A adaptação na escola inglesa

6
485
Arquivo pessoal
Advertisement

Hoje vou falar um pouco sobre as escolas do Reino Unido, mais particularmente, sobre como está sendo a adaptação dos meus filhos na escola inglesa, o que talvez possa ajudar outras mães que estejam na mesma situação.

Aqui em casa temos dois casos completamente diferentes, primeiro meu filho mais velho, de quinze anos, que estudou na Inglaterra entre os quatro e nove anos de idade e, por isso, já voltou para este país sabendo falar o idioma, e, depois, meu filho mais novo que tem oito anos e não fala absolutamente nada em inglês!

Para começar, vou deixar um link de um outro texto que explica direitinho como é o sistema de ensino no Reino Unido, assim, quem se interessar no assunto, poderá ter uma noção mais exata de como funcionam as coisas por aqui.

Nossa história

Minha saga começou na hora de escolher a escola, pois meus dois filhos tinham que aplicar para um “in year place” (já que o mais novo entraria no “Year/ano 4” e o mais velho no “Year/ano 11”). O currículo nacional é dividido em quatro etapas:

Escola Primária

  • Stage 1: Years 1 e 2 (5 a 7 anos);
  • Stage 2: Years 3 a 6 (7 a 11 anos);

Escola Secundária

  • Stage 3: Years 7 a 9 (11 a 14 anos);
  • Stage 4: Years 10 e 11 (14 a 16 anos).

Em geral, as crianças aqui só trocam de escola quando mudam da primária para a secundária ou se mudarem de casa e área – aqui normalmente as famílias escolhem as casas pela distância das escolas que elas pretendem que as crianças estudem, já que a proximidade da escola é um dos critérios de desempate quando há uma procura maior do que o número de vagas fornecidas. Nestes casos, a família tem que pedir uma vaga que eles chamam de “in year place”, que seria uma vaga no ano corrente.

Para pedir a vaga é necessário que se preencha e envie o formulário pelo site da prefeitura (council), feito isso, é só aguardar que eles enviarão uma carta falando em qual escola a criança foi aceita (se não for a escola que você realmente quer, há a possibilidade de se entrar com recurso para explicar porque a outra escola será melhor). No nosso caso, o meu filho mais velho já foi aceito direto na escola que queríamos (que, além de muito boa, é na mesma rua da minha casa). O mais novo foi indicado para uma escola bem mais longe, entramos com recurso e conseguimos a vaga na mesma escola do irmão.

A escola que eles estudam é pública, portanto, não tenho gasto nenhum a não ser com o uniforme e o lanche, todo o resto é fornecido pela escola – nem um caderno preciso comprar, o que assusta quando lembro do quanto gastei com o material escolar dos meus filhos, no Brasil, no início do ano!

O nosso pequeno está cursando, então, o Year 4. Ele entrou sem falar uma palavra em inglês mas, graças a Deus, os professores estão sendo muito atenciosos e ele está se esforçando muito, hoje já entende bem e está começando a falar (o melhor é que as crianças já aprendem com sotaque!).

Quanto ao ensino, ele sempre foi muito bom em matemática e relata que as aulas eram bem mais puxadas no Brasil (por isso, também, foi considerado o melhor aluno da sala nessa matéria). A língua estrangeira desse ano é o espanhol, o que também facilita para quem fala português. Outro ponto que ajuda muito a adaptação, são as aulas de educação física, onde ele se destaca no futebol como bom brasileiro que é! Recentemente, tivemos o “parents evening”, uma reunião periódica entre os professores e os pais do aluno, individualmente, para que os pais entendam exatamente tudo o que está se passando na vida escolar dos filhos, e a professora me disse que ele está indo muito bem, tem bons amigos e vem superando as expectativas (mamãe orgulhosa!). Com tudo isso, o início de sua vida escolar inglesa está sendo bem mais fácil do que imaginávamos.

O nosso maior já entrou no olho do furacão, no momento mais decisivo da vida dele. A preparação para os GCSEs (testes tipo o Enem no Brasil) começa no Year 10, porém, meu filho já estava na idade de entrar no Year 11 e, apesar de existir a possibilidade de voltar um ano e começar desde o início, ele preferiu encarar. Hoje ele está cursando o Year 11 e se preparando para o teste do ano que vem.  Nesta fase, o aluno deve cumprir algumas matérias obrigatórias (inglês, literatura inglesa, matemática, física, química, biologia, educação física) e outras opcionais (no caso do meu filho: computação, tecnologia da informação, história e astronomia), das quais serão feitos os GCSEs.

A adaptação dele também está sendo bem tranquila, os professores, como já disse, são extremamente atenciosos e disponíveis, oferecem aulas extras, tiram quaisquer dúvidas nos intervalos e as tarefas de casa, normalmente, vêm com links de vídeos explicativos para tirar dúvidas. Além disso, as escolas oferecem muito mais do que o ensino, fornecem orientações vocacionais, apresentação de universidades, palestras com pessoas bem-sucedidas em diferentes áreas, enfim, oferecem todo o suporte na escolha do caminho a ser seguido pelo aluno.

Aqui, o jovem tem na escola um apoio muito grande num momento tão decisivo para o seu futuro. Na semana que vem, meu filhote foi convidado para fazer uma visita à Universidade de Cambridge e está todo empolgado (mamãe orgulhosa mais uma vez!).

Enfim, o recomeço dos meus filhos aqui está sendo desafiador e gratificante, espero que o futuro deles seja muito feliz!

Até o próximo mês!

6 Comentários

  1. Luanda,

    Estou indo para Inglaterra com uma filha de 6 (completados em janeiro/17) e outra que fará 10 anos em junho. Pelo que vi a pequena ira para o year 2 e a segunda para o year 6. É isso mesmo?

    Meu sonho e conseguir uma vaga para as duas na mesma escola! Mas assim como voce terei que fazer uma in year aplicattion e tenho receio de não conseguir. Vou para área de Winchester e vi que muitas das melhores escolas estão lotadas.
    Voce poderia dividir comigo os argumentos que usou para conseguir a vaga para seu filho menor na mesma escola? Tem alguma outra dica que possa ajudar?

    Desde ja muito obrigada!

    • Oi Claudia, que bom que está vindo. Acho que sua mais velha vai para o year 5.
      Quantos aos argumentos, primeiro vc aplica pra esse “in year place” individualmente e pede a vaga pra cada uma na mesma escola (que deverá, se possível, ser perto da sua casa, dá uma olhada se a casa que vc vai morar está na área de admissão pra escola que vc quer). Aí vc espera a resposta que vem por carta. Se eles aprovarem a vaga pras duas na mesma escola maravilha! Se não aprovarem vc pode entrar com recurso como eu fiz. Eu expliquei que a escola do meu filho mais velho era na mesma rua da minha casa e a do mais novo era mt longe e ficaria muito difícil leva-lo (já que ele não pode pegar ônibus sozinho!), tb argumentei que eu e meu marido trabalhamos e facilitaria mt que os 2 filhos estudassem na mesma escola.
      Além disso, fomos na escola conversar com o headteacher, explicamos a situação e pedimos ajuda.
      É uma fase tensa até conseguir encontrar a msm escola pros filhos, mas depois que consegue td fica tranquilo. Tente aplicar pra uma escola perto de casa. Aqui eles dão muita importância pra irmãos estudarem juntos e na escola perto de onde as crianças moram. Vai dar certo! Boa sorte!!!

  2. Luanda,

    Boa noite! Gostaria de uma ajuda sua caso possa. Pretendo ir para Inglaterra estudar inglês. Gostaria de ficar seis meses. Tenho um filho de 8 anos que já estuda em uma escola bilíngue desde os 3 anos. Para ir, preciso encontrar uma escola para ele fazer o semestre, mas não encontramos ainda. Você poderia nos ajudar? Obrigada

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui