BrasileirasPeloMundo.com
Egito

Partidos políticos no Egito

Partidos políticos no Egito.

O básico sobre política egípcia

O básico mesmo, porque não se pode criticar ou avaliar a política nacional do Egito. Aqui é um texto informativo apenas de como funciona.

O Parlamento egípcio e o Presidente

No Egito, o soberano é o presidente e o parlamento funciona como um conselho. Eles trabalham 8 meses por ano e atendem a sessões extraordinárias de acordo com o presidente, que é eleito democraticamente.

O Poder Legislativo

Magles en Nowwáb tem 596 representantes, sendo 28 apontados diretamente pelo presidente, 120 por votos proporcionais e 480 por eleições diretas.

Partidos políticos baseados em religião, gênero e raça são proibidos pela constituição.

Os partidos políticos religiosos não são permitidos pois não respeitariam o princípio da não interferência da religião na política. Na política local, a religião tem que permanecer na esfera privada para respeitar todas as crenças. Por respeito a este princípio, em 2014 muitos partidos foram fechados.

Também são proibidos partidos políticos que apóiem formações de milícias ou tenham uma agenda que seja contraditória a constituição e seus princípios, ou que ameace a estabilidade do país, como por exemplo, a unidade nacional entre egípcios muçulmanos e egípcios cristãos.

Os partidos políticos

Republican People's Party (Egypt).png

Partido da República

Constituído por antigos ministros do governo.

Future of the Nation.png

Partido do Futuro da Nação

O maior partido em representação atualmente, foi fundado em 2014 com membros da inteligência egípcia e oficiais ligados ao presidente Sisi. São 316, de um total de 596 deputados e 149 senadores.

O partido tem uma veia militar forte e ligações políticas com os países do golfo. É o partido mais secularista.

Free Egyptians Logo.png

Partido do Egito Livre

Também secular, o partido do Egito livre fundado depois da revolução de 2011, faz oposição a Irmandade Muçulmana e partidos muçulmanos, mas é também oposição ao atual governo e tem a maior representação por votação, com 67 deputados.

Wafd Party Logo.svg

Partido da Nova Delegação

É outro partido secular, mas muito mais antigo, anterior a 1952. Tradicionalmente “centrão”,  defende o socialismo árabe e também o capitalismo. Um de seus representantes se envolveu em polêmicas dizendo publicamente que o holocausto não aconteceu e que o “11 de setembro” foi forjado. São 10 senadores e 26 deputados.

Homeland Defenders Party logo.png

Defesa da Nação

O partido populista e de esquerda, conta atualmente com 18 representantes.

Partido A Luz El-Nour

Nour Party.png

É um partido ultra conservador islâmico.

Foi criado em 2011, depois da Revolução Egípcia, e é a voz salafista presente na sociedade, com valores conservadores Islâmicos e com o objetivo de estabelecer uma teocracia como a da Arábia Saudita.

No passado os salafistas não se envolviam com a política por enxergar que o sistema não era islâmico. Sua posição no conflito com Israel é defender o Sinai como território de controle absoluto egípcio e exigir que não ocupem o território palestino.
O partido realiza vários trabalhos sociais de assistência à viúvas, doentes, pobres, divorciados, entre outros.

Atualmente conta com 7 representantes entre os 695.

Em 2020, dos 300 membros do senado, 100 foram apontados pelo presidente, que escolheu dois do Partido a Luz. Isso significa uma queda muito drástica a um dos partidos favoritos de 2011-2012.

Leia também: entendo os conceitos de espaço pessoal e público no Egito

 

Freedom and Justice Logo.png

Partido da Liberdade e Justiça

Aliado do presidente deposto Morsi e afiliado a Irmandade Muçulmana.

Em 2011, foi eleito no parlamento com o maior número de representantes. Em 2014 o partido foi dissolvido, mas continua realizando atividades sob os panos.

Entre 2011 e 2012, a maior parte dos representantes eram de ideologias religiosas.

Wasat Party, Egypt.png

Al-Wasat Party (Partido do Centro)

Trata-se também de um partido islâmico, porém mais de centro. Foi alvo de críticas da Irmandade Muçulmana por suas visões mais moderadas.

O partido promove uma visão mais liberal e tolerante do islã. No partido de 24 membros, três são mulheres e 2 coptas. Eles buscam interpretar a shari’a (direito islâmico) em harmonia com a democracia e aceitam que um cristão possa se tornar chefe de estado, mesmo que a população seja majoritariamente muçulmana. Defendem também, dentro da lei Islâmica, a permissão do pluralismo e direito do cidadão.

Building and Development Party.jpg

Partido da Construção e do Desenvolvimento

No processo de 2014, esse foi um dos partidos islâmicos perseguidos. Dentre os outros partidos, era o que mantinha visões mais políticas do que religiosas.

Acreditam que as instituições devem ser pautadas pela shari’a e no livre mercado. Um dos seus afiliados esteve envolvido no assassinato do ex-presidente Sadat.

Authenticity Party logo.jpeg

Partido da Autenticidade

Também alvo do Processo de 2014, o partido conservador restringe a lei do país apenas para Shari’a, em uma linha salafista. Entre 2011 e 2012, o partido possuía 3 posições parlamentares, porém atualmente não possui mais representação direta.

Conservative Party (Egypt).png

Partido Conservador

Com início em 2006, o partido parou em 2010. Parte da oposição do partido foi reativado em 2011, mas não conta com representação atualmente. Figuras públicas e jornalistas formam o partido.

Partido Jovem do Egito

Este partido tem como objetivos:

  • Estabelecer um sistema de governo presidencial parlamentar.
  • Reforçar os laços árabes-egípcios.
  • Alcançar a integração com os países africanos.
  • Adotar políticas de não alinhamento (esclarecimentos necessários).
  • Estabelecer o sistema econômico socialista islâmico e impulsionar o papel do setor privado.

Leia também: você sabe o que são Coptas? 

Posto isto, saliento que o Egito foi o primeiro estado árabe a estabelecer relações diplomáticas com o estado de Israel, após a assinatura do tratado de paz Egito-Israel nos Acordos de Camp David.

O Egito tem uma grande influência entre outros estados árabes e historicamente, desempenhou um papel importante como mediador na resolução de disputas entre várias nações árabes e na disputa israelense-palestina.

A maior parte das nações árabes ainda dá crédito ao Egito no desempenho desse papel, embora seus efeitos sejam frequentemente limitados.

  • Salafismo ou movimento salafista é um movimento ortodoxo, internacionalista e ultraconservador dentro do islamismo sunita.

Quer saber mais sobre o BPM? Siga-nos também no Instagram e no Facebook

Related posts

A Fascinante Vida no Cairo

Mauren Grazziotin

Seis diferenças entre a mãe brasileira e a mãe egípcia

Michelle Bastos

Assédio no Egito

Evelyn Koch

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação