Entrevista com Juliana Riekki: proprietária da Ilo Gourmet Brigaderia na Finlândia

3
1105
Finlândia, como abrir uma empresa na Finlândia, brasileiras pelo mundo
Foto: Juliana Riekki, proprietária da Ilo Gourmet Brigaderia
Advertisement

Entrevista com Juliana Riekki: proprietária da Ilo Gourmet Brigaderia na Finlândia.

Recomeçar nunca é fácil, mas ter coragem para enfrentar o novo já é meio caminho andado. E eu adoro conhecer histórias, saber como as pessoas deram a volta por cima ou  simplesmente se adaptaram na Finlândia e a uma cultura tão diferente da nossa! É impressionante ver que umas não desistem de suas profissões, outras se reinventam e outras, ainda descobrem novas paixões.

E assim, nessa minha busca por novas histórias, conheci a Juliana. Uma carioca que vive há 5 anos e meio em Tampere, região central da Finlândia. Largou o sol do Rio de Janeiro para se instalar nestas terras geladas e enfrentar o novo de coração aberto.

Arquiteta por formação e dona de uma brigaderia por paixão, trouxe o gostinho brasileiro para a confeitaria finlandesa. Começou sem muita pretenção na Páscoa de 2017 e levou adiante. E deu tão certo, que recentemente formalizou a empresa na prefeitura e está com a cozinha a todo vapor para entregar os deliciosos ovos de Páscoa!

Então compartilho um pouquinho da trajetória desta carioca que tem deixado os finlandeses (e nós brasileiros também) um pouquinho mais doces!

BPM – Fale um pouco sobre você e sua trajetória.

Meu nome é Juliana Padilha Riekki! Sou natural do Rio de Janeiro, carioca de Tampere há pouco mais de 5 anos! Me formei em arquitetura na UFRJ em 2012, e no mesmo ano me mudei para a Finlândia. Um ano depois comecei meu master na Tampere University of Tecnology! Nessa época de faculdade é que comecei a planejar de um dia ter meu próprio negócio. Tem um incentivo forte para esse meio aqui. Eu só não sabia exatamente o que seria!

BPM – Por que a Finlândia?

Minha vinda para a Finlândia tem um motivo clássico: um namorado! Nos conhecemos em um cruzeiro no Caribe em janeiro, junho me formei e agosto me mudei pra cá!

BPM – Como os finlandeses te acolheram?

Muito bem! Claro que no início meus amigos eram basicamente os amigos do meu marido, todos muito gente fina! E, a família dele também foi muito receptiva. Hahaha eu não falava uma palavra de finlandês, então minha comunicação com a minha sogra era só em inglês! Mesmo entendendo inglês (e sabendo falar também), ela insistia em responder em finlandês minhas perguntas! E eu com aquela cara de ‘ah é?’! Entendia nada..

BPM – Após seu mestrado você conseguiu emprego aqui?

Consegui sim! Eu fiz um curso de finlandês na faculdade que me permitiu ter o nível básico (A2). Com isso, consegui um estágio em um escritório e depois só mudei o contrato. Estar no emprego também fez minha fluência melhorar muito, mas continuo fazendo aulas até hoje para conseguir me comunicar melhor no trabalho.

BPM – Porque decidiu investir na Ilo Brigadeira? Você abriu mão da arquitetura?

Decidi começar a Ilo, porque sempre gostei de fazer brigadeiro! Eu sempre fui a brigadeirista oficial da família, então conversando com minha mãe começou a ideia da Ilo! Mas não abri mão da arquitetura não. Faço a Ilo porque gosto de fazer, é quase um hobby!

Brigadeiros, Finlândia, brasileiras pelo mundo, como abrir uma empresa na Finlândia, Páscoa na Finlândia
Foto: Ilo Gourmet Brigaderia

BPM – A Finlândia tem algumas leis que exigem certificação mesmo se você for trabalhar em casa. Você precisou fazer algum curso para poder abrir a empresa e trabalhar com alimentos?

Isso depende do tipo de produto* que você faz. Eu visitei o Uusiyrityskeskus (equivalente ao SEBRAE no Brasil) antes de oficialmente abrir o site da Ilo. Meu marido também, pragmático do jeito que é, checou tudo. Para abrir a Brigaderia, não foi necessário nenhum tipo de certificação (isso se você for fazer a produção na cozinha de casa). A empresa como Toiminimi (nome comercial) também não foi necessária nesse primeiro ano, porque não produzi para pessoa jurídica e nem tive o limite mínimo de lucro pra ser obrigatório o registro no Vero (equivalente a Receita Federal que cuida do imposto de renda). Mas este ano o objetivo é que a Ilo cresça mais, então já formalizamos a empresa na prefeitura.

*OBS: Existem cursos que o governo exige como de higiene e de manuseio de alimentos. São exigidos para quando há fabricação de produtos que estragam como bolos, tortas, etc. Neste caso, o órgão responsável considerou que brigadeiros não eram perecíveis dessa forma e, por isso, os cursos não foram necessários. Em todo caso, sempre consulte a agência antes de abrir qualquer negócio mesmo que em casa para se manter dentro das leis.

BPM – Como é sua clientela? Você tem finlandeses e estrangeiros, apenas brasileiros ou já é uma mistura de todos?

Tenho clientes brasileiros e finlandeses! É bem 50/50.

Leia também:  Luciano Brilho, dono de Oh My Gosh Brigadeiros

BPM – Qual o carro chefe do cardápio? Você precisou fazer alguma adaptação para que o público aceitasse melhor o produto?

As caixas de presente saem mais que os brigadeiros pra festa (por grupo de 25 unidades). Fiz um brigadeiro de salmiakki que foi super aceito pelos finlandeses! E sempre estou experimentando novos sabores.. nesse verão vem novidade!

BPM – Estamos em época de Páscoa. Como os finlandeses comemoram esta data? Eles trocam ovos e juntam a família como fazemos no Brasil?

No ‘Domingo de Ramos’ as criancinhas finlandesas se vestem de bruxinhas e vão pedir doce na casa das pessoas em troca de um ‘feitiço’ de boa fortuna! Eu acho uma graça! Parece que o costume vem de regiões da Carelia. E, no dia de Páscoa, a celebração é bem parecida com a nossa! Sem contar que aqui ainda tem a ‘segunda feira de Pascoa’. É um dia a mais no feriado!

BPM – E os ovos de chocolate foram bem aceitos? Como funcionam as encomendas?

Muito bem aceitos! Ano passado fiz apenas um tamanho pequeno de 90g para testar e este ano aumentei o cardápio. Temos disponíveis 9 sabores com dois tamanhos diferentes: 140g e 300g. E ainda tem a opção de casca branca ou tradicional, todos recheados! Normalmente peço pelo menos três dias de antecedência, porque tudo é feito fresquinho e eu mesma entrego em Tampere. Mas dá para enviar para qualquer outra cidade pelo correio! Vocês podem conferir todos os sabores do cardápio no site da Ilo!

BPM – Quais facilidades e dificuldades você encontrou na sua trajetória como expatriada?

A maior dificuldade é estar longe da minha família e amigas de infância. Ter aquela estrutura da família brasileira. Isso me faz muita falta, principalmente com meu filho. Cresci brincando com minhas primas quase todo fim de semana e ele não tem isso. A família do meu marido mora em Oulu (cidade ao norte da Finlândia). Mas ao mesmo tempo é muito bom ter uma certa privacidade, que no Brasil com certeza seria quase inexistente!

BPM – E se você estivesse no Brasil? O que você acha que seria diferente?

Exatamente isso! Mamãe e família em geral seriam mais presentes e eu teria mais suporte para cuidar do meu filho (e consequentemente mais tempo com o maridão também, né). Mas uma vez por ano vamos para lá, então é melhor do que nada.

BPM – Qual conselho você daria para um brasileiro que quer vir morar na Finlândia?

Tenham paciência e aprendam a língua! A Finlândia é um país incrível e incrivelmente diferente de nós! Também venham de coração aberto, porque esse é um lugar muito bom de se viver, com gente honesta.

E aí, gostaram? A Juliana é uma querida e vocês podem conhecer mais do trabalho dela online! No site da Ilo Brigadeira tem o cardápio completo e o e-mail de contato! Sigam o Instagram e o Facebook! Aceitam encomendas através das paginas também!

Obrigada, Jú pela entrevista! Muito sucesso para a Ilo!

Feliz Páscoa e até mês que vem!

Lili

3 Comentários

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.