Perguntas frequentes sobre a Islândia

29
2051
Advertisement

Recebo inúmeras mensagens e convites de amizade no Facebook e gostaria de começar este texto esclarecendo que o meu perfil lá é pessoal e só adiciono pessoas conhecidas. Respondo, com prazer e na medida do possível, às perguntas que chegam em comentários aqui no BPM, mas não às de mensagens particulares. Digo “na medida do possível”, porque os leitores hão de compreender que, por mais boa vontade que eu tenha, não poderei esclarecer todas as dúvidas individuais sobre acomodação, preços de alimentos, aluguel de carros, nem tampouco sobre empregos, salários, vistos etc., sem ter que dedicar uma quantidade enorme de tempo para isso. Como sabemos, tempo é dinheiro e eu preciso dos dois. Aliás, quem não precisa?
Listei as perguntas mais frequentes que recebo e vou respondê-las aqui de maneira realista, sobre morar na Islândia. Eu disse realista!

1. “Estou pensando em ir trabalhar na Islândia, é fácil arrumar emprego aí?”

Primeiro: depende do quê você quer e sabe fazer. Se você não fala islandês, nem pense em fazer alguma coisa especializada, não dá para só quebrar o galho com inglês, não. Entretanto, há centenas de empregos no setor de serviços, como camareira(o), arrumadeira(o), garçom ou garçonete, faxineiro(a), vendedor(a) etc. Também há algumas ofertas nas áreas de TI, web design e marketing, onde o inglês pode ser suficiente se a empresa não exigir o islandês.
Em qualquer caso, tenha em mente que você precisa de um visto para trabalhar aqui ou ser cidadão de um dos países do Espaço Econômico Europeu. Com isso, passemos à segunda pergunta:

2. “Posso morar aí sem visto?” ou “Como faço para morar aí?”
NÃO!!!! Não, não se pode morar na Islândia sem permissão de residência. O site oficial do Departamento de Imigração Islandês recomenda que o requerimento de permissão de trabalho e residência sejam feitos no seu país de origem; e o ingresso na Islândia, somente após a sua aprovação. Como no Brasil não há embaixada da Islândia, esse processo deve ser feito através da Embaixada Islandesa em Washington, D.C., EUA, aqui, ou informe-se junto aos consulados honorários listados nesse mesmo link.
Brasileiros portadores de dupla cidadania de um dos países do Espaço Econômico Europeu não precisam de permissão de residência, contudo, devem se registrar numa repartição chamada “Registro Islandês” (tradução livre), o “Þjóðskrá”.

3. “Dá para trabalhar aí sem falar islandês ou isso é pré requisito?”
Como eu disse, depende da área e do que você quer fazer. Se pretende aprender islandês, eu aviso: dedique-se muito e boa sorte, não é uma língua fácil e tem que gostar dela. Se quiser ter uma ideia, leia aqui.

4. “Qual a melhor época do ano para visitar a Islândia?”
Na minha opinião, o verão. Porque este é um país cuja a temperatura média anual é 5°C e, no verão, 12°C.
“Ah, mas eu adoro frio!” Sim, isso é uma questão de gosto, venha sentir a velocidade do vento polar, chuva ininterrupta, com 10°C durante o dia e 3°C à noite, como uma amiga minha alemã o fez neste agosto (agosto é verão!) e depois a gente conversa.
No verão não escurece nunca e dá para ver as belezas da natureza islandesa 24h por dia, do fim de abril ao fim de julho. Depois disso, a noite começa a voltar e, no inverno, só temos QUATRO horas de luz.
Agora, se o seu sonho é ver a aurora boreal, deve vir entre setembro e meados de março.

5. “Dá para ver a aurora boreal sempre?”
A aurora boreal é um fenômeno natural que independe da vontade humana. Para ela aparecer, existem alguns pré requisitos básicos (céu escuro e limpo, atividade solar), mas, mesmo todos eles preenchidos, não há garantia de nada. No verão, não se vê, porque aqui não escurece.

6. “Como faço para arrumar uma acomodação barata na Islândia? Você poderia me indicar alguma coisa?”

Prezados leitores, “barato” e Islândia são duas coisas antônimas. Barato aqui, só energia elétrica e água fria; esta, aliás, é de graça (veja aqui). Não existe acomodação barata na Islândia; mesmo nos bairros mais afastados do centro de Reykjavik, um quarto com banheiro compartilhado custa uns EUR 45 (preço convertido de ISK para facilitar a sua vida), por dia, na alta estação. Na baixa, 10% menos, talvez.
Um lugar para barraca em “camping” custa EUR 10 por dia e um lugar para saco de dormir no chão de salas de escolas públicas que viram albergue durante o verão custa em torno de EUR 20 (atenção: a moeda aqui não é o Euro, eu só converti para ficar fácil, repito).

7. “Você poderia indicar restaurantes mais baratos fora do centro (de Reykjavik)?”
As refeições mais baratas na Islândia são hambúrguer e cachorro quente. Um cheesebúrger no prato com batata frita e um copo de refrigerante custa, em média, EUR 18, em lanchonete simples. Um cachorro quente custa, em média EUR 3,50.
Um prato principal em qualquer restaurante, no centro ou no subúrbio, custa, em média, EUR 39. São esses os preços da Islândia. A mão de obra aqui é cara, carnes, legumes e verduras são igualmente caros e não existem aqueles lugares mais afastados que só os nativos conhecem. Não, eu juro que não.

8. “Qual a melhor maneira de chegar à Islândia?”
Eu nunca vim de navio, mas, com o advento das companhias aéreas baratinhas – em cujos voos você tem que pagar até pelo ar que respira – , ficou mais fácil chegar de avião. Ainda não dá para vir direto do Brasil, tem que se chegar aqui via EUA ou Europa, é quase a mesma distância e o preço também depende da época do ano, promoções etc. As conexões mais populares são as de Londres, Paris e Nova York. Veja os sites da Wowair, Icelandair, EasyJet, Vueling, EuroWings, Norwegian e Finnair.

9. “Posso viajar pela Islândia sem ter que alugar um carro?”
É menos confortável e demora mais, mas, sim, você pode. Há ônibus público para as principais cidades e diversas excursões para os pontos turísticos em quase todas as regiões. No inverno, a oferta de excursões é menor e corre-se o risco de elas serem canceladas por causa do tempo ruim ou más condições nas estradas (gelo ou neve).

 

estrada-island
Viajar de carro pela Islândia é muito mais fácil do que de ônibus – se o tempo permitir.

10. “Quanto custa alugar um carro na Islândia?”
Isso depende da época do ano, tamanho do carro e duração do contrato. Um Volkswagen Polo custa, em média, no verão, EUR 100 por dia. Recomenda-se reservar com muita antecedência.

11. “Na Islândia usam o Euro?”
Sim e não. A moeda daqui é a coroa islandesa, ISK ou, como nas etiquetas de preço locais, “Kr.” (króna), entretanto, em muitos estabelecimentos comerciais é possível pagar em euro ou dólar – o preço fica aproximadamente 10% maior. A “króna” não é forte, mas vem se valorizando bastante neste ano de 2016.
A forma preferida de pagamento dos islandeses é o cartão de crédito. Pode se comprar um selo ou um pãozinho francês no cartão, não há limite mínimo.

12. “Que roupas eu devo levar no verão?”
Todas as roupas de inverno que você usa no Brasil e mais algumas outras!
Brincadeiras à parte, na Islândia faz frio e há que se proteger do vento, principalmente dele. Recomendo roupas “de baixo” tipo segunda pele, suéteres e/ou cardigãs de lã ou “fleece”, calças de trekking. Casaco térmico (com capuz) e sapatos de trekking, ambos impermeáveis – aqui chove muito. Gorro, luvas e meias quentinhas.
Guarda chuva voa no vento e quebra fácil, só turista desavisado usa guarda chuva na rua…

Agora, a melhor pergunta que recebi nos últimos tempos:
13. “Como faço para conquistar uma islandesa?”
Prezados leitores, esta eu deixo por conta de vocês. Só aproveito para avisar que as islandesas, além de belas, são extremamente emancipadas, independentes e donas de si.

Até a próxima! Bless bless.

29 Comentários

  1. Erika,
    como sempre excelente texto e não podia faltar a pitada de bom humor tao peculiar kkkkk A ultima duvida e a melhor de todas….
    Adorei a dica do guarda chuva, eu seria a desavisada que quebraria o guarda chuva na primeira esquina…
    Anotei todas as dicas afinal nao vai demorar muito para eu ver tudo isso de perto!!!

  2. A pergunta 13 fechou com chave de ouro. Mas eu adicionaria a pergunta 14. “Como faço para conquistar um islandês?” Gostaria de saber só por curiosidade, pois não faço ideia como o povo daí se comporta. Dizem que noruegueses não são de mostrar afeto publicamente, mas posso estar recorrendo a um grande estereótipo. Como fica com os islandeses? Muito obrigada pelo texto bate-bola, jogo-rápido, Erika! Abraços

    • Oi, Ligia,
      obrigada por ler e comentar, fico feliz que gostou da última pergunta.
      Bem, quanto à sua, eu já estava planejando um texto sobre a mulher e outro sobre o homem islandês, mas acho que dicas para conquistar são muito pessoais.
      Em todo estereótipo pode existir um fundo de verdade, na minha opinião. Concordo que a maioria dos escandinavos não gosta de demonstrações de afeto em público, observo essa diferença nas ruas, mesmo. Acho que isso é mais cultural do que uma questão de “frieza” em oposição ao “fogo” latino; por aqui, o apelo erótico e sexual na mídia, na propaganda comercial e no dia a dia, em geral, é infinitamente menor do que ao que estamos acostumados no Brasil, na América Latina, em geral e até mesmo na Europa Ibérica e Itália. Mas isso são impressões pessoais minhas, repito.
      Li este artigo há algum tempo e acho que ele retrata muito bem o homem escandinavo em geral.
      Agora, como eu disse sobre as islandesas: estamos numa sociedade muito aberta, “despreconceituosa”, emancipada e extremamente liberal. Mulheres aqui podem dar cantada, escolher com quem querem ficar, viver junto sem casar, abortar, fazer inseminação artificial sendo solteira, e ninguém está nem aí, ninguém fica julgando nem colocando rótulo; os homens não são machistas e estão acostumados com essas mulheres fortes.
      Arrisco dizer que os homens islandeses gostam de mulheres empoderadas e são mais feministas do que se possa imaginar. Boa sorte!

  3. Sou portuguesa e gostaria de lhe pedir uma sugestão para encontrar a melhor forma de localizar uma pessoa (sobrinha) que se encontra na Islândia em parte incerta, uma vez que tem bom conhecimento desse pais. Se me puder ajudar muito lhe agradeço.
    Jacinta.

    • Olá, Jacinta,
      desculpe-me, mas não entendi a situação de sua sobrinha, ela mora aqui ou está por aqui a turismo?
      Se ela está desaparecida, há que se comunicar à polícia islandesa, ligando do estrangeiro, o número é +354-4441000.
      Se tiver mais detalhes sobre a situação, talvez possa lhe ajudar.
      Boa sorte!

  4. Nossa parabéns,muito bom o seu texto,gostei bastante e fique muito curioso para ler outros.
    Gostaria muito de ler mais a respeito das mulheres islandesa.
    Obrigado por postar e novamente parabéns pelo texto.

  5. Estive na Islândia em Dezembro de 2015. Foi um viagem inesquecível. Ouvi dizer que o Blue Lagoon virou Resort? Isso procede? A carne de baleia é muito boa e bem melhor e mais em conta do que a carne de rena, por exemplo. Tentei em 3 oportunidades ver Aurora Boreal, porém, não logrei êxito. Para mim que sou professor de Geografia e conheço relativamente boa parte da Europa. Costumo dizer que, sem dúvidas, a Islândia é outro planeta. Ah, que saudade de pagar 1.000 kronas por uma cerveja Viking!! Voltarei em breve para poder ver Aurora Boreal. Sucesso na Islândia, Erika. Saudações. Augusto – Brasília-DF.

    • Olá, Augusto,
      obrigada por ler e comentar!
      O Blue Lagoon não se tornou apenas um resort, mas agora existe, também, um resort de luxo ao lado do complexo da piscina, restaurantes, spa, etc.
      Não sei se entendi sua saudade de pagar ISK 1.000 numa cerveja, agora a coroa islandesa está tão valorizada que isso é o equivalente a US$ 10! Vamos ver até quando…
      Desejo boa sorte com a aurora boreal na próxima vez.
      Um abraço.

  6. Olá querida! Tenho família na Islândia e pretendo morar lá com marido e filho. Vou com a intenção de trabalhar no hotel da família. Minha prima pedirá i visto familiar pela Islândia. Vc acha q s fatores acima citados poderão facilitar o nosso visto? Meu sonho morar lá

    • Oi, Shyrlei,
      obrigada por ler e comentar!
      Não posso avaliar se os fatores que você menciona podem facilitar ou não a concessão de permissão de residência e trabalho, pois não conheço bem os critérios do departamento de imigração. Se você tem cidadania europeia, será mais fácil do que requerer permanência como brasileira.
      Desejo boa sorte na concretização do seu sonho de viver aqui!

  7. Olá Erika, parabéns pelo texto, me esclareceu muitas coisas.
    Mas fiquei intrigado: Levando em conta o custo de vida alto da Islândia, consigo “tranquilamente” trabalhando em empregos de menor remuneração (vendedor, garçom…) ? Digo isso pensando em uma viagem mais aventureira, um mochilão por aí com trabalhos temporários.

    • Olá, Gustavo,
      muito obrigada por ler e comentar, fico feliz que você gostou do texto.
      Às suas perguntas: trabalhando como garçom ou vendedor, você consegue sobreviver, mas qualquer ida ao cinema é um luxo. Tudo é muito caro aqui, principalmente diversão. Se você trabalhar muito, muito, mesmo, consegue até ter um salário bom, mas isso quer dizer noites e fins de semanas.
      Agora, atenção: só pode trabalhar aqui com permissão de trabalho e residência e registro oficial. E, para tal, tem que ser cidadão do Espaço Econômico Europeu ou cônjuge de tal.
      Boa sorte nos seus planos!

    • Olá, Gustavo.
      A vida é bem cara na Islândia, esses trabalhos são relativamente bem pagos lá, em comparação a outros países, mas, se você quiser economizar alguma coisa, mal terá tempo livre.
      Entretanto, devo esclarecer que somente cidadãos do Espaço Econômico Europeu e seus cônjuges têm permissão de trabalho na Islândia, mesmo ele sendo temporário. Verifique as oportunidades aqui.
      Boa sorte nos seus planos!

  8. Olá, primeiramente gostaria de agradecer a sua dedicação em passar essas informações pra gente.
    Então, gostaria de saber quanto em media ganha o trabalhadors nesses serviços que vc citou? Não acho em mais lugar nenhum!! Desde ja obg

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui