BrasileirasPeloMundo.com
A Mulher na Sociedade Pelo Mundo Irlanda

Tipos de cervejas irlandesas e a cultura dos pubs

Tipos de cervejas irlandesas e a cultura dos pubs.

A fama roda planeta afora: irlandeses bebem muita cerveja. Mais precisamente 98 litros de
cerveja por ano, o que os coloca em 4° lugar no ranking mundial de consumo per capta. À
frente da Irlanda, apenas República Tcheca, Alemanha e Áustria. Mais que cevada fermentada com lúpulo e água, a bebida está incorporada na cultura, na economia, nos hábitos sociais e em políticas públicas, inclusive de redução e conscientização do consumo.

Conta-se que a produção de cerveja na Irlanda remete há mais de 5 mil anos e tem raízes na combinação entre solo fértil, chuva e brisa suaves, que propiciaram a colheita de cevada de altíssima qualidade. Com isso, as cervejarias já eram realidade durante as Eras de Ferro e Bronze (2500 – 500 a.C), sendo dominadas em sua maioria por monges especialistas em ervas, um ingrediente que substituiu o lúpulo por muito tempo na ilha.

Eu, mineira que sou, sempre fui de frequenter os botecos em Belo Horizonte, dividindo entre quatro ou cinco amigos uma garrafa de 600ml, juntando-as aos pés da mesa para ao fim da noite comparar com a quantidade apontada na conta. Falei que sou mineira, né? Cerveja para mim sempre foi sinônimo de leveza, calor, domingo à tarde, espeto na churrasqueira, sambinha no MP3. Então já era de se esperar que o rito de tomar cerveja no país da cerveja seria um tanto quanto diferente. Por aqui, eles são bastante corujas e protetores com o que pedem no bar. Cada um tem seu copo de 568 ml (pint), segurado e consumido com muito orgulho.

Cervejarias e tipos de produção

Até o início do século XIX, havia mais de 200 cervejarias no país, um dado muito expressivo pelo tamanho da ilha. Por conta de um forte período de instabilidade política e econômica, esse número foi drasticamente reduzido no fim do século XX, mas a história já tinha se encarregado de enraizá-la, a bebida já fazia parte da vida das pessoas.

Atualmente, existem 70 cervejarias convencionais (breweries) e 50 cervejarias artesanais (craft ou micro breweries). Apesar do crescimento contínuo, o setor artesanal ainda representa apenas 1.5% das vendas nacionais. Os irlandeses levam muito a sério o que no Brasil chamamos de cerveja de verdade: menos milho, menos água e mais malte de cevada. Os tipos mais comuns vendidos aqui são Ale, Stout e Lager:

O tipo Ale é considerada a avó de todas as cervejas. De alta fermentação, tem mais toques
acentuados de frutas, porque há mais éster liberado no processo, e coloração um pouco mais escura. Historicamente, a Irlanda produzia cerveja Ale sem o lúpulo, pois não é uma planta nativa da região. Mas com o passar dos séculos, começou a importá-la da Inglaterra, impulsionando a produção e a exportação do produto.

Leia também: dez motivos para morar na Irlanda

O estilo Stout, queridinho mor e atualmente o mais consumido por aqui, é a tradicional cerveja preta que ficou famosa através da Guinness. É uma variação do estilo Ale e Porter e tem um sabor acentuado de chocolate, malte torrado e café.

Considera-se Lager quando a levedura (fermento) fica no fundo do fermentador a uma
temperatura mais baixa, o que gera cervejas mais leves e menos aromáticas. Cerca de 95% das cervejas consumidas no Brasil são do tipo Lager Pilsen, que é a mais leve de todas elas, como Brahma, Bohemia, Skol e Antártica.

Cervejas mais consumidas

  • Ale: Murphy’s Irish Red, Smithwick’s Irish Ale, The Franciscan Well’s Rebel Red
  • Stout: Guinness Draught, Ohara’s Celtic Stout (Carlow Brewery), Murphy’s Irish Stout
    Guinness: cerveja mais consumida no país, além de ser uma das marcas cervejeiras mais famosas no mundo, com clássicas e inusitadas propagandas. A Guinness é produzida desde o final do século XVIII, mas a Guinness Draught, de alta fermentação e sabor torrado, só chegou ao mercado nos anos 1950.
  • Lager: Harp Lager, Kilkenny Irish Cream, Hop House

Irish Pubs

Não há como falar de cerveja sem contar um pouco sobre os famosos pubs irlandeses. A
palavra vem de public houses e antigamente era a única forma da comunidade (leia-se homens) se divertir e se reunir, além dos templos religiosos. Atualmente, a ilha possui mais de sete mil bares.

Geralmente bastante intimistas, quentinhos e aconchegantes, os pubs carregam uma decoração muito peculiar, sempre com muita madeira e artigos que lembram a história irlandesa e do próprio local. O mais antigo deles, ‘Sean’s Bar’, abriu suas portas no final do século X em Athlone, e o ‘The Brazen Head’, inaugurado em 1198, leva o título de mais antigo de Dublin.

Leia também: St Patrick’s Day

Cada pub carrega uma história e a maioria deles pertence a algumas famílias. Entre 1870 e
1950, os proprietários eram obrigados a colocar seu sobrenome na porta, prática que foi
incorporada na cultura, tornando-se um charme e algo que diferencia, por exemplo, um pub irlandês de um inglês. E, acreditem, durante o século XVIII, os bares eram usados para armazenar e examinar cadáveres antes do enterro, por conta da baixa temperatura das beer cellars (armazenamento das cervejas).

Atualmente, um típico pub oferece muitas, mas muitas opções de bebidas, que são as grandes protagonistas da casa. Estima-se que cada um tenha na cartela em torno de 30 marcas de cerveja, dentre nacionais e importadas, mais 30 destilados, entre whiskey, gin, vodka, rum e etc.

E o rito é sempre o mesmo: não paga nada pra entrar, sempre tem música tocando, o cliente vai até o bar, tenta descobrir o que está disponível nas torneiras de chope (draft / pint) ou garrafas (detalhe, não há cardápio) e paga direto ao barman, não tem conta no fim da noite. É tudo muito rápido, geralmente os irlandeses já sabem o que vão pedir e o barman é bastante experiente e eficiente no atendimento. Alguns pubs oferecem sanduíches ou pratos diversificados, outros apenas uns pacotinhos de amendoim e batatas fritas e alguns nem isso, só as bebidas mesmo.

Cerveja e mulheres: Unladylike?

Quando eu cheguei em Dublin, há um ano, era comum me surpreender com a diversidade
encontrada nos pubs, que acolhe famílias com crianças, diferentes gerações, raças e
nacionalidades. Mas isso nem sempre foi uma realidade. Em um ambiente historicamente muito controlado pela Igreja Católica, o machismo também foi cruel com as mulheres, influenciando suas formas de lazer e tornando a ida aos pubs um costume predominantemente masculino por muitos anos.

A partir do século XVIII – e até 1970 – , as mulheres não podiam sequer adentrar nos bares e pedir uma pint. Além de imoral, era proibido e os garçons se recusavam a servi-las, a não ser que estivessem acompanhadas pelos seus maridos. Esse cenário fez com que os pubs se tornassem locais onde os homens iam para fugir das obrigações domésticas. O decreto caiu em meados da década de 70, inaugurando um período de grande mudança.

Hoje, é comum encontrar idosas bebendo e dançando ou irlandesas e estrangeiras sozinhas tomando uma pint no balcão, hábitos que ainda despertam muito julgamento no Brasil. Elas consomem bem menos cerveja que eles, mas engana-se quem pensa que elas bebem pouco. Na verdade, as mulheres encontraram nos destilados uma saída ao embargo. Acredite, uma noitada com as irlandesas é sinônimo de ressaca durante uma semana.

Related posts

Culturas e tradições na Irlanda

Ludmilla de Paula

10 lugares para pôr na sua agenda em Dublin

Luciana Damasceno

Comidas de Natal e Ano Novo na Irlanda

Gabrielle Figueiredo

2 comentários

Janaina Oliveira Novembro 16, 2017 at 10:39 am

Olá, havia enviado essa pergunta em outro texto mas nao consegui resposta, se alguém souber e puder me ajudar.
Tenho uma dúvida, moro em Dublin há 2 anos e 5 meses como estudante de ingles e namoro um italiano há 1 e 3 meses. Estamos programando passar um tempo no Brasil e fazer o contrato de uniao estável lá e apresentar aqui para que consiga o visto de permanencia aqui em Dublin. Voce saberia me dizer se isso é possível? Nós nao moramos juntos ainda, voce acha que a imigracao daqui aceitaria o contrato de uniao esável do Brasil?
Desculpe a falta de acentos, estou usando um teclado em ingles.

Obrigada.

Resposta
Viviane Miranda Novembro 16, 2017 at 3:37 pm

Ola Janaina, a Irlanda mudou muito as regras para uniao estavel e casamento nos ultimos anos. Parece que agora eles exigem um tempo depois do contrato para liberar visto, eu ja escutei falar em no minimo 1 ano. Eu casei no Brasil e depois de 2 anos, quando vim morar em Dublin, apresentei a certidao na migracao e meu visto 4 foi emitido na mesma hora. Aconselho vc ir na imigracao para confirmar se no caso de uniao estavel a Irlanda reconhece na mesma hora tbm e sem um prazo determinado. (tbm usei teclado em ingles)

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação