Nova Zelândia – Escolas de inglês: como funcionam e como escolher a ideal pra você

2
327
Aulas de inglês na Nova Zelândia. Imagem: arquivo pessoal
Advertisement

Estudar inglês no exterior é um dos intercâmbios mais procurados por brasileiros. A necessidade da língua para evolução de carreira e até mesmo para viagens internacionais intensificam essa demanda. Com inúmeras opções e detalhes, várias vezes desconhecidos por muitos, escolher a escola de inglês ideal pode não ser tarefa tão simples. O que deve ser analisado? Como tudo funciona? O que é preciso perguntar?

Eu vim inicialmente para a Nova Zelândia estudar inglês e, inclusive, falei sobre os mitos e verdades de se aprender a língua por aqui em um texto anterior.

Quando eu escolhi a NZ como meu destino de intercâmbio, não sabia exatamente como funcionavam as escolas e o que eu poderia escolher ou não.  Lembro de ter sido apresentada a três instituições na principal cidade do país, Auckland. Analisei os preços e optei pela que acreditei me ofereceria maior qualidade, já que meu objetivo era realmente aprender a língua. Minha análise foi puramente baseada nos valores do curso, pois não sabia o que deveria ser avaliado naquele momento.

Já na chegada ao país, foi fácil perceber a quantidade de escolas espalhadas pela cidade. Foi fácil, também, entender que elas eram bem diferentes, considerando localização, infraestrutura, estética, metodologia de ensino, mas muita coisa sobre o processo ainda me era estranha. Como saber se a escola era realmente boa, por exemplo? Por que os preços variam tanto de uma escola para outra? O que seria “categoria” e qual a diferença de cursos full-time e part-time? Por que eu não pude escolher o horário das minhas aulas?

Hoje, já há sete anos morando por aqui e trabalhando com intercâmbio, decifrei todos esses mistérios e acho importante dividir meu aprendizado com aqueles que têm interesse na informação.

Para começar, é importante entender que as escolas na NZ são regularizadas por um órgão chamado NZQA (New Zealand Qualification Authority), que fornece um tipo de licença para que a instituição funcione e também classifica as escolas de inglês em categorias.

As categorias

As categorias vão de 1 a 4 e existem escolas “sem categoria” que, sob meu ponto de vista, podem ser questionáveis, já que não atingiram o padrão para serem avaliadas pelo NZQA.

As escolas consideradas com nível adequado e no padrão esperado são consideradas escolas de categoria 1. Somente escolas de categoria 1 dão permissão automática de trabalho para o estudante que se matricular por mais de 14 semanas em um curso full-time. Escolas de categoria 2 não são necessariamente ruins, porém, não atingiram o padrão necessário máximo exigido pelo NZQA, isso pode ser em aspectos como tamanho da escola, infra estrutura e não que os professores não sejam qualificados, por exemplo. Nessas escolas, para se ter permissão de trabalho é necessário apresentar o resultado do IELTS com nota mínima de 5 no momento da solicitação do visto.

Os cursos

Sobre opções de cursos, é possível estudar inglês geral, acadêmico, inglês para negócios e preparação para provas de proficiência na língua, como IELTS, TOEFL e Cambridge e preparação para high school, entre outros. A escolha, neste caso, deve ser feita de acordo com o objetivo do estudante. Se a intenção é aprender o inglês para o dia a dia, para manter uma conversa, enviar um e-mail, o inglês geral é o ideal pra você. Caso o interesse seja fazer um curso acadêmico em língua inglesa no futuro (graduação, pós-graduação etc.), o inglês acadêmico oferece esse diferencial. Esse curso é focado em linguagem formal e acadêmica e possui atividades como apresentação de trabalhos, escrita formal e outros que te preparam para um universo acadêmico.

Se o aluno precisa provar proficiência na língua por motivos diversos, como ser aceito em um curso acadêmico em uma universidade do país, a maioria das escolas irá oferecer preparação para provas como IELTS, Cambridge, TOEFL e outros. Para quem já tem inglês e gostaria de apenas aprender uma linguagem de negócios, o curso de Business English é o ideal, uma opção também bem interessante para profissionais que desejam melhorar o seu inglês.

Os horários de aula são variados. A grande maioria de escolas privadas possui o horário fixo de 9 às 15h, porém existem opções de cursos full-time, noturno e algumas instituições só irão informar o horário de aula do aluno após este ter feito o teste de inglês inicial que determinará a turma que ele irá frequentar. As aulas, nesses casos, podem ser o dia todo em certos dias, e meio dia em outros. Cursos part-time são geralmente até meio dia, alguns dias na semana, ou no período da tarde, apenas.

Uma coisa que aparentemente é irrelevante, mas faz diferença no dia a dia, é a infraestrutura da escola. Algumas oferecem bibliotecas internas e laboratórios modernos com programas específicos para ajudar o estudante fora da sala de aula. Em algumas instituições, as aulas são também lecionadas com ajuda de quadros inteligentes, vídeos e outros, ajudando bastante na dinâmica da aula e no aprendizado dos alunos.

O mix de nacionalidades, ou seja, a quantidade de alunos de diferentes países na instituição que irá frequentar, é algo que não pode ser esquecido. Esse é um dado disponível para as agências e você poderá solicitar para que ajude na tomada de decisões. Quanto maior a mistura de nacionalidades e menor o percentual de brasileiros na escola, maior sua interação com a língua inglesa.

Infelizmente, quando organizei meu intercâmbio, não tinha essa informação e optei por uma escola relativamente cara, que tinha, sim, qualidade, porém era basicamente formada por brasileiros. Falávamos português na sala para nos ajudar, ficávamos juntos nos intervalos e saímos juntos, o que era legal pela amizade, mas nada vantajoso para quem tem interesse em aprender inglês.

Vale ressaltar que existem escolas de inglês espalhadas por todo o país e que às vezes escolher um destino inusitado pode ser o ideal. Aprender inglês em uma cidade pequena, onde a comunidade é próxima e se ajuda, com poucos brasileiros por perto, acaba por obrigar o estudante a sair da zona de conforto e consequentemente se desenvolver mais rapidamente no idioma.

Lembre-se que o investimento é grande e é seu, portanto solicite mais opções, faça perguntas até que se sinta confortável e tente analisar se estão vendendo o que é melhor pra você ou o que é mais lucrativo pra eles.

As escolas de inglês na NZ, em sua maioria, são bem organizadas e preparadas para receber estudantes que não falam a língua, o ensino é levado a sério e o estudante é obrigado a comparecer às aulas. Atividades extracurriculares, como passeios e viagens, são também oferecidas nas escolas e incentivadas para estimular o aprendizado.

Com certeza, é possível encontrar a instituição ideal para o seu perfil. O importante é entender o que está buscando, analisar o que é oferecido e escolher com cuidado. Ajustar suas expectativas também se faz necessário, pois nada é perfeito! Abra sua cabeça para se adaptar às diferenças de ensino, cultura e de estilo de vida que adotará durante o período do intercâmbio. Assim, será só sucesso no seu aprendizado!

2 Comentários

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui