BrasileirasPeloMundo.com
Entrevistas Inglaterra Profissões Pelo Mundo Profissões Pelo Mundo - Inglaterra

Audiologista brasileira em Londres

Hoje o blog começa uma série nova intitulada Profissões Pelo Mundo e entrevistamos uma audiologista brasileira em Londres. Entrevistaremos diversas brasileiras em países diferentes, em várias profissões. Elas falarão sobre a carreira, emprego, rotina, salário no país onde estão, para assim termos uma ideia e um ponto de comparação com a mesma profissão no Brasil.

Começamos com a Renée, baiana de Ilhéus, que mora em Londres há 18 anos com o marido marroquino e um casal de filhos. Ela é audiologista e líder da equipe (team leader)  em dos melhores hospitais da capital inglesa.

BPM – Você trabalha para o NHS, serviço de saúde público inglês. Como é a seleção de profissionais da sua área? Não tendo se formado na Inglaterra dificultou na procura de emprego?

Renée – Ainda no Brasil, em 1996/7, fiz especialização em Audiologia Clínica. Quando cheguei aqui, a intensão era ficar só 3 meses, logo não procurei saber se podia  praticar a minha profissão, ou não. Uma vez que resolvi ficar (depois de ter sido “capturada”), descobri que Fonoaudiologia aqui no Reino Unido são duas profissões diferentes: Fono é  Speech & Language Therapy, profissão quase impossível de ser reconhecida (basicamente a pessoa tem que ter inglês nativo e fazer o curso aqui) e Audiologia, que na época era um curso técnico. Ou seja, eu tinha qualificação mais do que suficiente para trabalhar como audiologista, mesmo com o inglês macarrônico que tinha em 1998. Desde 2002 o curso de Audiologia virou universitário mas ainda assim o diploma brasileiro é reconhecido, desde que o profissional realmente saiba audiologia e tenha bom domínio do Inglês. Ao longo dos anos treinei algumas brasileiras que trabalhavam só como “fono” no Brasil e as “converti” em audiologistas. Hoje em dia a concorrência é maior, pois são vários formandos a cada ano, mas todos arranjam uma colocação, seja no NHS ou no setor privado. Na verdade eu não cheguei a procurar emprego; vi numa revista a propaganda de uma agência de empregos procurando por audiologistas, mandei meu currículo, totalmente descrente, e em uma semana estava num hospital, como “Locum” -temporária, (detalhe: entrevista feita pelo telefone!).  Trabalhei como temporária no mesmo hospital por 7 anos e há 10 sou Audiology Team Leader do Charing Cross Hospital.

BPM – Como é a sua rotina. A que horas começa a trabalhar e qual é a sua carga horária?

Renée –  Depois que tive os meus filhos, quis trabalhar como permanente para ter mais estabilidade, férias remuneradas, pagar pensão etc. Com o fim da licença-maternidade, voltei a trabalhar só 17 1/2 horas por semana e, ao poucos, à medida que os filhos foram crescendo, aumentei a carga horária para 30 horas.  Eu saio de casa  um pouco antes das 8 da manhã, deixo meu filho caçula na escola e às 8:30 já estou no hospital. Normalmente saio de lá às 15:00 e viro mãe. Pego na escola, levo para atividades, faço compras, preparo o jantar, ajudo com lições de casa etc.

BPM – Quais as diferenças da sua profissão, se houverem, entre o Brasil e a Inglaterra?

Renée – Como mencionei antes, na Inglaterra, a fonoaudiologia não existe como uma única profissão com diversas áreas de atuação. Aqui, por exemplo, quem trabalha na área de voz  é um “Voice Coach”; com a área de audiologia educacional é um “Teacher of the Deaf”; quem faz terapia para zumbido e reabilitação vestibular, dentre outras áreas de reabilitação é um “Hearing Therapist”; quem faz o screening no recém-nascido é um técnico (só treinado para isso), chamado “New-born Screener”; “Speech and Language Therapist” trabalha com crianças nas escolas, com pessoas que apresentem problemas neurológicos, com pessoas portadoras de necessidades especiais e outras patologias de linguagem, assim como gagueira. “Audiologist”, como eu, trabalha com diagnóstico e indicação/adaptação de aparelhos auditivos. Também tenho muitas outras responsabilidades em nível de gerenciamento e treinamento de estudantes.  No Brasil a área de atuação é bastante abrangente, mas acredito que a maioria trabalhe em consultórios particulares, o que aqui é muito raro.

 

BPM – Que cursos você recomenda para as brasileiras que queiram ingressar na mesma profissão, na Inglaterra?

Renée – O curso de fonoaudiologia feito no Brasil é válido para a carreira de Audiologista, logo a pessoa tem que ter conhecimento específico na área de Audiologia e, obviamente, um bom nível de Inglês.

BPM – Como é vista a sua profissão, na Inglaterra?

Renée – Audiologia é considerada uma das melhores carreiras, segundo uma pesquisa feita pela Career Cast. Leia a reportagem completa acessando o link aqui.. É uma carreira muito recompensadora, pois há uma mistura de contato com paciente e o uso de tecnologia de ponta. O resultado do trabalho é quase que imediato, o que é imensamente gratificante. No Reino Unido, os aparelhos auditivos são dados pelo NHS e só uma pequena minoria usa o setor privado. Logo, a população em geral é muito grata e aprecia muito o nosso trabalho.

BPM – Qual a média de salários para uma pessoa iniciante e já no topo da carreira?

Renée –  Aqui os salários são defendidos por Bandas/Escalões: um recém-formado (Banda 5), começa ganhando quase £22k por ano; como Sênior (Banda 6), depois de alguns anos na profissão, o salário vai de £26k a £35k por ano; como Banda 7, até £41k e como “Head of Department” /Chefe de Departamento (Banda 8) até £81k por ano. Lembrando que o progresso na carreira funciona como uma pirâmide: quanto mais alta a banda, menor o número de posições disponíveis. Eu, por exemplo, já estou na Banda 7 por quase 12 anos.

BPM – Como funciona o escalão, dentro do NHS?

Renée –  O sistema de Bandas que acabei de mencionar, varia da Banda 1 para funções bem básicas; nas Bandas 2 e 3 são funções de técnicos, recepcionistas e pessoal administrativo. Na Banda 4, para quem já tem mais qualificações, mas não tem curso superior e a Banda 9 são os diretores. Existem 2 audiologistas nessa Banda, mas infelizmente depois da Banda 8 o trabalho clínico é praticamente não-existente, logo a pessoa tem que avaliar bem se subir na hierarquia e só fazer trabalho de gerenciamento, é o que deseja.

BPM – Como o NHS apoia um profissional da sua área, em termos de cursos extras e treinamento? Você vai à conferências, pelo trabalho?

Renée – Sim, eles oferecem treinamento. Como o dinheiro é sempre um problema (eu sei, é também a solução), nós sempre convidamos os representantes das empresas de aparelhos e equipamentos para dar treinamentos curtos, no próprio departamento.  Essas empresas também nos patrocinam para congressos e outros cursos externos. Dentro da Fundação (aqui no meu caso Imperial College Heathcare NHS Trust) há também diversos cursos feitos online.

BPM – Como é ser mãe e profissional da área de saúde, em Londres?

Renée –  Eu tenho o privilégio de morar perto do meu trabalho, o que facilita a vida imensamente. Quando as crianças eram pequenas era uma loucura.  A situação só ficou menos estressante quando os dois já estavam na mesma escola primária, com os mesmos horários. Agora a minha filha já está na escola secundária, ela vai e volta sozinha, as vezes ela até pega o menor na escola primária (esse é o último ano dele lá). Ser profissional na área de saúde é muito gratificante em vários aspectos e percebo nitidamente o quão orgulhosos os meus filhos são ao comentarem sobre o meu trabalho com amiguinhos da escola. A vida de mãe-esposa-profissional em Londres não é fácil sem aquela ajuda extra da qual estamos tão acostumadas no Brasil, mas aqui, o marido contribui igualmente com as atribulações domésticas (no meu caso eu diria que o meu usa mais o avental do que eu!).

Leia mais sobre a Inglaterra: Tudo o que você precisa saber para morar na Inglaterra!

Related posts

28 anos morando na Europa

Ann Moeller

Entrevista com Cintia Coelho, empresária na DW no Chile

Isabela Vargas

Lugares que mais gosto em Londres

Johana Quintana

30 comentários

Juraci Pike Outubro 4, 2015 at 11:33 am

Fiquei maravilhada com o imenso campo de trabalho que um professional da ‘area de fonoaudiologia encontra na Inglaterra, e principalmente atuando no setor publico. Minha filha e eu conversamos a respeito (ela e’ especializada em criancas com necessidades especiais) e cotidianamente depara com criancas que tem problemas auditivos e foneticos e ressaltou que as maes estrangeiras ficam surpreendidas com a disponibilidade gratuita de atendimento nessas areas em UK. Parabens Renee e Brasileiras pelo mundo, vou compartilhar, o bloco de “Profissoes pelo Mundo” vai despertar atencao de muitos profissionais Brasileiros que gostariam de ter uma experiencia for a do Brasil.

Resposta
Renee Outubro 13, 2015 at 7:09 pm

Muito obrigada, Juraci. Fico feliz em dividir a minha experiência e poder ajudar quem queira ingressar na carreira de audiologista aqui na Inglaterra.
Abraços
Renee

Resposta
Sabrina Fevereiro 8, 2017 at 1:08 pm

Olá Renée,
Sou acadêmica de Fonoaudiologia na Ufmg.
Irei fazer um intercâmbio para a Europa e gostaria imensamente de te conhecer, saver da rotina, pois meu sonho é trabalhar em outro país.

Resposta
Marina Abril 19, 2017 at 8:54 pm

Renée sou formada em fonoaudiologia pela ufmg e fiz um ano de graduação sanduíche no Reino Unido em audiologia. Entrei no curso especificamente pela parte de audiologia e após conhecer como o nhs funciona aqui eu me encantei e tive certeza que gostaria de trabalhar aqui. Estou tendo muita dificuldade em como validar meu diploma, uma vez que para ser registrada no hccp você precisa de experiência no Reino Unido. Também fiz uma masterclass na UCL. Basicamente eu gostaria de qualquer ajuda. Pra saber qual caminho tomar. Obrigada

Resposta
Evelyn Chankria Março 21, 2018 at 3:59 pm

Olá Renne, gostaria de obter mais informações sobre como posso ingressar na área de audiologia na Inglaterra. Este mês estou indo visitar o Reino unido. Como posso obter mais informações? Sou fonoaudióloga e tenho experiência na área de aparelhos auditivos.

Resposta
Evelyn Chankria Março 22, 2018 at 5:32 pm

Meu email para contato:
[email protected]

Resposta
Renee Rassasse Janeiro 13, 2019 at 9:01 am

Olá Marina
Você ainda está aqui no Reino Unido?
Mande um e-mail para mim [email protected]
Abraços

Resposta
Rafiza Novembro 2, 2015 at 10:50 pm

Eu estou me formando como fonoaudióloga e quero muito morar fora, tenho muito receio em não conseguir um emprego em minha área no exterior !

Resposta
Renee Dezembro 4, 2015 at 6:18 pm

Olá Rafiza,
O meu conselho para você seria para investir pesado no inglês e em audiologia. Muitos cursos aí no Brasil só pincelam audio, então talvez você tenha que fazer cursos a parte e, principalmente estágios e muita exposição na área. Atualmente somos 5 audiologistas brasileiras em Londres, então, impossível não é.
Boa sorte e planeje bem para que seu sonho vire um projeto.

Resposta
Leanderson Pereira Janeiro 17, 2018 at 10:25 pm

Renée, sou fonoaudiólogo formado pela UFPE, conclui minha residência em Audiologia na residência atendi de tudo (audiometria, Imitanciometria, PEATE, EOA, Vectoeletronistgamografia, Processamento Auditivo Central, Treinamento Auditivo, Reabilitação Vestibular, Indicação e adaptação de aparelho auditivo) Tenho muito interesse em morar no exterior, gostaria de conselhos. Não tenho curso de inglês, arranho um pouco.

Resposta
Cristiane Andrade Dezembro 3, 2015 at 5:51 pm

Ola Renee, Tudo bem ? Fiquei muito feliz em ler sua entrevista, morei em Londres por 8 anos e tenho passaporte europeu. Já era formada em Fonoaudiologia e nunca imaginei que a fomação em Audiologia do Brasil fosse aceita ai…Tenho pos graduação em Audiologia, experiência com Aparelho Auditivo, exames auditivos e otoneurologicos. Gostaria muito de manter contato com você.Desde já agradeço a atenção.

Resposta
Renee Dezembro 4, 2015 at 7:09 pm

Olá Cristiane,
Oito anos????? Que bom que através da BPM você pode obter essa informação!!! Quando cheguei aqui há 18 anos, foi na conversa mesmo!!
Se você voltar, avise!
Abraços

Resposta
Cristiane Dezembro 5, 2015 at 12:29 am

Olá renee.Obrigada pelo retorno.. Exatamente 8 anos..A irmã do meu marido já mora aí há mais de 20 anos então facilitou um pouco nossa ida…cheguei em 2003 e voltei em 2011. Durante boa parte dos anos trabalhei em empresa de money transfer…e nunca imaginei que pudesse trabalhar na minhs área aí…Antes da minha ida trabalhava em uma empresa de aparelhos auditivos aqui no Brasil…Assim que retornei para o Brasil fiz uma pos em audiologia..e vários estágios..agora trabalho em uma clínica.. Fazendo exames audioologicos e otoneurologicos..Se vc não se importar tem alguma forma de eu entrar em contato com vc..para tirar umas dúvidas que eu tenho sobre como é trabalhar aí…desde já agradeço muitíssimo sua atenção.. Gde abraço..

Resposta
rafaela menegol Janeiro 20, 2016 at 6:33 pm

Nossa, fiquei muito feliz com essa reportagem. Sou formada a 5 anos e trabalho apenas com Audiologia, mais ocupacional. Meu marido é TI e vivemos nos mudando, a idéia de poder morar fora e continuar atuando na audio me deixa mais tranquila. obrigada

Resposta
Renee Fevereiro 12, 2016 at 9:04 am

Olá Rafaela,
Você tendo um bom Inglês e estando legal, é possível trabalhar como audiologista aqui, sim. Entre em contato se vier para a Inglaterra.
Abraços

Resposta
Fernanda Farani Nogueira Fevereiro 10, 2016 at 2:27 am

Olá! Também achei bem interessante o quanto no exterior a nossa profissão torna-se similar em termos financeiros a outras graduações extremamente valorizadas mundialmente, como a Engenharia.
Estou me especializando em Audiologia, meu marido é Engenheiro e ha tempos pensamos em ter uma experiência no exterior, porém eu achei que não teria campo para mim!
Tenho uma dúvida. A área de Processamento Auditivo se enquadra em Audiology ou em Speech?! Aqui no Brasil fica a cargo das Audiologistas, mas a estimulação também pode fazer parte da terapia de linguagem!
Essa é uma área que gosto!!

Resposta
Renee Fevereiro 12, 2016 at 9:10 am

Oi Fernanda!
Processamento auditivo aqui não é levado muito a sério, não, e o diagnóstico é feito por audiologista (mas conheço “Hearing Therapist” que faz também). Tudo meio bagunçado, sem muito critério. se você quiser mais informação sobre essa área, posso te colocar em contato com os poucos profissionais que pesquisam e lidam com APD, como aqui é conhecido.
Abc

Resposta
Fernanda Farani Nogueira Abril 10, 2016 at 4:37 am

Olá Renee, tudo bem?! Agradeceria o contato destes profissionais!! Meu e-mail é [email protected], e também há meu contato na rede LinkedIn!! Obrigada!!

Resposta
Giselle Fevereiro 11, 2016 at 4:27 am

Oii Renee, gostei muito da sua entrevista!! Faço Fonoaudiologia aqui no Brasil e tenho muito interesse em imigrar para outro país, para atuar na área de audiologia. Gostaria muito de poder entrar em contato com você para tirar umas dúvidas… Teria algum email, qualquer contato para que possamos conversar? Desde já agradeço a atenção, abraços.

Resposta
Rosângela Fevereiro 13, 2016 at 3:57 am

Olá Renee, parabéns pelas suas conquistas. Eu também moro em Londres e gostaria de tirar algumas duvidas com você, não como profissional mas sim como paciente. Tenho uma filha de 11 anos com deficiência auditiva. Tem algum contato que eu poderia falar com você, por favor.

Resposta
Diego Junho 18, 2016 at 3:16 pm

Olá! Renee. Tudo bem? Me Chamo Diego Rodrigues, Sou Fonoaudiólogo do Brasil. Estou a caminho da Inglaterra. Tenho experiencia em audiologia,disfagia e motricidade. Gostaria se saber se poderia trabalhar como audiologista? Estou fazendo curso de inglês, Desde já agradeço a disponibilidade de informações contidas no seu blog.

att
Diego Rodrigues da Silva

Resposta
Maria Cristina Durante Julho 29, 2016 at 9:28 pm

Adorei sua entrevista e a complementação da matéria enviada posteriormente.
Esclarecedora e realista, traduz as possibilidades da área de fonoaudiologia no Reino Unido.
Acabo de retornar de Londres, cidade que me encantou enormemente pela sua organização, beleza, segurança entre tantas outras qualidades.
Sou fonoaudióloga, amo nossa profissão, porém trabalho em uma prefeitura do interior paulista, com recursos, remuneração e reconhecimento muito restritos.
Investirei neste sonho!!!
Obrigada pelas informações!!!

Resposta
Ana Luiza Agosto 10, 2016 at 6:59 pm

Renee,
Boa tarde!
Para trabalhar como audiologista na Inglaterra é necessaria alguma licença, como o Crfa aqui no Brasil?
Obrigada!

Resposta
Andressa Agosto 18, 2016 at 2:29 pm

Olá renee,
Tudo bem?
Também fiquei muito feliz com a sua entrevista e a oportunidade de trabalhar como audiologista no exterior.
Sou estudante de fonoaudiologa e desde sempre a áudio foi minha área de interesse.
Poderia me passar seu email para eu poder tirar algumas dúvidas?
O meu é [email protected]
Ficaria muito grata com a resposta.

Até mais!

Resposta
orene Outubro 14, 2016 at 2:58 pm

ola renne
fiquei feliz por sua entrevista,tenho interesse de ira para exterior,pois sou audiologista.poderia me passar se e-mail para que eu tire algumas [email protected]

Resposta
Camila Freitas Schambeck Mury Dezembro 7, 2016 at 3:22 pm

Boa tarde, Renée

Sou Audiologista e trabalho há algum tempo na área, no interior de São Paulo. Alguma mudanças em minha vida estão me fazendo pensar em sair do Brasil. Pesquisei sobre a remuneração na área e como não tenho noção do custo de vida na Inglaterra, gostaria de saber mais sobre. Mesmo eu não sendo recém-formada, aí eu iniciaria ganhando na Banda 5? em torno de 22 libras por hora? É o suficiente? Grata, Camila

Resposta
Marco Fevereiro 2, 2017 at 12:45 pm

Bom dia Renée,
Sou fonoaudiólogo aqui em SP, tenho 40 anos, bastante experiência em AASI e audio ocupacional e gostaria de saber como está o mercado de trabalho na Inglaterra atualmente.

Resposta
Tamires Santos Maio 6, 2017 at 8:28 pm

Ola Renee, entrevista muito construtiva. Parabéns pela carreira desenvolvida. Tbm tenho algumas dúvidas, como todos acima e acho que deveriam postar aqui, para ficar arquivado e não termos perguntas repetidas. Então vamos lá:
– Estou em processo de equivalência da minha graduação e´pós graduação em Lisboa, sabe me informar se será válido para toda a Europa?
– Pretendo me mudar pra Inglaterra daqui 2 anos, e para me preparar, além do inglês e da dedicação em âmbito de audiologia (principalmente no campo de aparelho auditivo) ?
– Em Lisboa vejo várias lojas de aparelhos auditivos, no Brasil somente Fonoaudiólogas podem fazer a venda (adaptação), mas quem indica e dá o diagnóstico é o Otorrino. Como funciona na Inglaterra?
– Você acha que das áreas de atuação citadas por você acima, a que possibilita maior campo e oportunidades de desenvolver carreira seria AASI?
– É obrigatório Speech Language Therapy em todas as escolas??? Imagino que seja um bom campo de atuação, apesar da dificuldade em conseguir atuar. Concorda?

Agradeço a ajuda

Resposta
Eliane Pacheco Novembro 9, 2017 at 7:54 pm

Olá Renné! Parabéns pelo artigo e pela forma como divulgou o seu dia a dia. O seu texto foi incrível e me encheu de esperanças pois também tenho filhos e sei como a vida é difícil. Eu moro na Europa desde 2014 e sou fonoaudiologa. Tenho cidadania europeia mas não vivo no Reino Unido. Eu gostaria de trocar algumas mensagens com você. Poderia ser através de e-mail ou Messenger?
Muito obrigada e que Deus abençoe sempre os seus caminhos.

Resposta
Ana Victória Baião Guimarães Abril 3, 2018 at 2:30 pm

Olá Renné, boa tarde! Sou fonoaudióloga formanda pela Universidade Federal da Bahia, e também sou baiana, da cidade de Salvador. Estou em Londres há uma semana, ficarei um tempo aqui! Existe a possibilidade de eu te conhecer para saber um pouco mais sobre a audiologia aqui no UK? Tenho experiencias com AASSI, então acredito que seria uma grande oportunidade e prazer imenso te conhecer. Muito obrigada desde já.

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação