BrasileirasPeloMundo.com
Brasil EUA Europa Nova Zelândia

O que está por trás do sotaque?

O que está por trás do sotaque?

Não sei de que parte do Brasil você é e, também, não sei em qual país mora, mas sei que você já ouviu a famigerada pergunta: “De onde você é?”. É possível, também, que assim como eu, você tenha ouvido muito: “Você fala diferente, de onde você é?”. De algum modo isso nos atinge, pode ser que você goste, pois é uma forma de começar uma conversa, mas pode ser que te faça sentir meio deslocada.

 Esse é o poder do sotaque! Algumas palavras são suficientes para entendermos que o falante não é dali.

 Nosso jeito de falar é mais poderoso do que nossa fisionomia. Como brasileiras sabemos bem disso, somente pela nossa fisionomia um gringo não consegue nos identificar como brasileiras. Por experiência própria, até hoje, somente brasileiros me reconheceram, e todas as outras pessoas erraram minha nacionalidade quando baseadas na minha fisionomia.

 Agora, alguns atentos taxistas e motoristas de uber que me ouviram falar inglês conseguiram adivinhar que falo português ou uma língua latina, e ainda elogiavam. E uma professora de inglês que tive oportunidade de conhecer estudou português e segundo ela, nosso idioma, é um dos mais bonitos. 

 Quando ouvimos algo assim, até soa como um aconchego, pensamos: nossa alguém gosta do meu idioma, e até acha bonito meu jeito de falar inglês pois carrega um sotaque muito marcante. Mas, infelizmente muitas pessoas sofrem por ter sotaque.

 O sotaque padrão

 Desde crianças aprendemos a categorizar coisas e pessoas ao nosso redor, é como nosso cérebro funciona. E assim, as noções de “nós” e “eles” começa a surgir, tudo o que se assemelha a mim é positivo e o que é diferente é negativo, meio que uma forma de defesa e identificar o que é seguro.

 Então, muito cedo identificamos quem fala do mesmo jeito que nós e, com o passar do tempo, até chegamos a acreditar que nós não temos sotaque, quem tem é o outro. 

 Claro que, uma vez adultos, contamos com a ajuda de influências externas que nos ajudam a acreditar que um sotaque é melhor que outro: o poder social e econômico e a mídia. A forma como entendemos o sotaque é moldada por fatores externos, assim achamos que o Brasil tem um sotaque padrão.

 Por isso, que no Brasil, regiões do centro-oeste e um pouco de sudeste são considerados os falantes do idioma padrão do Brasil, pois é onde se concentra a maior riqueza econômica e claro, de poder. 

 O nome disso é construção social do sotaque onde um sotaque é sinônimo de competência, e o outro de inferioridade.

 Sotaque e Preconceito 

 É aqui que mora o perigo, quando atribuímos definições a cada sotaque, criamos uma barreira de aceitação e admiração pela diversidade, pelo que é diferente de mim. 

 Leia também: Tudo que você precisa saber para morar nos EUA

 Ora, uma pessoa com sotaque nordestino, quando chega no estado de São Paulo, sabe como as pessoas avaliam seu sotaque e isso pode gerar um impacto negativo em sua autoestima. Ela, provavelmente, se sentirá inferior aos outros funcionários, não merecedora de uma posição melhor ou da valorização pelo trabalho.

 Do mesmo modo, se estendemos a ideia para nós imigrantes vemos que a realidade é a mesma aqui fora. Em algum momento de nossas vidas fora, passamos por algum tipo de preconceito por causa do sotaque. Seja em uma conversa com amigos, seja em uma entrevista de trabalho.

 Vale ressaltar, que em países como os Estados Unidos o preconceito reflete maior ênfase em imigrantes latinos e asiáticos. E, imigrantes europeus raramente relatarão situações pois carregam o respeito da região de onde vieram que reflete poder econômico, enquanto os latinos são considerados menos competentes, também apenas pelo lugar de onde vieram regiões mais pobres e de menor poder.

 Por outro lado, na Nova Zelândia é considerado ilegal o futuro empregador perguntar a nacionalidade no entrevistado, dirá expressar qualquer opinião sobre o sotaque.

 Assim, é mais fácil perceber como entendemos o sotaque, nossa compreensão não está diretamente ligada com à forma de falar em si, mas ao que o sotaque representa.

Os sotaques carregam um valor seja no Brasil ou no mundo. Quando saímos do Brasil em busca de uma vida lá fora as diferenças ficam ainda mais evidentes. Pensando nisso criamos o Podcast Com Sotaque onde conversamos sobre a vida no exterior mas com o olhar de que cada uma de nós fazemos as coisas do nosso jeito, com nosso estilo que é Com Sotaque. 

Em maio iniciamos mais uma temporada logo depois da Off-Season, que será sobre sotaque. Tivemos a honra de receber especialistas para conversar sobre o tema. É imperdível!

 Estamos em todas as plataformas e se você não quiser se inscrever em nenhuma, você pode acessar nosso site!

 

Quer saber mais sobre o BPM? Siga-nos também no Instagram e no Facebook.

Related posts

Viver como Mulher de Expatriado

Cecília Bailey

Vida noturna em Auckland

Natália Souza

Entrevista com empreendedores brasileiros em Nova Iorque

Debora L. Juneck

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação