BrasileirasPeloMundo.com
Canadá Empregos Pelo Mundo

Como procurar emprego em Toronto?

Como procurar emprego em Toronto ? Ou quando parece que a vida vai entrar nos eixos…

Meu nome é Tatiana, tenho 39 anos e só tive férias uma vez na vida. Se você achou essa declaração parecendo discurso de grupo de auto-ajuda, você está certa. E eu gostaria de compartilhar com vocês minha experiência de procurar trabalho no Canadá. Mas preciso começar com a experiência do que eu tive de fazer para não surtar primeiro.

Isso é muito sério, mudar de país definitivamente não é para qualquer um. Não mesmo, nem para qualquer dois. Eu cheguei aqui há apenas dois meses, mas me achava a pessoa mais descolada de todas, por que era produtora, sabia fazer pesquisas, era ótima em listas, escrevia bem, tinha várias habilidades. Nunca tinha ficado sem trabalhar. Atuei em várias áreas, fiz freelance, corria de um lugar para outro, porque era articulada e tinha network.

Pois bem, esquece. É claro que cada caso é um caso, mas assim que eu cheguei aqui e consegui pôr a casa em ordem, esqueci todo o resto. Queria estar de férias, mas a cabeça não deixava; pensava na conta do banco no final do dia. Queria encontrar emprego, mas não sabia como explicar o que eu fazia. Não conhecia os cargos e, no fundo, estava apavorada demais até para pedir qualquer trabalho menor.

Solução: pedir dicas aos amigos que vieram antes. Dito e feito, perguntei à Isabel de Vancouver, à Letícia de Montreal, à Eliana de Toronto e “googlei” todas as #brasileiraspelomundo. Todas, sem exceção, me disseram: calma fica tranquila, isso é super normal. Existe, sim, ajuda, é só procurar.  Faz assim, começa fazendo uma lista de onde seria o local ideal para trabalhar. Depois, lista os festivais e lugares bacanas para fazer voluntariado, ganhar experiência e recobrar a confiança. Em paralelo, lista seus skills e pensa em que função bá sica voce gostaria de trabalhar, e onde.

Parecia óbvio, mas fez toda a diferença. Planilha a postos, a a cabeça começou a entrar no lugar. A segunda dica foi procurar uma das agências do governo que te ajudam a se assentar, se reconstruir e se levantar. Pois é, o governo de Ontario tem um serviço super bacana para newcommers e newlanders, mas que funciona para quem tem um visto de trabalho temporário, ou para quem está estudando. (é claro, que quem está estudando pode usar o college para isso, normalmente este serviço está arrolado no altíssimo custo da tuition). Então lá fui eu, ligar e agendar visitas e todos os tipos de serviços e workshops gratuitos que eu tinha direito. O mais importante era botar a cara na rua e começar a falar e escutar o inglês diariamente.

Ligando para um dos números indicados nos milhares de folhetos que existem desde o aeroporto, biblioteca e em grandes avisos nos metrôs, fui direcionada ao serviço mas próximo. Quem me recebeu foi uma agência especializada em mulheres, a Newcommerswomen. Já na sala de espera fiquei emocionada; folhetos falando de empoderamento feminino, várias mulheres negras, trans, de turbante. Mulheres que muitas das vezes em seus países eram proibidas de trabalhar, agora buscavam, lado a lado comigo, uma palavra amiga de incentivo e dicas sobre como fazer seu currículo aparecer.

A Aisha, funcionária que me atendeu, perdeu uma semana refazendo meu currículo, coisa que qualquer site de RH cobraria uma pequena fortuna. Ela me mandou um email gigante dando dicas de como  socializar (existe um site chamado Meetup para pessoas se encontrarem de acordo com seus interesses, mas não tem só aqui em Toronto não) em Toronto e como voluntariar. E falou também que eu poderia fazer um teste gratuito de inglês no Toronto Catholic Board, que era ainda mais barato que os ESL da biblioteca pública, que só da aula para imigrantes, se eu precisasse de aulas para melhorar a fluência. Ela também me disse para procurar a YMCA.

“It´s fun to stay at YMCA !”

“Young man, there’s no need to feel down. I said, young man, pick yourself off the ground.

I said, young man, ‘cause you’re in a new town. There’s no need to be unhappy “

Todo  mundo conhece a música, mas nunca prestou atenção na letra até precisar entender o que ela diz. O YMCA existe desde 1844, ajudando pessoas a sair dos maiores perrengues. Os projetos vão desde workshops para ensinar como os canandeses são no ambiente de trabalho, a piscinas gratuitas, a inventar o basketball (Sim foi um professor canadense que inventou o basquete, dentro de um YMCA em Boston), e feiras de emprego. Lá quem me atendeu foi o Wilson, um colombiano fofo que é fã do Zico. Ele disse que o canadense tem o hábito de mudar de emprego, rumo, carreira, pelos menos sete vezes durante a vida, por isso eles entendem o que é se recolocar. Ele me mandou um email hoje com informações sobre várias empresas recrutando. Esse serviço era só para quem já imigrou, mas ele foi com a minha cara. É claro que ele está falando para eu começar em vendas, e talvez até em empregos mais simples, tais como limpeza, empacotamento. Ele disse que pode me arranjar um emprego na fábrica da Oreo, mas eu decidi tentar primeiro na minha área.

Peguei todos os conselhos, incluindo criar meu perfil no linkedin (e IMDB, no meu caso, para a indústria de mídia) e começei a pesquisar. Dito e feito. E não é que está funcionando? Eu acabei fazendo um filme como voluntária, tenho um comercial marcado para gravar, um festival de cinema comunitário para desenvolver, e um encontro com uma brasileira que trabalha na indústria e passou por tudo isso quando chegou, e que quer me ajudar.

Ah, e minha namorada, que nem estava procurando, conseguiu um emprego na sala de equipamentos de cinema da faculdade.

Resumindo, não é fácil, mas também não é impossível; basta perder o medo, afinal você já teve coragem de sair do país.

Mais informações:

Related posts

Novos vistos de trabalho no Japão a partir de abril de 2019

Ana Paula Ramos

Como validar a licença médica para trabalhar nos Emirados

Raquel Vitorino

Repensando a sua carreira como esposa de expatriado

Cristina Hélcias

8 comentários

Cristina Novembro 28, 2016 at 1:11 pm

Oi Tati. estou pensando em ir. mas vou sozinha. e ai da aquele medinho. tenho 41 anos e sou estável no Brasil. mas acho que é hora de ver e viver coisas novas. li seu relato, pareceu bem honesto e realista. e hoje, como tá pra imigrante? quero fazer o curso de paralegal. e antes tenho que fazer um pouquinho de ingles. quanto vc acha que vou gastar? quanto tenho que levar de reserva? pergunto isso porque embora eu saiba que vou apertar os gastos, quero saber se será possível….. além disso, é fácil conseguir alguem para dividir casa ou é melhor procurar algo para morar sozinha? preciso achar pessoas que queiram dividir… é dificil?
bom, sem querer alugar por horas, agradeço muito se vc puder responder. muito obrigada, Cristina

Resposta
Tati Berlim Novembro 28, 2016 at 6:22 pm

Olá Cristina, adorei seu e-mail pois justamente acho que quem quer vir pro Canadá precisa saber de verdade como a coisa é. Bom, primeiramente para mim idade só é um problema pq o corpo não aguenta a mesma pressão dos trabalhos braçais, só por isso, afinal tenho 39. Sobre vir sozinha, acho que o ruim vai ser balancear estudos e trabalho, pois os colleges são puxados e você só pode trabalhar 20 horas fora e dentro não tem limite, mas não sobram muitas horas depois das aulas e você terá muitos deveres e trabalhos para entregar. Sobre os custos acho que você gasta 16mil cad do college + despesas de moradia e comida. Sozinha o mínimo que você vai conseguir alugar deve gastar 700 dolares + luz (50 cad), mas é difícil por que ninguém te conhece na praça. O ideal seria alugar um quarto na casa de alguém que já tem esse crédito. As contas são 125 passagem de TTC se você ficar longe do trabalho-college, 600 aluguel quarto, 50 cad de celular e 40 cad de ajuda na luz da casa. Comida acho que com 80 dólares por semana você vive. Espero ter te ajudado. Agora sobre a sua área eu não conheço muito. Uma boa dica é ver como está o job market dela no site do CIC. Um grande abraço. E vamos mais adiante, nunca desista. Pois cada estória é uma estória. Conte comigo.

Resposta
Penelope Janeiro 12, 2017 at 9:47 pm

Olá Tati!
Muito interessante e motivadora sua postagem. Gostaria de acompanhar mais….

Resposta
Tati Berlim Janeiro 12, 2017 at 9:52 pm

Seja bem-vinda, aqui você pode e deve acompanhar um pouco mais da estória de cada uma de nós, brasileiras pelo mundo.

Resposta
Ingryd Julho 18, 2017 at 1:38 pm

Bom dia Tati tudo bem ? Poderia me informar quais os procedimentos de vistos do Canadá ?

Resposta
Jose Ferreira Agosto 25, 2017 at 11:18 am

Ola Tati, estou pensando voltar, sim voltar e seria pela terceira vez, a Toronto cidade que eu amo e conheço tao bem como minha casa, meu problema será sempre o mesmo, a dificuldade em ter um emprego que me dê legalidade de estar no Canada, a permissão de poder trabalhar sem o problema da ilegalidade. minha esposa (Brasileira) já esteve comigo aí e adorou a cidade e o modo de vida dos Canadenses, tenho portanto uma esposa e amiga nessa minha iniciativa de voltar, nas duas vezes em que estive aí fez no total o tempo de 5 anos a minha estadia e isso me da uma vontade pra dizer que facilmente consigo arrumar emprego, sou um experiente cozinheiro da tradicional cozinha Portuguesa, e amigos que deixei aí sei que o estão disponíveis pra me ajudar no aspeto de alojamento inicial, o meu objetivo neste contato com você é no aspeto de ajuda para uma eventual legalização, para os passos quew terei de dar para conseguir essa finalidade.

Obrigado por tudo e Deus abençoe você, no nome poderoso de Jesus!!!

Resposta
Aline Novembro 19, 2017 at 5:01 pm

Oi Tati, boa tarde!
Fiz um intercâmbio de 2 meses em Toronto, e tenho pretensão de voltar para morar e trabalhar, mas tenho muitas dúvidas quanto ao visto para trabalho. Necessariamente tenho que estudar em algum college para poder trabalhar?No caso de ir para trabalhar, devo comprovar renda por até quanto tempo?
Adorei seu post e agradeço se puder retornar a essas questões.
Obrigada!

Resposta
Liliane Oliveira Novembro 20, 2017 at 2:00 pm

Olá Aline,
A Tati Berlim parou de colaborar conosco, mas temos outras colunistas no Canadá.
Você pode entrar em contato com elas deixando um comentário em um dos textos publicados mais recentemente no site.
Obrigada,
Edição BPM

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação