EUA – Mestrado e doutorado nos Estados Unidos: perguntas frequentes

27
1365
Graduation Cap and Diploma on White with Soft Shadow.
Advertisement

Fico muito feliz que tantas pessoas ainda me procurem com perguntas sobre estudar nos EUA meses após a publicação do meu passo-a-passo para fazer pós-graduação com tudo pago aqui. Fiz uma coletânea das mais frequentes para ajudar a esclarecer o assunto!

1) Paula, o seu dinheiro vem de uma bolsa de estudo?

Não. Não tenho nenhuma bolsa (fellowship), o que eu tenho é, dependendo do semestre, uma Graduate Teaching Assistantship (GTA), ou uma Graduate Research Assistantship (GRA). GTA é um salário que o departamento de microbiologia me paga para dar aula, já GRA é um salário que meu orientador me paga para fazer pesquisa sem dar aula. Independentemente do tipo de salário, ele é sempre garantido, todo os meses.

2) Não precisa de uma bolsa para fazer pós-graduação no exterior?

Não. Na verdade, nos EUA, pouquíssimas pessoas têm uma bolsa – ao contrário do Brasil, onde quase todo estudante tem uma. Aqui o dinheiro que você recebe para fazer pós-graduação é quase sempre uma assistantship. Bolsas do governo americano existem, mas são praticamente exclusivas para cidadãos americanos.

Graduation Cap and Diploma on White with Soft Shadow.
Fonte: https://ucf.collegiatelink.net/organization/bswsa/calendar/details/370386

3) Como faço para conseguir uma GTA ou GRA?

Não há inscrição específica para essas assistantships. Basta você se inscrever em programas que garantam apoio financeiro e ser aceito que você vai ganhar esse salário. Nem todos os programas vão oferecer assistantships, e você vai ter que entrar no site de cada um deles procurando por essa informação (que pode aparecer assim), ou então mandar um e-mail para o departamento perguntando.

4) Como faço para encontrar programas de pós-graduação ou orientador(a)?

Vai ser uma trabalheira de semanas de busca na internet. Jogue no GoogleUSA graduate programs in (sua área)”. Eu uso muito este site. Use o Google Scholar ou o Pubmed para buscar artigos científicos em temas que você gostaria de estudar, e então procure autores no Google – eles são potenciais orientadores. A comunidade científica ama o Twitter. Encontre um professor no Twitter e você encontrará uma rede inteira deles.

5) Devo contatar uma possível orientadora? Elas respondem e-mail?

Deve sim. Contudo, saiba que nem todos os programas requerem um orientador já arranjado de antemão. No meu programa ninguém entra com orientador estabelecido. Fazemos rotações em 3 ou 4 laboratórios no primeiro semestre de doutorado, e depois essa decisão é acertada entre aluno e professor.

É sempre legal contatar uma possível futura orientadora – de repente a pessoa já se interessa e avisa o comitê de admissão que há interesse em você. Eu estava insegura se tinha chances de passar e mandei e-mail para diversas professoras mostrando meu currículo, dizendo que eu tinha interesse na sua pesquisa e perguntando se elas achavam que eu deveria me inscrever. Foi muito positivo!

Contate professores com um e-mail formal mostrando interesse na pessoa, conhecimento da sua pesquisa, com seu CV já em anexo, e inglês impecável. Quase sempre responderão seu e-mail sim, ainda mais se você for bem educado e demonstrar muito interesse. A pessoa se sente lisonjeada.

6) Minha área não é ciência, tecnologia, engenharias ou matemática. Tem alguma diferença no processo?

Não. Pessoal da filosofia, letras, direito, etc, todos vocês passam pelo mesmo processo de TOEFL, GRE e inscrições, e vocês também tem GRAs e GTAs.

7) Quero mestrado e não doutorado. O processo é o mesmo?

À exceção de engenharias, veterinária, nutrição e outras poucas áreas, mestrados são relativamente incomuns aqui. O pessoal sai da graduação e entra no doutorado direto. Se você quer mestrado em uma área que só oferece doutorado, faça o mestrado no Brasil e venha para o doutorado nos EUA – o que, aliás, fortalece o seu currículo. Se você é de alguma área em que mestrados são mais comuns, saiba que o processo é o mesmo, mas é mais difícil encontrar um programa que pague o seu salário.

8) Qual é a chance real de um brasileiro conseguir pós-graduação nos EUA desta forma?

Muito grande. Já tem muitos brasileiros aqui – muitos com bolsas do Brasil, e muitos sem vínculo nenhum com o Brasil, com GTAs ou GRAs da universidade americana, assim como eu. Só não tem mais brasileiros aqui porque esta informação de que não precisa-se de uma bolsa para estudar com tudo pago aqui não é muito divulgada. A fama dos brasileiros é muito boa nas universidades americanas. Somos muito independentes e dedicados, fazemos milagre com pouco tempo e dinheiro.

É claro, infelizmente, que o custo inicial é bem elevado. Quem tem menor poder aquisitivo já parte em desvantagem, já que é preciso aprender inglês, fazer as provas e as inscrições ainda no Brasil – e isso tudo custa muito dinheiro. Nesses casos, a pessoa pode trabalhar um tempo para juntar dinheiro e organizar seus estudos ao longo de alguns anos, ou então buscar uma bolsa brasileira pelo programa Ciências sem Fronteiras (que não paga provas, mas paga passagens de avião) ou pela Fulbright.

9) O que é essencial para conseguir?

Persistência e determinação. “Mas eu não sou inteligente.” Inteligência não é uma característica estática; a ciência concluiu que quanto mais se estuda, mais inteligente se fica – é uma habilidade que você desenvolve. “Mas eu não sei inglês.” O segredo é morrer estudando até aprender. Valorize-se pelo seu esforço, não pelo conhecimento que você tem agora. “Mas não me sinto preparado.” Você nunca vai se sentir preparado. Dê o melhor de si e tente. “Mas tenho medo.” Não sei se algum dia a gente para de sentir medo. Vá com medo mesmo!

Compartilhe
Texto anteriorTítulo de eleitor e eleições no Brasil
Próximo textoCanadá – Ser mãe de cachorro no Canadá
Paula é gaúcha de Cruz Alta, ativista vegana e feminista. Bacharel em Biomedicina e mestre em Microbiologia pela UFRGS, Paula mora com o marido desde 2013 em Columbus, Ohio, nos EUA, onde faz doutorado em Microbiologia na Ohio State University (OSU). Paula estuda aquecimento global, ciclo do enxofre e metanogênese através de metagenômica, espectrometria de massa, ressonância magnética e análises geoquímicas. Através deste blog, Paula presta serviço voluntário de ajudar pessoas a estudar nos EUA - principalmente na OSU. Dúvidas gerais podem ser tiradas nos comentários de textos neste blog; dúvidas particulares podem ser enviadas para [email protected]

27 Comentários

  1. Oi Paula, tudo bem?
    Estava pesquisando informações por querer muito realizar um mestrado nos EUA. Eu me formo em Março de 2017 em engenharia de bioprocessos na UFRJ e sou totalmente apaixonada pela sua área. Estou pensando em mestrado em biologia molecular ou algo relacionado a bioinformática.

    Pelo que tenho visto dos prazos, acho que não conseguiria me inscrever pra Setembro 2017 né? Não sei se muitas universidades aceitam inscrições em outros períodos sem ser no outono. Estou disposta a me preparar para os applications durante o ano e queria muito a ajuda de alguém que tenho participado disso. Você indicaria a sua universidade? O seu currículo era muito bom? Queria dicas em geral sabe? Qualquer informação já me ajuda muito.

    Muito obrigada! Parabéns pela matéria!

    Luana

    • Oi Luana,

      Recomendo estudar e fazer as provas a partir de quando você se formar, e se inscrever em outubro de 2017 para começar o mestrado em agosto de 2018. O prazo para as inscrições para começar em agosto de 2017 acaba esse mês, não teria como. A grande maioria das universidades só aceita ingresso para o semestre de outono (que começa em agosto aqui, geralmente), mas algumas poucas oferecem ingresso no semestre de primavera (janeiro) – é muito raro, mas existe.

      Eu indico sim a minha universidade, inclusive o meu programa, em que um terço dos professores trabalha com biologia molecular e/ou bioinformática. O meu currículo era bonzinho, não era espetacular. Posso te mandar se você me pedir por email ([email protected]). Espero que você tenha visto meus outros textos sobre o assunto – clica no meu nome que vai aparecer uma lista. Qualquer pergunta em particular que tu tenha, manda por aqui. Estou preparando vários outros textos para publicar nos próximos meses também, vai ficando de olho 😉 Um abraço e bons estudos!

  2. Oi Paula, as universidades americanas tem uma data específica para aplicação da prova (-GRE-) ? Qual é a data ? pretendo fazer meu doutorado em física nos EUA
    desde já te agradeço

    • Oi Rodrigo,
      Não são as universidades que aplicam a prova do GRE, é uma empresa que se chama ETS. Não tem data específica – você pode fazer a prova nas datas em que ela é oferecida em algumas cidades do Brasil. Cidades e datas de provas estão aqui: https://ereg.ets.org/ereg/public/workflowmanager/workflow?workflowItemId=tcAvailability Lembre-se que você tem que já ter feito a prova para se inscrever nos programas de doutorado, ou seja, ali por outubro você já tem que ter feito a prova. Eu recomendo fazer antes ainda pra já ter a nota na mão (a nota pode demorar de 1 a 3 semanas pra sair), e também, se você não tira nota mínima, dá tempo de repetir.

  3. Oi Paula,

    Vc paga para fazer seu doutorado em OHIO UNIVERSITY?Quem é pobre e sonha em estudar em uma das universidades americanas tem como conseguir sem pagar nada?
    tem uma professora na UnB que fala que é difícil conseguir bolsas para se manter e ainda mais o valor de um doutorado é da ordem de 60 mil dólares… O que vc acha disso ?

    • Oi Rodrigo,

      Essa informação está errada. Eu não pago, eu recebo dinheiro para fazer o doutorado. Nunca vi falar de um programa de doutorado que cobre do aluno ao invés de pagá-lo. Quem é pobre obviamente tem muito mais barreiras, pois você tem que pagar para fazer as provas, inscrições, traduções de documentos e passagens aéreas para ir para os EUA. Mas uma vez aceito em algum programa, eles te pagam um salário e se vive bem com o dinheiro que se recebe (claro, isso depende muito do custo de vida da cidade em que você for morar. Califórnia, por exemplo, super caro!).

      Como eu explico no texto, aqui bolsas são raras, quase ninguém tem. O dinheiro que eu recebo é um salário, não bolsa – meu contrato é como de funcionária da universidade. Não precisa correr atrás de bolsa. Inscreva-se para programas que ofereçam suporte financeiro com GRAs e GTAs que quando você ser aceito o salário é garantido.

      Um abraço,
      Paula

  4. Desculpa Paula fiquei sabendo a partir dessa professora que HAVARD , YALE são particulares é só elite que entra e OHIO é pública e o aluno não paga por favor me esclareça essas perguntas. Sendo assim em havard não entra mesmo isso procede?

    • Oi Rodrigo,

      Acho que a sua professora pode estar confundindo fazer graduação com fazer pós-graduação nos EUA. Para fazer graduação nos EUA sim, se paga, independentemente se a universidade é particular ou privada (não é como no Brasil, que privada se paga e pública não). A OSU é pública, mas os estudantes de graduação pagam (super caro).

      Agora, para pós-graduação, a coisa é completamente diferente. Para fazer doutorado seja em Harvard seja na OSU, você será pago. Com certeza Harvard será muito mais difícil de entrar – muitos rankings classificam Harvard como a melhor universidade do mundo. Mas vou te dizer que existem MUITOS brasileiros fazendo graduação e pós-graduação em Harvard, então não é impossível. Inclusive eu tenho uma amiga minha que fez a graduação e o mestrado aí na UnB e está agora fazendo pós-doutorado em Harvard em Ciências Políticas.

      Quando você for escolher as universidades pra que vai se inscrever, selecione algumas muito fodas, algumas médias, e algumas de nível um pouco mais baixo – compare o seu GPA (Graduate Point Average http://www.ohe.state.mn.us/sPages/gpa.cfm) da graduação com o requerido por diversas universidades, e assim você vai ter uma ideia de universidades em que você encaixa.

      Paula

  5. Oi Paula, tudo bem?

    Eu sou fisioterapeuta, estou fazendo mestrado e comecei a me interessar e pesquisar sobre fazer meu doutorado nos EUA ou no Canadá sem vínculo com o Brasil. Nossa, é tão difícil encontrar informações sobre isso, então MUITO obrigada pelos seus posts e disponibilidade em tirar dúvidas. Defendo meu mestrado até julho de 2018 e gostaria de começar o doutorado no exterior no segundo semestre de 2018, mas tenho algumas dúvidas, vc pode me ajudar?

    1. Posso me inscrever no doutorado no exterior sem ter terminado o mestrado aqui no Brasil? E poderia utilizar as notas do mestrado “incompleto” no processo de seleção do doutorado?

    2. Quanto o GPA é decisivo na aceitação do doutorado?
    Meu GPA da graduação não é lá essas coisas (minha ponderada é 7,00 isso deve dar um GPA de 2 pra 3, certo?), mas eu me formei na USP, sem reprovações, e tenho experiência em pesquisa desde a graduação com apresentação de trabalho no exterior e publicação de artigo como colaboradora… (me apaixonei pela pesquisa e acabei me dedicando mais a pesquisa do que ao curso em si rs), e meu mestrado também é na USP, mas gostaria de me inscrever antes de defendê-lo.

    Essas são minhas principais dúvidas, já iniciei estudos de inglês pra melhorar o meu nível pra realizar o preparatório pro TOEFL e ainda não sei onde irei estudar para GRE….

    Fico aguardando sua resposta, mas desde já obrigada!! 🙂

  6. Olá Paula! Amei as suas dicas! Já sou sua fã! Gostaria de saber se quem tem Green Card precisa fazer o TOEFL para aplicar para um mestrado em Public Health? No caso, por ser um mestrado, dificilmente irão me pagar igual pagam aos doutorandos né? Obrigada pela atenção!

    • Oi Evelyn,
      Eu não sei a resposta para a sua pergunta, mas eu sei que se você estudou em instituições nos EUA (ou cuja língua era inglês), você provavelmente não precisará fazer o TOEFL. Mas se você apenas tem o Green Card, é possível que precise do TOEFL sim (e também do GRE). Aqui na OSU o mestrado em Public Health requer essas duas provas, e além disso eles pagam os alunos sim. Deixo o link aqui caso você queira explorar opções: https://cph.osu.edu/graduate-programs
      Um abraço,
      Paula

  7. Oi Paula, boa noite.
    Estava procurando em quais meses os processos de admissao para pós graduaçao começam e vi que você disse em outubro. Pretendo fazer intercâmbio para Toronto em 2018, ir em junho e voltar em agosto, será que dá tempo para fazer o TOEFL e o GRE, para iniciar o processo de admissão em outubro?
    E outra pergunta é, após fazer as traduções juramentadas se eu quiser fazer inscriçao para várias universidades só preciso tirar cópias desses documentos já traduzidos?
    E a ultima pergunta é, você pagou taxas de inscriçoes em todas as universidades em que se inscreveu?
    Agradeço desde já.

    • Oi Fernanda,

      As deadlines são geralmente de outubro a dezembro sim. Você vai ter que olhar cada programa! Aconselho fazer as provas até setembro para já ter as notas quando se inscrever. Você poderia já começar a estudar agora (se é que já não está estudando! :)) e terá tempo tranquilo para estudar bem até setembro do ano que vem. Se você quiser fazer as provas mais cedo, essas provas também podem ser feitas em Toronto.

      Quando a inscrição é 100% online (como foi para a maioria das universidades que tentei), escanear as traduções juramentadas já vai ser tudo o que você precisará. Algumas universidades pediram documentos por correio, aí eu tive que mandar uma cópia original da tradução juramentada. Os tradutores juramentados geralmente cobram um preço pela tradução e outro preço bem menor por cada cópia original que você precisar.

      E sim, cada universidade cobrou uma taxa que geralmente ficou ao redor de 100 dólares.

      Um abraço,
      Paula

  8. Paula, boa tarde!
    Eu morando nos estados unidos como estudante de ingles, consigo me candidatar numa universidade a uma vaga em um doutorado ?

    • Oi Yuri,

      Consegue. Claro, dependendo do tempo de duração do teu visto, vai dar tempo ou não de fazer tudo estando nos EUA. Se você já estiver nos EUA, aproveita para visitar pessoalmente algum professor de teu interesse! Domingo agora o BPM vai publicar um texto meu sobre como se organizar para estudar e preparar todos os documentos com uma sugestão de timeline – de repente te pode ser útil no planejamento do teu tempo nos EUA.

      Paula

  9. Menina, tu arrasou muito nesse post, falou exatamente tudo que estava querendo saber sobre como me inscrever para um PhD. Parabéns pela dedicação e atenção nas respostas dos comentários que ajudaram muito também. Você é ótima, muito sucesso por aí! <3

  10. É possível seguir carreira acadêmica nos EUA dessa maneira? Como por exemplo conseguir emprego na universidade como professor ou pesquisador e conseguir visto para morar lá após ou durante o término do doutorado? Grato.

    • Oi Johann,

      Não é fácil, mas é possível. Tenho um casal de amigos brasileiros que terminaram o doutorado em ciências políticas na Ohio State University e conseguiram emprego como professores da Florida State University agora durante o pós-doutorado!

      Paula

  11. Ótimo post!
    Tenho algumas dúvidas: eu ainda estou na graduação, porém tive duas reprovações ao longo do curso. Isso atrapalha na hora de de ser selecionado para o doutorado? O histórico obrigatoriamente deve contar as reprovações? A reputação da universidade conta?
    Desculpe a quantidade de dúvidas e obrigado!

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui