BrasileirasPeloMundo.com
5 Motivos Hungria

5 motivos para não morar na Hungria

5 motivos para não morar na Hungria.

Quem acompanha meus textos sabe o quanto estou gostando de viver em Budapeste. É uma cidade que me surpreendeu positivamente e é cheia de encantos.

No entanto, como nenhum lugar do mundo é perfeito, resolvi fazer uma pesquisa com meus amigos e conhecidos para entender quais são os pontos que eles consideram ruins ou uma desvantagem na hora de viver por aqui e listei 5 motivos para não morar na Hungria:

Salário baixo

Se compararmos com outras capitais da Europa, ainda que o custo de vida seja maior, a remuneração também costuma ser mais atrativa. Temos a percepção de que o crescimento profissional demora mais a vir, não só porque o fato de ser estrangeiro pode ter influência, mas porque parece que essa ascensão é mais lenta, é bem comum ficar anos na mesma posição. Aumento de salário é algo gradualmente devagar também, boas empresas do Brasil costumam ter um desenvolvimento de carreira e salário mais bem definido e tangível.

Na visão dos húngaros que conversei, a desigualdade de classes econômicas é um fato que tem crescido muito. O salário médio da classe baixa é insuficiente para manter uma família, o que obriga as pessoas a terem mais de um emprego. E caso não consiga, resta apenas pagar as contas e não sobra para ter um lastro para poupança, diversão ou turismo.

Ao mesmo tempo, um grande amigo confrontou essa opinião alegando que no Brasil ser novo é sinônimo de inexperiência, ainda que você desempenhe muito bem as suas tarefas, enquanto aqui vemos líderes novos que foram reconhecidos pelo talento, sem que a idade fosse um fator determinante para atrasar a decisão.

Clima

A Hungria tem estações bem definidas, significa que no verão será super quente e no inverno será bem rigoroso. O lado bom é aproveitar cada uma delas, os húngaros em geral gostam disso e sabem como curtir independente da temperatura.

A desvantagem é que se você gostar de calor, os dias para tomar Sol são contados, entre junho e agosto é possível pegar bronzeado ou até mesmo passar um friozinho, tem dias bem imprevisíveis.

Eu não gosto de nada extremo, durante o auge do verão passamos muito calor pois os locais em geral não estão preparados para isso, lembro da minha alegria em Milão ao entrar nas lojas só para curtir o ar condicionado.

Agora o ponto mais crucial do clima, é sem dúvida, o quanto ele influencia o nosso humor. Durante o inverno começa a escurecer a partir das 16 horas e a luz natural faz falta. Além disso, é comprovado que a deficiência de Vitamina D traz muitos malefícios para a saúde, a sensação de cansaço constante é um dos tantos sinais de alerta.

Portanto, é bom estar ciente que vai encarar temperaturas de -10 a -20!

Muitos lugares fechados durante o inverno

O próprio clima das pessoas no inverno é outro, totalmente diferente da alegria do verão. Acredito que seja uma tendência de países com um inverno mais rigoroso. Infelizmente, muitos húngaros enxergam o país de forma muito negativa, esquecendo de valorizar os pontos positivos. Essa troca é muito importante, sempre faço questão de exaltar o que vejo de bom, demonstrar que gostamos de estar aqui e tentar que eles sintam o mesmo.

Outra desvantagem do clima é que os lugares que permanecem abertos durante o inverno, ficam cobertos e adaptam-se para serem aconchegantes e quentinhos.

Essa foto é do Balaton, o maior lago da Europa Central, é a “praia” dos húngaros e super divertida no verão, nos veremos novamente em junho!

Educação

Nos últimos anos alguns índices como o PISA (sigla inglesa para Programa Internacional de Avaliação de Alunos) pioraram. A Hungria encontra-se aproximadamente 20 posições à frente do Brasil nesse ranking. Os jovens acreditam que o conteúdo acaba sendo apenas decorado, ao invés de ser realmente absorvido e compreendido. Principalmente no Ensino Médio, a metodologia não é eficiente. O ensino funciona de maneira meritocrática desde a infância. O que significa que se as notas forem baixas desde o Ensino Fundamental, isso influenciará onde estudará no colegial e consequentemente, não estará tão bem preparado para a universidade. Nesse caso, estará muito mais direcionado a cursar um tecnólogo com menos opções de área de atuação profissional, ao invés da oportunidade de ser um médico.

Isso é especialmente delicado quando falamos de filhos de estrangeiros, que podem levar um tempo considerável para se adaptar com questões como o estilo de ensino, língua ou a cultura local.

É claro que a qualidade de ensino ainda é de fazer inveja em diversos países e em geral, é perceptível a sagacidade dos húngaros e o nível cultural e de inteligência que possuem. Do meu ponto de vista, de forma alguma esse método é ruim, mas exige adaptação e é fundamental que os pais entendam exatamente como tudo funciona, já que são formas diferentes de ensinar e avaliar.

O idioma húngaro

A língua local já foi inspiração para um dos meus posts aqui no BPM, Noções básicas para aprender o idioma húngaro.

O idioma é realmente muito difícil e as dificuldades vão surgindo no dia-a-dia. Os turistas não costumam ter grandes problemas, afinal Budapeste está sendo cada vez mais procurada por mochileiros, idosos, famílias ou casais. A cidade está preparada para receber todos os perfis de viajantes e o inglês é comum por aqui, é bem comum ouvi-lo nas ruas, devido ao alto número de estudantes e expatriados que moram no país.

O fato é que, não dominar a língua local pode te fazer se sentir menos parte da comunidade. Algo simples como interagir com os vizinhos se torna um grande desafio, já que a falta de conhecimento do húngaro torna-se um empecilho na comunicação.

Related posts

Cinco lições profissionais que aprendi sendo expatriada em Dubai

Isabela Aguiar

5 qualidades brasileiras que encantam

Lisa Marie Afonso

10 diferenças entre Brasil e Hungria

Mayra Di Domenico

6 comentários

Thiago Szabo Fevereiro 8, 2018 at 3:44 am

Gostei muito destes 5 pontos levantados! Afinal, estamos nos preparando para mudar e qualquer pessoa que pense em mudança não pode ter como base a fantasia dos pontos positivos apenas. Confesso que dos 5 pontos, 4 eu já sabia, porém a confirmação de qualquer informação neste momento ajuda muito.
Aguardo seu próximo post! Sucesso!
Siker, és vártam a következő bejegyzést!

Resposta
Mayra Di Domenico Março 7, 2018 at 9:22 pm

Olá Thiago, que bom te ver por aqui!

Concordo, muitos fatores são importantes e como nenhum país é 100% perfeito achei válido citar esses pontos. Mesmo assim, posso garantir que valerá a pena.

Obrigada por acompanhar, este mês sairá mais um sobre a Hungria!

Até mais

May

Resposta
David Ronald Março 4, 2018 at 10:47 pm

Boas dicas…..eu como motorista carreteiro tenho chance trabalhar ai…….?…..obrigado pela atenção……David

Resposta
Suzana Klein Novembro 2, 2018 at 8:10 pm

Ola May, como vai!!!É uma delicia ler seus posts.Abs

Resposta
Gabriela Franco Janeiro 21, 2019 at 11:18 pm

Oi Mayra,

Meu esposo está com proposta para trabalhar na Hungria e estamos vendo a possibilidade de irmos, mas está suuper difícil colher informações sobre visto de cônjuge. Pelo que já soube o cônjuge não tem direito a visto de trabalho (é isso mesmo?!), então queria ver como conseguir esse visto independente dele. Você sabe dizer se eu fizer algum curso de universidade, com o visto de estudante eu consigo trabalhar nem que seja part time? Você indicaria outra solução?
Não consigo achar nenhuma empresa de imigração ou sites que consigam tirar essa dúvida. Muito obrigada desde já!

Resposta
Cleópatra Kanzler Janeiro 30, 2019 at 10:40 pm

Oi Gabriela, mandas um email para http://www.hungenealogy.hu
São uma empresa de dupla cidadania de Budapeste, talvez consigam te informar algo.
Boa sorte!

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação