Novo idioma: pesquise antes de mudar de país

0
127
Foto: pixabay
Advertisement

Mudar de país envolve uma série de coisas a fazer, não é novidade para quem já passou por isso, para quem está passando ou pensa em passar (espero). Para muitas pessoas, o novo nesse tema pode ser a importância que deve ser dada a alguns aspectos, muitas vezes, deixado para segundo plano: a aquisição de um novo idioma, uma língua estrangeira. Novo porque são poucos aqueles que estão atentos ou alertam alguém para esses pontos antes de ir a outro país.

Qualquer mudança exige planejamento, exige pesquisa. Mudança de residência, cidade, emprego, cor ou corte de cabelo. Precisamos saber se o novo endereço nos convém em termos de tempo e facilidade de locomoção, se o corte que tanto queremos é adequado para nosso tipo de cabelo. Como obter essas respostas? Pesquisando, se informando ANTERIORMENTE. Para que? Para que possamos pisar em terreno seguro, para evitarmos, ou tentarmos evitar, problemas futuros. Por que seria diferente com a mudança da língua que será sua nova ferramenta de comunicação?

A grande maioria pensa: mudo de país, me matriculo em um curso e pronto! Pensa que tem que fazer a mesma coisa que faria no seu próprio país se quisesse aprender um idioma. As pessoas não se dão conta que o contexto não é o mesmo. Quando vão estudar na terra natal, estão em sua zona de conforto, onde, geralmente, o professor fala sua língua, assim como seus colegas. Quando a aula termina, voltam a sua rotina com a língua materna. Não há bloqueios, vergonha ou problemas. Não dependem de uma segunda língua. E em outro país? Essa zona de conforto vai existir?

Questionamentos que devem ser feitos durante essa pesquisa

Como se relaciona o povo desse país? A comunicação é muito formal ou informal? O espanhol/ inglês falado sofre muitas variações? Com o que já falo, terei dificuldades? Quantos idiomas são falados lá? O inglês é suficiente para sobreviver? Como posso me preparar um pouco antes, mesmo não sabendo nada? Onde e como aprender a língua nova assim que eu chegar?

Algumas dicas para ajudar a encontrar as respostas

Dicas das quais, mesmo eu, como professora, não refleti a respeito ou não recebi antes de me mudar. As decisões momentâneas e práticas são tantas – moradia, emprego, pertences materiais- que deixamos algo de lado. Isso sem falar na empolgação e euforia que parece que travam nosso cérebro. Umas são empregadas a determinados idiomas, outras, a qualquer um.

• A primeira é: pesquise no google. Busque profissionais sérios, pessoas idôneas que estão nas diversas mídias informando sobre esses temas. Hoje em dia não é necessário estar presente no país para obter esses tipos de informações.

• Esqueça a ideia que espanhol é igual a português. Ser semelhante não é ser igual. A semelhança, muitas vezes, mais atrapalha do que ajuda. Essa ideia errada te deixa em uma zona de conforto que, na realidade, não será nada confortável na “hora do vamo ve”. Então, esqueça essa teoria absurda que só te levará a uma má comunicação.

• Pesquise sobre as variações da língua de cada país. No google encontrará profissionais que fornecem dicas específicas a respeito. Esse conhecimento prévio é extremamente importante. Busque “professor de…(idioma) em…(país)” ou “expressões típicas de…(país)”, por exemplo.
Se você já fala o idioma, saberá que vai ter que se adaptar. Se precisa aprender do zero, esse fato não te pegará de surpresa. Caso algum dia você tenha escutado que o espanhol/inglês de tal lugar é o mais correto, esqueça essa informação. Não existe espanhol/inglês correto ou errado. Cada país tem um vocabulário muito próprio (modismos), bem como seu sotaque e pronúncia, e isso deve ser respeitado. Se você quer entender a língua, aprenda!
Importante lembrar que mais de um idioma é falado em muitos países. Como saber? Pesquisando.

• Emendando com a dica anterior, essa é específica para quem quer morar no Chile, onde moro: Não acredite em vídeos “engraçadinhos” disponíveis no You Tube ou outras mídias sociais sobre o espanhol chileno. Muita gente falando sobre o que não entende. Muita gente que nem sabe falar português opinando sobre o que é certo ou errado em outro idioma, ou que não sabe formular uma frase completa em espanhol sem meter suas próprias palavras inventadas (portunhol). Pessoas que só tem o intuito de “aparecer”. Será típico encontrar títulos como “No Chile não se fala espanhol” ou “Chilenos não falam espanhol”. Vídeos que não te acrescentarão nada e te deixarão pré-disposto a um certo bloqueio, o que quer dizer que não serão a ajuda tão almejada, não é mesmo? Cuidado com o que vê e lê na internet. Voce pode ler o texto “Posso aprender espanhol no Chile?” para saber mais.

• Se você tem filhos em idade escolar, comece a pesquisar com muita antecedência sobre o bilinguismo para que entenda como é, na vida prática, a aquisição de um novo idioma por parte dos pequenos, e tirar da cabeça a provável ideia de que é um processo complicado, porque não é. Por isso é ideal que a mãe já vá se informando. Aqui está um texto que pode ajudar:“Bilinguismo de infância”.

Estando mais ou menos preparado antes da mudança, alguns cuidados caso as seguintes situações ocorram quando já estiver instalado no novo país

• Não gostar do povo e deixar que isso interfira no aprendizado do idioma, transferir a antipatia que se tem de um elemento (povo) a outro (idioma) por causa da conexão existente entre eles é como antipatizar com um conhecido de alguém que você não gosta, antes mesmo de conhece-lo só porque ele tem alguma conexão com aquela pessoa. Primeiro, não odeie ninguém, aceite as diferenças. Cada povo tem suas características, cultura e forma de relacionar-se. Esse é um tema para um artigo completo porque é complexo. Segundo, não estar consciente que isso pode estar acontecendo, traz prejuízos só para você: não aprende uma língua nova. Não deixe de enriquecer culturalmente e adquirir novos conhecimentos porque as pessoas daquele país são diferentes de você. Aproveite a oportunidade! O oposto também ocorre, ou seja, há muita gente cuja causa principal de querer aprender uma língua é justamente a paixão que tem pelo país ou povo. Espero que cada vez mais nos encaixemos no segundo grupo.

• Você adora o povo, mas não se relaciona com os nativos por causa da falta do idioma, portanto, isso te bloqueia ao tentar se comunicar com eles e seu convívio social está afetado. Muita gente que conheço deixa de sair ou fazer amizades por medo de dar vexame falando mal ou, realmente, por se sentir bloqueado tentando falar uma língua nova. Há estudos que comprovam e explicam esse tipo de bloqueio que sofrem os adultos ao aprender um idioma. Corra atrás! Dedique-se a aprender! Escrevi a respeito no texto “Aprender idiomas abre as portas para o mundo”.

Dicas dadas! Pense a respeito da aquisição de uma nova língua ANTES de se mudar, assim você garante uma melhor adaptação nesse aspecto, já que há tantos quando se trata de mudança de pátria.

Compartilhe
Texto anteriorComo é o transporte público em Londres
Próximo texto5 motivos para morar no Quênia

Gislaine é natural de Santos, mas com sangue nordestino na veia, região calorosa onde morou quase metade da sua vida. Professora de inglês desde sempre, de espanhol para brasileiros e português para estrangeiros desde que chegou em Santiago do Chile, onde mora há 6 anos. Amante dos idiomas e diversidades culturais, tem como objetivo de vida compartilhar conhecimento e aprender todos os dias. Além dos idiomas que ensina, estudou italiano (louca para conhecer a Itália) e quer estudar mais línguas e conhecer outros países. Recentemente, teve algumas paixões despertadas; a leitura e a escrita. Paralelamente, duas
qualidades reacendidas; criatividade e desprendimento. Daí surgiu a iniciativa de criar seu próprio blog, canal e lançar-se no BPM.

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui