BrasileirasPeloMundo.com
Quênia

Mudar com crianças e um cachorro para o Quênia

Mudar com crianças e um cachorro para o Quênia.

Em abril de 2016 eu e minha família nos mudamos para o Quênia. Meu marido veio uns dois meses antes para ver como era, se havia condições de virmos com as crianças, como seria o processo para conseguirmos uma casa, pesquisar escolas etc. Eu fiquei no Brasil com a tarefa de colocar nossa casa para alugar, organizar a documentação das crianças e de nosso cachorro (que viria junto, pois meu filho mais velho não podia nem pensar em mudar-se sem seu companheiro).

Neste primeiro texto darei algumas dicas importantes e essenciais para quem pensa em se mudar com crianças. No próximo, contarei a saga de trazer um animal de estimação. Existem algumas regras e custos extras que quem pensa em mudar de país precisa ter em mente antes de se aventurar.

Primeiramente as crianças. Assim que a decisão for tomada é importante providenciar o passaporte o mais rápido possível, pois é um documento que demanda um certo tempo para ficar pronto e sempre pode atrasar. Tenha em mente também que se somente um dos pais for estar presente no momento da viagem, na hora da confecção do passaporte é necessário assinar uma autorização para que a criança possa viajar com apenas um deles. A autorização também é necessária se o menor for viajar sozinho. Isso facilita muito a vida de quem faz viagens internacionais com frequência, pois sem essa informação na página inicial do passaporte, seu filho precisará de um alvará do juizado de menores ou de uma escritura pública autenticada e com firma reconhecida para que ele possa embarcar. É importante lembrar que em muitos países não há como fazer este documento e nem como reconhecer a firma de um cartório brasileiro sem que o documento esteja traduzido. Saiba também que quando se planeja a viagem de menores sem um dos pais e sem autorização no passaporte, há grandes chances de que se tenha de providenciar uma autorização nova para cada viagem da criança e, como já disse acima, dependendo do país, pode não haver a possibilidade de fazer este documento.

Verifique as informações sobre o visto de entrada no país de destino. Em alguns casos ele pode ser requerido online, em outros, apenas na embaixada do país. Informe-se o quanto antes, pois a resposta para um requerimento de visto pode demorar quase um mês para chegar, sempre havendo o risco deste ser negado por conta de alguma divergência ou inconsistência de informações durante o processo. Se isso acontecer você precisará de tempo para fazer um novo requerimento. Sempre procure informações nos sites dos ministérios do país de destino. Evite as informações das embaixadas no Brasil pois, apesar de estarem em português, muitas vezes estarão desatualizadas ou com informações desencontradas, o que poderá fazer com que você bata na trave ao entrar no novo país.

Outra coisa importante que deverá ser pensada com certa antecedência é a documentação escolar (histórico, certificados etc). Isso é uma parte importante, pois geralmente as escolas pedem alguns dias ou, em alguns casos, até meses para a confecção do histórico. Tão logo você saiba que irá se mudar já entre em contato com a escola para agilizar a documentação.

É de suma importância que você saiba que, no exterior, uma documentação só tem validade e aceite quando traduzida por um tradutor juramentado. Esse é um processo que, na maioria das vezes, só pode ser feito no Brasil, portanto, assim que tiver o histórico em mãos, leve-o junto com a certidão de nascimento para o tradutor juramentado. O mesmo vale para certificados de conclusão de curso, diplomas etc. Traduza tudo o que achar que será de utilidade para você e seus filhos no exterior.  Em alguns países somente o passaporte já é suficiente como documento para seu filho, algumas escolas, no entanto, exigem a certidão de nascimento traduzida.

Agilizado o passaporte, documentação escolar e o visto é hora de verificar quais vacinas o país de destino exige. Geralmente a vacina contra febre amarela é obrigatória. Ela deve ser tomada pelo menos dez dias antes da data do embarque e, até julho de 2016, sua validade era de 10 anos. Ouvi dizer que a partir de agora a validade é vitalícia, mas como essas regras mudam o tempo inteiro, é importante sempre se informar no site do ministério da saúde do Brasil e também sobre as exigências aeroportuárias do país de destino (geralmente nos sites dos ministérios de relações exteriores dos países há informações que ajudam muito).

Após a vacina é necessário tirar a carteira de vacinação internacional nos postos da Anvisa nos aeroportos internacionais. Aqui vai uma dica importante: se o seu aeroporto de partida não for um aeroporto internacional, é de suma importância que você faça uma escala com tempo hábil em algum aeroporto internacional e agende um horário na Anvisa deste aeroporto. Verifique o horário de funcionamento para não correr o risco de perder a viagem por não haver conseguido a carteirinha internacional de vacinação. Eu fiz a minha e a das crianças em Curitiba, não precisei de agendamento, ela é gratuita e foi bem rápido, mas ouvi dizer que dependendo da época do ano ou da demanda, a fila pode ser meio longa, sendo necessário um agendamento. Existe um pré cadastro que pode ser feito no site da Anvisa, na seção viajantes, agilizando o processo no aeroporto.

Essa foi uma parte do processo pelo qual tive que passar para vir para a África com os meninos. Em meu próximo texto falarei sobre como trazer seu animal de estimação da maneira mais fácil e menos traumática para todos.

Abraços,

Related posts

Wangari Maathai – vencedora do Prêmio Nobel da Paz

Daniela Milani

Cinco motivos para NÃO morar no Quênia

Daniela Milani

AIDS, o assassino que o Quênia finge não existir

Daniela Milani

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação