BrasileirasPeloMundo.com
Índia

A universidade que ensina avós a produzir energia solar na Índia

Quando eu cheguei na Índia, quase um ano atrás, eu passei um mês morando em Jaipur, no Rajastão, como voluntária em um hostel em troca de acomodação. Eu já tinha em mente iniciar o meu próprio projeto social, o Project Três, mas eu ainda não tinha definido por onde seria melhor iniciar, e várias questões técnicas ainda estavam fora do meu conhecimento. Depois de um tempo em Jaipur, eu conheci outra brasileira fazendo um projeto de empreendedorismo social na Índia chamado Happee, que provê educação à crianças com HIV. A Letícia Sales, uma das fundadoras dessa marca, me falou sobre um lugar no Rajastão chamado Barefoot College (Universidade dos “Descalços”) e que eu deveria visitar esse lugar. Pesquisei um pouco mais sobre. Me encantei desde o começo, mas com a visita, foi realmente ver um milagre acontecendo.

O Barefoot College foi fundado em 1972 pelo indiano Bunker Roy, filho de uma família da alta sociedade na Índia, que após passar anos vivendo em condições básicas em áreas rurais – aprendendo como cavar poços artesianos e prover água potável -, se tornou amigo de um trabalhador rural chamado Merghaj. Ele ficou tão sensibilizado com a situação geral da distribuição de conhecimento nessas áreas remotas, que decidiu criar uma organização que ensinasse pessoas a realizar o tratamento de água e como desenvolver painéis de energia solar (atitude essa que facilitaria muito a vida desses moradores).

Os primeiros integrantes do Barefoot College eram homens, mas Bunker percebeu que ao ensinar um ofício como esse a homens, eles se sentiam motivados a mudar de suas vilas e tentar melhores oportunidades na cidade grande. Após ter identificado isso, ele resolveu que o ideal seria ensinar mulheres, de preferência avós, uma vez que, primeiro, elas eram as responsáveis pela educação das crianças da família e, segundo, porque elas se sentiam motivadas a melhorar a vida de suas famílias e vizinhos, atendendo de forma plena o objetivo dessa iniciativa. As mulheres treinadas vêm de suas vilas rurais, de diferentes países. Algumas vezes Bunker Roy vai até suas casas para pedir autorização para os maridos, uma vez que a tradição é muito patriarcal na maioria dessas regiões. O mais incrível é ver mulheres que não falam a mesma língua, se comunicando de diferentes maneiras, inclusive aprendendo todo o funcionamento dos painéis solares apenas através da prática e livros ilustrados.

O nome dado à essa iniciativa é “Universidade dos Descalços” pois desde o seu início, todos os processos desenvolvidos e toda a educação interna provida às mulheres e meninas é realizada por pessoas sem diploma. O próprio fundador sempre disse em suas inúmeras palestras que todo o conhecimento que ele adquiriu para essa iniciativa lhe foi dada por pessoas sem diplomas, e ele acredita que todos são capazes de realizar qualquer coisa, basta acreditar. O Barefoot College existe há mais de 30 anos, conta com 2 campi localizados na vila de Tilônia, a 120 km de Ajmer, no Rajastão. As mulheres recebem treinamentos remunerados de 6 meses e após esse período, voltam para suas regiões e aplicam o que aprenderam na sua vila.

O Barefoot College conta também com escola noturna para meninas (na Índia, a prioridade de ensino é dos meninos, o que faz com que muitas meninas não recebam educação, e na região do Rajastão, durante o dia as meninas precisam cuidar do rebanho de animais da família, por isso, frequentam a escola noturna), tendo já atendido milhares de meninas desde o seu início. Atualmente, essa organização treina mulheres de 9 países diferentes, já capacitou mais de 3 milhões de mulheres, emprega atualmente em torno de 800 mulheres na produção de materiais escolares até acessórios de decoração e roupas, que são vendidas dentro da organização para visitantes.

No geral, mais de 77 países foram beneficiados com iniciativas desenvolvidas pelo Barefoot College, mais de 500 mil pessoas receberam acesso à luz proveniente de energia solar, em torno de 500 milhões de litros de querosene foram poupados devido às opções sustentáveis da organização, além de atender 14 dos 17 objetivos do desenvolvimento sustentável da ONU. A visita é completamente inspiradora, as paisagens ao redor são carregadas de cultura e tradição, e eu super recomendo! Sem sombra de dúvidas, o Barefoot College me serviu de inspiração na hora de desenvolver o meu próprio projeto na Índia, e ver algo tão grandioso funcionando de uma maneira tão perfeita, só me fez ter mais certeza de que estava no caminho certo, e que tudo é possível.

Para aqueles que gostam de fazer turismo associado a algum tipo de impacto social, as visitas ao Barefoot College são abertas diariamente a todos com alimentação inclusa, e também existe a opcão de passar a noite no local, para ver o funcionamento desde as atividades matutinas até a escola noturna para meninas. Se quiserem mais informações, assistam ao video do fundador Bunker Roy no TEDx, ou visitem o site da organização.

Related posts

Meu retiro de yoga na Índia após morar no Camboja – Parte II

Roberta Jorge

As mulheres indianas são felizes?

Rachel Tardin

Como o trabalho voluntário mudou a minha vida

Carolina Monzi

1 comentário

Viviana Março 17, 2017 at 5:46 pm

Sou brasileira formada em técnica em enfermagem eu amo muito poder ajudar as pessoas esse trabalho é arte de cuidar minha maior alegria.

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação