BrasileirasPeloMundo.com
China

Tem comida brasileira na China?

Tem comida brasileira na China?

Uma das primeiras dúvidas que podem surgir quando alguém recebe a notícia de que irá viver do outro lado do mundo é sobre alimentação. No caso da nossa família, a maior preocupação era com o nosso filho de um ano e meio na época, pois para nós, adultos, comida oriental à vontade seria um sonho!

Nos primeiros dias em solo chinês eu fiquei completamente perdida. Para mim, tudo parecia restaurante chinês e casa de chá… Eu não conseguia identificar onde estavam os supermercados. Mas para minha sorte, aqui em Huangdao vivem muitos brasileiros. Muitas das dificuldades que tive foram amenizadas pelas dicas das veteranas, e com elas eu aprendi que aqui os mercados costumam ficar no subsolo dos prédios comerciais ou dentro dos shoppings.

As minhas primeiras idas ao mercado foram desafiadoras. Como não entendia absolutamente nada, eu focava nas marcas internacionais e o problema estava resolvido. Bom, parcialmente resolvido, pois a organização dos produtos nas prateleiras também não usa a nossa lógica. Até hoje encontro coisas que estava querendo e pensava que não tinha para vender. Confesso que acho até divertido isso, ter a surpresa de encontrar produtos que eu já havia desistido de comprar.

Leia também: Comida brasileira em Dublin

Mas o que eu encontro num mercado comum? Uma variedade enorme de frutas e verduras. Muita verdura maravilhosa, folhas e mais folhas! Alface americana, crespa, lisa, japonesa, acelga, brócolis, tomate, batata inglesa, batata doce, abóbora, cenoura, cebola roxa aos montes, alho, couve flor, muito alho poró! Eles realmente adoram alho poró…

Mas e a comida brasileira? É possível fazer aquela comidinha do dia a dia, arroz, feijão bife e batata frita? Claro! Aqui encontro arroz (muito! A base da comida chinesa também) de vários tipos, branco, tailandês, cateto… Feijão preto, um rajado que parece carioquinha, um que parece o feijão manteiga e um vermelho muito bom para salada.

A carne bovina também encontro facilmente, mas os cortes não são os mesmos. Na minha vizinhança existem muitos mercados e em todos é possível comprar carne de boi, frango e peixes. A parte de carnes de um deles eu não gosto muito porque as carnes ficam expostas e jogadas em bancas tipo aquelas de saldão de roupa no centro da cidade. Não acho higiênico, então evito. Mas outros supermercados possuem açougues limpos com vidro bem grande por onde você pode observar os funcionários trabalhando todos uniformizados, exatamente como os melhores mercados no Brasil. Algumas carnes ficam expostas nas geladeiras já cortadas, embaladas e pesadas. Em um grande mercado mais afastado da minha casa, onde há enorme variedade de produtos importados, encontrei até asinha de frango daquela famosa marca brasileira.

Mas se você quiser carne vermelha com cortes americanos e australianos também é possível encontrar nos grandes supermercados. Há também casas de carne “gourmet” no comércio de rua onde se vende carnes e vinhos importados da Austrália. Lá encontro acém, filé mignon, rib eye, T-bone

arquivo pessoal

Mas e o café da manhã? Como é? Bom, o café da manhã chinês, aqui no norte do país o costume é um pãozinho macio bem branquinho no vapor chamado “mantou”. Os chineses comem também ovos cozidos, “noodles” (um tipo de macarrão) e no sul do país come-se muito arroz.

Padaria para eles não é sinônimo de café com pão de manhã. Existem muitas padarias aqui, até foi algo que me surpreendeu. Mas o curioso é que pães para os chineses é sobremesa, no máximo lanche, e os pães são na sua maioria doces e recheados com doce de ovos ou doce de feijão. É difícil encontrar um pão salgado. Na padaria em frente ao meu condomínio é possível encontrar muitas delícias, mas parecido com o que estamos acostumados num café da manhã tipicamente brasileiro, eu diria que só o “croissant” e a baguete.

Bom, faltou a manteiga e o café; vamos ao mercado novamente. A manteiga não é muito usada na culinária chinesa, não é um produto típico e não é achada facilmente em qualquer padaria como no Brasil. Só encontro mesmo nos mercados maiores, mais completos na parte de laticínios importados. Não é muito barato, mas não acho mais caro do que eu pagava na manteiga nacional no Brasil. Neste mesmo setor encontro queijo parmesão ralado, muçarela, cheddar, queijo gouda… Já o cafezinho é bem fácil encontrar. Há Starbucks e muitas outras cafeterias para todos os lados e as lojas de conveniência costumam ter máquina de café. Uma curiosidade interessante sobre o café aqui é que a preferência chinesa é pelo café frio e com leite, eles não são muito adeptos ao café preto, forte e quente.

Nós brasileiros gostamos muito de comida de origem italiana, e até podemos dizer que muitos pratos já foram incorporados ao costume nacional, como a macarronada, pizza, nhoque, massas em geral. Esta é a parte que eu mais senti falta aqui. Não se encontra uma variedade muito grande de restaurantes que ofereçam comida italiana como estamos acostumados no sudeste do Brasil. Geralmente os cardápios trazem algumas massas básicas com molhos básicos: sugo, bolonhesa e carbonara. A massa raramente é da casa (eu ainda não conheci um restaurante italiano aqui onde moro, mas sei que existem alguns), então, eu prefiro fazer em casa quando bate aquela vontade. Em compensação, a vastidão de ingredientes deliciosos, fáceis de encontrar no mercado, como cogumelos frescos variados, aspargos, bacon, permite que quem gosta de cozinhar faça seu próprio prato italiano.

A comidinha básica do dia a dia no Brasil é bem fácil de reproduzir aqui em Qingdao, então, se você vem morar por estas bandas e não tem afinidade com a culinária oriental, fique tranquila. Por fim, qualquer ingrediente que você pensar e não encontrar nos mercados tradicionais, pode procurar no site de compras mais popular da China, o “Taobao”. Em uma loja virtual presente neste gigante eu consegui farinha de mandioca importada do Brasil! Impensável, não? Pois bem, isto é o que posso dizer sobre a variedade de ingredientes passíveis de serem encontrados na China.

Bom apetite!

Related posts

Como você sabe que está adaptado morando na China?

Christine Marote

China e a política das redes sociais

Tati Klaus

China – Especial entrevista com Chefs – Camilla Cademartori

Christine Marote

6 comentários

Stella nascimento Abril 5, 2018 at 10:31 am

Que orgulho gigante tenho de vc minha sobrinha querida,vejo uma mulher linda , corajosa , inteligente. Cintinue sua vida com muita coragem e a certeza de que Deus esta ao seu lado cuidando de vcs, desejo mais e mais sorte sempre!

Resposta
Fernanda Gueiros Abril 8, 2018 at 5:20 pm

Tive em quem me espelhar, não é mesmo?
Beijinhos!

Resposta
Stella nascimento Abril 5, 2018 at 10:38 am

Orgulho gigante de ter se tornado essa mulher corajosa, inteligente. Desejo que Deus esteja sempre ao lado de vcs protegendo e guiando os seus passos.
Parabéns pela linda e inteligente materia.

Resposta
Ana Paula Carvalho Abril 5, 2018 at 7:03 pm

Que lindo fernanda amei ler cada pedacinho das suas descobertas ai na china em relação as suas refeições . As suas palavras me prenderam na sua materia , um abraço.

Resposta
Bruno Janeiro 25, 2019 at 10:26 pm

Oi. Eu estou indo com a minha família para qingdao. Você sabe de comunidade ou contatos brasileiros nas cidades? Conhece cursos ou algos interessantes? Vamos morar 2 anos lá.
Obrigado

Resposta
Liliane Oliveira Janeiro 25, 2019 at 11:53 pm

Olá Bruno,
A Fernanda Gueiros, infelizmente parou de colaborar conosco.
Obrigada,
Edição BPM

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação