BrasileirasPeloMundo.com
Entrevistas EUA Nova Iorque Profissões Pelo Mundo

Profissões Pelo Mundo – Consultora de imagem e moda em Nova Iorque

A entrevistada de hoje é a Paula Vissotto Gartenkraut.  Nascida em Palo Alto na Califórnia e criada no Brasil, a publicitária e consultora de moda mora em Nova Iorque há quase 15 anos. Paula trabalhou no marketing da Ermenegildo Zegna e da H.Stern e também na produção de eventos para a semana de moda de NY, além de ter colaborado com o website Chic de Gloria Kalil. É mãe da Stella há 2 anos e meio, consultora de imagem para mamães (em casa ou no escritório) e consultora de compras da empresa Paula Laffront em Nova Iorque.

 BPM – Como tem sido a sua trajetória profissional? 

 Paula – Tem sido lotada de recomeços. Depois que deixei o Brasil em 2001 e meu emprego de coordenadora de mídia na W/Brasil, trabalhei como assistente de produção para desfiles e eventos pois estava melhorando meu inglês. Recomecei como assistente de marketing para a Ermenegildo Zegna e depois segui para a H.Stern como gerente de marketing. Iniciei uma nova fase, a de consultora de imagem e moda. Depois de ter me tornado mãe e ter deixado minha vida (e armário) de executiva percebi que precisava adaptar meu guarda-roupa ao meu novo estilo de vida.

 BPM – Você fez faculdade de Moda ou algum outro curso específico nos EUA?

 Paula – Estudei moda na faculdade Santa Marcelina em São Paulo, mas não me formei. Estudei ‘Tendências de Moda’ e ‘Fashion Business’ em NY na Parsons School of Design e termino agora meu certificado de ‘Consultoria de Imagem’ na FIT (Fashion Institute of Technology).

 BPM – Como é a sua rotina? A que horas começa a trabalhar e qual é a sua carga horária?

 Paula – Trabalhar em casa é complicado, pois ninguém acha que você trabalha de verdade; pensam que se você está na na frente do computador deve estar no Facebook, mas eu tento ter uma rotina de 2 horas de manhã e 2 a 3 horas à tarde. Estas horas podem ser em casa ou nas ruas, visitando lojas ou atendendo clientes.

 BPM – Quais as diferenças da sua profissão, se houverem, entre o Brasil e os EUA?

 Paula – Acredito que não exista muita diferença – a dificuldade é conhecer as lojas locais, ter contato com as vendedoras ou personal shoppers para ter acesso a promoções ou descontos para suas clientes. Em NY temos também acesso a muitas marcas diferentes e os preços por aqui são mais em conta. E o que eu acho ótimo é que tem sempre a parte que está em liquidação.

 BPM – Que cursos você recomendaria para as brasileiras que queiram ingressar na mesma profissão e seguirem carreira, nos EUA? 

 Paula – O curso de Consultoria de Imagem na FIT é muito bem reconhecido no mercado.

 

 BPM – Qual a média de salários para uma pessoa iniciante e outra já no topo da carreira?

 Paula – Depende da experiência da consultora e do público alvo. Aqui nos EUA não podemos citar valores para evitar a formação de cartel das consultoras de imagem. Mas a ideia é cobrar por hora e oferecer pacotes. Ter uma tabelinha para palestras e eventos também é importante.

 BPM – Qual seria o aspecto mais positivo e o negativo (se houver) de ser profissional na sua área, nos EUA?

 Paula – No meu caso, que estou mudando de profissão e começando novamente, existe sempre o medo de não ter salário fixo no final do mês; mas ter a flexibilidade de horários e poder estar em casa com a minha filha vale mais a pena.

 BPM – Você acha que teria as mesmas chances na carreira se estivesse no Brasil, ou o fato de estar nos EUA lhe proporciona mais opções profissionais?

 Paula – Acredito que teria as mesmas chances, a diferença é que estudei em NY e, portanto, este ‘status’ é super valorizado no Brasil. Se voltasse a morar lá eu teria um certo glamour e certamente uma experiência internacional que algumas consultoras não tiveram a chance de vivenciar. Este diferencial é interessante aqui também pois tenho o nicho de mamães brasileiras que vivem em NY e podem ter uma consultora de imagem ‘em português’.

 BPM – Como você concilia a vida de mãe e profissional em uma cultura diferente do Brasil, onde ajuda de fora  é raro?

 Paula – Não é fácil conciliar mas preciso confessar que tenho ajuda – tenho uma babá ótima que está comigo desde que a minha filha tem 2 meses (ela tem 2 anos e meio agora) e sem esta ajuda eu não estaria iniciando uma nova carreia agora. Meu marido tem um horário super flexível e isto ajuda muito. Entendo que tenho sorte e por isto não quero desperdiçar esta oportunidade.  Sabendo disto, decidi focar em ajudar as mamães (que trabalham em casa ou em escritórios) a terem looks prontos para elas não perderem tempo na frente do armário, afinal elas são mulheres super ocupadas! Quero ajudar estas mamães a estarem sempre bonitas e com a auto-estima lá em cima!

Related posts

Itens curiosos na lista de compras dos brasileiros

Cristina Wollenberg

Austin, a capital hippie da tecnologia

Alessandra Ferreira

5 motivos para morar em Columbus, Ohio

Paula Dalcin Martins

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação