BrasileirasPeloMundo.com
Argentina

Pastelitos, chegou o outono

Pastelitos, chegou o outono.

Todo ano quando começa o outono e tenho que me despedir do verão me sinto um pouco melancólica. Inegavelmente com os dias mais curtos, sem poder sair só de camiseta e vendo que cada vez mais a roupa demora a secar no varal, acabo sentindo uma saudade imensa do Brasil.

Vejo desaparecer das feiras as frutas mais perfumadas e as verduras mais brilhantes. Chegam os tons terrosos, nas folhas das árvores, nas diversas variedades de abóboras e nos cítricos que devemos consumir para não “pegar um resfriado”.

Leia também: Como a adaptação no novo país pode ser mais leve

A paisagem é linda, disso não discordo. No entanto, é mais linda numa foto (ou num cartão postal) do que ao vivo. Juro. Não sei se já te contei, mas não gosto do frio. De fato eu gosto mesmo é do calor que faz o ano todo no nordeste do Brasil.

Certamente você deve estar se perguntando, então, por que estou aqui e não lá, não é mesmo?

O Outono

Logo após o equinócio de outono começam as chuvas e os ventos. Ainda temos alguns dias de sol e algo de calor. Contudo, já é necessário dormir com uma coberta mais quentinha e começar a usar um cardigã ou uma jaqueta.

Em abril as temperaturas baixam, ainda há um pouco de chuva e quando há sol é aquele que não esquenta. Logo depois vem maio, as chuvas dão uma trégua, mas a temperatura não. Para sair eu me cubro dos pés à cabeça.

Leia também: A mulher imigrante e a busca da sanidade perdida

Em contrapartida, é o momento de ir aos cafés tomar um chá (que ironia, haha). Para aguentar melhor o frio, além de laranjas, mexericas, limões e pomelos*, se tomam diversas infusões bem quentinhas acompanhadas de pães doces e biscoitinhos amanteigados que são deliciosos.

* Sinceramente não sei por que quando foram traduzir grapefruit, ao português, usaram toronja/toranja, como se diz no norte da América do Sul, ao invés de pomelo, que é como chamamos por aqui.

Além disso, no fim do mês chegam às padarias os pastelitos. Como já disse em textos anteriores, por aqui é muito comum que as datas festivas sejam celebradas com comidas típicas. Para o feriado do dia 25 de maio são os pastelitos criollos.

La Semana de la Revolución de Mayo

Um dos feriados pátrios mais importantes da Argentina é o do dia 25 de maio. Neste dia se celebra a semana da revolução de maio, que deu inicio ao processo de independência do país.

“A Revolução de Maio foi uma série de eventos que ocorreram entre 18 e 25 de maio de 1810 na cidade de Buenos Aires, capital do Vice-Reino do Rio da Prata. Esta era uma colônia do Império Espanhol que incluía aproximadamente os territórios dos atuais países da Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai. O resultado foi a remoção do vice-rei Baltasar Hidalgo de Cisneros e o estabelecimento de um governo local, a Primera Junta. A Revolução de Maio foi a primeira revolta bem sucedida no processo de independência da América do Sul.”

Fonte – Wikipédia

Pastelitos Criollos

Foto: Reprodução El Gourmet

Embora os pastelitos sejam chamados também criollos, por aqui só se conhece como de membrillo ou de batata. Ou seja, pelo nome dos recheios mais apreciados pelos argentinos.

Membrillo é marmelo, logo dulce de membrillo é a marmelada que – imagino eu – quase ninguém mais consome no Brasil, ou sim? Eu ficaria surpresa. Particularmente eu não gosto dessa versão, apesar de parecer com a goiabada, tem um sabor mais azedo.

Por isso sou do time do pastelito de batata. Aqui pode surgir uma confusão entre o português e o espanhol. O que para nós é batata, para os argentinos é papa, e o que para nós é batata-doce, para eles é batata. Então, pastelito de batata é de doce de batata-doce.

Leia também: Road Trip de Washington DC a Key West

Agora imagina só, qualquer um dos dois recheios (escolha o que você mais gostar) embrulhado numa fina massa folhada, que será frita por poucos minutos em óleo com temperatura controlada. Ou seja, ficará sequinho e crocante. E ao final receberá um pouco de calda de açúcar e confeitos.

Delícia pura, não é? Ainda mais acompanhada de uma bebida quentinha . . . muitos preferem o mate (chimarrão), eu ainda não consegui me acostumar (muito amargo para mim, e olha que eu gosto de chá de boldo sem açúcar), então fico no chazinho de camomila mesmo 😉

Com o intuito de te inspirar a se aventurar um pouco pela cozinha argentina, deixo aqui o link para uma receita caseira de pastelitos criollos. Para que fique mais fácil, e também mais bonito, sugiro que você compre a massa folhada já pronta.

Quer saber mais sobre o BPM? Siga-nos também no Instagram e no Facebook

Related posts

Homens argentinos: Parte II

Ina de Oliveira

Argentina – A crise, Parte 4 – Trabalho

Ina de Oliveira

Violência de gênero e machismo na Argentina

Patricia Souza

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação