BrasileirasPeloMundo.com
Jordânia

Jordânia – Ramadã – O Mês Sagrado

No dia 29 de junho deste ano começou o Ramadã. Em poucas palavras, este é o início do nono mês do calendário islâmico, que é lunar, o que faz com que o Ramadã seja celebrado em diferentes datas todos os anos, podendo passar por todos os meses e estações do ano.

Durante esses 29 ou 30 dias os muçulmanos entram em jejum e não podem ingerir alimentos, bebidas, fumar do nascer ao pôr do sol. Este é um momento em que os adeptos do islamismo devem se dedicar a ter uma maior proximidade dos valores sagrados, leitura mais assídua do Alcorão, correção de frequência à mesquita e domínio pessoal.

O Ramadã é o quarto dos cinco pilares do islamismo, sendo eles: professar e aceitar o credo; orar cinco vezes ao dia; pagar dádivas rituais (uma espécie de dízimo); observar as obrigações do ramadã; e fazer a peregrinação a Meca.

É sim tão difícil e desgastante quanto parece. Ainda mais porque os últimos dois Ramadãs, os que eu pude presenciar, caíram entre os meses de junho, julho e agosto, ou seja, verão. E verão no Oriente Médio não é brincadeira, como vocês podem imaginar.

Foto by Muath Freij
Foto by Muath Freij

As temperaruras chegam a beirar 50 graus celsius, com a umidade do ar baixíssima. Privar seu corpo de ingerir qualquer tipo de alimento ou líquido durante as 16 horas da luz do dia, exige uma tremenda concentração.

A quebra do jejum (iftar) soa como uma sinfonia. Ao pôr-do-sol, a chamada que vem das mesquitas ecoam seguida do tilindar dos talheres e copos em um compasso acelerado, ansioso, que dá fome só de ouvir. Normalmente as primeiras coisas ingeridas são tâmaras e água, seguido de banquetes.

E só então a cidade toma vida novamente. A calmaria e lentidão que tomam as ruas durante o dia, dão espaço à vivacidade no período noturno. A vida noturna em Amã é normalmente movimentada, mas fica ainda mais durante o Ramadã. Cafés e “tendas” montadas especialmente para a ocasião, são lotados por pessoas de todas as idades.

Toda essa energia concentrada e liberada durante a noite tem fim com o chamado da última (ou primeira) reza, aproximadamente 3h30 da manhã, quando é a hora do Suhoor, a última refeição antes do amanhecer.

Sendo um estrangeiro (ou não) no Ramadã

No Oriente Médio, o Ramadã é assunto para além do âmbito religioso. Em alguns países, penalidades legais são aplicadas àqueles que “desrespeitam” o mês sagrado. Na Jordânia, a penalidade máxima, por comer, beber ou fumar em público, é uma multa. Mas em outros territórios, isso pode acabar em prisão. A lei também manda que se diminuia a jornada de trabalho para no máximo 6 horas diárias.

Ou seja, no fim das contas, se você não é muçulmano, jejuar acaba parecendo mais fácil. A maioria dos restaurantes fecham ou estão abertos apenas para entrega durante o dia. Para quem passa o dia no trabalho e divide o ambiente com pessoas em jejum, a situação é ainda mais complicada. Não é meu caso porque trabalho apenas com cristãos, mas ouvi relatos de pessoas que tiveram que almoçar no banheiro ou tomar água sem mexer muito o garrafa porque ouvir o barulho da água os deixa ainda com mais sede.

Claro que o radicalismo desses exemplos não se aplica a todos, mas ilustra uma das dificuldades que um estrangeiro e/ou não-muçulmano de se adaptar à cultura islâmica. Óbvio que o respeito deve sempre prevalecer, mas que seja sempre mútuo.

O lado mais bonito do Ramadã é que esta é uma época de caridade e compaixão para com os mais necessitados. Toneladas de comidas são arrecadadas e distribuidas à população carente.

Um belíssimo exemplo de caridade foi a da seleção de futebol da Argélia, composta por jogadores muçulmanos, que doaram todo seu prêmio pela atuação na Copa do Mundo, o equivalente à 19 milhões de reais. E, sim, alguns jogadores estavam jejuando no dia do último jogo contra a Alemanha, com uma atuação impressionante! Deixo expressa aqui toda minha admiração.

Pois bem, esta é a parte a qual mais estou disposta a participar (espontaneamente). Algumas ONGs trabalham incansavelmente durante este período fazendo a distribuição de alimentos e estão sempre precisando de voluntários. A oportunidade é única e gratificante.

Ano passado tipo essa chance e este ano, insha’Allah (se Deus quiser), estarei tomando parte desta campanha novamente.

E esta data também é agradável aos olhos. A decoração das casas muda para luzes semelhantes às do natal. Laternas coloridas e muito brilhantes também estão em todo lugar.

Enfim, tudo vale a pena se soubermos tirar certo proveito. E esta é uma experiência no mínimo interessante. Confesso que tentei jejuar “para ver como é”, mas não fui muito longe.

Vou continuar achando alternativas para desfrutar da ocasião. Ramadan Kareem, pessoal!

Related posts

Jordânia – O Oásis do Oriente Médio

Raisa Jorge

Licença maternidade pelo mundo

Ann Moeller

Turismo na Jordânia

Gabriela Lirio Delfino

5 comentários

Cintia Julho 8, 2014 at 8:52 am

Oi Raisa

Achei muito bacana o aspecto que voce abordou sobre como é ser estrangeiro aí na epóca do Ramada, nunca tinha pensado nisso. Realmente, lindo exemplo da seleção da Argélia. Abs

Resposta
Mariana Gonçalves Julho 8, 2014 at 9:49 am

Oi Raisa! Que interessante ver o Ramada com os olhos de quem mora no Oriente Médio. Obrigada por dividir a sua experiência com a gente!
Beijos!

Resposta
Pricylla Nara Julho 12, 2014 at 2:39 am

Excelente texto, aqui em Marrocos também estamos neste momento…
Nada fácil as vezes para um estrangeiro, porém muito interessante, onde também evoluímos como ser humano.
Aqui temos a harira, uma sopa tradicional a ser servida juntamente com diversos outros pratos no momento da quebra do jejum “iftar”, aí, existe algum especial, qual é?
Bjs

Resposta
Raísa Julho 16, 2014 at 10:28 am

Oi, Pricylla!
Aqui é comum algumas pessoas se reunirem no iftar para comer Mansaf, o prato tradicional da Jordânia, mas essa é uma comida popular o ano todo. No entanto, alguns doces são muito característicos dessa época, que é o caso da Qatayef. Tipo uma panquequinha que pode ser recheada com cremes, pistache, chocolate, etc.

Resposta
Indonésia – Ramadã de corpo e alma Agosto 25, 2015 at 3:22 pm

[…] Quando cheguei à Indonésia, em junho de 2011, faltava um mês para começar o Ramadã e eu não sabia bem o que significava e nem o que iria encontrar pela frente. Ao pesquisar na Internet, além da típica informação de que o Ramadã – nono mês do calendário islâmico – é o período sagrado de jejum e orações para os muçulmanos, outras informações sobre radicalismo permeavam as páginas e me deixavam bastante apreensiva. Eu ainda estava meio “verde” no quesito adaptação e tinha medo de acabar tomando água ou comendo alguma besteira na rua e terminar apedrejada! Exageros à parte, muitos países muçulmanos têm regras muito estritas em relação a isso (como a Raisa nos conta aqui). […]

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação