BrasileirasPeloMundo.com
Egito

A mulher egípcia é oprimida?

A mulher egípcia é oprimida?

Primeiro, quero deixar claro que essa é a soma das minhas pesquisas, com suas respectivas fontes e experiência pessoal. Universalmente, não se pode aplicar o que estou dizendo aqui, mas como qualquer generalização, você vai encontrar alguém que corresponde a essas características.

Muito do que se vê no Egito, não é diferente do que se vê no Brasil, no México ou nos Estados Unidos.

A sociedade egípcia é uma das mais antigas do mundo e nunca foi feminista. Embora algumas feministas usem o exemplo da mulher-faraó, a realidade é que ela precisava emular comportamentos e características masculinas para atender as expectativas sociais e políticas.

O Egito é patriarcal e o homem é a principal figura de poder na sociedade.

As mulheres do Egito
Nefertiti, Hasthepsut e Cleopatra
A egípcia e o trabalho

Fundamental para emancipação feminina, o trabalho é, em algumas partes da sociedade, um tabu. Isso se você não vive entre dois extremos sociais.

A miséria forçou muitas mulheres a sairem de suas casas para trabalhos informais ou até mendigar. O homem tem a responsabilidade e dever de prover o suficiente para sua mulher (ou no plural, mulher05es) e filhos. Quando ele não consegue, ele se humilha permitindo que sua mulher trabalhe, atestando para a comunidade seu próprio fracasso no papel social.

Outro extremo são as mulheres ricas e de classe média com a possibilidade de estudar, fazer mestrado, cursos livres e explorar áreas de interesse, ganhando dinheiro com isso. Para elas o trabalho não é uma necessidade e sim um hobby. Elas são sustentadas por seus maridos, que são condescendentes em relação as suas iniciativas profissionais.

É de responsabilidade absoluta da mulher o serviço doméstico e a educação das crianças, o que dificulta o acesso ao mercado de trabalho, porque se considera que estaria negligenciando sua função principal.

A sexualidade

A mulher no Egito é avaliada por sua castração. Uma mulher de honra não demonstra desejo sexual, experiência ou interesse.

Na negação do prazer feminino, um assunto que já abordei aqui, é a mutilação genital, ou seja, o ápice da castração.

Além disso, as novas gerações se submetem a relacionamentos abusivos (por terem perdido a virgindade com determinado parceiro, não conseguem casamento com outro) ou outras práticas sexuais que mantém o hímen intacto.

Feridas emocionais decorrentes de abusos sexuais também permeiam a sociedade egípcia, onde 50% das mulheres relatam serem vítimas (mas acredita-se que o número é ainda maior). Os maiores causadores são membros da própria família.

A depressão, o estresse pós-traumático e o pânico são efeitos diretos dessas condições e infelizmente, na prática o tratamento com profissionais é um tabu e geralmente levam mulheres com sinais de desadaptação à autoridades religiosas.

A vestimenta

Primeiro, quero dizer que existem escolas Islâmicas que consideram obrigatório o uso do véu islâmico –  hijab – para as mulheres, cobrindo  pescoço, colo e cabelo.

O princípio é ainda maior que isso, sendo exigido também que não mostrem braços, antebraços e pernas, e em algumas escolas, o rosto e as mãos.

Segundo, quero deixar claro que muitas mulheres escolhem usarem o véu e sofrem diariamente discriminação por isso.

No Brasil, por exemplo, além de enfrentarem discriminação na hora de procurar trabalho, a hostilização chega ao ponto da violência.

No Egito, mulheres com véu não são bem vindas em resorts, academias e alguns cafés e restaurantes. A justificativa seria que elas deixam desconfortáveis as mulheres que não se cobrem.

Recentemente um resgate de valores religiosos impulsionados pela oposição ao ocidente (conflito com o Iraque) e a imigração de egípicios ao golfo, cobriu uma geração. Entre cristãs e muçulmanas, 90% das egípcias cobrem seus cabelos.  O lenço é colocado após a menarca.

Muitas mulheres que se identificam com a mídia ocidental e não compactuam com essa agenda política, preferem não usar a cobertura, mas sem abdicar de sua identidade religiosa e social. Consideram que o hijab não é obrigatório no contexto do véu.

Dentre essas, algumas são discriminadas e tiram o véu escondido de cônjuges e familiares, vivendo uma vida dupla.

O direito de se cobrir é legal, mas socialmente, dependendo do seu círculo, pode existir uma pressão para que a mulher o coloque. E depois de posto, pode ser exigido que ela não o tire!

Neste vídeo de 1958 (com legendas em inglês), mostra o líder egípcio Gamal Abdel Nasser rindo da Irmandade Muçulmana que sugeria a obrigatoriedade do uso do hijab às mulheres egípcias.

O tema da violência

Embora existam leis que descrevem e punem a violência contra a mulher, a sua aplicação não é efetiva. Denúncias são tratadas com descaso e vítimas são aconselhadas a retirar as queixas por oficiais de justiça. As mulheres relacionadas a suspeitos são estupradas, humilhadas e violentadas por oficiais de justiça para influenciar as investigações.

Leia mais sobre o tema em “A banalização do assédio sexual no Egito” e “Estupro Marital no Egito”.

 

Fontes:

 

Quer saber mais sobre o BPM? Siga-nos também no Instagram e no Facebook

Related posts

Assédio no Egito

Evelyn Koch

Egito – Pós revolução

Michelle Bastos

Nomadismo digital na pandemia

Tamires Lietti

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação