BrasileirasPeloMundo.com
Irlanda Turismo Pelo Mundo

Sete regiões de arte de rua em Dublin

O cinza que vem das nuvens já não escurece tanto o olhar. Pelas ruas do centro da capital irlandesa, muita tinta, muita história, palavras de acalento e uma autenticidade que convida a imaginação a se perder no encontro com o mar. É que em Dublin os irlandeses nos abraçam com arte. Esse DNA vem de longe, vem de 3.200 a.C. com as figuras registradas na pedra durante o período neolítico e mais tarde, em 300 a.C, com os desenhos e símbolos celtas que ainda hoje arrepiam o mundo.

Após um passado de muitos conflitos e miséria, a Irlanda viu nas últimas décadas suas portas se abrirem, libertando também a expressão artística de seu povo e uma vontade de espalhar pela cidade um pouco do que estava enclausurado nos quase 800 anos de sua colonização. Ao caminhar na capital, a calmaria e o verde das ruas se contradizem com o barulho das cores, com o anonimato do autor, com o inconformismo que ele desperta individual e internamente. Nas esquinas, uma prova de sua passagem. Nas fachadas das lojas ao cair da noite, um ponto de interrogação. Nos becos e bastidores, um incentivo ao enxergar aqui e além. A forte e bem-vinda diversidade cultural de suas gentes – e o respeito a ela – avisam que a expressão do outro também pode ser nossa, pois ela é humana, ela é do mundo, ela vem de nós.

Fonte: acervo pessoal

Gradualmente, o grafite e os murais vêm ganhando reconhecimento e apoio da Prefeitura, população, comerciantes, empresários e comunidade artística. Inclusive, com frequência, o poder local seleciona artistas para ilustrarem espaços públicos, como hospitais, galerias, prédios desativados e as caixas de energia localizadas no meio dos passeios. Dentre os nomes de maior destaque na cena dublinense e que tambem já conquistaram fama internacional, Connor Harrington, Maser, Canvaz, James Earley e Banksy compõem o topo da lista.

Conheça e visite algumas das principais obras / pontos de arte de rua pela cidade:

1) Área da Camden Street: um verdadeiro oasis para apreciar artistas de rua de diferentes estilos. Percorra os quarteirões entre o canal de Portobello até a Kevin Street Lower. Pare no Bernard Shaw Pub, um bar diferenciado que conta com uma área aberta bastante inspiradora, e siga para a Camden Row.

Fonte: acervo pessoal

2) Windmill Lane: provavelmente o primeiro grande ponto de grafite em Dublin. Tudo começou com os fãs do U2 que frequentavam a região para conhecer o famoso estúdio da banda. Com o tempo, os espaços do entorno foram sendo cobertos de arte, e constantemente novas camadas de tinta são incorporadas aos muros, fachadas e postes da rua.

3) Smithfields: a região concentra algumas importantes obras: Stormzy Mural, do grupo Subset; uma homenagem ao Bob Doyle (soldado irlandês que lutou contra o fascismo) e dois grandes desenhos próximos ao The Cobblestone pub.

Fonte: acervo pessoal

4) Thomas Street: foram pintados 15 obras em alguns prédios abandonados, tornando mais charmoso o caminho que muitos turistas percorrem para ir a fabrica da Guinness. Bem próximo dali fica o Tivoli Car Park, na Francis Street, um amplo estacionamento aberto que permite com que artistas criem grafites de maior escala.

5) Centro (próximo a Dame Lane): o coração da área central é recheado de opções, sobretudo a George Street (atenção ao BP Fallon ao lado da The Button Factory) e a Dame Lane (destaque para a mulher com cabelos azuis).

6) Temple Bar: um dos principais pontos culturais da cidade, o grafite também deixou marcas por lá. Atenção para o tigre celta, a homenagem a Ulysses (livro de James Joyce) e o touro louco na chuva (Black Herds of the Rain). Não deixe de conhecer também a Love Lane e a Temple Lane.

7) Docklands: mais precisamente na esquina entre Sir John Rogerson’s Quay e Britain Quay, onde a construção do arranha-céu U2 Tower teve que ser interrompida em 2008, há vários becos e outros prédios abandonados que ganharam vida por meio dos artistas de rua.

Related posts

Dicas de passeio pela Baixa em Lisboa

Lyria Reis

CityPASS em Toronto: até que ponto vale a pena?

Vanessa Murcilio

Por que visitar o Vêneto?

Ana Patricia da Silva

5 comentários

Silvia M Marcelo Miranda Novembro 16, 2017 at 1:50 pm

Cada vez que leio seus textos me encanto com sua capacidade de trabalhar as palavras. Parabens filha por seu talento e percepção deste nosso mundo…..

Resposta
Viviane Miranda Novembro 20, 2017 at 9:54 am

Obrigada por ser minha leitora fiel, enxergando para alem de mim mesma 🙂 beijos

Resposta
R M M Novembro 18, 2017 at 10:06 am

Excelentes dicas para os entusiastas da arte urbana! Ótimo texto!

Resposta
Dimas Carneiro de Miranda Novembro 18, 2017 at 12:11 pm

Parabéns pelo texto.Devagar vamos conhecendo um pouco da Irlanda, que tem tantos atrativos para os turistas.

Resposta
Viviane Miranda Novembro 20, 2017 at 10:45 am

Obrigada, fico feliz que tenha curtido!!! Continue nos acompanhando 😉

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação