Alguns motivos para não morar nos Estados Unidos

0
1176
Photo by Unsplash free picture by Heather Mount
Advertisement

Alguns motivos para não morar nos Estados Unidos.

No post deste mês falarei sobre alguns motivos para não morar nos Estados Unidos. A intenção não é fazer ninguém que esteja pensando em vir para cá desistir, e sim esclarecer algumas informações relevantes que pesam na decisão.

Licença-maternidade

A lei americana protege a gestante, porém, está muito aquém do mínimo que nós, brasileiros, consideramos justo. No estado de Nova Iorque, por exemplo, desde janeiro de 2018 existe uma nova lei para licença-maternidade. Esta nova lei dá direito a até 12 semanas de licença-maternidade, sendo 6 semanas com salário parcial e 6 sem remuneração. Ou seja, são 3 meses de licença com corte salarial. O valor do corte no salário varia de acordo com o empregador e deve ser negociado antes. Normalmente, os cortes são de 50% do salário. Por exemplo, se o salário de uma profissional é de $1.305,00 (mil trezentos e cinco dólares), durante a licença-maternidade será de apenas $652,00 (seiscentos e cinquenta e dois dólares). Empresas grandes, como o Google, apoiam a licença prolongada com até 18 semanas que inclui o pai e a mãe, mas vale lembrar que o salário terá cortes durante o período. É preciso ter pelo menos um ano de trabalho para ter direito à licença-maternidade.

Também é possível usar dias de folga ou ausência por doença que todo funcionário tem direito para aumentar a licença-maternidade. Esse período extra varia entre alguns dias e até um mês, mas também não é remunerado. No final das contas, é preciso escolher entre deixar um bebê recém-nascido na creche aos 3 meses para voltar ao trabalho ou esperar até o bebê chegar aos quatro ou cinco meses, contudo, sem salário. Além disso, a mensalidade da creche varia entre $700 e $1.500 (setecentos e mil e quinhentos dólares por mês) de acordo com a cidade e o número de dias por semana que o bebê ficará na creche. Para completar, a funcionária corre o risco de ser demitida durante a licença-maternidade ou quando comunicar a gravidez ao empregador. Por isso, minha amiga, faça uma poupança antes de conversar com a cegonha!

Leia também: Desigualdade salarial e licença maternidade

Férias, atestado médico e décimo terceiro salário

Diferente do Brasil, não existe lei que assegure férias remuneradas nos Estados Unidos. Funciona assim: o profissional é pago pela produtividade. Recebemos de acordo com as horas trabalhadas. Logo, se não produz, não tem salário, certo? Os professores, por exemplo, não recebem salário durante as férias escolares porque o contrato de trabalho normalmente é para 10 meses. Os profissionais que têm contrato de trabalho de 12 meses trabalham o ano inteiro, porém, sem férias pré-estabelecidas.

Temos a opção de férias não remuneradas que são negociadas com o empregador. Em geral, é possível tirar 10 dias de férias não remuneradas após 1 ano de trabalho. Também é possível fazer horas extras para compensar a ausência nas férias e manter o salário intacto. Por exemplo, se normalmente o profissional trabalha 20 horas semanais, passa a fazer 40 horas por um período para cobrir o tempo que ficará ausente durante as férias para receber o salário normalmente. Essa adaptação com as horas extras é a que mais vejo por aqui. Além, é claro, da opção de férias não remuneradas.

O salário também fica comprometido durante o uso de atestado médico. Algumas profissões, como a de professor, tem um número máximo de abstenções por ano – que varia entre 3 e 10. Qualquer número acima disso é descontado do salário. Além do mais, não existe décimo terceiro salário nos EUA.

Leia também: Cinco motivos para não morar nos EUA

Plano de saúde

Não existe um sistema único de saúde nos EUA, ou seja, é preciso pagar plano de saúde para tudo! Os preços dos planos de saúde variam de acordo com a cobertura de serviços, a cidade e estado onde a pessoa mora, número de pessoas que serão incluídas no plano e condições de saúde como, por exemplo, diabetes, hipertensão e doença cardíaca.

Geralmente, a mensalidade varia entre $100 e 1.000 dólares (cem e mil dólares) por pessoa. Além da mensalidade existe uma coparticipação com pagamento à vista chamado de co-pay out of pocket. Existe um pagamento para cada consulta médica, visita à emergência ou exame. O valor deste pagamento varia de acordo com o tipo de plano de saúde, a especialidade médica, o local onde a consulta foi realizada, tipo de tratamento ou cuidado. O estado e a cidade também influenciam muito no preço dessa coparticipação. Quanto mais básico for o plano de saúde, maior será o valor da coparticipação de cada consulta médica e exame.  

A melhor opção é ter o plano de saúde vinculado ao trabalho, pois os valores para pagamento da mensalidade são menores e a cobertura costuma ser melhor. Detalhe: dentista e oftalmologista não estão incluídos na maioria dos planos de saúde. É preciso pagar por um plano dentário e um oftalmológico à parte. A coparticipação para dentistas e oftalmologistas costumam ser bem caros.

Leia também: Visto para morar nos Estados Unidos

Pessoas que não têm condições financeiras para arcar com o plano de saúde, podem utilizar o Medicaid e Medicare. Estes programas são uma ajuda do governo para reduzir os custos do plano de saúde. É preciso passar por um processo de avaliação que determina se a pessoa está apta para receber esse benefício. De forma geral, o Medicare está disponível para pessoas acima de 65 anos, enquanto o Medicaid, está disponível para pessoas de baixa renda de qualquer idade.

Photo by Unsplash free picture by Rawpixel

Decisão final

A decisão de morar nos Estados Unidos deve ser bem planejada. Para fins trabalhistas, uma boa negociação no momento da contratação evita dores de cabeça. Como mencionei no início deste texto, a intenção não é fazer ninguém desistir, mas alertar para que venha preparado. Até porque, se fosse ruim, ninguém viria não é mesmo? Mas se fosse perfeito, ninguém decidiria ir embora também. A decisão final é extremamente pessoal. Os motivos apresentados aqui podem ser banais para uns e fortes para outros. Então fica a dica para ajudar a decidir e planejar o que funciona melhor para você e sua família.

Deixe um comentário

Por favor inclua o seu comentário
Por favor escreve o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.