O Norte da Alemanha e suas peculiaridades

3
1458
Porto de Hamburgo. Foto: Acervo pessoal.
Advertisement

Quando eu ainda morava em Porto Alegre, minha cidade no Brasil, e ouvia falar da Alemanha, me vinha uma imagem clara na cabeça: pessoas loiras, brancas, bebendo cerveja em grandes canecas, com roupas típicas e felizes. Sei que é clichê, mas era realmente o que eu esperava e imaginava. Hoje entendo que essa visão minha é claramente a Oktoberfest!

Eu pessoalmente não possuo nenhuma ascendência próxima alemã, minha família é toda italiana, e claro, misturada com portugueses e tudo mais, como nosso Brasil é, uma mistura de raças, mas alemã mesmo, que eu saiba, não possuo nenhum gene. Então nem eu e nem meu marido tínhamos nenhuma ligação com esse país antes de cairmos aqui de paraquedas. Em resumo, não conhecíamos a cultura a fundo e muito menos a língua, mas apenas o que víamos em filmes e líamos a respeito, bem por cima.

Como já falei em textos anteriores, a Alemanha não era um destino sonhado, muito menos Hamburgo. Eu sempre ouvia falar de Berlim, a região da Bavária e só. Não sabia que existia uma região como a que vivemos hoje com tantas peculiaridades como o Norte. Hamburgo, a segunda maior cidade da Alemanha, é a maior e mais importante cidade da região norte e, com isso, ela acaba tendo vários diferenças e uma cultura própria.

Bem, vamos começar pelo começo. Quando se chega em Hamburgo, ou em alguma cidade do norte da Alemanha, apenas a primeira coisa que se deve saber e aprender é a cumprimentar as pessoas, e não, não falo de um “bom dia” ou “Guten Morgen” como é o correto na língua alemã, e sim num curto e simples “Moin Moin“.

Moin ou Moin Moin é um cumprimento que eu, particularmente, acho muito fofo, entre as pessoas aqui. Ele vale como “bom dia”, “oi” “e aí” e com diversas variáveis, ele salva – e muito – a vida de quem chega aqui e não sabe falar nadinha, que foi o meu caso. É só andar na rua abrir um sorriso e soltar um “Moin Moin” que pronto, já és praticamente uma alemã nascida e criada em Hamburgo.

O Moin Moin é tão forte e cultural que nos cursos de alemão se ensina isso, como dar oi em cada região, e está lá no livro: no norte usar o curto – e fofo – Moin Moin. Simpático, simples e muito útil.

Outra coisa que o norte tem de diferente das outras regiões é o sotaque. Nós brasileiras sabemos que no Brasil cada estado tem seu sotaque e, às vezes, é tão diferente um do outro que parece que saíamos do país e estamos falando outra língua, né? Aqui em Hamburgo é mais ou menos assim. Dizem que o sotaque de Hamburgo e do norte é o mais próximo do que se aprende quando se estuda o alemão nos cursos e escolas, ou seja, ele é o melhor de se entender e mais simples de falar (se é que pode-se dizer isso dessa língua terrivelmente difícil!) Eu não vejo diferença ainda em ouvir um alemão falado do sul e do norte, mas já conversei com muitos alemães e eles dizem que tem uma diferença enorme. Oremos para que um dia eu consiga distinguir esse sotaque, vai ser sinal que meu alemão evoluiu!

Um outro ponto importante aqui do norte é a culinária. Há uma infinidade de pratos típicos e deliciosos, mas eu (seguindo a linha do texto sobre doces) vou citar o queridinho de todas as backerei (padaria, em alemão) que é o delicioso: o Franzbrötchen, uma espécie de croissant, mas mais achatado, com açúcar e canela em cima, das deusas! Sempre que andar pela rua e vir alguém com um franzbrötchen na mão e um latte macchiato na outra, pode ter certeza que essa pessoa pertence a alguma cidade por aqui.

Ainda nesse papo de comida, uma outra peculiaridade daqui: em função da quantidade de rio e lagos que há (falo mais disso no texto sobre os canais, vale ler) é o Backfish, ou sanduíche de peixe, em bom português, que é uma pãozinho, com um peixe frito dentro e um molho tártaro. Eu nunca pensei que fosse gostar dessa combinação, pois nunca fui chegada no Mac Fish (o máximo que havia comido de sanduíche de peixe antes!) mas o backfish daqui é maravilhoso, fresquinho e tem diversas variáveis, peixe frito, peixe cru, peixe branco, salmão e por aí vai.

Uma coisa beeem particular do norte também, diferente das demais curiosidades que citei acima que adoro, essa me deixa um pouco chateada é o clima daqui de Hamburgo e do norte, CHOVE DEMAIS, chove o tempo todo, quase todos os dias! (tá, exagerei um pouco, todo dia não, mas chove PACAS!) Principalmente agora no verão, quase não temos dias ensolarados, nem muito quentes, como no resto da Alemanha. A temperatura aqui sempre é mais amena, não que isso seja ruim, mas “só chove chove, chove, choooove” já dizia o Dinho Ouro Preto! Ainda não descobri o porquê dessa chuva toda, mas pelo que notei, a galera segue a vida normalmente aqui, mesmo com esse tempo, ninguém se aperta ou deixa de fazer algo se tá caindo o mundo lá fora. Hoje eu já aprendi um pouco com eles e também boto a cara no sol, ou na chuva, como for o caso!

Enfim mulherada, depois de um ano e meio morando aqui posso dizer que conheço um pouquinho só dessa riquíssima cultura do norte da Alemanha, e gosto muito, ganhou meu coração de verdade. Ainda tenho muito pra descobrir, conhecer e desbravar. A dica que dou para todos que desejam vir para esses lados é:

Não tenha medo da chuva, diga Moin Moin, coma um backfish, coma um Franzbrötchen e seja feliz.

Saiba como abrir conta bancária na Alemanha!

3 Comentários

  1. nossa, dei sorte então. passei uma tarde em Hamburgo (tinha ido para sylt) e fiz o passeio com o ônibus turismo em um dia super ensolarado de agosto

  2. alguem poderia me ajudar a encontrar noticias da cidade de HAHN…eu nasci nesta cidade em 1946…e em 1949 fui para o Brazil onde moro até hoje..só sei que esta cidade..ou vilarejo..fica nas imediações de BREMENHAVEN..fico no aguardo..

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui