BrasileirasPeloMundo.com
Hungria

Como lidar com a morte vivendo no exterior

Como lidar com a morte vivendo no exterior.

A morte é a única certeza dessa vida. Apesar de ouvir isso desde sempre, acho que nunca estamos preparados para lidar. Enquanto em algumas culturas é um ritual de passagem muito sublime, para nós é um momento muito difícil cercado de sofrimento.

Cada pessoa lida de uma forma, e estar longe de casa torna isso ainda mais complexo.
Me questionei se deveria escrever sobre esse tema e durante a minha reflexão, percebi que inevitavelmente isso acontece o tempo todo com pessoas que moram no exterior.
Infelizmente é caro e demorado regressar para essa despedida, principalmente no Brasil onde o velório e enterro acontecem em geral no dia seguinte. Dependendo do país, leva um dia ou mais para chegar na nossa terra natal.

A minha recomendação é que você saiba os seus limites, a dor da perda é natural.
Infelizmente perdi a minha avó para o câncer há menos de 1 mês. Enquanto estava em dúvida se escreveria sobre, perdi uma mulher guerreira muito próxima pela mesma doença.

Para mim, estar longe significa não poder abraçar e dizer que tudo ficará bem. Não ter condições de apoiar minha mãe nessa fase tão delicada talvez seja a pior parte.

Como disse, perder alguém querido é um infortúnio comum. O primeiro passo é não se sentir culpado, você tomou as escolhas na sua vida que precisavam ser feitas. É um preço muito alto estar vivendo um sonho. Por mais legal que seja a experiência que estou vivenciando na Europa, abri mão de muitas coisas. Essa distância acarreta um peso enorme quando uma coisa ruim acontece.

Tive problemas com o meu visto e passei 3 meses no Brasil. No dia que estava retornando, minha avó foi para a UTI e nunca pude me despedir. Talvez tenha sido melhor assim.

Leia também: Recomeçar na Hungria (de novo)

Lembre-se sempre de todos as recordações maravilhosas e fique de luto, só que lembrando o quanto todos torcem pela sua felicidade e mantenha a consciência tranquila porque a morte é inevitável.

A vantagem de visitar o Brasil de férias é que damos valor para as pessoas que amamos e esses momentos tão únicos se tornam de qualidade. É super clichê, mas não espere perder para valorizar.

A internet ajuda bastante nessa missão de aproximar pessoas, portanto, faça chamadas sempre que possível. Sei que o fuso horário afeta um pouco, mas não deixe para depois.

Algumas seguradoras de assistência médica (seguro saúde) cobrem a passagem em caso de falecimento de um parente próximo. Estamos tão acostumados a pensar apenas em doenças que demandem atendimento no exterior, que esquecemos todos os demais serviços inclusos e que podem ser úteis em um momento como esse.

Se estiver trabalhando, se informe sobre a possibilidade de licença falecimento. Na Hungria são 2 dias, minha chefe foi super compreensiva e o atestado de óbito nem foi necessário.

Leia também: Cidadania húngara: tradicional ou simplificada

Quando meu pai faleceu, eu logo voltei a trabalhar pois ocupar a mente me fazia super bem. Dessa vez, precisei me afastar e oscilava entre momentos em que os amigos por perto faziam bem, e os que a solidão era a melhor companhia.

Por mais difícil que seja, temos ao nosso favor uma qualidade quase que natural de adaptação e maturidade emocional. A vida no exterior nos ensina muito e a resiliência é a base para situações como essa.

Saber o que te distrai e faz bem também ajudará demais. Acredito que quanto melhor o seu autoconhecimento, mais tranquilo é lidar com o sofrimento. Seja um parque, tricô, cozinhar, piscina ou Netflix… dedique um tempo para esquecer do que aconteceu fazendo o que te faz feliz.

Mesmo que seja uma felicidade momentânea, pode ajudar a recuperar a estabilidade para seguir em frente.

Related posts

Como funciona o período de férias na Hungria?

Mayra Di Domenico

Como alugar um apartamento em Budapeste

Mayra Di Domenico

Natal na Hungria

Carol Szabadkai

1 comentário

Eveline Fonseca Agosto 29, 2019 at 4:12 am

Muito legal você escrever sobre o tema, Mayra. Moro fora há quase 20 anos e até hoje não perdi ninguém próxim. Mas meus pais já não são tão jovens e volta e meia me pego pensando no assunto.

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação