BrasileirasPeloMundo.com
Argentina Brasil COVID-19 Curiosidades Pelo Mundo Divagações Imposto de Renda Morando Fora Política Pelo Mundo Religiões Pelo Mundo

Gambito da Rainha

Gambito da Rainha.

Já viu?

Eu já. Terminei de ver no fim de semana passado. Não achei incrível nem nada parecido, mas valeu para passar o tempo nesta quarentena que não termina nunca – Corrientes recentemente retrocedeu de fase e mais uma vez tivemos que ficar trancados em casa por dias 🙁

Leia também: A difícil arte de saber se adaptar

Mas por que mesmo te fiz essa pergunta? Porque por aqui essa minissérie está fazendo um sucesso tremendo. Tem semanas que é um dos programas mais vistos na plataforma de streaming. . . e tudo isso graças ao fato de que a atriz principal Anya Taylor-Joy viveu durante sua infância uns anos em Buenos Aires.

Eu sou a última bolachinha do pacote

É provável que você já tenha ouvido falar na fama que o argentino tem de “se achar a última bolachinha do pacote”, não?

Sem dúvida – na minha opinião – essa fama tem fundamento. No entanto, eu corrigiria, em vez de argentino, eu diria porteño.

Embora os argentinos levem toda a culpa, é o estilo do porteño* (quem nasceu na cidade de Buenos Aires) que mais contribui para o estereótipo do “típico argentino” conhecido no Brasil.

* Óbvio que não se pode generalizar, nem todos os porteños são assim. Do mesmo modo que nem todos os brasileiros nasceram no Rio, comem feijoada, dançam samba, pulam carnaval e jogam futebol.

Fenômeno Anya Taylor-Joy

Desde que a série estreou não se fala de outra coisa se não dessa jovem atriz que – apesar de ter nascido em Miami – fala perfeitamente castelhano, adora empanadas e churros com dulce de leche e vem visitar Buenos Aires de vez em quando.

Ainda que isso não fosse o bastante, agora os jornais também falam do pai da atriz. Quem é. O que faz.

Como foi sua passagem por Buenos Aires, seus amigos, seus adversários, seus prêmios…

Família Taylor, morte do Maradona (foi negligência ou não?), coronavírus (e a dupla pandemia & quarentena) e votação da lei de descriminalização do aborto é só o que se vê, escuta e fala por aqui, nesses dias.

Um país que deu certo

Certamente não é de hoje que venho observando uma necessidade de mostrar os argentinos que “deram certo”. Talvez para inspirar a outros, ou talvez para disfarçar a realidade de que a Argentina não é o país que todos acreditam que é.

E que país é esse, então?

Antes de mais nada, deixo claro que é só a minha opinião baseada na minha experiência por aqui.

Leia também: Reflexões sobre o pós-pandemia

Mesmo com grande parte das pessoas “se achando”, aos meus olhos, a Argentina se mostrou um país bastante burocrático e pouco eficiente. Apesar de extenso, tudo está centralizado em Buenos Aires.

Não há conexão cultural, comercial, nem aérea entre as províncias. Por importar quase tudo, paga-se muito por produtos de baixa qualidade.

E como as regras mudam rapidamente e sem aviso prévio, o que se conseguiu antes, amanhã pode ser que não se consiga mais.

Conclusão – a Argentina dos edifícios de estilo parisino, dos cafés em cada esquina, dos restaurantes de carne de primeira qualidade e dos parques arborizados é só um pequeno recorte de alguns bairros caros de Buenos Aires.

E as montanhas cobertas de neve com resorts incríveis e estações de esqui, outro recorte de Bariloche e de Mendoza.

As notícias que chegam ao Brasil

Outro dia desses estava lendo notícias do Brasil quando vejo um artigo elogiando a Argentina pelo plano de vacinação contra o coronavírus, por aprovar uma lei que taxa grandes fortunas e por discutir a descriminalização do aborto.

Fiquei surpresa.

Embora seja verdade que aqui se fala em um plano de vacinação, que se tenha aprovado um imposto de riqueza e há anos se fale em descriminalizar o aborto, estamos longe, bem longe, de resolver esses problemas.

Como disse anteriormente, a infraestrutura argentina é bastante desorganizada em questões básicas, como emissão de documentos. Imagina na implementação de um plano de vacinação pelo qual todos estão aguardando ansiosamente?

Quanto à lei que taxa grandes fortunas tenho ressalvas.

Primeiramente, gostaria de explicar que, por mais absurdo que pareça, mesmo com uma das taxas mais altas de inflação do planeta, o governo a ignora completamente e mantém os índices de imposto de renda iguais, ano após ano.

Leia também: A pandemia na Inglaterra

Ao meu ver é de propósito para alcançar cada vez mais contribuintes. Portanto, se isso acontecer também com esse novo imposto, pessoas que nem têm fortunas tão grandes assim acabarão pagando a conta.

Sem falar na situação em que estamos de quarentena eterna com aumento de desemprego e empresas multinacionais saindo do país. Não sei se este era o melhor momento para afugentar a quem poderia investir no país.

Enquanto a discussão descriminaliza ou não, o aborto apenas começou. Por mais que os argumentos apresentados sejam válidos, a maioria dos argentinos é católica e sabemos que a religião tem um peso importante neste tema.

Mesmo sabendo que abortos acontecem e que mulheres morrem, os lenços verdes e azuis, vistos pelas cidades do país, não mostram indícios de que chegarão logo a um acordo.

Related posts

Em busca de uma vida mais simples… E plena

Hasu Kikuchi

A música angolana e a sua influência no Brasil

Jacira Ferreira Normand

Rotina de trabalho em Yangon, no Myanmar

Natalie Lima

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação