BrasileirasPeloMundo.com
A Mulher na Sociedade Pelo Mundo Austrália

Vida das mulheres e multiculturalidade na Austrália

Nesses anos na Austrália, convivi e convivo com diferentes mulheres, de diferentes idades. Logo no começo, a primeiro impressão que tive das australianas é que elas usam roupa muito curta e não só no lazer, mas inclusive no trabalho. Cheguei em Perth em agosto e mesmo com o frio que fazia, via muitas mulheres andando pelas ruas com roupas que no Brasil chamaríamos de “saia/vestido cachecol” (sem julgamento, só uma impressão).

No café que trabalhei por quase um ano, convivi com mulheres em torno de 20 anos como colegas e clientes de toda faixa etária. Minhas colegas de trabalham eram, em geral, tranquilas. Fora os surtos de chefe e a má educação típica de quem trabalha em “hospitality” (restaurantes, limpeza), foi ok. O primeiro “choque cultural” que tive foi um dia conversando com uma colega de trabalho ela perguntou com quantos anos eu casei. A conversei foi assim:

“Com quantos anos você casou?”

“30 anos”

“E você morava sozinha antes?”

“Sim, mas meu marido morava com os pais. No Brasil, em geral, saímos de casa para casar”

“Seu marido saiu de casa com 30 anos?”

“Sim”

“Aff, que loser” (fracassado)

Pois é, aqui eles saem de casa com 18 anos. Os pais fazem eles ajudarem com as despesas, como um amigo meu disse “com 18 anos meu pai me deu uma conta para pagar o aluguel do meu quarto”.

Com as clientes do café, eu via a multiculturalidade. Mulheres do mundo inteiro trabalhando em empresas e aí comecei a conhecer a maior das vantagens de ser mulher na Austrália: a flexibilidade profissional. Algo como poder trabalhar meio período, mas já falarei disso.

Não consegui estabelecer nenhum vínculo muito grande de amizade pela grande diferença de idade e falta de coisas em comum, mas mantenho contato com todas.

Sai do café e fui trabalhar em um childcare. Aí, não somente comecei a ter contato direto com as mães, mas com as colegas, e comecei a entender bem o tal do “part time job”. Acho que ter flexibilidade para trabalhar meio período é o sonho de muitas brasileiras (sempre foi o meu), principalmente quando você tem filhos. E o meio período não significa trabalhar todo dia, mas qualquer emprego que se trabalha menos de 40 horas por semana é considerado “part time”. A maioria das mães que conheço trabalham 3 dias na semana e ficam 2 com os filhos. E veja, estou falando de advogadas, consultoras, médicas, enfermeiras, psicólogas, empresárias. É super comum.

Minhas colegas de trabalho que são mães são todas part time. Trabalhando com criança minha covivência com mulheres aumentou muito, e comecei a conhecer de verdade as mulheres que eu convivo. A multiculturalidade na Austrália é incrível. No meu trabalho somos eu de brasileira, 1 filipina, 2 da Malásia, 1 de Bangladesh, 1 ucraniana, 1 da Nova Zelândia e 6 australianas.

P1000750
Queridas amigas
Colegas de trabalho (Austrália, Filipinas e Brasil)

Também temos pessoas do mundo inteiro: Rússia, Espanha, Índia, Sri Lanka, Austrália, Irlanda, Inglaterra, Estados Unidos, Peru, Brasil, China, Holanda, Alemanha, França, Indonésia. Com tantas famílias de tantos lugares no mundo, conseguimos imaginar quantos costumes, religiões, festas e tradições diferentes estão convivendo juntas.

Das minhas colegas de trabalho, minha melhor amiga é das Filipinas. Impressionante como temos coisas parecidas: não só na nossa criação, mas no país. Conversamos muito sobre qualidade de vida, corrupção e até o idioma (ela fala espanhol). Até as músicas de infância são parecidas.

Aprendi, convivendo com as mulheres aqui, que é tradição na China as crianças não tocarem o chão até os 6 meses de idade. Aí entendi que é por isso que aquela bebê chinesa berrava, querendo colo o tempo todo. Aprendi que as australianas em geral criam seus filhos para serem independentes. Aprendi que as australianas e europeias acham super normal trabalhar meio período. As latinas acham um super beneficio e as asiáticas acham super estranho e se sentem culpadas.

Aprendi que na Ásia é falta de educação abrir presente na frente das pessoas. Que na Índia o maior feriado é o Diwali (festival das luzes) e o ano novo chinês muda de data a cada ano.

Nunca fui discriminada por não ser australiana ou não ter o inglês como minha primeira língua. Pelo contrário, não só minhas colegas, mas as mães me tratam com o maior respeito e me admiram.

Ser mulher na Austrália também significa se vestir como quer, ter a cor de cabelo que você quer e ninguém te olhar torto ou te encarar. Significa ter uma mega qualidade de vida, ser mãe, amiga, filha, esposa e profissional. E não precisa estar sempre arrumada e perfeita porque ninguém liga. Os maridos entendem e ajudam. Quantas e quantas vezes não vi nos parques maridos sozinhos com os filhos. Teve até uma vez que estava o pai com 3 crianças entre 1 – 6 anos. O do meio perguntou “onde esta a mamãe?”. A resposta do pai “não sei, talvez fazendo a unha…”.

Principalmente, ser mulher na Austrália significa ser você, aquele você que você quis ser mas nunca teve coragem, ou não dava porque tinha que trabalhar para pagar as contas. Aqui ninguém vai te julgar se você disser que não trabalha porque cuida dos filhos e você não ficará para trás na sua carreira pela mesma razão. Para mim, ser mulher na Austrália é ser livre, me sinto, finalmente, eu – lembrando sempre que  isso tudo é o meu ponto de vista.

Related posts

Mulheres e o casamento na sociedade Queniana

Daniela Milani

Qatar – O papel da mulher na sociedade qatari

Thais Cunha

A arte de se reinventar quando tudo muda

Cinthia Almeida

39 comentários

Manuela Março 15, 2015 at 9:32 pm

Aline, qual email de contato? Queria conversar um pouco sobre o curso de educação ambiental. Tbem tenho muito interesse nessa area. Se puder trocar uma ideia eu agradeço. Obrigada! Abs,

Resposta
Aline Arruda Março 16, 2015 at 12:26 am

Oi manuela, tudo Bem?
Eu nao fiz Nenhum curso de educação ambiental, estou fazendo um doutorado em educação para sustentabilidade. Tem bastante curso áqui, mas tem que procurar :-).
Meu email [email protected]

Abraços
Aline

Resposta
Léo Março 16, 2015 at 1:08 am

Muito legal suas postagens. Sigo lendo e acompanhando. Super fã. Grande Abraço

Resposta
Aline Arruda Março 16, 2015 at 2:38 am

Leandro, to blushing aqui :-).
Muito obrigada,
Abraços

Resposta
Léo Março 17, 2015 at 4:15 am

Line, o que você acha melhor: eu terminar a graduação em História e ir direto para aí ou primeiro terminar meu Mestrado em História no Brasil ou isto seria irrelevante por aí?

Tenho Inglês bem básico, mas os requisitos para ingressar pela lista de profissões como professor de segundo grau (Secondary School Teacher) se encontram neste link: http://www.aitsl.edu.au/assessment-for-migration

Desse modo, dei uma lida (application form) e pelo (pouco) que pude entender, além de traduzir a documentação e do Ielts em nível elevadíssimo vou precisar passar um tempo fazendo curso complementar local, está certo isso? Outra coisa: preciso ter experiência de quantos anos de prática após formado? Ou essa experiência pode ser obtida aí? Obrigado, mais uma vez, pela força com a interpretação disso, pois você estando aí, creio, vai estar mais familiarizada com peculiaridades, além do inglês bem melhor que o meu, claro.

Grande Beijo

P.S 1: acho que não te disse, mas sou escritor no Brasil, tenho 2 livros publicados (www.prontopraguerra.com.br)

P.S 2: quanto tempo acha que um curso de inglês no Brasil seria interessante antes de ir, 1-2 anos? Alguma recomendação? Nunca estudei, mas tenho relativa facilidade com aprendizagem de idiomas (aprendi Francês em 3 meses, não sou diplomata, mas não passaria fome em Paris 🙂 .

Resposta
Aline Arruda Março 18, 2015 at 2:26 am

Leandro, tudo bem?

Olha, sendo muito sincera eu não sei os requisitos para professor aqui, e quem pode melhor te ajudar é uma agência. Se quiser eu posso passaro contato da agência que esta cuidando do processo meu e do meu marido. Gosto muito dos serviços dele. É o melhor conselho que posso te dar: procure um especialista. Você pode também escrever para o AITSL, eles são super solícitios e respondem.

Cada área tem critérios muito específicos, a experiência na área, por exemplo, não sei se aplica a professores. Acredito que o mais importante é o inglês e talvez você tenha que fazer algum curso complementar sim. Ou pode fazer uma pós talvez, ou PhD se já é interessado em pesquisa :-). Tem mil caminhos, percebe….

Consigo confirmar com você que você precisará de um inglês fluente. E ai o tempo para aprender é também pessoal. Sou como você, aprendi italiano em 4 meses e fui morar na Itália com italiano intermediário e já fui trabalhar na minha área. Talvez você possa se programar em vim antes, fazer um intensivão de inglês. Eu fiz isso.

Espero ter consiguido ajudar um pouco :-).

Super bacana dos livros, parabéns!

Beijos, ótimo dia

Resposta
Carol Março 19, 2015 at 9:48 pm

Eba! A cada texto seu eu fico mais e mais certa de que estamos tomando a decisão certa em ir praí!
Sempre pensei que ter sucesso na vida não é somente ter uma carreira promissora, mas também ter uma família, ter tempo para cuidar de si e da saúde, se divertir e aproveitar cada momento da vida.
Adorei o texto!
Beijos
Carol

Resposta
Aline Arruda Março 20, 2015 at 12:50 am

Obrigada Carol.
Vocês vão amar Perth, a cidade é demais.
Beijos

Resposta
Karly Março 26, 2015 at 2:12 am

Oi Aline! Estou te acompanhando e adorando os seus textos! Estamos na fase de planejamento Perth 2015! Meu marido vai em julho cursar inglês na Curtin e depois emendar no mestrado, ele é engenheiro mecânico. Eu devo ir só no fim do ano com as crianças (9 e 2 anos) por causa do período escolar do mais velho. Também sou advogada. Já pesquisei a minha área e ví o quão complicado é reconhecer a minha profissão aí. Pensando seriamente em mudar de área assim como vc.
Gostaria muito de manter contato com vc, sanar dúvidas de marinheiros de 1ª viagem! rs. Estamos indo com a intenção de ficar.
Bjks
Karly

Resposta
Aline Arruda Março 29, 2015 at 10:37 pm

Oi karly, obrigada pelo contato e por acompanhar o blog.
Claro que pode manter contato sim, anota meu e-mail pessoal [email protected], qualquer coisa pode entrar em contato direto comigo.
Vou escrever um post sobre minha mudança de área no futuro, acompanhe :-).
Beijos

Resposta
Damila Junho 30, 2015 at 12:32 pm

Oi Aline..
Amei seu texto.. Vc é das minhas vai direto ao ponto.. E fala justamente o que queremos saber rs
Meu marido ta muito entusiasmo pra ir.. Só estou na dúvida se é melhor ele ir sozinho primeiro e eu ir depois de 6 meses.. Ou se vou junto com ele.. Me diga sua opinião 😀 temos um bebê de 8 meses

Resposta
Aline Arruda Junho 30, 2015 at 1:13 pm

Olá Damila, tudo bem?
Vc leu meus outros posts sobre emprego? Com inglês básico talvez seu marido demore mais para arrumar emprego na área dele. Dependendo da área, o inglês tem que ser intermediário, em outras, avançado. Eu diria para primeiro investir no inglês.
Quanto a vcs virem juntos ou separados, é uma decisão pessoal e precisa ser pensada com bastante carinho por vcs. Pesquise bastante e guarde dinheiro. Se a expectativa dele é chegar e arrumar emprego na área dele, melhor vcs se informarem mais, pois infelizmente não é tão fácil. Dá uma olhada no meu post sobre emprego na área, deve ajudar.
Vcs precisam pensar também no visto em que vão vir.
Olha, veja tudo com calma, planeje, pesquise e guarde dinheiro porque até se ganhar bem, se gasta um monte :-).
Qualquer dúvida, pode mandar,
Beijos 🙂

Resposta
Damila Junho 30, 2015 at 12:37 pm

Eu não tenho inglês:( mas sempre digo que para aprender basta querer.. Meu marido tem o básico.. E trabalha como analista de sistema (SAP) . Se ele tiver a sorte de conseguir trabalhar na área dele pelo menos em uns 3 ou 6 meses já daria pra eu e meu filho irmos.. To super ansiosa rs beijo

Resposta
Isadora Outubro 3, 2015 at 4:34 am

Aline, estou procurandonuma creche ou baba para fev de 2016 quando chego em perth! Tem algo para me indicar? Minha filha tere 2 anos e 6 meses!!! Thanks

Resposta
Aline Arruda Outubro 4, 2015 at 1:02 am

Isadora, as maes normalmente gostam de childcare perto de onde elas vao morar e todas visitam antes. Vc sabe que bairro vai morar?

Resposta
Alexandre Janeiro 3, 2016 at 7:45 pm

Aline tudo bem? Também sou advogado e estou com a idéia de morar e trabalhar na Austrália. Eu lhe enviei um e-mail com algumas perguntas. Por favor, se puder ler e responder fico muito agradecido mesmo!

Parabéns por suas conquistas na Austrália e um feliz 2016 com muito mais realizações!

Abraço

Resposta
Aline Arruda Janeiro 4, 2016 at 1:03 am

Alexandre, respondi lá e copio aqui:
Oi Alexandre, tudo bem?

Obrigada e para você também.

Olha, eu Não sou advogada aqui, não atuo no setor jurídico há muitos anos. Temos uma outra colaboradora que escreveu como ser advogada na Australia (Mariana Camargo), talvez te ajude ler o post dela, procura lá no blog. Para ser adv aqui, o caminho é longo e custoso. Eles são regidos por common law, o sistema é totalmente diferente do Brasil.

Como vc tem dúvidas muito especificas, eu aconselho você a procuyrar uma agência. Eu sou uma pessoa que como você, resolveu sair do Brasil em busca de qualidade de vida no exterior. Não sei especificamente sobre mercado de trabalho em outras profissões. O que você pode fazer para ter uma ideia, é entrar nos sites de emprego (www.seek.com.au) e pesquisar seu mercado. Ver como são as vagas, o que precisa, o salário.

Boa sorte na sua busca.
Abraços
Aline “

Resposta
Carla Leão Maio 19, 2016 at 11:40 am

Olá, Aline!

Sou professora e estou indo para Melbourne em setembro. Gostaria de saber se você poderia me falar um pouco sobre os requisitos para trabalhar em um childcare. Abraço.

Resposta
Aline Arruda Maio 20, 2016 at 5:00 am

Oi Carla, tudo bem?
Eu já escrevi sobre isso: dá uma olhadinha nesse post: http://www.brasileiraspelomundo.com/australia-trabalhar-com-crianca-210915440
No meu blog tem algumas informações atualizadas para pais que querem colocar os filhos em childcare e logo mais estarei publicando específico sobre cada sala 🙂
http://www.fuilogoali.com.
Qualquer dúvida estou a disposição
Abraços
Aline

Resposta
Alicia Junho 1, 2016 at 1:34 pm

Oi Aline, tudo bem ?

Estou te acompanhando a cerca de 4 messes, eu e meu marido vamos estudar em perth, acredito que outubro chegamos aí. Estava com bastante receio com relação ao modo de se vestir. Preocupação boba dentro de universo de tantas outras coisas, mas precisava saber do que já me livrava do brasil antes da viagem( risos).
Essas informações vale também para quem frequenta faculdade?

Abraço !

Resposta
Aline Arruda Junho 3, 2016 at 5:15 am

Oi Alicia, obrigada por acompanhar o blog :-).
Não é bobeira não, eu vou escrever um post sobre isso no meu blog pessoal http://www.fuilogoali.com.
Posso adiantar para você: como você quiser. Ninguém se importa aqui com como nos vestimos.
Alguns itens, porém, são importantes. Para o inverno, bota de chuva. Se tiver uma galocha, pode trazer. Uso muito porque chove o inverno todo. Mesma coisa com casacos corta vento ou a prova de chuva. Não se importe com guarda-chuva porque venta muito. Ele dura segundos.
Roupas claras para o inverno, trouxe um monte, levei de volta quando fui a primeira vez pro Brasil. Tinha uma bota linda branca que durou uma chuva.
Traga bastante blusa e casaquinha, eu uso demais, aqueles meia estação, sabe?
Quanto ao verão: havaianas, sapatilha só uso no trabalho porque é MUITO quente. Shorts, e bikinis brasileiros. Tem brasileira vendendo, mas eu trouxe um monte.
NA Universidade é igual, o pessoal aqui é muito cuca fresca.
Espero ter ajudado. Qualquer outra dúvida, só mandar.

Resposta
Alicia Junho 6, 2016 at 2:07 pm

Mandei a mensagem e depois fiquei pensando… o povo vai ler e pensar, que cabeça pequena dessa moça (risos). Acho bem bacana você fazer um post sobre a questão vestuário e malas, qual o tipo melhor, mais duráveis, o que levar ou não, a questão da farmácinha, os cuidados, acredito que tudo tem que ir lacrado e tal..Estou preocupada com a questão do que deve ser levado no primeiro momento, acredito que só visito o Brasil 1 ano depois de estar em Perh.
Vou aproveitar o post e tirar outras dúvidas, salão de beleza é igual no brasil? as mulheres fazem depilação,sombrancelha e etc? Tão caro quanto aqui? ou tudo a mesma coisa?

Resposta
Aline Arruda Junho 7, 2016 at 5:04 am

hehehe tenho certeza que muita gente tem as mesmas dúvidas mas não pergunta.
Já comecei o post, vou tentar terminar até o final da semana :-). Com bebê em casa, sei quando começo mas nunca quando termino haha

Salão de beleza não é igual, MAS tem um monte de brasileiros que tem seus salões. Eu só corto com brasileiro. Tem todos os serviços que tem no Brasil. As chinesas são famosas pelas unhas também. Corte de cabelo, em média uns 40-50$. Pé e mão média $40

Resposta
Alicia Junho 13, 2016 at 5:13 pm

Obrigada Aline!

Já estou acompanhando todas suas redes sociais, e sempre ansiosa para novas informações.
Você teve bebê? Não lembro de ter lido nenhum post seu falando, era uma dúvida minha inclusive.(risos)
Pra mim, você já virou uma pop star em Perth! Fico ansiosa para os próximos capítulos.

Beijos

Aline Arruda Junho 14, 2016 at 7:41 am

Alicia, que nada, sou a pessoa mais normal e desconhecida do mundo hahaha
Sim, tive uma menininha, ela esta com 3 meses.
Hoje tem post novo no Fui logo Ali 🙂
Muito obrigada por acompanhar 🙂
Beijos

Alicia Junho 25, 2016 at 7:53 pm

Parabéns pela bebê Aline!!! Sua familia no Brasil deve estar louca pra te ver e conhecer a nova integrante da familia.

Já li todos os post´s do Fui logo ali, já perguntei…… estou sempre presente aqui e ali , chego por aí, se Deus quiser, em outubro.

Abraço e fica com Deus

Resposta
Aline Arruda Junho 27, 2016 at 3:54 am

Alicia, sim, estão. Mas vamos em dezembro e todo mundo vai conhece-la :-).
Me avisa assim que chegar, hein? Vamos tomar um cafe, ou sorvete pq outono ja esta mais quente e nos conhecer pessoalmente.
E você sabe que qualquer dúvida, só me mandar.
Beijos e fica com Deus também

Resposta
Lanne Agosto 4, 2016 at 8:40 am

Olá Aline ,primeiramente quero parabeniza-la pelo blog, maravilhoso e com informações muito boas.

Eu tenho dúvidas e se vc puder me responder ,eu agradeço <3.

1- Como seria para poder FAZER UM CURSO TÉCNICO NA Austrália? COM O VISTO DE ESTUDANTE PODE?

E se não pode, se CASANDO com um australiano a estrangeira brasileira adquiri Seus direitos sem burocracia?

Podendo estudar + trabalhar full time e outros? pois DEPOIS QUE o Visto de estudante ACABA a brasileira tem que voltar para o Brasil,o que não quero.

2- Você acha a area de Nutrição valorizada na Austrália ?,penso em fazer um curso técnico dessa area.

Apesar que estou terminando minha formação no Brasil CURSO SUPERIOR DE NUTRIÇÃO,mas já vi que é muito raro um EMPREGADOR SE INTERESSAR EM EMPREGAR UM BRASILEIRO que estudou no Brasil,fora as validações,voltar a sala de aula… é uma coisa que me deixa muito perdida.

Inglês fluente eu não tenho,mas tenho inglês avançado, e meu plano é ESTUDAR INGLES AI ,ficar FLUENTE e depois fazer um técnico na mesma area que estudei no BRASIL (NUTRIÇÃO).

Acha uma boa?

O que me aconselha fazer? Lutar e tentar validar meu diploma,estudando muitas coisas denovo e gastando muito dinheiro?

Ou partir logo para um CURSO TÉCNICO?

Estou planejando meu intercambio e quando for,não quero mais voltar. Quero conhecer meu grande amor e crescer profissionalmente nesse país avançado.

Um grande Abraço e SUCESSO SEMPRE!

Resposta
Aline Arruda Agosto 5, 2016 at 3:01 am

Oi Lanne, tudo bem?
Vou tentar responder todas as suas dúvidas sim :-). Obrigada pelo elogio e por acompanhar o blog.
1 – Cursos técnicos na Austrália são chamados de TAFE. Sim existem vários, e você se inscrevendo em um terá o visto de estudante.
A maioria dos vistos de estudante te dá direito de trabalhar 40 horas por quinzena, ou 20horas por semana. Acabando o seu visto, você renova fechando outro curso ou volta. Não tem muito o que fazer. Você pode tentar aplicar para ResidÊncia Permanente também, mas tem muitos caminhos e te aconselho a procurar um agente de imigração para auxiliar mais.
Se você casar com um Australiano, entra com o processo de Residência e ai terá direitos de residente. Porém o processo não é simples, é bem rigoroso. Maspara saber mais sobre isso, aconselho procurar um agente de imigração.
2- Todas as áreas são valorizadas aqui. E essa, honestamente, é a coisa que mais amo daqui. Não importa a sua profissão, você será sim valorizado.
Você precisará sim reconhecer sua profissão aqui, mas não necessariamente para arrumar um emprego, com certeza para aplicar para residência permanente. Dá uma olhada nos sites de emprego para ver quais os requisitos.
Acho sim uma boa seu caminho.
O inglês e ser residente permanente ajuda muito em arrumar um emprego.
Sobre o que fazer, eu não posso tomar essa decisão por você, posso te dar informações e você decide o que é melhor.
Boa sorte,
Abs
Aline

Resposta
Fátima Agosto 4, 2016 at 8:50 am

Aline linda,adorei o texto,parabéns pelo conteúdo postado no site,vc fez uma ótima escolha!!

Li atentamente o artigo e fiquei com algumas dúvidas (nada a ver com o post,mas como vi que vc é uma pessoa especial e sabe de muita coisa resolvi perguntar:

Eu amo a Austrália em geral,mas odeio o CALOR :(, na austrália existe uma CIDADE MENOS QUENTE? Que chova mais e até neve? kkkkk

Sabe pra mim é muito complicado: Eu tenho ALERGIA AO SOL e isso me ATRAPALHA EM MUITOS SENTIDOS:

Não posso ir a praia de dia e ficar lá bronzeando e nem curtindo o sol,se for a praia só posso ir no FIM DE TARDE,QUANDO O SOL SE POE (17:15 PRA CIMA)

Andar toda coberta de dia, blusas de manga longa, sombrinhas pra proteger do sol,oculos de sol,protetor solar,calça jeans e outros.

E fiquei até triste por ler uma coisa: Que os australianos curtem ficar nos parques tomando SOL , e eu não posso.

você acha que isso me atrapalharia nos meus relacionamentos? (penso em conhecer meu grande amor lá)

Espero encontrar alguém que me entenda.

e outra coisa:

2 -Li também que eles BEBEM MUITO E EXAGERADAMENTE, Não sou religiosa mais não curto BEBER.
Vc acha que isso também me atrapalharia em QUESTÕES SOCIAIS DE AMIZADE E NAMORO?

Já agradeço pela resposta,

Abraços e Muitas felicidades!

Resposta
Aline Arruda Agosto 5, 2016 at 3:58 am

Oi Fátima, tudo bem?
Obrigada por acompanhar o blog.
Sim, existem cidades menos quente que Perth na Austrália. As que estão localizadas no Sul são menos quentes, e talvez até a Nova Zelândia seja um país melhor para ti.
Melbourne, Hobart e Camberra são cidades aqui na AUstrália que talvez tenham mais a sua cara. Fazem bem menos calor que Perth.
Quanto a eles beberem, nunca me atrapalhou. Acho que você acaba encontrando sua tribo, pessoas com seu ritmo e sua cara.
Espero ter ajudado,
Abraços
Aline

Resposta
Juliana lin Agosto 4, 2016 at 9:03 am

Oiie Aline, que maravilha ler seu texto, muito bom!

Pode me responder algumas questões:

1- Eu sou rockeira/gótica e gostaria de saber como é o público rockeiro/gótico ai? Existem muitas pessoas do tipo que se possa ver na rua?

-Existem muitos FESTIVAIS? Se souber de alguns lugares (PUB-OUTROS) ,Por favor cite aqui?

2- Como eles se relacionam romanticamente?

São timidos que precisam que a mulher brasileira tome iniciativa e a partir dai ,rolar um beijo ?
e são do tipo que levam a mulher a sério sem enrolações para assumir um relacionamento sério com ela?

Ou são como os brasileiros que ADORAM FICAR E GERALMENTE NÃO PASSA DISSO?

Pergunto pois sou uma mulher romantica, odeio enrolações e quando quero digo logo: EU GOSTO DE VC, Namora comigo? … isso os assusta?

Pq já vi paises que como o BRASIL , ainda existe aquele ” machismo” ainda que velado de que o HOMEM É QUE CHEGA,É ELE QUEM BEIJA PRIMEIRO e só ele pode PEDIR A MULHER EM NAMORO.

3- Os australianos são MACHISTAS QUANDO SE CASAM?
Eles DIVIDEM AS TAREFAS DO LAR IGUALMENTE COM AS MULHERES?
ou são como os brasileiros que não fazem que acham que é papel da mulher?

Pra mim antes de se mudar para um país,preciso saber sobre a IGUALDADE, Que é primordial .

Espero que possa me ajudar, beijos e muita paz e felicidades pra vc <3

Resposta
Aline Arruda Agosto 5, 2016 at 8:54 am

Oi Juliana,
Obrigada por acompanhar o blog.
1 – se vê de tudo por aqui. Nunca reparei especificamente em g’oticos, mas tenho certeza que sim. D’a um google em festivais em Perth/ Australia para ter uma ideia. Eu n~ao tenho uma vida social muito intensa para ser parâmetro se tem muitos ou não.
2 – Eu não sei como os homens australianos são por experiência, vim casada com um brasileiro. Talvez a nossa outra colunista da Austrália, Mari, possa te ajudar mais, porém, acredito que eu como em qualquer pais existe de tudo.
O mundo é machista, então achar uma sociedade completamente igualitária é difícil, mas certamente aqui não existe trabalho de homem ou de mulher.

3 – todo mundo faz tudo em casa porque não existe tanto ter faxineiras ou babás porque é muito caro. Mas não posso generalizar. Meu marido faz tudo e ele é brasileiro então até essa generalização que você esta fazendo não é tão verdadeira.

Acabei de ler um post da Roberta sobre a NZ, talvez lá seja uma boa para ti :-). http://www.brasileiraspelomundo.com/nova-zelandia-por-que-fiquei-tao-feliz-em-ter-minha-filha-aqui-221837779. O clima é melhor, como vc já perguntou :-).

Abraços, tudo de bom e boa sorte
Aline

Resposta
Júlia.Silve Agosto 4, 2016 at 9:16 am

Olá Aline,excelente artigo e informações,
pesquisando na internet sobre a Austrália me deparo com esse trecho que achei interessante e gostaria que lesse e me respondesse se isso é realmente verdade?

” Mulheres com filhos levam vida extenuante na Austrália, pois como não há condições de ter empregadas em casa, tudo recai sobre a pobre mãe. Crianças pequenas só começam escola após 5 anos e antes disso tem que se pagar (e caro) para ficar em kindergarden. Como nem sempre se tem alguém da família perto para ajudar, muitas mães estão decidindo ter filhos cada vez mais tarde após os 30 (ou até mesmo não ter). Em geral todas as pequenas e grandes tarefas domésticas são feitas principalmente pelas mulheres, com nenhuma, ou pouca ajuda dos homens. Alguns homens realmente dividem o trabalho doméstico com as mulheres, ou ajudam na manutenção da casa, comprar comida, levar e buscar filhos na escola, fazer o jantar etc. Mas estes são minoria segundo recentes estatísticas. O tempo em que os homens trabalhavam, e as mulheres só ficavam em casa cuidando dos filhos na Austrália realmente acabou, e hoje o salário de uma única pessoa para a maioria das famílias, não é suficiente para suprir a casa. O resultado é que as mulheres na Austrália têm uma carga de trabalho que pode chegar a ser duas ou mais vezes maior que a dos respectivos maridos, e isso tem sido motivo para vários casamentos acabados ou nem iniciados, sem falar dos muitos casos de esgotamento físico e de stress.”

Fiquei preocupada com isso pois gostaria de um homem que não somente ajudasse as mulheres em casa,não existe essa idéia de ajudar e sim de dividir tarefas, o papel de mae tbm não deve virar um fardo,o marido tem o dever tbm de ser pai e se a maioria das tarefas cai só na responsabilidade da mulher,pra mim não vale a pena…

Os homens dai são assim mesmo?

A fonte que li foi essa:
http://www.portaloceania.com/au-diverses-womentips-port.htm

Peguei só um trecho das observações que eles disseram.

Aguardo resposta. Felicidades!

Resposta
Aline Arruda Agosto 5, 2016 at 9:14 am

Oi Julia,
Quando escrevemos artigos como esse que você cita ou o meu, que você leu, vale lembrar que são pontos de vista. Dividimos as nossas experiências morando fora. Com certeza tem pessoas que leem meus artigos e não concordam por terem experiências diferentes.
Eu sou uma mãe morando aqui, e trabalho com crianças. Em geral, as mulheres não reclamam, não. Todo mundo faz tudo em casa, inclusive os filhos. Mas algumas culturas são diferentes.
Conheço bastante australianos e tem mulheres que reclamam e mulheres que não reclamam, então minha resposta é depende. Meu marido foi educado em uma casa com empregadas e quando casamos aprendeu a fazer tudo. Hoje, até banheiro ele lava. E ele é brasileiro. De novo… Tem de tudo.

Boa sorte na sua busca 🙂
Abs
Aline

Resposta
Beatriz Março 23, 2017 at 12:40 pm

Aline bom dia!
Pretendo fazer faculdade de Psicologia e também tenho planos para ir morar na Austrália. Na sua opinião é melhor eu cursar aqui no Brasil ou tentar me adaptar a Austrália e depois cursar ai mesmo?
E em relação a maioridade aí ser com 21 anos, você acha que indo com 19 teria algum problema?
Aguardo e agradeço!! 🙂

Resposta
Aline Arruda Março 25, 2017 at 2:27 am

Oi Beatriz, tudo bem?
Olha, é uma questão difícild e responder. CLaro que se você fizer Universidade aqui, aumentam suas chances de conseguir um emprego na área e a Residência Permanente no futuro, mas custa caro, é em inglês, enfim…. são muitos fatores a se considerar.
O primeiro ponto é o inglês. Seu inglês tem que ser bom e cada universidade tem uma nota minima no IELTS. Então, talvez pesquise no site das universidades quais os requisitos e os valores para ter uma ideia.

Quanto a maioridade, é 18 anos :-).

Abraços e boa sorte
Aline

Resposta
Bianca Santos Silveira Março 5, 2018 at 10:34 pm

Olá Aline,
Sou casada e tenho uma filha de 7 anos, estamos com planos de ir pra Austrália, em Perth mesmo aliás. Meu marido está indo esse mês como estudante( tem um custo de 2 anos) e depois irá aplicar o visto para eu e minha filha, mas tenho uma grande dúvida em relação a escola para minha filha, sabe me dizer se ela pode entrar em qualquer período? ( Eu iria provávelmente em junho. Sabe se existe alguma adaptação para crianças estrangeiras? Obrigada! =)

Resposta
Liliane Oliveira Março 6, 2018 at 2:43 pm

Olá Bianca,
A Aline Arruda parou de colaborar conosco, mas temos outras colunistas na Austrália que talvez possam te ajudar.
Você pode entrar em contato com elas deixando um comentário em um dos textos publicados mais recentemente no site.
Obrigada,
Edição BPM

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação