BrasileirasPeloMundo.com
Leis & Advocacia Pelo Mundo Portugal

A descriminalização das drogas em Portugal

A descriminalização das drogas em Portugal.

A cada dia que passa, Portugal tem sido uma surpresa pra mim. Não faltam motivos para ficar encantados com o País – primeiro pela beleza, depois pela segurança (sendo o quinto país mais seguro do mundo, principalmente para as mulheres), mas também em relação as questões que geram muita controvérsia, como, a descriminalização do aborto e das drogas.

Quando cheguei aqui, a ideia que eu tinha, de que o Brasil estava se tornando um País preso cada vez mais no passado, só foi confirmado. Já falei um pouco da questão do aborto, mas hoje o assunto é outro. A questão são as drogas. A pergunta que não quer calar é: Por que os outros países não seguem o exemplo Português?

Vou começar do começo. A situação do País era catastrófica, nos anos 80, 1 em cada 100 portugueses, registrava dependência da heroína, levando Portugal a ter o maior número de infectados pelo HIV na União Europeia. Mas o que fazer para contornar uma situação que tornava-se cada vez mais catastrófica no País?

A grande ideia foi – descriminalizar o uso de drogas no território Português. Ou seja, em 2001, Portugal tornou-se o primeiro país, a descriminalizar a posse e o consumo de todas as substâncias ilícitas. E o que isso significa? Significa que usar qualquer droga, da maconha, passando para a cocaína até a heroína, não poderia ser punida com tempo de prisão, como se havia feito no passado.

Leia também: tudo que você precisa saber para morar em Portugal

Em outras palavras, em vez de deter o usuário (aquele com quantidade para uso pessoal), ele deveria levar uma advertência, ou uma pequena multa e/ou pode ser obrigado a comparecer a uma consulta médica, ou com uma assistente social, por exemplo. Estas últimas, são para que o usuário receba informações sobre tratamento e tenham ideia de como diminuírem riscos.

E para a surpresa de quem considerava a medida, um tiro no pé, voilá! Portugal reduziu significativamente o número de infectados com o HIV. Um jornal português descreve que os novos casos de HIV chegavam a 104,2 para cada milhão de portugueses no ano 2000, e em 2015, este número era de 4,2 novos casos para cada milhão. Impressionante, não? Além disso, o número de usuários não aumentou após a descriminalização das drogas no país.

Entretanto, alguns artigos já demonstraram que antes de 2001, pouquíssimas pessoas ficavam presas por porte de drogas em Portugal. Ou seja, a lei só colocava no papel uma prática ja existente. Desse ponto, se fôssemos comparar, o sucesso da lei, não seria tão poderoso. Por outro lado, muitos usuários, que antes evitavam ir em busca de ajuda com medo de ficarem presos, após a lei, se sentiam seguras para procurar tratamento especializado.

Atualmente, caminha-se para 17 anos de descriminalização das drogas no País. E a população portuguesa parece acreditar que vai tudo muito bem, obrigada. Os assuntos agora vão mais além. Como em relação ao uso medicinal da maconha, a atenção está no conselho de medicina e desde o ano passado, o assunto vem apresentando barreiras. Já a produção para uso industrial, está liberada desde 1999, para a produção de papel resistente, painéis isolantes e argamassas, por exemplo. Neste contexto, a produção da cannabis só aumenta no País.

Entretanto, a liberação da maconha para uso recreativo, ainda é proibida. Digo ainda, porque desde fevereiro deste ano, vem se debatendo no congresso, a legalização “responsável” da cannabis. De acordo, com a descrição do pedido de lei, reforça que a legalização do uso da cannabis tem como principal objetivo reduzir a oferta e o consumo de drogas em Portugal, além de ter um combate mais eficaz ao tráfico e uma melhor prevenção e tratamento das dependências, aumentando os níveis de educação para a saúde da população. Além disso, o uso só seria permitido exclusivamente para fins recreativos pessoais, limitada a adultos com idade igual ou superior a 21 anos.

Leia também: como obter o visto D7 para morar em Portugal

A princípio, acredita-se que a compra da maconha seria feita exclusivamente em farmácias comunitárias, sendo o consumidor cadastrado, permitindo a vigilância dos padrões de consumo e a detecção de tentativa de compra para venda ilegal. Defende-se ainda, que caso a maconha seja liberada para consumo recreativo, as propagandas sejam proibidas, assim como o tabaco, onde “alertas” de prejuízo à saúde são divulgados no produto; como também a proibição do consumo em locais públicos, e da direção a quem tenha consumido.

E fica a pergunta, por que o Brasil não segue o exemplo de Portugal? Por que nosso governo prefere continuar nessa guerra que parece não ter fim com o tráfico de drogas?

Esperamos seus comentários!

Você pode saber um pouco mais sobre este assunto nas referências abaixo:

(1) As políticas de combate as drogas em Portugal continuam a impressionar o mundo.

(2) Portugal: Fifteen years of descriminalized drug policy.

(3) Portugal descrimalized drugs in 2001: Barely anything changed.

(4) Debate sobre legalização da “cannabis” no congresso.

Related posts

Visto de Residência para estudante em Portugal

Rose Cunha

Inscrição como advogado europeu na Espanha

Thais Maciel Gomes

As 12 Leis trabalhistas no México

Stephanie Caires

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação