BrasileirasPeloMundo.com
Canadá Universidades pelo Mundo

A vida universitária em Montreal

A vida universitária em Montreal.

Quem já visitou Montreal ou já deu uma pesquisada sobre a cidade, sabe que um dos pilares mais fortes da economia local é formado de universidades. Estudantes de todo o país e de todo o mundo vêm para cá em busca do canudo universitário. Mas por que seria tão popular estudar em Montreal?

O primeiro, e mais relevante ponto, seria o preço. Se comparadas às taxas de universidades dos Estados Unidos, Montreal oferece valores atraentes, o que se torna um baita estímulo para quem analisa as duas opções. Uma das universidades mais reconhecidas da América do Norte é a McGill, localizada no coração da cidade, emprestando o seu nome para ruas e até mesmo para uma estação de metrô – extremamente bem localizada, diga-se de passagem.

Além da qualidade inquestionável não só da McGill, mas também da Concordia e de faculdades francófonas como a Université de Montréal – UdeM e a Université du Québec à Montréal – UQAM, Montreal oferece vida pulsante para estudantes. De bares a restaurantes baratos a cidade proporciona também uma infinidade de atividades gratuitas, transformando-se em quatro diferentes lugares durante cada estação e inúmeros incentivos são proporcionados aos estudantes, seja por tarifas mais baixas ou pela isenção delas. Os jovens que moram em Montreal são muitas vezes estrangeiros em busca de um diploma de doutorado, cursos para os quais, com frequência, o governo oferece bolsas e ajuda de custo.

De acordo com a minha experiência posso afirmar que, apesar de todas as vantagens, cursar uma faculdade aqui é bastante diferente do Brasil. Vejo que muitas delas são explicadas pela cultura de independência que o Canadá tem. As aulas são leves, apenas para expor o principal de cada tópico, frisando os pontos cruciais e resolvendo exercícios como os que serão cobrados nos exames. Fora isso, se não houver estudo no tempo fora de sala de aula, fica bastante difícil acompanhar o conteúdo. Algo um pouco similar ao que ocorre em algumas das universidades públicas do Brasil.

 

Picture2
Fonte: arquivo pessoal

Neste esquema, o aluno aprende mesmo a estudar, a correr atrás da matéria e buscar apoio extra, caso seja necessário. Essa é uma parte bem frisada pela universidade onde estudo. Os próprios alunos de disciplinas mais avançadas sobre o mesmo assunto recebem um salário para dar aulas de reforço a quem precisar. Isso mesmo, aulas de reforço particulares, você e um tutor, que na verdade é um aluno, que já cursou a matéria para a qual você precisa de ajuda. Utilizei o serviço duas vezes e saí muito feliz. Além de ser gratuito para alunos, é muito simples marcar um horário. Depois de uma hora de aula, você tem apenas uma obrigação: avaliar o conhecimento e didática do tutor e depositar sua opinião numa urna secreta, para que a universidade garanta a qualidade do serviço sendo prestado. É realmente muito interessante poder ter acesso a um reforço dentro da própria faculdade, feito por alunos de destaque e de forma personalizada.

Outro ponto diferente e muito bacana que tenho vivido é poder cursar matérias online. No início tive um pouco de receio. Imagina não ter um professor para explicar e tirar suas dúvidas em sala? Aliás, imagina não ter uma sala de aula e mesmo assim ter que fazer exercícios e fazer um exame final que vai te permitir passar ou não? Apesar de parecer complexo e talvez desafiador, na primeira matéria online que peguei já vi quanto de suporte extra é dado! Os vídeos das aulas já estão gravados e são postados num portal com acesso individual para cada estudante. A única perda mesmo é a interação com os colegas de classe, pois além dos vídeos das aulas, com quadro e exercícios feitos na hora, existe a possibilidade de trocar mensagens com o professor e até mesmo exercícios extras como fonte de curiosidades. No meu caso, a matéria que estou fazendo online é Macroeconomia. Estudamos as teorias sempre com exemplos canadenses para que entendamos melhor como funciona a economia nacional para depois aplicar o conhecimento em cima de futuros cenários. Exames antigos podem ser encontrados no mesmo portal do curso e o livro também é disponibilizado digitalmente para quem preferir não comprar o de papel. Além de tudo, ainda se consegue alcançar uma redução no número de exemplares impressos. Os livros usados são comprados pela própria livraria da faculdade, onde serão revendidos a preços mais baixos para novos alunos. Também existe a opção de livro digital para todas as matérias, pela metade do preço. Essa foi a opção que escolhi, desde o início, para não ter que me preocupar em vender os livros depois de ter finalizado o curso.

Picture4
Um dos campus da universidade McGill. Fonte: arquivo pessoal

Mais uma diferença das universidades daqui em relação ao Brasil é a divisão dos termos. Nossos trimestres no Brasil são divididos, mas nem sempre contamos com uma grade flutuante, onde podemos escolher o que cursar e em qual período. A grade de matérias aqui é feita de forma a oferecer mais de uma opção de horário para que o aluno monte da forma que preferir. Os termos levam os nomes das estações, para que fique mais claro ainda a sua duração. E no verão existe uma peculiaridade: o termo é dividido ao meio, durando cada um a metade do tempo de um termo regular. Ou seja, se normalmente contamos com 13 semanas de curso para um período, no verão estas 13 semanas tornam-se duas partes de 6 semanas e meia. Desta forma, é possível descansar durante meio período para aproveitar o verão ou tirar como férias o termo inteiro e retornar às aulas junto com a chegada do outono.

Um ponto interessante é a localização das universidades em Montreal. A maioria delas conta com campus diferentes em lugares não tão centralizados, mas a sede das principais universidades fica bem próxima ao centro, na maioria dos casos. Nada melhor do que ter acesso à faculdade em meio a cafés, restaurantes e o movimento de pessoas. Ir até o centro por estações de metrô que deixam os alunos até mesmo dentro do campus da faculdade é um ponto bastante positivo na época do inverno. Bom, e falando nele, enquanto não chega, vamos aproveitar o verão e suas tardes compridas…

Até a próxima, pessoal!

Related posts

Como é estudar em uma HBCU nos EUA

Mariana Carvalho

A imagem da mulher Québécoise: Parte 2

Ana Carolina Sommer

Casamento civil em Alberta, no Canadá

Elisa Rabello

5 comentários

Marta Moniz Agosto 20, 2016 at 12:55 pm

Oi Marcella, gostei muito do teu artigo sobre a vida universitária em Montreal.
Ah sua mãe e eu somos amigas de infância ????
Um abraço, aguardo o próximo artigo.

Resposta
Marcella Agosto 29, 2016 at 8:56 pm

Oi Marta!
Que bacana! Obrigada pela visita e espero que você possa conhecer um pouco mais sobre o Canadá pelos artigos do blog!
Forte abraço!

Resposta
Marcella Santiago Agosto 31, 2016 at 10:25 pm

Oi Marta! Obrigada pela visita. Espero que curta o restante das autoras e do conteúdo do blog. Obrigada pela sua visita e comentário! Abraço!

Resposta
Elena Setembro 2, 2016 at 7:58 pm

Oii Marcella, estou pensando em fazer Intercambio no Canadá, queria saber se na universidade de Montreal as aulas são em inglês ou francês. Bjs!

Resposta
Giovana Setembro 3, 2016 at 5:13 pm

Olá, Marcela.

Você saberia me informar qual curso que a Mc Gills oferece na área de direito para trabalhar como paralegal em Montreal? Atuar como assistente jurídica, por exemplo?

Obrigada.
Bjo

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação