BrasileirasPeloMundo.com
Hungria

8 diferenças entre a Hungria e os Estados Unidos

8 diferenças entre a Hungria e os Estados Unidos.

A Hungria e os Estados Unidos possuem histórias bem diferentes e vivenciam realidades bem distintas também.

Apesar de utilizar o nome dos países, esse texto relatará a minha experiência de acordo com os locais visitados: Las Vegas, San Diego e Los Angeles. Conversei com amigos que visitam frequentemente ou moram lá em outras cidades também. Ouvir relatos de brasileiros que vivem lá me ajudaram a desmistificar muitas opiniões prontas que geralmente não correspondem à realidade.

Clique aqui para saber mais sobre as diferenças entre o Brasil e a Hungria.

Patriotismo

É muito comum encontrar a bandeira americana em casas, carros e estabelecimentos em geral. O americano demonstra muito orgulho pela sua nação, por um lado pode até ser excessivo a ponto de se sentirem superiores ao resto do mundo, no entanto, acredito que brasileiros e húngaros têm muito a aprender com eles nesse aspecto. Infelizmente, a maioria dos húngaros que eu e meus amigos tivemos contato, vivem nos questionando porque viemos para cá, reforçando o quanto a Hungria é ruim e com uma visão bem pessimista. Realmente amo estar aqui e faço o possível para que eles tenham um olhar mais otimista como o meu.

Leia também: Transporte público em Budapeste

Viagens internas caras

Planejamento é fundamental para qualquer viagem, no entanto, o custo na hora de se deslocar deve ser levado em conta. Apesar da gasolina e do aluguel de carro ser barato nos EUA, dependendo da rota o avião pode ser necessário. Comparando com os preços do Brasil, os voos ainda são viáveis, mas sem dúvidas a Hungria está em vantagem. Sua localização central na Europa garante viagens terrestres de ônibus/trem para a Áustria, Eslováquia, Croácia, Polônia, República Tcheca, Alemanha, Eslovênia, Romênia, Sérvia e Ucrânia. Além disso, a companhia aérea Wizz Air possui voos low cost para diversos destinos. Nunca gastei mais do que 30 euros em um voo de ida e volta para outro país através deles. Esse assunto nos leva para o próximo tópico…

Diversidade cultural

Um país grande como os Estados Unidos certamente tem suas diferenças regionais. Basta observar o quanto a Califórnia, Nova York e Texas nem parecem estar no mesmo país.

Já a Hungria, apesar de ser menor, está localizada na Europa e garante que em 2 horas de voo, você esteja em outro país. Essa oportunidade de conhecer novos lugares é única! Fui de ônibus para Cracóvia na Polônia e em 8 horas de viagem pude visitar Auschwitz. Pisar em um campo de concentração foi uma experiência que nunca esquecerei, ver de perto o que foi o Holocausto é transformador, algo que nos faz questionar tamanha crueldade. Deve ser incrível viajar por vários estados nos EUA, entretanto, é muito mais fácil e barato explorar a Europa. Para quem busca pluralidade cultural em uma viagem, aqui é o lugar certo.

Carne

Quem acompanha meus textos sabe o quanto sofro por não ter carne bovina de qualidade aqui. Já o americano tem a carne como parte da cultura, tanto pelos hambúrgueres como a frequência com que organizam um barbecue (churrasco).

Paixão por esporte

A Hungria é muito forte em esportes aquáticos, mas não é comum que os moradores sejam super fãs e acompanhem jogos em geral. Já o americano leva isso a sério, além de se destacarem em diversas modalidades, eles consomem o esporte através da televisão e fazendo presença em estádios. Futebol americano, beisebol, basquete e hóquei no gelo são populares e sucesso internacional.

Poder de compra

Fiquei com a impressão de que os EUA respiram capitalismo, mas ao contrário do que esperava (aquele consumo desenfreado), o que me surpreendeu foi o acesso que todos possuem aos itens em geral. Diversas lojas de 1 dólar estão espalhadas pelas cidades e com apenas 1 dólar você compra um item de primeira necessidade (arroz, feijão, sabonete, salada e desodorante seria uma compra de apenas 5 dólares por exemplo).

A maioria dos trabalhos na Hungria pagam mensalmente, o europeu em geral valoriza muito a qualidade de vida, então as leis contemplam férias anuais e uma carga horária máxima. Nos EUA o pagamento é feito por hora, então é comum ter mais que um trabalho. Lá é possível adquirir aqueles produtos que são o nosso sonho de consumo como iPhone e tecnologias em geral, os americanos simplesmente trabalham mais e pagam. Isso é ótimo para a economia e independente do seu tipo de trabalho, ter carro próprio não é uma possibilidade remota, e sim uma possibilidade, basta querer.

Cartões

Nos EUA os cartões de débito e crédito são amplamente aceitos, para praticamente qualquer coisa e em qualquer lugar. Em Budapeste, diversos estabelecimentos aceitam apenas dinheiro. Então é obrigatório ter uma quantia em espécie na carteira e perguntar no restaurante antes de fazer o pedido.

Transporte público

Tenho a impressão de que Los Angeles foi feita para os carros. Como turista, depender do transporte público não é tão ruim quanto parece, mesmo assim os pontos de interesse são muito espalhados e demandam um tempo enorme de um ponto a outro utilizando ônibus.

Admiro o transporte público de Budapeste pois ele te leva para todo lugar e é eficaz. Super barato, pontual e com opções de ônibus, trólebus, metrô e trams.

Já visitou algum dos países? O que você achou? Compartilha comigo nos comentários!

Related posts

O que se come na Hungria

Larissa Tasnádi

Como conseguir trabalho na Hungria

Mayra Di Domenico

Como é morar em Budapeste?

Mayra Di Domenico

2 comentários

Marcia Setembro 6, 2019 at 2:01 pm

Mayra bom dia, vi que você mora ona Hungria certo? Eu trabalho numa consultoria de treinamentos interculturais, Global Line. Em alguns treinamentos costumamos chamar uma pessoa que tenha experiência naquele destino para dar um testemunho, falar um pouco do dia a dia naquele local. é um bate papo de 40 minutos a 1 hora. Gostaria de saber se você tem interesse em nos ajudar. Teremos um treinamento para um casal que irá morar na Hungria e gostaria de saber se você tem disponibilidade e interesse em nos ajudar.

Resposta
Marco do Carmo Setembro 7, 2019 at 10:57 am

Olá Mayra, trabalho numa consultoria de treinamentos interculturais, e em alguns casos convidamos uma pessoa que tem experiência no país de destino para falar um pouco do dia a dia naquele lugar. É uma conversa de 40 minutos a 1 hora. Teremos um treina.ento para um casal que está indo morar na Hungria e gostaria de saber se você tem interesse em nos ajudar dando um testemunho. Se preferir falar comigo por email ou por Skype para entender melhor o trabalho estou a disposição. Meu email é [email protected].

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação