Curiosidades sobre a Polônia

4
1082
Um típico kanapka "sanduíche" polonês. Foto: Pixabay.com
Advertisement

Há algum tempo, a Valéria nos contou 10 curiosidades sobre a Polônia, mas como são tantas coisas que nos surpreende a cada dia, resolvi falar mais sobre outras curiosidades. Vamos lá?

Banheiro masculino e feminino, como saber? A primeira ida ao banheiro em um local público como num bar e, às vezes, restaurantes, em Varsóvia, a gente nunca esquece. Se não houver filas, a coisa complica. Há dois símbolos nas portas: um triângulo em uma, um círculo em outra, e um ligeiro estado de confusão mental, seguido de algumas risadas. As duas interpretações, pasmem, são lógicas, mas ok, vou ajudá-los a evitar esta dúvida: triângulo, banheiro masculino; círculo, feminino.

A misteriosa inscrição K + M + B sobre a entrada das portas. Isto foi algo que observei quando cheguei, me intrigou, mas não dei muita atenção. Depois, finalmente entendi que tratava-se de uma marcação feita durante as comemorações no dia de Reis, em referência aos três Reis Magos (Kacper, Melchior e Baltazar, em polonês) para que o lar seja abençoado, a fim de trazer proteção contra doenças e outros males à família que vive na casa marcada, durante o ano inteiro.

Apartamentos, andares e elevadores. Não, não é como estamos acostumados. Aqui, ao entrar no elevador (os mais antigos), a contagem começa a partir do térreo. Os elevadores mais novos já possuem o P de parter (térreo). Nos shoppings, a confusão se dá ao perceber que, em alguns elevadores, se contam os pisos do shopping e os níveis do estacionamento, uma confusão! A numeração dos apartamentos é outro problema: ela continua na sequência dos andares e das portarias, e não por andar, como no Brasil. Por exemplo, no prédio onde moro – que é antigo – há 4 entradas (klatki), que começa do 1 e vai até o 174, numa contagem contínua, não repetida e separada por blocos, como no Brasil.

Quem é esse tal de Disco Polo? Ele está em todos os lugares, nas festas, baladas, na TV (sim, temos a Disco Polo TV). Muitos sabem os clássicos desde os primórdios dos anos 90, outros não admitem que sabem ou gostam (como os nossos funks, forrós, sertanejos, bregas e sofrências, entre outros), mas depois das primeiras vodcas, duvido alguém ficar parado e não começar a cantar. Vou deixar aqui um dos clássicos do Disco Polo polonês. Aumenta o som!

Dublagem na TV. Esta diferença é muito perceptível a nós brasileiros pelo fato de termos uma ligação afetiva com as vozes dos filmes dublados da Sessão da Tarde ou do clássico Chaves, por exemplo. A dublagem aqui não é bem assim, na verdade o que há aqui é o voice over: a mesma voz para todos os personagens, sejam femininos ou masculinos, como se fosse apenas uma narração. Este tipo de dublagem era muito comum nos países do bloco leste comunista, e a tradição chegou até os dias de hoje, principalmente, pelo alto custo da dublagem tradicional, o que hoje é feito apenas para os filmes e desenhos para o público infantil e para os jogos. Deixo aqui um exemplo da “dublagem” polonesa.

Imieniny, o dia do nome. Tão importante quanto o dia do aniversário, é o dia do nome. Eu achei esta tradição tão bonitinha que a primeira coisa que fiz foi percorrer as folhas do calendário para saber o dia do meu nome. Para minha tristeza, não há nem a letra “V” no alfabeto polonês, que dirá meu nome! De qualquer forma, é uma comemoração muito interessante, afinal, quem não gostaria de celebrar o aniversário duas vezes ao ano?

Detalhe de um calendário polonês. Foto: Acervo pessoal.

Oczepiny e Poprawiny, o universo dos casamentos poloneses. Falar sobre os casamentos na Polônia merece um texto à parte. Mas para resumir e deixá-los com gostinho de quero ler mais, posso dizer que a festa dura, no mínimo, 2 dias. O primeiro dia é reservado ao evento na igreja e depois da cerimônia, o poprawiny, a comemoração regada a muita bebida (lê-se vodca), músicas e brincadeiras, oczepiny, que são jogos inusitados e muito divertidos, garantindo a animação da festa. No segundo dia, mais tranquilo, é reservado à família e amigos mais íntimos, os “sobreviventes” do dia anterior. Outro fato curioso é que a noiva entra na igreja com o noivo, e não com o pai (sim, ela pode ser vista antes do casamento pelo noivo, não há problemas) pois eles saem juntos de casa/hotel para igreja.

Kanapka, sanduíche aberto ou fechado? A primeira vez que me dei conta desta particularidade foi quando, após vários kanapki preparados pelo meu marido, eu o indaguei: “Por que você sempre me traz o pão aberto?” e ele me respondeu: “Porque é assim“. Ai eu percebi que o conceito de ‘sanduíche’ para os poloneses é mais abrangente. O kanapka pode ser aberto ou fechado: uma fatia de pão e com o ‘recheio’ que você quiser por cima, lógico que não pode faltar o pepino (ogórek), para matar a fome a qualquer hora, seja no café da manhã, ou antes de dormir, ou quando não há tempo para o nosso almoço  (horário brasileiro), pois aqui o obiad é das 15h às 17h. Quando estiver aqui, certifique-se de ser claro se prefere o kanapka aberto ou fechado.

Smacznego! Seria o nosso “Bom apetite”, mas é um pouco mais do que isso. Especialmente no mundo corporativo, é uma ótima oportunidade para se quebrar o gelo, simplesmente porque na hora do almoço, todos os poloneses desejam que você faça um boa refeição, independente de conhecê-lo ou não. O mesmo vale para o estrangeiro que adentra uma copa com algum polonês (ou vários) almoçando, só arriscar – ainda que meio inseguro – um Smacznego!, pronto, a partir daí poderá surgir até uma conversa.

Aterrissagem perfeita? Palmas para o piloto! Toda vez que pego um avião cheio de poloneses, já sei que no final do voo, haverá uma salva de palmas. Às vezes, mais efusiva; outras, nem tanto, mas este fato curioso sempre se repete, e eu me divirto!

Tłusty czwartek (quinta-feira gorda). A quinta-feira antes do carnaval, é dia de comer uma das mais tradicionais e deliciosas iguarias polonesas, o pączek. Não é donut, nem sonho. Em Portugal é conhecido como Bola de Berlim, pois também é comum na Alemanha (Berliner), mas aqui é pączek e ponto. E quanto mais você puder comer, mais prosperidade terá no ano que se segue.

Śmigus Dyngus, a segunda de Páscoa molhada. A sexta-feira santa é importante, mas não é feriado aqui. Além da Páscoa polonesa não ter gigantescos ovos de chocolate como no Brasil, mas sim o pisanki, outro fator que as difere é o fato da segunda-feira após o domingo de Páscoa ser feriado, e ser o dia liberado para jogar água nos outros! O Śmigus Dyngus (segunda molhada) é exatamente isso, preparar emboscadas e molhar os desavisados, da maneira que for: com mangueira, baldes, pistolas d’água, etc. É fato que a tradição é mais forte no interior, mas de qualquer maneira, é melhor estar precavido ou cair na brincadeira também.

À espera do convidado no Natal. O Natal é um capítulo que também merece um texto à parte, mas vamos a, pelo menos, uma das inúmeras curiosidades natalinas. Ao preparar a mesa da ceia, deve-se ter sempre um lugar a mais para o convidado inesperado que possa chegar. Embora hoje em dia, de fato, não apareça ninguém inesperado, o que achei bonito neste costume é a ligação com o sentido original do Cristianismo, de amor, partilha e comunhão, afinal este “estranho” poderia ser o próprio Jesus, relembrando, assim, a noite de seu nascimento, segundo a tradição cristã.

E vocês, já conheciam alguma dessas curiosidades? Alguma semelhança ou diferença com hábitos do país onde moram?

4 Comentários

  1. Estaremos ai na Polônia em Julho. O Grupo Mazury aqui de Mallet Paraná, estará participando do Festival em RZESZÓW, muito boas as dicas.

    • Olá, Benigna!

      Eu costumo ir muito à Rzeszów, pois parte da família de meu marido é de lá. Já assisti a este Festival de dança logo cheguei aqui, em 2014. É muito lindo. Seria um prazer prestigiá-los em Rzeszów este ano!

      Obrigada pelo seu comentário, continue nos acompanhando e me fale o dia que vocês estarão lá!

      Abs,
      Vivian

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui