BrasileirasPeloMundo.com
Portugal Transporte de animais pelo mundo

Viajar para Portugal com pet

Se você pretende viajar para Portugal com pet ou até mesmo mudar para o País, que foi o meu caso, e tem muitas dúvidas em relação ao tema, acredito que conseguirá esclarecer boa parte delas aqui.

O processo é burocrático mas, sem dúvida alguma, você consegue realizar sozinho, sem auxílio de consultoria.

No meu caso, que estava de mudança com minhas economias, sem emprego garantido ao chegar, esse custo afetaria muito o orçamento, logo, fiz por conta própria e acho plenamente possível a realização de todas as etapas por conta própria. 

Os fatores mais importantes aqui são antecedência e atenção aos prazos! Esteja atento aos prazos! Seja organizado! Sugiro que inicie o processo seis meses antes da viagem.

 

  • Passagem

 

Pesquise as cias. aéreas, do seu local de partida ao seu destino, que viajam com pets e analise a reputação, de cada uma, no quesito transporte de animais. Todos os relatos são facilmente encontrados na internet!

No meu caso, que estava saindo do Rio de Janeiro para o Porto, em Portugal, optei por viajar pela TAP. 

Importante atentar que, caso o pet vá no porão, você deve dar preferência por voo direto, se possível, pois será menos desgastante para o pet e reduzirá riscos de perda de pet, como ocorre com bagagens, por exemplo.

Compre sua passagem e já compre a passagem do pet, também. Comprei com um ano de antecedência e liguei algumas vezes para confirmar que tinha uma passagem de pet vinculada a minha. Fui chata pois me contaram que leram relatos de chegada ao aeroporto, para embarque, e descoberta de que a passagem do pet não constava nos registros. Na dúvida, liguei para TAP mil vezes! Todas as vezes me confirmaram pet vinculado a passagem. Ufa!  

Importante salientar que passagens de pets não são compradas pela internet, fiz a compra por telefone, das nossas passagens e da passagem do pet. 

Leia também: tudo que você precisa saber para morar em Portugal

 

  • Caixa de transporte 

No meu caso, pelo peso do animal, o pet foi no porão, logo, me informei de medidas e peso da caixa de transporte, na TAP, e pesquisei na internet alguém que fizesse. Mandei fazer a caixa nos moldes estipulados por eles e entregaram na minha casa.

Comprei o bebedouro de água, que encaixa na caixa durante a viagem, junto com a caixa. Eu não coloquei comida, dei comida a noite, antes do embarque, e de manhã quando chegamos, o que já é a rotina do pet, mas a caixa veio com um comedouro. 

Atenção para rodinhas! A TAP não aceita rodinhas na caixa, verifique esta questão pois vi, no aeroporto, caixas com rodinhas, logo, existem cias que aceitam.  

Fui ao aeroporto, no meu caso do Rio de Janeiro, no embarque da TAP, e confirmei todas as informações com quem faz embarque de pets todos os dias! Isso meu deixou mais tranquila de que não teria problemas quanto a caixa, peso, etc. Faça isso quando toda a documentação estiver pronta, também, isso te dará tranquilidade no dia do embarque. 

 

  • Microchip

Minha recomendação é buscar uma clínica veterinária, perto de você, que já esteja acostumada com o processo de viagem de pet, foi o que fiz e me senti muito mais segura.

Pergunte e escute!

Procure as clínicas e pergunte se já fizeram implantação de microchip em pets que viajarão ou mudarão para Europa e deixe que falem, assim você conseguirá analisar se entendem do assunto.

Existe um modelo específico de microchip e, realmente, pesquisar esses mínimos detalhes técnicos complica bastante, você já tem muita coisa pra fazer! Isso te fará buscar uma consultoria. Logo, encontrar uma clínica que já conheça essas questões mais técnicas facilitará bastante a sua vida.

Você recebe um certificado de microchipagem após o processo. Faça uma pastinha e já guarde! 

 

  • Vacina da raiva

 

No mesmo dia, em seguida da implantação do chip, você já pode dar a vacina da raiva. 

As informações da vacina devem constar no cartão de vacinação (data da vacinação, etiqueta da vacina, carimbo do veterinário e data da próxima vacina).

No cartão de vacinação também devem constar as informações do pet (nome, sexo, espécie, raça, data de nascimento, proprietário, telefone, etc.).

Importante! Normalmente damos a vacina de raiva uma vez por ano, no meu caso ainda faltavam seis meses para vencer, mas as vacinas dadas antes da implantação do microchip não tem validade, logo, tive que dar novamente após a colocação do microchip. 

 

  • Sorologia da raiva

Como falei, o ideal é encontrar uma clínica veterinária que já conheça o processo, isso facilitará sua vida, te deixará mais tranquilo, e nem sempre custará mais caro. A clínica do lado da minha casa, super em conta, e que já levávamos nosso pet, já conhecia e fez todo e processo certinho, zero stress.

Retornei a esse tema da clínica pelo fato do teste não ser feito em qualquer lugar. Eu morava no Rio de Janeiro e não tem laboratório que faça o teste lá, logo, a clínica colhe o sangue e envia para o laboratório adequado. Sendo assim, uma clínica que já conheça o processo vai saber para onde enviar, você não vai precisar ficar pesquisando os laboratórios no Brasil, que, pelo que notei, mudam. Se não me engano só tem um, já foi em SP e hoje é em BH. 

Atenção! A sorologia é feita 30 dias após a vacina da raiva! Não vá fazer a sorologia antes disso! 

Outro ponto de atenção! O pet só pode embarcar 90 dias depois da coleta do sangue para sorologia. Durante esse período você vai receber o laudo mas não poderá embarcar com o pet ainda, entretanto, já poderá agendar a Vigiagro quando receber o laudo.

 

  • Vigiagro

Quando receber o laudo você já poderá agendar a Vigiagro

Ao ligar eles vão te agendar dez dias antes da viagem ou menos, eles perguntam a data da viagem. Isso ocorre pois o documento da Vigiagro tem dez dias de validade, logo, a partir do momento que você pega, precisará embarcar, com o pet, em dez dias. Eles me agendaram quatro dias antes da viagem.

Como falei, os principais pontos do processo são antecedência e atenção aos prazos. 

No dia você levará a documentação acima (certificado de microchipagem, cartão de vacinação constando a raiva após a microchipagem, laudo da sorologia), que você já guardou na pastinha pois está muito organizado! Rs

Além disso, levará um atestado do veterinário e dois outros formulários, da Vigiagro, preenchidos.

Não precisa de modelo para o atestado do veterinário dizendo que o pet está apto a viajar, mas você pode pegar o modelo no site do Ministério da Agricultura. Eu fiz isso, peguei no site, preenchi e a veterinária só assinou. 

Esse atestado tem que ser recente, eu estava com a Vigiagro marcada para uma segunda e fui na clínica veterinária no sábado anterior. Pegue o atestado uns dois dias antes da Vigiagro, antes disso acho arriscado.

Quanto aos outros dois formulários, você vai receber quando a Vigiagro te enviar o email de confirmação do agendamento, mas também tem no site do Ministério da Agricultura. Um formulário tem sete páginas e o outro duas páginas.

No email da Vigiagro eles informam os campos que devem ser preenchidos e se você ligar para Vigiagro eles confirmam os campos a serem preenchidos.

Liguei para Vigiagro, do Rio de Janeiro, e o Wilson foi muito solicito, tirou todas as minhas dúvidas.

Consulte o site do Ministério da Agricultura e ligue para Vigiagro em caso de dúvidas, eles atendem muito bem e tiram todas as dúvidas, pelo menos no Rio de Janeiro. 

No dia do agendamento leve originais e cópias dos documentos. Além disso, leve o passaporte de quem irá embarcar com o pet (proprietário) e a passagem impressa, melhor sobrar documento que faltar!

Na Vigiagro você entrega os documentos, eles verificam e te passam o documento para embarque.

 

  • Informar aeroporto de destino

Você enviará um email, com toda esta documentação escaneada e anexada, para o aeroporto de destino. Na Vigiagro eles informarão o email do aeroporto de destino. Caso não informem, pergunte. No meu caso foi o aeroporto do Porto.

Este passo é muito importante pois os veterinários não ficam de plantão em alguns aeroportos, logo, se você não informar, vai ficar preso com o pet até eles contactarem um veterinário e ele chegar para liberar seu pet, além de pagar multa por isso. 

O conteúdo do email é simples, passe seu nome e diga o dia, horário, número de voo que chegará, aeroporto de saída e envie toda a documentação, do pet, escaneada. 

Você receberá um email de retorno, eu recebi no dia seguinte, informando que estava tudo ok com a documentação e a taxa de liberação, que no meu caso foi 40 euros e você paga no aeroporto de destino, quando liberam o pet. Informam, também, para onde você deve se dirigir ao chegar no aeroporto.

Isto te deixa mais tranquilo pois você sabe que não terá problemas ao chegar, que já está tudo certo com a documentação. 

Como te falei, se quiser volte ao aeroporto, com todos os documentos, para confirmar se está tudo certo para o embarque! Para o desembarque você já sabe que está!

Quando você chega ao aeroporto de destino só buscar o pet (perguntei o que fazer ao sair do avião) e levar para a sala do veterinário (que eles indicaram no email). Eles cruzam os documentos enviados com os que receberam por email, checam se o número de microchip inserido no pet confere com o número do certificado de microchipagem, recebem a taxa, te orientam a não atrasar a raiva para que não seja necessário sorologia novamente e te explicam como proceder para registar seu pet no país, você tem um prazo razoável para isso, precisa se instalar primeiro.

Essas são, basicamente, as informações que precisa. Espero ter ajudado!

Caso prefira assistir, em vez de ler, essas informações estão disponíveis aqui.


*Foto:rafi ben haim/ Pixabay

Related posts

Como levar meu pet para a França

Pati Siviero

Férias no Porto: o melhor destino europeu de 2017

Priscila Maranhão

Nacionalidade portuguesa atribuída a netos de portugueses nascidos no exterior

Emellin de Oliveira

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação