BrasileirasPeloMundo.com
Finlândia

Tempos da Escuridão na Finlândia

Neste país é sempre oito ou oitenta: No verão não tem noite e no inverno quase não temos dia!

Bom, brincadeiras a parte este é um assunto sério e a falta de luz pode causar distúrbios neurológicos e físicos. O finlandês enfrenta todo os anos um longo período de escuridão entre meados de novembro até a metade de janeiro. A cidade mais ao norte do país tem 56min de luz e nós aqui no sul, mais sortudos temos 6h de claridade. Amanhece às 9:30 e lá pelas 15:30 já está tudo escuro. O sol raramente é visto nestes meses e as pessoas começam a perder as forças físicas, sentindo-se cansadas e desanimadas e um processo de depressão pode iniciar-se muito facilmente, chegando a consequências desastrosas. É o que aqui se chama efeito Kaamos. Em português conhecido como a “noite polar”.

Quando acaba a agitação do Natal e Ano Novo o que resta é o frio e a escuridão. Quase um por cento dos finlandeses sofrem de depressão profunda do inverno ou depressão de Kaamos e outras mais que são afetadas com alguns dos sintomas. Eu mesma acho estes meses de escuridão extremamente difíceis. É difícil acordar cedo, ter ânimo para fazer as coisas de sempre, é difícil manter a atenção e o foco e a sensação de cansaço é muito forte.

Todos os anos os finlandeses debatem muito como tratar estes sintomas e evitar que quadros mais graves de depressão apareçam neste período e evoluam para doenças psicológicas ou mesmo físicas.  Dezembro é um mês que procura-se esquecer a escuridão adminrando-se as luzes e enfeites de natal e concentrando a atenção nas compras e festividades que estão por vir. Mas depois, acabam-se as festas e volta-se à rotina lá pelo dia 7 de janeiro.

O sol não aparece mais, os dias são todos nublados e a única coisa que pode-se ver é uma luz difusa que nos confirma que tecnicamente, ainda é dia. Quem sai para trabalhar pela manhã e volta a tarde não vê a luz do sol a semana toda.  Uma vez ouvi no rádio que os finlandeses se transformavam em homens morcegos só que sem o glamour do batman, mais como vampiros mesmos.

É difícil ficar feliz quando o tempo é triste! Para isto muitas alternativas nos ajudam a suportar a escuridão: aumentar a dose de vitamina D, exercícios físicos, uso de uma lâmpada terapêutica de luz brilhante  e uma espécie de fone de ouvido que envia a mensagem de luz diretamente para o cérebro, procurando dar a sensação de equilíbrio que o organismo perdeu com a falta de luz e, consequentemente, agindo automaticamente fazendo com que o cérebro aumente as doses de dopamina que encontram-se baixas.

A depressão de Kaamos é muito mais séria do que a depressão comum porque ela mexe com o organismo, na medida que o seu relógio biológico fica afetado pela longa escuridão. O corpo não reage normalmente e a mensagem é para diminuirmos nosso rítmo e descansarmos mais. Significaria que deverímos entrar em uma espécie de hibernagem, como os ursos.

A questão é que em nossa sociedade moderna, a vida continua do mesmo jeito corrida com ou sem luz e na medida que somos forçados a forçar o nosso organismo a continuar no mesmo ritmo, sofremos as consequências. Distúrbios de sono e alimentação são sintomas do efeito. Eu, por exemplo não consigo comer certas coisas nesta época, noto que deixo de comer iogurte, a maioria das frutas e sucos que tanto gosto, notando em em mim mesma alguns destes sintomas. Mas há casos de perdas severas de apetite que podem comprometer fisicamemente o indivíduo.

Devo dizer sem medo que todos os brasileiros que moram aqui, ou quem sabe posso ir mais além e dizer nos países nórdicos, sofrem ou já sofreram de depressão. Eu já tive os meus momentos e uma das coisas que preciso fazer é tomar mais vitaminas, principalmente a vitamina D logo que a luz começa a diminuir.

No momento em que escrevo este texto o relógio do computador marca 15:06 e eu olho pela janela na minha frente e vejo um céu cinzento escuro de fim de tarde e lembro como nos primeiros anos isto me angustiava. Lembrava do Brasil, da hora do café das três, do sol entrando pela janela e aquela situação parecia surreal demais. Onde estou? Como vim parar aqui? Como o dia ficou tão curto de repente?

Dizem os pesquisadores que a depressão de Kaamos atinge também outros países como a Inglaterra e Europa central. Talvez, mas eu tenho certeza que por causa da latitude, a Finlândia é um dos países que mais sofre deste mal, explicando o motivo, por exemplo, do alto índice de alcoolismo que temos aqui.

Felizmente em meados de janeiro os dias começam a ficar mais longos e a neve branca que cobre tudo nos dá alguma luz. O consolo é pensar que são apenas alguns meses e que logo virá a primavera e os dias ficarão mais longos.

Ter consciência das causas destes sintomas é de grande ajuda. Saber que é algo temporário e que a pessoa pode se prevenir controlando a sua alimentação, tomando vitaminas, fazendo esportes, curtindo a família e não se entregando a solidão. Encontrar-se com as amigas brasileiras para um café e um bom bate papo tem funcionado para mim como uma das melhores terapias para estes dias de escuridão. Afinal, é só uma questão de tempo: o sol vai voltar!

Leia sobre as delícias natalinas na Finlândia!

Related posts

Licença maternidade pelo mundo

Ann Moeller

Como é o ensino infantil na Finlândia?

Beatriz Guedes

Visto Tipo B na Finlândia

Lili Simmelink

22 comentários

Carla Janeiro 13, 2014 at 12:45 pm

Excelente texto Evelyse, Parabéns! Adorei conhecer um pouquinho mais da Finlândia nessa época do ano. E como você disse: logo passa essa fase escura e o sol logo voltará a brilhar 🙂

Resposta
karla Janeiro 13, 2014 at 1:02 pm

😉 Nossa estamos reclamando de barriga cheia aqui no Oriente …. Sol o ano quase todo 😉 3 a 4 meses de chuva esporadica e para eles e tortura 😉
Muito bom o texto

Resposta
Camila Luik Janeiro 13, 2014 at 2:00 pm

Exatamente! Você é minha vizinha, eu estou na Estônia e aqui também é exatamente assim. Cada dia sinto falta da Luz do sol, nem precisa estar calor mas pelo menos o sol precisa aparecer para fazer o dia das pessoas mais felizes, temos que lidar com essa ausência e tentar viver bem mesmo assim!

Bom texto! Abraços!

Resposta
Fernanda Moura Janeiro 13, 2014 at 3:20 pm

Excelente texto, Evelyse. Conheci vários finlandeses que já haviam me falado sobre isso, mas penso que para um brasileiro seja ainda mais angustiante. A questão da vitamina D que vc menciona é uma dica importantíssima para todos que moram em lugares onde o inverno é rigoroso e o sol tímido. Qdo morava no Canadá, em Ottawa, tomava durante o inverno e me ajudava bastante. E olha que eu não sou muito chegada a sol não. Mas, como vc falou, é biológico. Imagino que aí na Finlandia seja trevas total mesmo. Melancólico e lindo, mas dificil no dia-dia. Beijos e dá-lhe vitamina 🙂

Resposta
Monica Bateman Janeiro 13, 2014 at 5:40 pm

Parabens pelo texto, Evelyse. Acho dificil mesmo viver no inverno com pouca luz. Mesmo o de Londres ja me deprimia, imagino o dai! Mas eh o que vc falou, nao pode ficar parada, sozinha, senao “a casa cai”!

Resposta
Ju Janeiro 13, 2014 at 7:05 pm

Evelyse, muito bom seu texto… nao entendia como a falta de luz do sol pode afetar nosso organismo, até começar a trabalhar de madrugada aqui em Cinga, tanto que durante a semana me esforço para caminhar no sol e fazer excercicios, por que me sinto muito mais cansada do que o normal. Mas não tinha ideia do que reamente pode acontecer pela falta de sol (claridade)…. altamente instrutivo seu texto…… Parabéns!!!

Resposta
Cristiane Leme Høg Janeiro 14, 2014 at 10:14 am

Puxa… aqui temos o mesmo problema. A depressão de inverno acaba com o ânimo das pessoas. Eu mesma me forço a acordar e me manter ativa nesse período – ano passado, que foi meu primeiro ano aqui e o inverno estava bem rigoroso, acho que foi o mais difícil. Parabéns pelo texto! Bjs

Resposta
Papo furado e surpresa | Uma Caipira na Suécia Janeiro 15, 2014 at 10:53 am

[…] da escuridão sobre o corpo humano, dê uma passadinho no blog Brasileiras pelo Mundo e confiram o post da Evelyse Eerola que mora na Finlândia – lembrando que, por aqui também estamos na média das 7 horas […]

Resposta
Evelyse Eerola Janeiro 15, 2014 at 1:03 pm

Obrigada pelos comentários! Informação interessante para quem vive em países com pouca luz como a Finlândia: Conversei com a minha médica (amiga brasileira que vive aqui) e segundo ela, uma pessoa pode tomar até 100mg de vitamina D por dia. Parece que muitas pessoas sofrem de carência desta vitamina e para nós brasileiros a situação é ainda pior. Aumentar a dose tem me ajudado muito.
Fica aqui como última dica 🙂

Resposta
Márcia Janeiro 15, 2014 at 4:34 pm

Coragem!

Resposta
Beatriz Janeiro 18, 2014 at 1:42 am

Nossa, aqui na Bélgica a gente um pouco mais de luz, mas é bem parecido! Chega Janeiro a cosa tá complicada, pois ainda temos pouca luz, mesmo que os dias estejam ficando maiores (só em março que dá pra sentir a diferença mesmo). No meu segundo inverno aqui eu fiquei extremamente tonta e fraca, não sabia porque de jeito nenhum , mas tinha crises de vertigem que já tava achando que era labirintite…Ai o médico me prescreveu vitamina D e pronto, passou! Foi muito estranho isso pra mim, mas agora já sei e começo a tomar sempre!

Resposta
Ina Janeiro 19, 2014 at 1:22 pm

Oi Evelyse,
Em algumas cidades da Argentina, como em Buenos Aires por exemplo, foi muito chocante no meu segundo ano perceber como o inverno realmente afeta a vida de todos. E quando vem aquela semanas de frio polar onde as temperaturas caem e nao temos sol fica muito dificil. O mal humor de todos ‘e algo terrivel e eu percebia que eu ficava assim tambem e quando ficavamos duas semanas seguidas com tempo nublado, sem ver o sol era muito pior. Talvez seja por isso que o Brasil seja conhecido por ter um povo muito alegre: temos SOL! Quem nunca viveu um inverno sem sol nao tem ideia da sensacao triste que nos da. Nao ‘e a toa que em BAs a ‘epoca em que nossa vida social ‘e mais ativa’e justamente no inverno: lancamento de pecas teatrais, varios estreias por semana nos cinemas, promos nos restaurantes, atividades ao ar livre e para que as pessoas nao entrem em depressao profunda. E isso pq nem temos tao pouca luz como voce descreveu aqui.

Resposta
Ana Cristina Kolb Janeiro 20, 2014 at 6:19 pm

Evelyse seu texto é realmente muito informativo e como sempre digo, tudo é educação, eu não tenho muito problema com o tempo não, meus primeiros anos na Alemanha superei bem, e mesmo meus 10 anos viajando praticamente semanalmente para paises escandinavos, nunca me trouxeram muita dificuldade, acho que devido ao trabalho constante, de forma que nem percebia a falta de luz la fora, pois ficava o tempo todo dentro do escritório, e a noite fitness, sauna e banheira no hote, sem falar de velas com essências, e muito chocolatee comida quentinhal. Como tem aquecedor, e os ambientes tambem são feitos com o espirito de aconchego, eu curtia, o que me mata é passar frio, mas esse não era o caso, mas as dicas que voce mandou são importantes a vitamina D entao….. Muito bom seu post! kiitos [email protected]!!!!!!!!!

Resposta
Susan Janeiro 23, 2014 at 9:04 pm

Quer deixar de sentir depressão? Pensa nos seus compatriotas que estão literalmente torrando no calor insuportável do Brasil. No Rio de Janeiro tá beirando 40 graus todos os dias, a rua e as casas estão uma fornalha, eu, familiares e amigos estamos passando mal. Nem dormir a gente consegue. Enfrentar a cozinha é uma tortura, também falta vontade de comer. Alguns lugares sofrem com falta de água e luz… Pensa no povo debaixo desse calor preso nos engarrafamentos, trens e ônibus lotados. Os gringos com depressão por falta de sol e tudo o que eu queria é passar um bom tempo sem essa soleira castigando as minhas janelas o dia inteiro. Só me resta sonhar com o inverno e frio, frio, frio. Queria estar na Finlândia.

Resposta
carmen Novembro 3, 2015 at 6:20 pm

Vc nâo entende sobre o assunto em pauta. Somente os brasileiros que vivem em países onde o inverno é rigoso é que podem compreender. Se vc nunca passou por isso, vc não pode compreender msm.

Resposta
Gabriel Outubro 7, 2016 at 4:57 pm

Susan, to contigo. Chega de sol infernal! Ainda bem que em 2016 tivemos um inverno razoável no Brasil. Sonho em viver na Finlândia…

Resposta
Clodoaldo Novembro 23, 2014 at 2:04 pm

Adorei o seu texto, desde que cheguei em Portugal os meus invernos são estranhos. Mudo da água para o vinho e a tristeza só aumenta. Sinceramente, nem sei como tive coragem de comentar o seu post. Vou experimentar a vitamina D.

Obrigado.

Resposta
Thiago Arraes Janeiro 25, 2016 at 6:13 am

Nossa, eu detesto o sol, amo a escuridão, não sou psicótico, nem uma pessoa má, não sou depressivo,solitário, sou feliz, mas prefiro a noite, que o dia.

Resposta
mayra Julho 4, 2016 at 8:36 pm

necessito morar no norte desse pais urgentemente! !! odeio sol kkkk

Resposta
Ricardo Agosto 13, 2016 at 6:02 pm

Eu também detesto sol! Quando vejo que o sol está nascendo já começo a pensar no fim do dia para que chegue a escuridão de novo. Minha casa tem as janelas e cortinas completamente fechadas enquanto ainda incidir um raio de sol sequer, mas é uma pena não poder ficar no escuro todo o dia, uma vez que é preciso fazer as coisas cotidianas. Enfim, só resta mesmo a inveja de quem mora num lugar como esse do post. =T

Resposta
Dilnei Março 7, 2017 at 12:27 am

Querem saber o porquê desta escuridão ou 3 meses de sol? Procurem as respostas na terra plana. Pesquisem e saberão a verdade.

Resposta
Maria Vitória Cândido da Cunha Junho 25, 2017 at 5:22 am

Como diria Renato Russo:
“Mas é claro que o sol vai voltar amanhã…”

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação