BrasileirasPeloMundo.com
Rússia

Por que eu me sinto em casa morando na Sibéria?

Por que eu me sinto em casa morando na Sibéria?

Mesmo depois de alguns anos morando e viajando por países de diversas culturas e costumes, ao saber que me mudaria para a cidade de Omsk, na Rússia, confesso que não imaginei me sentir em casa, na Sibéria.

Não só pela dificuldade da língua (a língua russa tem letras e pronúncias quase impossíveis de repetir!), mas também pelo clima extremo, com temperaturas mínimas de inverno de -45 ºC, ir morar numa cidade conhecida somente no jogo “War”, em plena Sibéria, era algo muito desafiante.

Depois de algum tempo fora do Brasil, é muito bom quando chegamos num lugar totalmente desconhecido e encontramos coisas que nos são familiares, como descobrir um restaurante que faça aquele arroz e feijão caseiros. Dá aquela sensação de estar em casa, de relaxamento.

Para minha surpresa, passeando por Omsk, descobri no supermercado um balcão cheio de salgados que pareciam pastéis fritos e esfihas. Isso mesmo! Meus olhos brilharam de tanta emoção. Eu amo pastel. Na hora, pedi dois de cada sabor através de mímicas e sem entender quais eram os recheios.

Pesquisando, descobri que o pastel, chamado aqui de Chebureki (Чебуре́к), é um prato nacional do povo tártaro da Crimeia, muito difundido na Rússia e nos países da antiga União Soviética. Dizem os russos que o melhor chebureki é o feito na Crimeia.

A massa é uma delícia, igualzinha ao nosso pastel de feira, além de super crocante, e como estamos na Rússia, claro que a cachaça é substituída pela vodka. O recheio geralmente é a base de carne de cordeiro (outra paixão russa), com vários temperos e ervas aromáticas, típicos da culinária russa, como o endro.

Já o pãozinho que parecia uma esfiha se chama Echpochmak (Эчпочма́к), prato típico russo originário do povo basquir (bashkir), um grupo étnico de origem turca, cujo nome significa “triângulo”. Seu sabor e textura são muito parecidos com as tradicionais esfihas brasileiras, porém a versão russa leva ovo na massa.

Tradicionalmente, os russos colocam batata junto com o recheio, que pode ser de carne de cordeiro e até de ganso. Outra curiosidade é que na montagem do echpochmak o recheio é colocado cru.

Depois de tanta felicidade em achar essas iguarias brasileiras e me sentir em casa, na Sibéria, para fechar com chave de ouro, o meu passeio, o que encontrei? Doce de leite (Дульсе де Лече) ….. geladinho e pronto para o consumo! Aqui na Rússia, o doce de leite é vendido em latas como as de leite condensado e exposto em geladeiras, junto com os iogurtes e leites frescos. É bastante utilizado em receitas de doces e bolos, outro carro-chefe russo.

Após essas incríveis descobertas, faltava experimentar os pratos de origem russa tão queridinhos de muitos brasileiros, como o estrogonofe de carne e a salada russa.

chachlik

Comecei uma peregrinação pelos restaurantes de Omsk e confesso que tive um pouco de dificuldade para encontrar um que tivesse o estrogonofe no cardápio. Finalmente encontrei, mas num dos restaurantes onde experimentei o prato, ele nem estava escrito no cardápio. Todos os estrogonofes que comi eram muito saborosos e bem parecidos com a receita que fazemos no Brasil.

E por falar em receita, o estrogonofe (em russo строганов – “stroganov”), como sabemos, é um prato típico russo, criado no final do século XIX em homenagem ao Conde Alexander Grigorievich Stroganov, de onde foi tirado o nome. Diz a lenda que o seu criador foi um chefe francês que combinou técnicas culinárias francesas de cozimento de carnes com as da culinária russa, originando esse prato tão saboroso.

Nos restaurantes russos o estrogonofe é servido na sua versão clássica, com carne de boi (em russo Бефстро́ганов – “bef stroganov”). Inclusive, é muito fácil encontrar nos açougues e mercados a carne para fazer o estrogonofe já cortada no tamanho certo. O que facilita bastante a vida.

Sobre a receita, a versão original é diferente daquela que conhecemos hoje, preparada com catchup e cogumelo. Ela utiliza apenas farinha de trigo e creme de leite azedo (Сметана, em russo – “smetana”), além do filet mignon e ervas, acompanhado com purê de batatas e pepinos em conserva).

Já a “caça” à salada russa foi algo bem mais simples. Isso porque os russos a servem como entrada e não como acompanhamento de pratos principais, como estamos acostumados no Brasil. E como eles comem saladas até no inverno, a salada russa é facilmente encontrada em restaurantes e até em supermercados e padarias, já pronta para o consumo.

Aqui ela é chamada de salada Olivier (салат Oливье), inventada em meados de 1860 por outro chefe de cozinha francês que trabalhava em Moscou, Lucien Olivier. É um prato muito difundido na gastronomia russa e nos países da ex-União Soviética, tanto que se tornou um símbolo da gastronomia do Ano Novo russo.

A receita original do chef Olivier é um mistério não desvendado até hoje, mas sabe-se que junto com as batatas e a maionese ele utilizava carnes de boi (incluindo a língua), de galo, molho de soja Kabul e até caviar. Com o passar dos anos, os russos modificaram a receita, substituindo muitos ingredientes, como os diferentes tipos de carnes, por linguiça defumada, muito parecida com a receita feita no Brasil para acompanhar o churrasco.

Ah… o churrasco. Qual brasileiro que mora no exterior não sente falta de um bom churrasquinho com os amigos e a família? Pois é, aqui descobri que os russos fazem uma versão do nosso espetinho, que se chama Chachlik (Шашлык), um prato típico da cultura eslava e do Cáucaso (entre os mares Negro e Cáspio), principalmente nas regiões da Rússia e do Azerbaijão.

O chachlik é considerado um kebab, sendo preparado com carne em pedaços pequenos (geralmente de cordeiro) intercalado com vegetais, como cebola, tomate e pimentão, e assado no espetinho em grelhas semelhantes às churrasqueiras brasileiras. É vendido em todos os restaurantes de comidas russas, sendo um prato tão importante que na Armênia, por exemplo, todos os anos é realizado o Festival do Chachlik.

Percebi que a culinária russa é o resultado maravilhoso do convívio de muitos povos de diferentes origens e culturas, assim como o Brasil. Um país com uma gastronomia tão rica de sabores que realmente me surpreendeu e que ainda tenho muito a descobrir. Mas de uma coisa tenho certeza, de fome, na Rússia, eu não morro!

Related posts

Meu Primeiro Dia da Vitória em Moscou

Renata Rossi

Custo de Vida na Rússia

Renata Rossi

Comemorando o Aniversário de Moscou

Renata Rossi

1 comentário

Camila Tavares Setembro 4, 2019 at 2:17 pm

Não fazia idéia que haviam coisas tão parecidas com a comida do Brasil! A salada russa é famosa aqui na Espanha também, a nossa maionese do Brasil. Mas o Stronogoff eu achava que fosse totalmente diferente do Brasil! e nunca imaginei pastel, hehehehehe. Muito interessante.

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação