dizer quais são as bolsas disponíveis para fazer uma graduação na Universidade de Edimburgo? Parece que todas as bolsas para brasileiros que encontrei no site são somente para o mestrado… Será que a Universidade de Edimburgo oferece bolsa de graduação para estudantes brasileiros?
    Muito obrigada,

    Isabela!

    • Oi Isabela, tudo bem e com você?
      Eu realmente não sei te dizer, cada universidade tem uma oferta de bolsas diferente e o melhor jeito de saber a respeito delas é entrando em contato diretamente com o International Office.
      No UK em geral as bolsas para estudantes internacionais em nível de graduação são mais raras mesmo do que para pós.
      Obrigada pela visita!
      Daniela

    • Olá Wiliane!
      A Daniela Madureira parou de colaborar conosco, mas temos outras colunistas na Escócia.
      Você pode entrar em contato com elas deixando um comentário em um dos textos publicados mais recentemente no site.
      Obrigada,
      Edição BPM

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.