BrasileirasPeloMundo.com
Eslováquia

Cheguei na Eslováquia – e agora?

Cheguei na Eslováquia – e agora?

Um belo dia decidi me aventurar indo para a Eslováquia, através de um intercâmbio profissional de um ano, organizado por uma ONG bem bacana que promove o intercâmbio de jovens mundo afora, seja com trabalho voluntário, ou com trabalho remunerado.

Confesso que não conhecia muito sobre o país para onde eu estava indo, mas decidi me mudar, mesmo assim, para a segunda maior cidade da Eslováquia, chamada Košice. O que para nós, brasileiros, é considerado pequeno, para os eslovacos morar em um lugar com um pouco mais de 200 mil habitantes já é considerado morar em uma metrópole.

Chegando lá, fui descobrir que a pechincha que meu contato da ONG havia me dito que seria meu apartamento, era, na verdade, o preço para ficar em um alojamento de estudantes, onde eu deveria compartilhar quarto com mais outra menina.

Esperei aquela hospitalidade brasileira, mas o que encontrei mesmo foi um dormitório em que ninguém falava inglês, não se importando se os estrangeiros não os entendessem. Era bem do tipo: “meu país, meu idioma e minhas regras”. Além do mais, tive que me acostumar a ficar sem a chave do meu quarto por mais de uma semana, já que a pessoa responsável pelas chaves estava de férias e ninguém mais as tinha. Ou seja, vivia constantemente assustada com a possibilidade de que alguém entrasse ali, principalmente quando a minha colega de quarto não estava presente. E falando nela, foi um tanto interessante a nossa comunicação, já que ela não falava inglês, nem eu eslovaco. Vocês devem conseguir imaginar como era complicado explicar que ela deveria limpar o banheiro de vez em quando!

E a barreira do idioma foi se multiplicando, dessa vez, na burocracia que eu deveria resolver: abrir minha conta bancária, por exemplo (pelo menos você pode contar com agências bancárias abertas até às 21h, e aos finais de semana, quando localizadas dentro de um shopping center); ir na Polícia dos Estrangeiros dar entrada na minha identidade; fazer meu seguro saúde e comprar meu cartão mensal do transporte.

Claro que me esforcei para aprender o básico do idioma, mas não foi fácil. A língua eslovaca é completamente diferente do que eu já havia visto anteriormente, e se em línguas latinas as vogais estão sempre presentes, em idiomas eslavos as consoantes prevalecem. Por conta disso, estive sempre muito presa a ter colegas ou contatos da ONG, para que me ajudassem a entender o que até mesmo a polícia de estrangeiros – que não havia pessoa sequer falando inglês – queria de mim, quanto à documentação necessária (o que não foi pouca).

Porém, não só de desafios uma vida é feita. Fui descobrir que eu havia ido parar em um país em que a cerveja era mais barata do que a água! Além do mais, eu estava próxima a uma natureza espetacular e à famosa cadeia de montanhas chamada Tatras.

E para quem gosta de viajar, a Eslováquia, no geral, está muito bem localizada, sendo bem rápido de se chegar aos países vizinhos. Na região em que estive, chegar à Ucrânia, Polônia e Hungria era questão de três horas apenas. Por isso vivia indo para Budapeste – uma cidade onde o fervo acontece –, com exposições maravilhosas em seus museus e gente do mundo inteiro viajando por lá.

Também aproveitei para conhecer bastante a região onde estive na Eslováquia, que, como disse, conta com belezas naturais inacreditáveis. Outro aspecto charmoso eram os chalés de madeira, e as cozinhas tradicionais eslovacas que preparam um halušky* como ninguém.

Ainda pouco conhecida pelos estrangeiros, é aconselhável viajar pelo leste da Eslováquia com alguém local para evitar situações difíceis, por conta do idioma.

Claramente, eu recomendaria às queridas brasileiras a irem buscar por uma aventura fora do nosso país, ou até mesmo fora dos países “óbvios”. Não é fácil: você morre de saudades da família, dos amigos e de falar seu idioma (ou no meu caso em Košice, de conseguir encontrar alguém disposto a falar inglês comigo); os sistemas de cada país serão sempre diferentes uns dos outros; não é sempre que você será aceita de cara pelos locais, lembrando que questões como a temperatura do país podem ser importunas.

Em Košice, os invernos podem chegar a -25 graus. Você também tem que se acostumar com hábitos completamente diferentes dos seus. Por exemplo, os eslovacos gostam de almoçar às 11h-11:30h; acham estranho alguém escovar os dentes no trabalho ou depois das refeições, e em todo almoço e jantar, tem que ter aquela sopa aguada antes do prato principal!

Hoje me pego lembrando o dia em que cheguei neste pequeno país e vejo o quanto  amadureci e aprendi com todas as dificuldades e coisas novas que pude vivenciar. E como os obstáculos podem ser vencidos, acabei ficando na Eslováquia o triplo de tempo do esperado e planejado, tendo feito muitos amigos, conquistas profissionais e várias viagens por uma região linda, porém um tanto quanto esquecida, ainda, da Europa.

*Halušky – prato típico das regiões leste e central da Europa. São parecidos com o famoso gnocchi italiano, mas feitos de água e farinha. Na Eslováquia, adicionam por cima um queijo local, com bacon e cebola. Uma delícia!

Related posts

ETIAS – A nova autorização para entrar na Europa

Mel Barbieri

Como eu vim parar na Eslováquia

Carolina Paolini

Em busca de moradia na Eslováquia

Ana Carolina Pertot

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação