BrasileirasPeloMundo.com
Chile

4 coisas que aprendi em 4 anos no Chile

Em outubro do ano passado, completei quatro anos morando no Chile. É verdade que nesse período eu morei somente em Santiago. Portanto, tudo o que vou escrever aqui refere-se especificamente a quem vive na capital. Viver nas cidades localizadas nas demais regiões do país deve ser outra experiência, bem diferente.

Dito isso, fico mais tranquila para escrever sobre minha trajetória pessoal nesse país tão próximo do Brasil, e ao mesmo tempo tão diferente. O Chile está localizado na América do Sul, mas o clima peculiar e os longos anos de uma violenta ditadura militar marcaram significativamente o jeito de ser dos chilenos. Além disso, a localização geográfica relativamente isolada e protegida pela majestosa cordilheira dos Andes intensifica a peculiar maneira de viver a vida aqui.

Mas, afinal de contas, o que foi que aprendi morando nesses quatro anos em Santiago do Chile?

1 – Cozinhar e apreciar a comida chilena

Eu adoro cozinhar e tenho bastante prazer em pesquisar novas receitas e me arriscar na cozinha. Morando no Chile, procuro preservar algumas tradições, como cozinhar o tradicional feijão com arroz do Brasil de vez em quando. Porém, também me aventurei a cozinhar alguns pratos bem típicos da gastronomia chilena. Não pensem que fui pelos pratos mais complicados e sofisticados.

Diferente da gastronomia peruana, por exemplo, a chilena é bem simples. A cozinha é muito caseira, do tipo comfort food, que remete à casa das nossas avós. Talvez pelo clima frio e a necessidade de fazer uma reserva de energia, muitos dos pratos são altamente calóricos! Portanto, cuidado para não se esbaldar!

Um dos clássicos que amo e preparo com muito carinho é a cazuela, uma sopa com legumes (cenoura, batata, abóbora e milho) e carne, que pode ser de gado ou de frango. Outra delícia bem gostosa para os dias mais frios é o pastel de papas, que parece bastante com o escondidinho. Parece, mas não é igual! Trata-se de uma torta preparada com pino (a mesma carne com cebola usada como recheio nas empanadas), pedaços de frango, ovos e azeitonas pretas. Esse recheio é coberto com um purê de batatas e, para finalizar, um pouco de açúcar para garantir o efeito queimadinho em cima.

Nos dias de calor, nada melhor do que cozinhar um salmão no forno! O ideal é comprar no mercado onde ha vários lugares e você pode pesquisar o melhor preço.

santiago-5
Foto: Arquivo pessoal

2 – Conviver com o estresse diariamente

Não adianta reclamar: Santiago é uma cidade com um ritmo de trabalho intenso (a jornada aqui é de 45 horas semanais). O metrô vive lotado em quase todos os horários, principalmente, na hora punta (07:00 – 08:59 e 18:00 – 19:59). Eu não tinha a menor idéia. Quando cheguei, procurei meus amigos chilenos, que já conhecia antes de vir morar aqui. Acredite se quiser, há pessoas que não consegui encontrar até hoje! E tudo bem, não adianta se estressar, porque é super normal em Santiago.

As pessoas passam a maior parte do tempo no trabalho e quando saem dele, querem apenas ir para casa encontrar a família e os amigos. Muitas vezes, para conseguir chegar em casa, você tem que enfrentar o metrô cheio, ou o engarrafamento diário, ou o ônibus lotado, ou as ciclovias superpovoadas de ciclistas! Isso mesmo, aquele que era para ser um meio de transporte alternativo e saudável está colapsado em Santiago. Fazer o quê? Muita yoga para relaxar!

3 – Andar pela cidade a pé, de metrô, ônibus e colectivo

Quando eu morava no Brasil, tinha o meu carro. Morei muitos anos em Brasília, onde você tem cabeça, tronco e pés! Aqui, em Santiago, abrimos mão da super máquina. Meu marido é adepto da bicicleta e eu gosto de caminhar. Por isso, tive que aprender direitinho não só a me localizar para poder andar a pé, como também a usar os meios de transporte disponíveis na cidade.

Um dos meus primeiros trabalhos aqui foi como professora de português particular. Onde os alunos pediam as aulas, eu ia. E assim fui conhecendo vários lugares diferentes em Santiago. Obviamente, não podia ir a pé a todos os endereços, portanto, aprendi a andar de micro (é como chamam o ônibus aqui), metrô e colectivo. Esse último é um táxi compartilhado com outros passageiros com uma tarifa pré-estabelecida, que varia de acordo com o trajeto.

Essa foi uma das minhas maiores conquistas e um grande aprendizado. Tenho várias amigas brasileiras casadas com chilenos que moram aqui há muito mais tempo que eu e não sabem andar de metrô, nem pegar um ônibus. Para mim, depender de qualquer pessoa é horrível. Portanto, me ajudou, e muito, na minha adaptação essa liberdade de locomoção.

4 – Esperar, porque cada coisa tem seu tempo

Sei que esse é um aprendizado que vale para qualquer lugar do mundo, mas só fui entender o significado dessas palavras aqui no Chile. Quando cheguei, trouxe junto com a mala e meu gato, muitos sonhos e uma vontade enorme de fazer acontecer. Mas depois de esperar quatro meses pelo visto e o carnê de identidade – que é simplesmente TUDO o que você precisa para ser alguém aqui – vi que as coisas tinham outro ritmo.

O trabalho foi e tem sido difícil. Fazer amizades até hoje é complicado. Me considero super privilegiada porque, veja só, tenho algumas amigas chilenas em apenas quatro anos de Chile! Mas não é fácil. Demora mesmo. Hoje entendo isso e aceito melhor. Prefiro pensar que as coisas são assim porque quando a gente finalmente as conquista, elas têm outro sentido. Então, você que chegou chegando ou está prestes a chegar, vá com calma e não se afobe. No final, tudo se resolve, mesmo que não seja do jeito que você planejou.

Esse é um texto super honesto de alguém que aprecia bastante as coisas simples da vida. Morar no Chile pode ser muito bom, ou muito ruim. Tudo depende de como você vai encarar essa experiência.

Related posts

A imigração no Chile e a arrecadação fiscal do Estado

Renata D'onofrio

O portunhol nosso de cada dia

Juliana Bezerra

Machismo e violência contra a mulher no Chile

Renata D'onofrio

8 comentários

Luciana Maria de Lima Fevereiro 16, 2017 at 11:35 am

Adorei o seu post…moro a três anos no Chile (Santiago)e ainda estou me adptando, e realmente devemos e com calma e entender muito a cultura e a maneira de ser dos chilenos.Ainda mais eu uma cearenses que veio pro Chile porque o marido que tambem ê estrangeiro (Peru) morava aqui a um bom tempo,não foi facil,ainda mais que somos muito alegres e os chilenos mais fechados,mas depois de tres anos conquistei bons amigos chilenos,e apesar que somos estrangeiros somos bem tratados pela maioria, que desde que cheguei (2014)a população de imgrantes aumentou grandemente,e alguns chilenos não lidam bem com isso.Mas isso seria uma bom tema para outro post.Mesmo depois de tres anos, ainda não consiguir o sonhado emprego estavél,mas, mesmo assim não perco a esperança.Tambem amo cozinhar a comida Chilena mas a que mais gosto é chaquican e a cazuela.Apesar de todas as dificuldades que já passei ou possa passar,tive tambem muitas alegrias e boas experiencias, amo esse país e guardo tudo que passo aqui no coração e na alma.

Resposta
Isabela Vargas Fevereiro 16, 2017 at 4:54 pm

Oi Luciana! Obrigada pelo seu comentário! Amo a sua terra, o Ceará! Imagino como você deve estranhar o estilo mais fechado dos chilenos e o clima dessa terra! Você tem razão: a presença de estrangeiros é um excelente tema para um próximo post. Que bom que você ama o Chile! Tomara que essa terra linda siga te dando bons motivos para amá-la cada vez mais. 😉

Resposta
Luciana Maria de Lima Fevereiro 16, 2017 at 11:38 am

Adorei o seu post…moro a três anos no Chile (Santiago)e ainda estou me adptando, e realmente devemos ir com calma e entender muito a cultura e a maneira de ser dos chilenos.Ainda mais eu uma cearenses que veio pro Chile porque o marido que tambem é estrangeiro (Peru) morava aqui a um bom tempo,não foi facil,ainda mais que somos muito alegres e os chilenos mais fechados,mas depois de tres anos conquistei bons amigos chilenos,e apesar que somos estrangeiros somos bem tratados pela maioria. Desde que cheguei (2014)a população de imigrantes aumentou grandemente,e alguns chilenos não lidam bem com isso.Mas isso seria uma bom tema para outro post.Mesmo depois de tres anos, ainda não conseguir o sonhado emprego estavél,mas, mesmo assim não perco a esperança.Tambem amo cozinhar a comida Chilena mas a que mais gosto é chaquican e a cazuela.Apesar de todas as dificuldades que já passei ou possa passar,tive tambem muitas alegrias e boas experiencias, amo esse país e guardo tudo que passo aqui no coração e na alma.

Resposta
Angelo Fonseca Fevereiro 18, 2017 at 3:43 am

Ola compatriotas! estive ai no Chile ano passado e passei 15 dias curtindo alguns lugares maravilhosos! Fui ao Valle nevado, passeamos muito pelo centro, alugamos um carrinho Suzuki 800 e fomos para vina del mar. me apaixonei! sinto que tenho facilidade para entender e falar o idioma mas no momento arrasto um portunhol!
adoro trabalhar com turismo e pensei em comprar uma Land Rover dessas verdes antigas em excelente estado e oferecer city tour e passeios, já estou informado sobre procedimentos migratórios, porem ainda não sei se posso fazer isso de maneira informal e com minha habilitação Brasileira. sera quem alguém pode me ajudar a obter essas informações? E também gostaria de fazer parceria para esse trabalho com algum Brasileiro ou Brasileira que fale o espanhol fluente. meu zapp e 21 983507052 Alguém conhece o Helio minero?? ele trabalhava na Mitur agencia de passeios no mercado central, ele saiu de la e não estou conseguindo o contato dele se alguém o conhecer passa meu zap ai p ele! Obrigado amigos!!!! espero estar por ai em breve!!! um abraço a todos!!!

Resposta
Isabela Vargas Fevereiro 19, 2017 at 2:50 am

Oi Angelo! Obrigada pelo seu comentário! Você pode usar a sua carteira de motorista do Brasil enquanto estiver como turista aqui, mas a partir do momento em que você reside no Chile, deve tirar a carteira chilena. Veja aqui todos os procedimentos no texto da colunista Joy Matta: http://www.brasileiraspelomundo.com/chile-como-tirar-a-carta-de-motorista-591623910

Resposta
Angelo Fonseca Fevereiro 18, 2017 at 3:46 am

Muito produtiva a leitura sobre a experiencias de todos que postaram! Tenho certeza que posso enfrentar todos esses desafios! Obrigado!

Resposta
Viviane Moraes Fevereiro 23, 2017 at 3:03 am

Oi Isabela! Minha formação também é Comunicação (PP), moro em Porto Alegre e também já morei em Brasília. Atualmente sou profe de inglês particular e em curso de idioma. Como tem sido tua experiência ensinando português (nível de interesse, valorização dos profes por parte de escolas e alunos, remuneração)? Adorei o post! Abraços! =D

Resposta
Isabela Vargas Fevereiro 27, 2017 at 12:58 am

Oi Viviane! Obrigada pelo seu comentário! Você tem uma grande vantagem que é ser professora de inglês. Esse é um idioma muito requisitado aqui pelas empresas, com bastante campo de trabalho. Para você ter uma ideia, trabalhei numa empresa por um tempo que desistiu das aulas de Português porque os negócios com o Brasil não foram adiante. Em compensação, eles me pediram para indicar uma professora de inglês e recomendei uma amiga que está trabalhando lá há mais de um ano felizmente contratada com um excelente salário! Boa sorte!

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação