BrasileirasPeloMundo.com
COVID-19 Rússia Sistemas de Saúde Pelo Mundo

5 pontos sobre a vacina russa Sputnik V

Vacina russa Sputnik V

5 pontos sobre a vacina russa Sputnik V.

Em meio as controvérsias sobre a aprovação pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) de algumas vacinas produzidas no mundo contra a Covid-19, está a Sputnik V, a primeira vacina a ser anunciada desde o início da pandemia. Muito se tem ainda a esclarecer, então reuni 5 pontos sobre a vacina russa Sputnik V.

1. Como é a campanha de vacinação na Rússia?

Na Rússia, a vacinação contra a Covid-19 é gratuita. A vacina Sputnik V é aplicada em todos os cidadãos a partir de 18 anos de idade, bastando apresentar um documento de identidade no posto de vacinação.

Inclusive, quem quiser pode agendar data e hora mais conveniente para ser vacinado. Basta acessar o site Gosuslugi.ru e fazer a inscrição.

É seguida uma ordem, tendo prioridade as pessoas do grupo de risco, dentre elas pessoas com mais de 60 anos, pessoas com doenças crônicas, assistentes sociais e outras que trabalham com um grande número de pessoas.

Para estar totalmente imunizado contra o coronavírus, cada pessoa deve tomar duas doses da vacina Sputnik V, com intervalo de 21 dias, e a pessoa recebe um “Certificado de vacinação Covid-19”.

2. A vacina tem alguma contraindicação?

A vacina Sputnik V é contraindicada a determinados grupos de pessoas:

  • com histórico de reações alérgicas graves;
  • hipersensibilidade a qualquer componente de uma vacina;
  • doenças infecciosas e não infecciosas agudas;
  • doenças crônicas;
  • mulheres grávidas ou em período de amamentação;
  • menores de 18 anos de idade.

De acordo com o Ministério da Saúde russo, também entram nessa lista pessoas com tuberculose, hepatite B e C, sífilis, HIV, em tratamento oncológico e aquelas que sofreram acidente vascular cerebral.

3. Qual é a eficácia da Sputnik V?

Segundo dados fornecidos pelo fabricante, o Instituto Gamaleya, a eficácia da vacina Sputnik V contra a Covid-19 é de 91,6%, incluindo os casos mais graves da doença e idosos.

De acordo com os estudos clínicos da fase III, quando a vacina é aplicada em humanos, a Sputnik demonstrou excelentes resultados, que foram publicados na revista The Lancet:

  • Mais de 98% dos voluntários no grupo de vacinação desenvolveram uma resposta imune humoral (produção de anticorpos) e uma resposta imune celular 100% (proteção de longo prazo);
  • O nível de anticorpos neutralizantes do vírus em voluntário foi em torno de 1,5 vezes maior do que em pacientes que se recuperaram da Covid-19;
  • Estatisticamente, a eficácia da vacina para os idosos é a mesma para o grupo de pessoas com menos de 60 anos;
  • 94% dos eventos adversos foram leves e incluíram sintomas semelhantes à gripe, reações no local da injeção, febre e dor de cabeça;
  • Confirmado pelo Comitê Independente de Monitoramento de Dados que nenhum evento adverso sério relacionado à vacina foi observado;
  • Não foi observado qualquer caso de alergia grave ou choque anafilático.

4. Onde a vacina é fabricada?

Produção da vacina Sputnik V no Centro Nacional de Pesquisa em Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya. Foto: https://sputnikvaccine.com/prt/newsroom/press-kit/photo/

 

Atualmente, a vacina Sputnik V está sendo produzida em 6 fábricas na Rússia, localizadas nas regiões de Moscou e São Petersburgo, e uma 7ª fábrica deverá ser inaugurada, em breve, em Yaroslavl.

Além da Rússia, a vacina Sputnik V também é produzida no Brasil, Coréia do Sul, Arábia Saudita, Turquia, Índia, China e Cazaquistão.

5. Em quais países a vacina é aplicada?

A princípio, o governo estima que até fevereiro de 2021 mais de 1,5 milhão de pessoas ao redor do planeta receberam a vacina russa contra o coronavírus.

O primeiro país estrangeiro a começar a aplicar a Sputnik V foi a Bielo-Rússia, adquirindo 170.000 doses; seguido por Argentina, com 10 milhões de doses; e Bolívia, com 5,2 milhões.

Oficialmente, a vacina Sputnik V foi registrada em inúmeros países:

  1. Bielo-Rússia
  2. Argentina
  3. Bolívia
  4. Sérvia
  5. Argélia
  6. Palestina
  7. Venezuela
  8. Paraguai
  9. Turcomenistão
  10. Emirados Árabes Unidos
  11. Hungria
  12. Paquistão
  13. Irã
  14. Cazaquistão
  15. Tunísia
  16. Guiné
  17. México
  18. Nicarágua

Juntamente com o Brasil, outros 40 países se mostraram interessados a comprar as doses da vacina russa nos próximos meses.

Outras vacinas russas contra a Covid-19

Ampolas com EpiVakKoron desenvolvida pelo Vector State Research Center de Virologia e Biotecnologia do Serviço Federal Russo de Vigilância em Proteção dos Direitos do Consumidor e Bem-estar Humano (Rospotrebnadzor). Fonte: Rospotrebnadzor Press Office
Ampolas da vacina EpiVakKoron desenvolvida pelo Centro de Pesquisa de Virologia e Biotecnologia Vector do Serviço Federal Russo de Vigilância em Proteção dos Direitos do Consumidor e Bem-estar Humano – Rospotrebnadzor. Foto: Rospotrebnadzor Press Office / https://status-media.com/life-style/tehnologii/vektor-natselennyj-na-pobedu/

 

No combate contra a pandemia, a Rússia lançou mais uma vacina: a EpiVacCorona.

Produzida pelo Centro Nacional de Pesquisas em Virologia e Biotecnologia Vector, em Novosibirsk, segundo a Rospotrebnadzor (agência sanitária russa) a EpiVacCorona tem eficácia imunológica de 100%.

Os estudos clínicos estão sendo realizados nas regiões de Moscou e da Sibéria, com cerca de 3.000 voluntários com mais de 18 anos de idade, incluindo pessoas acima dos 60 anos.

Definitivamente, parece que a Rússia está realmente empenhada no combate ao coronavírus, pois se não bastasse a Sputnik V e a EpiVacCorona, o país está fazendo ensaios clínicos para uma terceira vacina, a chamada “Sputnik Light”, uma versão mais leve do original (a Sputnik V).

Lançada em fevereiro deste ano, a promessa da “Sputnik Light” é de que ela será capaz de oferecer 85% de proteção contra a Covid-19 com apenas uma dose.

O objetivo do Instituto Gamaleya, que também produz a Sputnik V, é oferecer essa nova versão da vacina para países onde a mortalidade é muito alta.

Vamos aguardar e torcer!

Пока-пока! (Tchau-tchau!)

Assista aqui o vídeo em inglês lançado no final de dezembro de 2020 pelo fabricante da vacina Sputnik V com o slogan “V is for Victory”. Fonte: https://www.facebook.com/sputnikvaccine/.

Related posts

Sistema de saúde na República Tcheca

Isadora Costa

Pandemia e o Relaxamento do Lockdown na Holanda

Giovanna Prata

Por que a Espanha não consegue controlar a pandemia?

Marcela Bueno

2 comentários

Agostinha Ambrósia Ferreira de Sousa Março 6, 2021 at 6:58 pm

Parabéns, Vanessa!!! Mais um texto de qualidade e extremamente oportuno, oferecendo abordagem precisa sobre esse tema tão relevante e discutido em todo o mundo, como a vacinação contra a Covid-19. Sucesso, sempre!!! Aguardamos as próximas postagens.

Resposta
Vanessa Sousa Março 9, 2021 at 4:29 am

Realmente, o assunto é mais do que oportuno, não é mesmo? Obrigada Agostinha.

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação