BrasileirasPeloMundo.com
Austrália

Como tirar férias da correria sem sair de Sydney

Como tirar férias da correria sem sair de Sydney.

Esse ano passou voando e, sim, incrivelmente já estamos em dezembro! Festas de final de ano, férias pra umas, mais trabalho ainda pra outras, organizar o Natal, planejar o Revéillon, recesso escolar das crianças… a lista parece não ter fim! Além do mais, dezembro é sempre um bom momento para fazer um balanço sobre o ano que está terminando e começar os preparativos para a próxima volta do Sol ao redor da Terra.

Se você está precisando se reconectar com sua essência, fazer um detox das redes sociais, se alimentar melhor, meditar, praticar yoga, fugir da loucura diária que é morar em Sydney ou simplesmente ter um tempo só pra si, então eu tenho uma dica maravilhosa pra te dar! Mas antes, vou te contar como eu fui parar nesse lugar.

Estava estressadíssima (surtando mesmo), querendo fugir de tudo e de todos mas (literalmente) sem tempo para fazer uma viagem, pois como sabemos, demandaria planejamento ou viraria mais um problema, então definitivamente não era a melhor escolha para o momento.

Era uma terça-feira e eu queria encontrar algo pra ontem! Lembrei do retiro do silêncio que o templo budista Sunnataram Forest Monastery oferece e que eu sou louca pra fazer, mas esse evento acontece apenas uma vez por mês e infelizmente não casava com as minhas datas devido a urgência da situação. Pedi ajuda ao senhor-sabe-tudo Google para encontrar um retiro em um lugar tranquilo e que fosse perto de Sydney, começando o mais rápido possível.

E para minha grata surpresa, encontrei de cara uma sugestão que parecia ter sido feita especialmente para mim e o melhor, começando no dia seguinte (quarta-feira)! Em duas horas, cancelei meus shifts e fiz a reserva para o Wellness Essentials no Billabong Retreat, que fica localizado em Maraylya, um bairro na área rural a 45min de carro do centro de Sydney. Há também a possibilidade de ir de trem partindo da city e depois pegar a van que eles disponibilizam da estação até a reserva por um custo extra de 10 dólares (como eu fiz).

Leia também: 5 pontos negativos de morar em Sydney

Uma sensação estranha de medo com excitação tomava conta do meu corpo no caminho para o retiro. Sou beeeeem chata pra comer e tentei me preparar psicologicamente para virar vegetariana por três dias (sendo que não como frutas, legumes e verduras, basicamente).

Já tinha lido que o sinal da minha operadora (Vodafone) não é muito bom no local, o que considerei uma vantagem pois a intenção era fazer um detox da alma, então coloquei meu celular no modo avião assim que entrei na van.

Reservei a acomodação mais barata e com menos regalias possível, um quarto para quatro pessoas com um banheiro. Quase todas as acomodações são “casas na árvore” viradas para o centro do terreno, que é todo irregular e coberto de vegetação nativa, onde se encontram dois “billabongs” (espécie de lagos).

Assim que larguei minhas coisas na cama, uma animação tomou conta de mim e subi para a área de convivência onde se encontra a cozinha, a sala de leitura/filmes, o salão de yoga/meditação e o SPA. Ainda há uma área aberta muito aconchegante com sofás, poltronas, almofadas e cobertores, aquecida por uma lareira e de frente para a mata verde.

Quando não tinha alguma atividade específica, apreciava meu tempo livre ali tomando chá, admirando a chuva nas árvores, embaixo das cobertas, lendo, colorindo mandala ou ouvindo o som dos pássaros cantando. Inconscientemente, optei por fazer uma espécie de retiro do silêncio pessoal, e busquei me afastar dos grupos de conversas e tentar aquietar a minha mente. Funcionou!

De quarta à sexta-feira, tive aulas de yoga, meditação, workshops sobre alimentação e bem-estar. Há alguns opcionais, pagos à parte, disponíveis para ocupar a programação do dia. Decidi fazer a massagem de pedras quentes, um dos tratamentos do SPA, que ainda disponibiliza: massagem relaxante, máscaras faciais, reiki, consultas com naturopata, kinesiologia e hipnoterapia, além de sauna.

Também é possível agendar aulas particulares de yoga ou meditação. Um pouco antes de irmos embora, o sol veio com tudo e permitiu que desfrutássemos um pouquinho da piscina de magnésio, preparada especialmente para relaxar as tensões musculares dos visitantes. Há ainda bicicletas disponíveis gratuitamente para quem quiser explorar o terreno e seu entorno, que parece ser literalmente oásis no meio do nada.

Leia também: Opções de visto na Austrália 

E antes de encerrar, vale falar sobre a comida: das mais deliciosas que já provei! Fiz cara feia pra várias mas me abri para a ideia de experimentar e olha, valeu a pena! O chef Simon capricha muuuuito nos tempero e ensinou a fazer várias receitas, dentre elas a de queijo parmesão ralado vegano que, na minha opinião, é ainda mais gostoso que o original!

Na preparação das refeições vegetarianas, eles utilizam ingredientes orgânicos vendidos pelos produtores locais. Sucos e doces em geral não fazem parte do cardápio, apenas chás, café e frutas frescas. Meus gastos foram de: AUD 400 (retiro + acomodação) + AUD 150 Massagem + AUD 30 transporte (van + trem/bus).

Sem sombra de dúvidas, esse foi um dos melhores investimentos que fiz desde que cheguei na Austrália e eu voltei ao mundo real renovada! Além disso, a história de como o local começou é muito linda, vale a pena conferir!

Para quem quiser mais informações, acessem o site do Billabong Retreat. E se alguém tiver sugestão de outro lugar legal para fazer um retiro, posta aqui nos comentários que eu vou adorar conhecer!

Desejo um ótimo final de ano e que 2019 te traga muita paz e autoconhecimento!

Related posts

Sustentabilidade na Austrália

Aline Arruda

Férias no Brasil após um ano fora

Lívia Campos

Meu relato de parto em um hospital público e outro particular na Austrália

Eloá Zuardi

4 comentários

Monica Dezembro 16, 2018 at 10:28 am

Ola Joanna

Adorei seu texto e fiquei curiosa pra conhecer este lugar.
Eu e minha familia (somos 3) chegamos em Sydney começo de Dez de mudança de Londres e vamos ficar por alguns anos pelo trab do meu marido.
Sera’ q eles aceitam crianças, a minha tem 12 e agora yoga e tbem ja’ fez meditaçao. Um feliz natal pra vc e se quiser entrar em contato e’ so’ mandar um alo 😉

Resposta
Joana Weit Janeiro 7, 2019 at 12:57 am

Oi Monica, tudo bem?
Fico feliz que tenha gostado do meu texto! Obrigada pelo carinho!
Não vi nenhuma criança durante o tempo que passei lá e confesso que não soube de nenhuma atividade para crianças. Acho que vale a pena entrar em contato com eles para checar a possibilidade. Mas sendo muito sincera contigo, acredito que é um lugar mais voltado aos adultos, muito pela questão do silêncio, sabe? É um lugar de muita paz e natureza!
Desculpa pela demora em te responder!
Espero que teu Natal tenha sido maravilhoso e que 2019 seja um ano fantástico pra ti!
beijo beijo

Resposta
Luciana Dezembro 28, 2018 at 9:35 pm

Adorei seu texto. Estou há 4 anos em Sydney e to mto precisando de um tempo só meu. Com certeza vou fazer! 😘😘😘

Resposta
Joana Weit Janeiro 7, 2019 at 12:53 am

Oi Luciana! 4 anos de muita correria, tenho certeza! Você merece um descanso e acredito que vai adorar o lugar! Depois me conta o que achou! beijo beijo

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação