BrasileirasPeloMundo.com
Culinária Pelo Mundo EUA

Onde comer e beber em Nova Orleans

Onde comer e beber em Nova Orleans.

“Existe uma cidade mais importante tradicionalmente na história da culinária americana, mais vibrante, diversificada e influente? Provavelmente não.”

Como eu sou suspeita para falar, peguei a citação acima emprestada do memorável Chef Anthony Bourdain que define o perfil da culinária de Nova Orleans.

Quem acompanha os meus textos, já deve estar ciente da importância da gastronomia como forma de expressão e do papel que exerce na cultura da cidade. Nova Orleans é berço de chefs renomados como Paul Prudhomme, John Besh e Leah Chase, e a comida local atrai vários outros em busca de inspiração para suas criações.

Escolher onde comer na cidade pode ser uma tarefa difícil diante de tantas opções atraentes. Por isso montei uma lista de recomendações com restaurantes para gostos, orçamentos e ocasiões variadas. Bom apetite!

Leia também: Visto para morar nos EUA

Tradicionais

Commader’s Palace é ponto de referência na cidade e o restaurante mais famoso da família Brennan. O chef Emeril Lagasse iniciou sua carreira nessa cozinha. Independentemente da celebração, fazer uma refeição no Commander’s é uma experiência única. Vá vestido a rigor: sapatos fechados e camisa para os homens. Chinelo, moletom e shorts são proibidos. Experimente a turtle soup e o bread pudding de sobremesa.

Acme’s Oyster House não é um lugar charmoso, fica no coração do French Quarter, do outro lado da rua de um strip club, mas a comida é ótima. Vá lá em busca de pratos típicos da cidade com preços honestos. Peça as ostras grelhadas e o arroz Jambalaya.

Jacques-Imos foi montado em uma casa meio destrambelhada e de decoração excêntrica, como o seu dono, na Oak St. Uma de suas mesinhas fica na caçamba de uma camionete estacionada na frente do estabelecimento. Os bolinhos de milho que servem de entrada são uma delícia, e se você não tem restrições, peça o Po-boy de jacaré. Planeje ir numa terça-feira à noite e depois vá ao bar ao lado, The Maple Leaf, escutar a Rebirth Brass Band tocar.

Leia também: Nova Orleans e eu: uma história de amor

Bares

Ir ao Bacchanal é como ir a uma festa no quintal de casa na companhia de amigos, mas com os melhores músicos da cidade e vinho bom e barato. Logo na entrada, você escolhe a garrafa de vinho de sua preferência e os queijos que serão servidos em um prato bonitinho com nozes, geleia e torradinhas de acompanhamento. Vá cedo porque de uns anos para cá, o local se tornou o queridinho não só de locais, mas de turistas também. Depois das 18h sempre tem fila. E não esqueçam da identidade.

D.B.A. fica na boemia Frenchmen St. onde se respira música tarde e noite todos os dias. Antes das 22h normalmente não tem cover. A seleção de cervejas é excelente.

Jantar romântico

O nome La Petite Grocery é uma homenagem ao mercadinho que ocupou o mesmo espaço durante 35 anos. O menu mistura receitas clássicas da cidade com um toque contemporâneo. Peça o crab beignets.

Patois é um bistrô francês à la Nova Orleans. Aconchegante e nem um pouco pretensioso, tem um excelente atendimento e comida gostosa. Faça uma reserva para garantir uma mesa porque o espaço é pequeno.

Belisquetes

Eu julgo restaurantes pela qualidade do pão que servem. E o Shaya, um restaurante de culinária israelita e influências do sul dos Estados Unidos, faz o pão sírio na hora. Eu recomendo o Lutenitsa e o húmus com couve-flor.   

Meril é para quem é fã do chef Emeril Lagasse, mas não quer gastar uma fortuna no D’Elmonico. A ideia é escolher alguns pratos, provar de tudo e dividir com os amigos.

Leia também: O que e onde comer em Washington DC

Happy Hour

Domenica fica no elegante Roosevelt Hotel. Quem visitar na época das festas de final de ano vai encontrar o saguão todo iluminado. Peça a couve-flor assada. Das 14 às 17h todos os dias, a pizza, o vinho e os coqueteis custam a metade do preço.

No Ace Hotelvocê pode escolher entre o bar do restaurante Josephine Estelle, o bar do lobby ou Alto no rooftop, onde durante a semana a piscina é liberada.

Sorvete

A sorveteria Creole Creamery tem aroma de cascão fresquinho. Os sabores famosos são o creole cream cheese e o red velvet. Quem tiver coragem, enfrente o desafio Tchoupitoulas, coma 8 bolas de sorvete e tenha seu nome eternizado em uma plaquinha na parede. Leve dinheiro pois não aceitam cartão.

Brunch

Image: Cristina Wollenberg

Willa Jean é bar, padaria, coffee shop, restaurante. Fica a poucas quadras do Superdome, no Central Business District. Peça o Shrimp and Grits e, pelo amor de Deus, não saia de lá sem comer os biscuits e o cookie de chocolate acompanhado do leite de baunilha.

O Muriel’s fica no Jackson Square e oferece a combinação perfeita: comida e jazz. Peça os crab crepes.

Sanduíches

O pai do Butcher é o restaurante Cochon, que fica ao lado e é um dos restaurantes favoritos do Anthony Bourdain na cidade. A especialidade dos dois é o porquinho. No caso do Butcher, em forma de presunto. Se tiverem espaço, além de um sanduba, peçam também o Mac n’ Cheese que é divino.

Johnny’s Po-Boy é o lugar para comer o famoso sanduíche feito com o pão francês e recheado com opções diversas. O segredo está nos temperos. O tamanho é perfeito para dividir com alguém. Peça o de softshell crab.

Frutos do Mar

Harbor Seafood fica a alguns minutos do aeroporto e é o legitimo pé sujo. Última vez que comemos lá, chovia tanto, que o teto desabou formando uma cascatinha. Nos mudaram de mesa e continuamos comendo como se nada tivesse acontecido. Aqui você encontra o famoso crawfish e ostras com ótimo preço.

Seaworthy fica no Ace Hotel. É um bar charmoso com comida tão boa quanto as bebidas. Peça ostras, caviar, o bolinho de peixe frito e seja muito feliz.

Padaria

Uma das coisas que mais sinto falta do Brasil é uma padaria. La Boulangerie na Magazine Street oferece tudo que eu procuro em uma: suco natural de laranja, doces deliciosos, sanduíches, saladas e quiches. Peça qualquer coisa.

Carnes

La Boca é argentino então não preciso me estender muito. A carne é escolhida a dedo e de alta qualidade. Além de um bife suculento, peça também o nhoque que é quase tão bom quanto o que minha avó preparava com tanto carinho.

Sushi

Rock-n-Sake tem pratos inspirados na cultura local e fica no Warehouse District. Toda terça-feira tem um sushi roll especial e drinks por $5.

Mexicano

O dono do El Gato Negro é filho de imigrantes mexicanos. A comida é autêntica e o guacamole é feito ao lado da mesa de acordo com o gosto do cliente. As chips e a salsa são excelentes.

Vietnamita

Bebeu muito na noite anterior? Pho é a melhor cura para a ressaca. Os restaurantes vietnamitas mais tradicionais ficam do outro lado do Rio Mississippi, no Westbank. Mopho em Mid-City é uma alternativa à altura.

Leia também: Dicas para se manter saudável em Nova Orleans

Vegano & Sem Glúten

O Bearcat Café é moderninho e oferece opções deliciosas tanto para quem come tudo quanto para quem tem restrições alimentares. Fica no Freret Corridor, uma área pouco visitada, mas em ascensão.

Fast-food

Esqueça o McDonald’s e Burger King, se for para comer hambúrguer vá ou ao Atomic Burger em Metairie, perto do shopping Lakeside, ou no The Company Burger. Fim de conversa.

O Raising Cane’s só serve chicken tenders, e são os melhores que você comerá na vida. Já há franquias em outros estados, mas o conceito nasceu em Baton Rouge, LA.

Related posts

O que os alemães comem no inverno

Sarah Oliveira

Mulheres texanas na História

Alessandra Ferreira

A culpa de não sermos perfeitas

Gabriela Albuquerque

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação