BrasileirasPeloMundo.com
Hungria

8 coisas para fazer antes de mudar de país

A mudança de país é sempre um tópico recorrente nos meus textos e também nessa plataforma de Brasileiras Pelo Mundo.

Sei o quão difícil e empolgante ao mesmo tempo é sair da zona de conforto. Eu soube do resultado da vaga de estágio e em três semanas estava aqui, então fiquei muito confusa sobre por onde começar.

De acordo com cada realidade, mais ou menos pendências devem ser resolvidas. Na minha situação, por mais estressante que fosse, era relativamente simples.

Não ter nenhum bem no meu nome, nada pendente com a Justiça ou bancos facilitou tudo.

Assim que definimos qual será a nova residência permanente, normalmente se inicia a pesquisa extensa sobre a vida do outro lado. Esquecemos o quão fundamental é deixar a casa “arrumada” antes de partir.

Leia também: Cidadania húngara, tradicional ou simplificada

  1. Procuração

Deixei minha conta bancária aberta, algumas pendências e talvez precisasse de algum documento universitário… Como proceder? Esses serviços necessitam da sua presença física para resolver certos problemas. Deixei uma Procuração de Plenos Poderes para a minha mãe, o funcionário do cartório nos instruiu muito bem sobre todas as opções que poderiam constar no documento.

Na Internet existem vários modelos à disposição para adaptá-lo de acordo com a sua necessidade.

Adicione tudo que você já possui e preveja problemas futuros, adicionando preventivamente todos os tópicos que te obrigariam a fazer uma nova procuração.

Dependendo da situação (FGTS por exemplo), temos que viajar até Viena (3 horas de ônibus) para fazer este documento formal pessoalmente na Embaixada Brasileira.

2. Check-up médico

Saúde sempre foi a minha maior preocupação. Estar sozinha em um país que fala um idioma totalmente diferente pode ser desesperador.

Mantenha a calma e se informe bastante. Algumas dicas:

  • Tenha os números de emergência salvos no celular
  • Saiba onde ficam os hospitais mais próximos da sua casa
  • Se informe também sobre os hospitais especializados (traumatologia, etc.)
  • Traduza o componente ativo dos seus remédios de uso contínuo para Inglês (e preferencialmente para o idioma local também)
  • Caso pague impostos e possa desfrutar do serviço público de saúde, não saia de casa sem a carteirinha (aqui na Hungria seria o TAJ Card – equivalente ao nosso SUS).

Antes de sair do Brasil, aproveite se ainda tiver plano de saúde. Caso negativo, vale a pena o investimento em consultas particulares e todos os tipos de exames.

A comunicação em Português facilita a compreensão de qualquer intercorrência e prevenção de doenças futuras.

Algumas cidades já possuem clínicas acessíveis (em Santos temos o Cartão de Todos por exemplo) com preços super populares. Apesar de ser relacionado a saúde, vale a mesma recomendação que para qualquer compra: faça orçamentos e pesquise bem. Exames de sangue talvez não variem tanto, mas ultrassons, ressonâncias e outros exames de diagnóstico mais específicos podem variar muito de um local para outro. E claro, sempre que possível, tente agendar através do próprio SUS.

Para mulheres, ginecologista e preventivo são obrigatórios.

Além disso, dentista é uma visita altamente recomendável.

3. Documentos

Além dos documentos obrigatórios para embarque, como seguro saúde, passagens, acomodação, etc., também veja se outras informações também podem ser úteis como:

  • O seu diploma universitário, carteira de habilitação brasileira, documentos bancários, certidões de nascimento/casamento, carteira de vacinação, exames de proficiência.

Aproveitando o tópico sobre documentos: tenha todos eles sempre digitalizados.

4. Remédios de uso contínuo e pequena farmácia

Como é de se imaginar, tudo por aqui está em húngaro. Comprar um Dorflex pode se tornar uma árdua tarefa.

Se você faz uso de remédios controlados, seria bom ter a receita em inglês e garantir para o período da viagem. Muitos remédios exigem receita, mesmo os mais simples, portanto, venha preparado com os que você já está habituado.

Com o tempo você descobrirá os equivalentes e quais os médicos locais prescrevem, enquanto isso não custa nada trazer alguns.

5. Operadora de celular

Pesquise as opções locais mais baratas e cancele o seu chip do Brasil. Se for pós pago, mude para pré antes de viajar para evitar surpresas inesperadas em uma conta que você estará longe para reclamar de um valor errado.

6. Arrume a mala com calma

Checklist é primordial, tenha uma lista com tudo que é necessário. Quanto mais calma e organizada for a arrumação, menores as chances de você deixar algo importante para trás.

Leia também: Existe preconceito na Hungria?

7. Desapego

Viaje leve: doe e venda suas coisas. Você verá que toda a sua vida pode (e na verdade, precisa) caber em uma mala de 23kg.

É hora de selecionar com consciência tudo que te acompanhará nos próximos meses/anos.

Assistir a série do Netflix sobre Minimalismo me ajudou bastante.

8. Despedida

Hora de dar tchau! Se despeça das pessoas que você ama, aproveite os últimos dias para matar a futura saudade da comida e da vida que está deixando para alcançar nossos rumos.

Related posts

O que perdi ao mudar para a Hungria

Mayra Di Domenico

Natal na Hungria

Carol Szabadkai

5 destinos saindo de Budapeste por até 30 euros

Mayra Di Domenico

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação