BrasileirasPeloMundo.com
Hungria

Recomeçar na Hungria (de novo)

Quando mudamos de país, a incerteza não nos acompanha somente no início. Em um piscar de olhos tudo pode mudar (e normalmente vai!). Por mais que você se planeje, em algum momento as coisas sairão de controle e a resiliência deve se fazer presente.

Apesar de muitas pessoas se mudarem frequentemente no Brasil, para muitos de nós é natural morar anos a fio no mesmo endereço, principalmente para quem tem casa própria. E então em outro país é totalmente normal mudar de apartamento várias vezes, em pouco mais de 1 ano me vi arrumando as malas três vezes.

Cheguei aqui como estagiária e após 1 ano fui contratada como funcionária. Quando realmente achei que estava construindo uma certa estabilidade, soube que meu projeto acabaria meses depois. Poderia ser realocada, mas em outra área. Senti que era uma oportunidade de me refazer e encarar algo novo.
Depois de muitas horas investidas em sites de emprego e LinkedIn, percebi o quanto pode ser difícil conseguir um trabalho na Europa sem um passaporte europeu.

Leia também:  Como alugar um apartamento em Budapeste

A boa notícia é que para quem fala Português nativo, existe uma demanda crescente por aqui. Recomendo olhar sites como o Glassdoor e Profession.hu. Atualizar o LinkedIn para mostrar o currículo em inglês também é fundamental.

Essa saga me consumiu bastante, até que por indicação de uma amiga eu finalmente consegui uma entrevista. Após um longo processo seletivo, a vaga era minha!

Fiquei super feliz pois sempre tive vontade de trabalhar em um local com o perfil de startup, na entrevista fiquei encantada com a estrutura deles e o quão legal foram as conversas com os recrutadores. No entanto, após a aprovação, a burocracia húngara deu as caras. Lá fui eu em busca de um novo contrato de apartamento (uma tarefa nada fácil) e tradução do diploma.

Parecia tudo bem, organizei a demissão de um trabalho, tiraria 10 dias de férias e iniciaria no novo dias depois. Já estava sem trabalhar e faltavam 3 dias para a viagem que marquei, aquela expectativa para o visto chegar logo e a empresa terceirizada responsável por isso me manda um e-mail…

Ali meu mundo caiu, diziam que eu deveria cancelar e começar do zero o processo, já que o modelo de um formulário foi alterado sem prévio aviso. Tenha em mente que uma análise desse tipo de visto pode levar de 2 a 3 meses.

Minha data de início que estava prevista para Junho/2018, mudou para Agosto e então Novembro. Se o Departamento de Imigração atrasasse poucos dias (o que é bem frequente), só em Janeiro/2019.

Tive que voltar para o Brasil pois era impossível arcar com os custos de aluguel e comida por tanto tempo.
Foi ótimo para renovar as energias, tive experiências que foram inesquecíveis!

Fui madrinha de casamento do meu irmão, vi o nascimento da minha sobrinha, passei o meu aniversário de 25 anos ao lado das pessoas que amo… Estive cercada de muito amor e pessoas especiais que fizeram toda a diferença.

Ao retornar 3 meses depois, é um pouco estranho no início. Senti muita falta do Brasil, e ainda sinto. Mas é hora de recomeçar! O novo trabalho deu uma motivação extra e após todas as dificuldades, é incrível ver que as coisas estão dando certo.

Uma dica para pessoas que estão nessa fase de visto: sempre tenha uma boa poupança. Se o visto demora 3 meses, tente ter um plano B para os próximos 6 meses. É claro que na maioria das vezes tudo sai em tempo, mas qualquer contratempo te forçará a começar do zero e além de frustrante, envolverá gastos não previstos.

Apesar da cidade ser a mesma, sinto que essa oportunidade me permitiu fazer novas amizades, explorar lugares diferentes, ouvir recomendações legais e percebo que o ambiente me proporciona evolução.

Me sinto muito privilegiada por essas experiências, desejo que todas as pessoas também possam vivenciar momentos incríveis no Brasil e fora dele.

Meu contrato de trabalho é de 2 anos, então tenho pelo menos mais 24 meses na terra do Parlamento mais lindo do mundo.

A foto de capa dessa postagem é a minha nova equipe, são eles que me ajudam diariamente, fazem os meus dias mais felizes e engraçados.

Você já mudou de país? Ou voltou para o mesmo? Compartilha a sua experiência comigo nos comentários!

Related posts

Quanto custa fazer supermercado em Budapeste

Mayra Di Domenico

Dez motivos para morar na Hungria

Carol Szabadkai

Dez motivos para estudar Artes e Arquitetura na Hungria

Mariana Bortolini

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação