BrasileirasPeloMundo.com
Intercâmbio pelo Mundo Nova Zelândia

Intercâmbio na Nova Zelândia

Intercâmbio na Nova Zelândia.

Sonho de muitos, o intercâmbio está cada dia mais procurado. Das inúmeras perguntas que recebo diariamente, a maioria é sobre como funciona o processo, quais os tipos de intercâmbio existentes, quem pode fazer e o que é necessário para embarcar nessa aventura. Com essas perguntas em mente irei descrever passo a passo o que é necessário para realizar o seu intercâmbio com sucesso e eficiência e vou também dar algumas dicas que poderão ajudar a iniciar e organizar esse projeto que, com certeza, muda vidas.

Para começar, nada melhor que entender um pouco sobre a história do intercâmbio. Ok, não há muito o que falar neste sentido visto que não é sabido ao certo quando se iniciaram os processos de intercâmbio no mundo. Acredita-se que após a Primeira Guerra Mundial, famílias de países diferentes decidiram “trocar” de filhos por um tempo. Eu imagino que a ideia era que eles aprendessem como se vivia nessas localidades e adquirissem habilidades que não eram comuns no seu país de origem. A ideia voltou novamente após a Segunda Guerra Mundial, na qual o intercâmbio passou a ter o objetivo de selecionar embaixadores para os países.

Nesta época, só podiam fazer intercâmbio pessoas que tinham alto poder aquisitivo. Portanto, o número de sortudos era reduzido. Na realidade, até pouco tempo atrás o custo para se estudar fora do país era extremamente elevado. Se pensarmos que a simples comunicação de um país para o outro era complicada sem a internet, imagine viajar pelo mundo ou enviar um filho para estudar fora.

Com a globalização, os avanços tecnológicos e o fácil acesso à informação, o intercâmbio se tornou mais palpável e possível. Passagens aéreas que tinham preços exorbitantes são hoje mais acessíveis e a facilidade de comunicação através de celulares, Skype, Facebook e outros, faz com que a família e amigos que ficaram prá trás estejam sempre informados e conectados com o intercambista, independente de onde ele esteja. As distâncias parecem ter se encurtado e a aventura do intercâmbio deixou de ser exclusividade de poucos.

Leia também: tudo que você precisa saber para morar na Nova Zelândia

Intercambistas na NZ
Intercambistas na NZ

No Brasil, conforme a última pesquisa realizada pelo ICEF apenas 5% da população fala inglês, portanto o intercâmbio para aprender a língua mundial é atualmente o mais procurado. Outras possibilidades são:

High school (ensino médio): excelente oportunidade de aprimorar a língua e viver uma experiência única enquanto se é ainda bem jovem. A cada dia, mais e mais pais que desejam preparar os filhos estão enfrentando a dor da saudade e investindo no futuro dos herdeiros.

Intercâmbio familiar: famílias inteiras optando por morar de 6 meses a 1 ano fora para viver e aprender uma cultura diferente. Tanto os pais quanto as crianças são matriculadas em escolas locais e convivem com enormes diferenças culturais, voltando pra casa com uma nova visão de mundo.

Cursos acadêmicos: Prá quem já tem bom nível de inglês, as possibilidades são imensas. Fazer uma graduação, uma pós, MBA ou um curso mais curto em alguma área de interesse é também uma excelente oportunidade de intercâmbio. Além de levar prá casa toda a experiência de estudar no exterior, a pessoa leva também uma qualificação, o que pode com certeza abrir muitas portas no país de origem ou até mesmo em outros países.

Intercâmbio de curto prazo: Profissionais de idades variadas aproveitam o período de férias prá entender um pouco mais do mundo e praticar uma nova língua, gerando crescimento pessoal, novas ideias e possibilidades de melhoria no trabalho. Tudo isso combinado com diversão e aventura.

Hub de uma instituição de ensino na NZ
Hub de uma instituição de ensino na NZ

Seja qual for o tipo de intercâmbio, a forma de aprendizado será diferente do que se é acostumado e será improvável permanecer com os mesmos pensamentos após uma experiência tão intensa.

Não existe uma idade limite para se estudar fora do país. Geralmente, maiores de 14 anos com permissão dos responsáveis podem viajar sozinhos desde que sigam algumas regras. Menores de 14 deverão estar acompanhados dos pais ou guardiões. Com relação a idade máxima, que é uma pergunta de muitos, não há o que se preocupar. Vemos inúmeros vovôs embarcando nessa aventura. Super interessante como às vezes eles têm mais coragem e não pensam e pesam tanto as situações como a geração mais nova.

Independente da idade, sexo ou religião, se existe a vontade de viver essa experiência, nós temos tudo para transformá-la em realidade. Temos todos o mesmo poder de escolha e de focarmos no que queremos. Muitos dizem que não fazem intercâmbio porque é caro, porque não têm tempo, porque vão sentir muita falta do Brasil, da família e amigos ou porque a época já passou. Isso são apenas desculpas para quem não tem força de vontade o suficiente para se planejar e fazer acontecer.

Estando decidido é só dar os primeiros passos, com frio na barriga mesmo. A preparação deve-se iniciar com detalhes simples, mas de extrema importância:

1 – Passaporte: Caso nunca tenha saído do Brasil, a primeira coisa a se fazer é solicitar o seu passaporte. Sem ele não é possível comprar passagem aérea nem realizar matrículas em instituições no exterior. O passaporte deve ser válido por no mínimo 6 meses após o término do curso escolhido. Esta condição é importantíssima para imigração e emissão de vistos.

2 – Escolher o país e cidade de destino: Esse é com certeza o maior desafio. São tantas opções que acabamos perdidos em meio a um turbilhão de informações. Neste momento, pesquisar é a maior arma. Esqueça os pré-conceitos e considere os lugares que te darão as possibilidades que você procura. Para isso, é importante ter claros os seus objetivos com o intercâmbio. Elimine tudo que não oferece o que você busca e, a seguir, elimine o que não encaixa no seu perfil e gosto pessoal, assim você ficará cada vez mais confortável com a sua decisão. Faça uma lista do que gosta e do que não gosta, em ordem de prioridade isso irá ajudar também no processo de eliminação.

Como esse assunto é bem grande vou parar por aqui e continuamos no próximo mês. Na segunda parte do artigo, descreverei os próximos passos e mais dicas para um intercâmbio muito bem sucedido. Não deixe de acompanhar!

Related posts

A Nova Zelândia é destino para famílias?

Roberta Crossley

Sete bons motivos para fazer trabalho voluntário na Nova Zelândia

Gabriela Nunes

Queenstown: um cartão postal da Nova Zelândia

Natália Souza

4 comentários

Érika Julho 10, 2016 at 7:51 pm

Rosana li seu material sobre intercambio fiquei muito interessada, sempre tive muita vontade de sair do Brasil, mas quando jovem era impossível por questões financeiras, hoje ainda pesa mas eu preciso realizar esse sonho, o que mais me trouxe incentivos foi a parte em que você diz que tem vovôs se aventurando, hoje estou com 44 anos sou representante comercial, formada em Letras-Português, fiz especialização em Literatura Brasileira e Português, nunca exerci a profissão, gostaria de conhecer esse lugar a começar por um intercâmbio com trabalho, é claro, e se me adaptar e for possível quem sabe ficar de vez por ai, nada me prende aqui e preciso de algo novo, um trabalho diferente, uma vida diferente, a qual eu sempre sonhei. Diante desse meu relato, se você puder e não for pedir demais, gostaria muito que você me desse algumas dicas de como iniciar os preparativos, desde agências de intercambio, que sejam confiáveis, até possíveis moradias por aí.
Abraços
Muito agradecida

Resposta
Rosana Melo Julho 11, 2016 at 12:54 am

Oi Erika, obrigada pelo comentario…veja que escrevi esses passos justamente para as pessoas que assim como vc tem vontade de se aventurar mais não sabem por onde começar. Com certeza você terá que definir seu destino para então seguir para os demais. Caso tenha interesse na NZ e na Austrália pode contar com o apoio da nossa equipe da Yep, é só enviar um email para [email protected] que iremos esclarecer suas dúvidas e acompanhar antes e durante seu intercâmbio. Com certeza daremos dicas com relação aos preparativos, moradias e mais o que precisar. Ficamos no seu aguardo. Bjao

Resposta
Gabriel Fevereiro 4, 2017 at 10:05 am

Olá moça, pretendo estudar no exterior, dinheiro n é problema e ate penso sobre imigração por investimento, emfim, eu n sei nada de inglês, nunca tive interesse pra falar a verdade, hoje quero sair do Brasil, esta um caus, gostaria de saber se a algum tipo de intercâmbio próprio para pessoas que n sabe inglês ?? não compensa estudar aqui saca, é tempo jogado fora.

Resposta
Rosana Melo Fevereiro 5, 2017 at 11:59 pm

Oi Gabriel, que legal que está lendo o texto assim já entende um pouco como funciona o intercâmbio. Veja que com certeza seu primeiro passo tem que ser aprender inglês. Somente assim conseguirá se integrar a sociedade, viver melhor a cultura e conseguir trabalho. Existem vários cursos voltados para o aprendizado da língua em todo o país. Se quiser saber mais sobre os cursos em si e ver preços também envie um email para a equipe da Yep no [email protected]. Com certeza poderemos tirar todas as suas dúvidas. Super beijão e até!

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação