Mercado de trabalho em Budapeste

12
1430
Advertisement

Atualmente, a instabilidade econômica tem afetado diversos países, ocasionando um maior número de mão de obra e um menor número de oportunidades de trabalho. Por conta disso, muitos brasileiros consideram a migração uma saída viável para que possam se estabilizar no âmbito pessoal e profissional. Hoje vou falar sobre o mercado de trabalho em Budapeste, onde moro.

A Europa sempre atraiu muitos imigrantes, principalmente por sua sua “solidez” e qualidade de vida. No entanto, muitos países europeus considerados estáveis perderam essa característica e, assim como o Brasil, enfrentam uma crise no mercado de trabalho, fazendo com que a migração dentro do Bloco Europeu aumente e países que até então não eram considerados atrativos recebam um alto número de imigrantes.

A Hungria vem se destacando por conta da grande oferta de trabalho. A capital, Budapeste, atrai muitas empresas multinacionais que lá implementam seus Centro de Serviços Compartilhados, os famosos Shared Service Centre (SSC), já que a mão de obra local não é tão custosa para o setor privado, principalmente pelo fato do país não estar na zona do Euro. (Shared Service Centre são unidades de uma Corporação que recebem determinados processos que foram terceirizados pela matriz).

A capital húngara atrai muitos investidores do setor privado e de Organizações Internacionais. Por exemplo, três órgãos da ONU instalaram seus SSC em Budapest: FAO (Food and Africulture Organization), UNHCR (United Nations High Commissioner for Refugees) e UNICEF. Tais organizações estão sempre em busca de profissionais e anunciam suas oportunidades em seus respectivos sites.

Em relação ao setor privado, inúmeras são as empresas em busca de profissionais. Como atuei na área de recrutamento em Budapeste, gostaria de listar algumas dicas para quem busca uma oportunidade na Hungria:

1. A maioria das empresas buscam candidatos que são elegíveis para trabalhar na Comunidade Europeia. É importante que seu visto esteja valido ou que você possa trabalhar legalmente na Europa. Algumas empresas podem providenciar o visto de trabalho, no entanto, seu currículo deve ter diferenciais para o mercado local.

2. Sabendo da informação anterior, fique atento quando optar por agências que prometem realocação para o mercado internacional. Caso você escolha essa opção, saiba que agências são pagas após o chamado “placement” entre agência e empresa. Para ilustrar o exemplo, podemos dizer que os candidatos são produtos a serem vendidos para empresas e estas, quando optam por tais candidatos, pagam um valor previamente acordado após a contratação, que na maioria das vezes é um percentual sobre o salário anual do empregado recém contratado. Portanto, evite realizar o pagamento a agências que prometem empregos internacionais. Pesquise antes! Cuidado para não perder dinheiro! Eu já vi muita consultoria que divulga seus serviços com a promessa de oferta de trabalho na Europa e, muitas vezes o candidato não possui um currículo atrativo para o mercado que se aplica. Fique atento!

3. Ter domínio do inglês é mandatório, além de idiomas adicionais. Recrutadores buscam profissionais que possuem dois ou mais idiomas para prestar o suporte global dentro de SSC.

4. O Linkedin é uma importante ferramenta para quem busca oportunidades na Hungria. Além disso, é fundamental que você cadastre o seu currículo em sites de empresas, pois é o principal meio de contato entre candidato e área de recursos humanos. Se você está em busca de um site local, recomendo o Profession e grupos em mídias sociais, como o Facebook, que são muito usados.

workplace-1245776_640

Antes de considerar a Hungria como destino profissional, é válido pesquisar sobre o país, hábitos locais e principalmente, sobre a cultura da organização em que você busca uma oportunidade.

Eu tive a chance de trabalhar em duas grandes empresas em Budapeste e em uma delas, trabalhei com profissionais de mais de 50 nacionalidades. Devido a isso, muitas empresas multinacionais investem em treinamentos, em busca de um ponto de equilíbrio nas relações entre os empregados de diferentes culturas. Mesmo assim, é evidente que uma vez que as empresas se instalam em um país, também se adequam aos costumes e regras locais.

Apesar do grande número de profissionais oriundos de diversas culturas, muitas empresas situadas na Hungria são bastante burocráticas. Em relação ao profissional local, percebi que muitos são bastante metódicos e, a execução precisa dos procedimentos de trabalho, está diretamente relacionada a entrega de resultados.

Como a Hungria é reconhecida por receber empresas de prestação de serviços e terceirização, estas já possuem procedimentos previamente estabelecidos que se adequam à política da matriz. Ou seja, muitas das vagas oferecidas tendem a ser mais operacionais, a fim de dar o suporte necessário à matriz.

Em relação ao crescimento dentro do mercado de trabalho na Hungria, não existe regra. Naturalmente, à medida que o empregado cresça dentro de uma corporação, ganhará mais responsabilidades e se envolverá em atividades mais estratégicas, mas isso dependerá exclusivamente da evolução do profissional e das possibilidades dentro da empresa.

Enquanto profissional, acredito que a diversidade cultural é sempre enriquecedora para uma empresa, pois proporciona crescimento de todos os empregados envolvidos e traz diferentes visões para processos, que na maioria das vezes resultam em melhoria para as empresas.

Se você busca estar em um ambiente multicultural, recomendo se aplicar para posições na Hungria. Mesmo sem domínio do idioma local, é possível encontrar um bom emprego. Caso você tenha mais dúvida em relação ao país, pode entrar em contato!

Compartilhe
Texto anteriorMinha jornada até Brisbane
Próximo textoEstudar na Holanda: será?

Rafaela é natural do interior do Paraná, mas em Curitiba graduou-se em Direito e cursou sua pós graduação em Administração de Empresas pela Fundação Getulio Vargas. Trabalhando em empresas, na área jurídica e Compliance, optou por atuar na área de Recursos Humanos por acreditar no grande potencial estratégico e de mudança dessa área. Apaixonada pelo ambiente corporativo, pela área de recursos humanos e por Budapeste, ainda quer trabalhar em outros países para aprender (na prática) sobre gestão de pessoas em ambientes multiculturais. Curiosa pelo mundo, adora viajar e conhecer culturas diferentes. Cheia de planos e sonhos, espera viver boas experiências, crescer como profissional e pessoa e claro, ter muitas histórias a compartilhar.

12 Comentários

  1. Rafaela, parabéns pelo texto!
    Eu tenho avaliado mudar-me para Hungria, por estilo de vida, mesmo que isto signifique abrir mão de algumas coisas. Creio que seu texto resume bem o panorama, No meu caso particularmente, creio que a maior dificuldade é conseguir uma posição de liderança, menos operacional, mesmo que a meu favor eu tenha a fluência do idioma Hungaro, além de inglês e espanhol, e já ter dirigido os negócios no Brasil e depois na América Latina espanhola.
    O que você sugere para o meu caso?
    Abraços,
    András

    • Oi Andras, tudo certo? Obrigada. Que bom que gostou do texto.
      Sugerir algo assim, sem conhecer o seu perfil é complicado.
      O fato de você falar húngaro certamente te ajudará muito. Vagas de liderança sao, na maioria das vezes, geridas em conjunto com agencias de recrutamento (gerencia, diretoria). Você pode entrar em contato comigo e te indico agencias de recrutamento em Budapest.
      Um abraco, rafaela ([email protected])

    • Andras, Mil desculpas.
      Por alguma razão, não respondi e não vi o seu comentário.
      Acredito que posso te ajudar sim, principalmente por saber do mercado de trabalho e por ser profissional da área.
      Podemos falar no Linkedin,
      Um abraço

  2. Parabéns pelo texto, Rafaela!
    Emprego na Hungria é um tema que sempre me cobram quando escrevem para perguntar sobre o país. Como moro aqui há muito tempo, acham que sei responder sobre tudo, mas morando no interior (Pécs) e trabalhando por conta (escritora), sendo mãe e dona de casa, não sei muito o que dizer sobre o mercado de trabalho em Budapeste. Vou passar a indicar esse seu texto. 😀

    Beijinhos!

  3. Oi Rafaela,
    Sou psicóloga e gostaria de perguntar se você sabe se há chances de ser contratada em minha área (como em Recursos Humanos, porém minha experiência profissional é na área da saúde). Não tenho visto de trabalho e a ideia seria que a empresa me auxiliasse com o visto de trabalho. Você acha que é possível? Obrigada!

  4. Boa tarde Rafael, tudo bem?
    Parabéns pelo seu texto! Muito bom!

    Tenho grande interesse em trabalhar na Hungria, possuo formação técnica na área de Automação e sou também formado em Engenharia Elétrica. Tenho mais de 11 anos de experiência na área de metalurgia/industrial.

    As minhas perguntas são:

    1. Você acha que na minha área é possível conseguir um emprego

    2. Onde devo procurar por vagas de emprego ? Existem sites confiáveis? você conhece alguns?

    Muito obrigado

  5. hahaha…não creio, procurando por notícias e me deparei com este EXCELENTE TEXTO…só depois percebi que era teu RAFAELA BAENA. Você é incrível mesmo!!! Sempre muito solícita e profissional.
    Grata. Sempre!!
    😉

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui