BrasileirasPeloMundo.com
Polônia

O desafio de aprender polonês

Neste segundo encontro gostaria de dividir um pouco com vocês não apenas minha experiência no aprendizado do idioma polonês, mas também como tornar mais eficiente (e interessante) o aprendizado de qualquer língua e o desafio de aprender polonês.

O Brasil é um país onde, infelizmente, o ensino de idiomas estrangeiros, como inglês ou espanhol – para citar os mais estudados -, no geral (e culturalmente) não é tratado como algo fundamental na educação básica das crianças. Muitos apenas irão se interessar em aprender outro idioma apenas na adolescência ou vida adulta, por necessidade profissional ou acadêmica, por causa de uma viagem ao exterior ou simplesmente por hobby. Além disso, há uma ideia enraizada de que aprender uma língua estrangeira é algo muito difícil. Esse é um mito que adia (e muitas vezes impede) o início dos estudos.

Para começo de conversa: curiosidade e força de vontade, sempre!

Desde criança me interessei por outras línguas. Queria entender como as pessoas podiam se comunicar sem falar a mesma língua. Ainda na infância (sem a maravilha da internet), tentava traduzir os títulos dos filmes e lia vários manuais de instrução a fim de comparar e tentar encontrar um elo entre as línguas.

Realmente me divertia com isso! Na escola, o trabalho chato de fazer a tradução com um dicionário era uma alegria para mim: não me importava em passar minha tradução para os outros, pois na minha cabeça, quem estava aprendendo era eu.

Então, aos 15 anos, comprei aqueles fascículos com fita cassete vendidos em banca de jornal e comecei a estudar espanhol. Quando entrei na faculdade, resolvi fazer Letras (português/inglês), mesmo com o meu nível de inglês básico- intermediário também aprendido da mesma forma.

Leia também: curiosidades polonesas

Quando estava me preparando para fazer minha primeira viagem internacional (por volta dos 30), resolvi resgatar um antigo sonho – aprender italiano – para me comunicar melhor na Itália. Viajei, conheci meu marido e então me deparei com o maior desafio linguístico da minha vida: aprender polonês!

Após um ano e meio vivendo na Polônia, e sempre respaldada pelo inglês, percebi que por mais internacional que fosse Varsóvia, havia inúmeras situações em que era necessário falar polonês, até mesmo para me sentir mais pertencida ao lugar e à cultura.

Detalhe da placa com os principais pontos da área. Foto: Vivian Kulpa
Detalhe da placa com os principais pontos da região da Nowy Świat. Foto: Vivian Kulpa.

Quem é ele, esse tal de polonês?

O polonês é uma língua pertencente ao grupo eslavo ocidental, do ramo eslavo, da família Indo-Europeia. É falada por mais de 38 milhões nativos (dados de julho de 2014) e atualmente a estatística pode chegar a 40 milhões de falantes no mundo. Países como os Estados Unidos e também o Brasil possuem muitos descendentes de poloneses. Atualmente o Reino Unido é o principal destino dos imigrantes. No censo realizado em 2011, pelo Office for National Statistics, do Reino Unido, o polonês era a segunda língua estrangeira mais falada no país com cerca de 546.000 falantes. Além desses países, encontramos números significativos (mais de 100 mil falantes) na Ucrânia, Alemanha, Bielorússia, Lituânia e Canadá.

Para os emigrantes de países falantes de línguas neo-latinas, o maior desafio é aprender uma língua tão diferente fonetica e gramaticalmente de sua língua nativa. O que pode ser bem relativo. Com relação à fonética, alguns portugueses já me falaram que ouvir a língua polonesa (ou polaca, no português de Portugal)  soa bastante familiar, o que já não é tão fácil para nós, brasileiros. Outros emigrantes, como ucranianos e russos (apesar da escrita cirílica) ou checos, encontram várias similaridades na gramática por se tratar de línguas eslavas (como no caso das outras línguas neo-latinas para nós).

Foto: Vivian Kulpa
Anúncio de feira de noivas. Foto: Vivian Kulpa.

Depois daquele susto

A língua polonesa possui um alfabeto composto de 32 caracteres, (sendo 8 vocálicos e 24 consonânticos) sete casos (como no latim ou no alemão) e três gêneros, o que pode gerar uma série (ok, à primeira vista, podemos dizer uma série) de combinações – as tão temidas declinações (de substantivos, adjetivos, pronomes e numerais.)

As formas verbais também variam na sua terminação (assim como os verbos em português), porém possui menos tempos verbais, se compararmos com nossa língua materna. Então, após o susto inicial e pensar: nunca irei conseguir falar sequer ‘desculpe-me’ (przepraszam), ou qualquer outra coisa, percebi que tudo depende de um ponto de vista e de um ponto de partida. Mãos à obra!

Leia também: culinária polonesa

Dicas para quem está aprendendo uma nova língua

Use a internet a seu favor – Leia artigos e notícias, ouça rádios online, assista aos mais diversos vídeos, participe de grupos sobre o idioma nas redes sociais, interaja com falantes do mundo todo. Sei que muita oferta e informação de nada vale sem foco e organização, mas acreditem: de 15 a 60 minutos exposto ao idioma diariamente, ajudará muito na internalização de novos vocábulos, na memorização da pronúncia bem como na reprodução dessa língua de uma forma mais natural.

Crie pequenas e efetivas estratégias de aprendizado

Fazer listas de vocabulário em ‘post its’ e fixá-los na parede, enquanto se faz outras atividades, ler (livros, revistas, listas feitas como vocabulários temáticos) enquanto estiver relaxando no sofá, mudar o idioma dos aparelhos (celular, tablet, computador), assistir a TV (ou filmes) com áudio original e legenda, jogar videogame em outro idioma, etc. podem ser ótimas estratégias para aprender de forma prazerosa. Use sua criatividade!

Aproveite as oportunidades

Vai viajar para o exterior? Fale, interaja com os nativos. Nunca saiu do Brasil? Use os recursos já citados acima e participe de atividades que proporcionem o contato com estrangeiros que visitam o país, como se tornar um ‘amigo de aluguel’ e mostrar sua cidade para um deles, hospedar alguém em sua casa pelo couchsurfing ou até mesmo participar de encontros para conversação como o TANDEM. Se você não se sentir seguro o suficiente e preferir o contato online inicialmente, uma ótima dica é começar por sites de ensino-aprendizagem online como o livemocha  ou o babbel, pelo Youtube, ou ainda usando aplicativos como o duolingo.

Se possível, procure um curso, pois gramática é fundamental

Diria que é possível estudar gramática em casa também, mas idiomas como o polonês exigem a tutoria de um professor, pois pode ser bem complicado começar a estudar o idioma sem uma base. Para quem está no Brasil pode ser um pouco mais difícil encontrar professores de polonês, mas não é impossível. Procurem por lugares como associações culturais, consulados , a embaixada  ou  até mesmo igrejas com a capelania polonesa em São Paulo. Ou ainda, opte por fazer aulas online.

Esqueça o mito da perfeição

Esse pensamento pode atrapalhar e travar o processo de aprendizagem de uma nova língua. É interessante analisar que, assim como no Brasil há várias regiões como seus diferentes ‘falares’, o idioma a ser estudado também. Por que exigir de si mesmo a ‘pronúncia perfeita’ ou tentar entender as regras mais difíceis e complexas logo no primeiro mês? Compreender essas ‘limitações’ diminui a pressão e torna o aprendizado mais natural e fluido.

Trace metas

Não adianta ir com tanta sede ao pote, pois a chama do entusiasmo pode se apagar diante das dificuldades. Portanto, comece aos poucos. Leia sobre o país, a cultura e a história. Apaixone-se pelo idioma que você está estudando.

Haverá momentos em que você vai querer desistir, mas não desanime: respire, ouça uma música (ótima forma de aprender também) e retome. Como disse, mesmo tendo iniciado meus estudos aos 15 anos, sempre estou aprendendo mais sobre espanhol, inglês… sobre a nossa língua! O que dirá o polonês! Alguns amigos meus estrangeiros estão na Polônia há mais de 5, 10 anos falam muito bem o idioma, mas não se consideram fluentes. Mesmo poloneses com nível universitário cometem erros ao declinar certas palavras!

Outra dica importante é ter em mente em que nível você quer chegar e para que finalidade está aprendendo um novo idioma. Apenas para leitura de textos acadêmicos? Para uma viagem? Para sobrevivência diária no país onde se vive? Saber o que quer e traçar metas reais é muito importante para o sucesso do plano.

Então é isso, pessoal! Espero que vocês sintam-se encorajadas a começar estudar não apenas o polonês, mas qualquer idioma. Vamos derrubar outro mito: o que quanto mais velha a pessoa for, mais difícil é aprender uma nova língua. Não é verdade. Depois do polonês, ainda quero aprender francês e retomar o italiano, e talvez ainda haja tempo para o alemão.

Powodzenia (boa sorte)!

Related posts

10 dicas para aproveitar o inverno em Varsóvia

Vivian Kulpa

Imigrar e viver legalmente na Polônia

Vivian Kulpa

O feminismo e Marie Curie

Vivian Kulpa

31 comentários

Elias Março 5, 2016 at 3:01 am

Olá Vivian! Eu também gostaria muito de aprender outros idiomas além do inglês e espanhol. Mas meu principal obstáculo (ou bloqueio) em aprender um outro idioma é o fato de não ser fluente em inglês. Você acha que um conhecimento mais avançado do inglês é imprescindível para começar a aprender outros idiomas? Ou é possível aprender outros idiomas mesmo sem ter um bom inglês?

Resposta
Vivian Kulpa Março 5, 2016 at 8:59 am

Olá Elias! Eu costumo dizer que perdi anos preciosos da minha vida com vergonha de tentar falar inglês. Se não começarmos a praticar, errar e sermos corrigidos, nunca avançaremos, não é mesmo? Hoje em dia, ao aprender polonês já penso diferente: vou tentando falar, mesmo cometendo erros, e as pessoas me corrigem, sempre ajudando e me incentivando.
Então, respondendo sua pergunta, eu acho que não. Conheço pessoas que possuem um bloqueio com relação à língua inglesa (e não falam a língua) e se deram muito bem estudando outros idiomas, como alemão, francês… Meu irmão mesmo não fala inglês e começou a estudar sueco!
O que acho importante ao aprender um idioma é ter interesse e dedicação; não desanimar diante das dificuldades e seguir em frente.
Boa sorte e obrigada pelo seu comentário!
Abs,
Vivian

Resposta
Roseli Gonçalves Silva Março 13, 2016 at 1:23 pm

Olá Vivian! Quero parabenizá-la pelo excelente artigo . Estou fazendo Pedagogia e acredito ser necessário cursos de outros idiomas para aperfeiçoar minha prática pedagógica.
Iniciamos na faculdade o curro de libras, e isso para mim era impossível, e hoje compreender alguns sinais, me fez pensar nesse campo de aprendizagem .
Agora, com o seu incentivo, sei que estou no caminho certo.
Deus Abençoe……Pois compartilhar uma ideia é um ato meigo de ser cidadão.

Resposta
Vivian Kulpa Março 13, 2016 at 10:01 pm

Olá, Roseli!
Muito obrigada pelo seu comentário tão gentil. É exatamente isso: não apenas exercer a cidadania, mas realmente nos conectar uns aos outros, ajudando-nos, como indivíduos e sociedade. Eu também tive um semestre de libras durante meu curso, e foi uma das experiências mais ricas que tive na vida.
Acho que é uma área incrível. Siga em frente sempre e muito sucesso!
Abs, Vivian

Resposta
Juliana Tavares Junho 26, 2016 at 5:03 pm

Eu amei seu post!!!
Eu estudo inglês faz uns tempos já, mas é sempre bom continuar estudando para não ‘enferrujar”. Pretendo depois de me firmar no inglês me arriscar em espanhol e no francês… Quem sabe finlandês? Desejo a você sorte no polonês (já ouvi alguns audios e quase chorei de difícil rs) bjs!!!!

Resposta
Vivian Kulpa Junho 26, 2016 at 7:21 pm

Olá Juliana!

Para você ver onde fui amarrar meu burro,mas sou persistente e não vou desistir 🙂
Espero que você tenha sucesso também até chegar no finlandês que também não é fácil não!
Muito obrigada pelo seu comentário.
Abs,
Vivian

Resposta
Neto Agosto 4, 2016 at 1:09 am

Qual a relação de polonês com o alemão?
Qual seria mais difícil de aprender ?
Aguardo resposta, se puder me ajudar, agradeço desde JÁ.

Resposta
Vivian Kulpa Agosto 7, 2016 at 8:58 pm

Olá Neto,

Alemão e polonês são línguas oriundas de famílias linguísticas diferentes. O alemão é uma língua germânica e o polonês uma língua eslava. Porém, houve um período histórico – o das partições do território polonês – que parte do território foi anexado à Prússia. E isso se deu por mais de um século. Dialetos como o pomerânio e o cassúbio, por exemplo, possuem similaridades com dialetos do baixo-alemão, porém as línguas em si, não.
No meu ponto de vista como aprendiz de polonês e falante de inglês (também uma língua germâmica), acho que o inglês possui muito mais pontos em comum com o alemão. Porém, ao estudar os casos e os gêneros em polonês, vejo com mais facilidade essa questão também no alemão.
Por fim, essa é uma questão que vejo como utilitária: estudar determinada língua caso haja a intenção de morar em algum desses países. Ainda assim, creio que o alemão é mais usado mundialmente, pois o polonês, só aqui mesmo.

Espero ter ajudado. Boa sorte!

Obrigada pelo seu comentário.
Abs,
Vivian

Resposta
Décio Lavos Coimbra Julho 6, 2016 at 2:00 am

Oi, Vivian. Realmente seu post é bem estimulante, e me ajudou a não desistir, AINDA, de fazer o que pretendo em outubro agora: visitar a Polônia, por 35 dias, de carro, só sabendo (nível médio) inglês. Meu temor, enfim, é realmente com a língua. Não só o como me fazer entender, mas como entender as placas nas estradas e mesmo nas cidades. Claro que irei com GPS, mas me assusta que até os nomes das cidades são, por vezes, bem diferentes de como falamos aqui. Além disso, receio que em alguns lugares históricos eu possa não entender nada do que é explicado por estar em polonês (me lembro que em Weimar, na Alemanha, tudo nos museus era em alemão, nada em inglês; além disso, vi a foto que você postou da explicação de uma rua, e estava só em polonês). Enfim… tentarei aprender o básico (de acordo com os links que você indica), mas acha arriscado demais essa viagem (eu, com 58 anos, que todo ano viajo sozinho pela Europa, e que agora começaria a ir para o Leste Europeu)? Desde já, obrigado.

Resposta
Vivian Kulpa Julho 6, 2016 at 9:36 pm

Olá, Décio

Obrigada pelo seu comentário! Muito legal saber que posso ajudá-los com meus textos. É uma troca, pois pelo que disse, me deu vontade de fazer o mesmo que você, explorar o mundo!
Bem, como você disse que já está acostumado a viajar pela Europa sozinho, todos os anos, não vejo problema algum vir para Polônia, pois é um país seguro e com muita história para contar. Quanto à língua pode ser restritivo em algumas situações, mas viagem sem aventura não tem graça, não é mesmo? Nas grandes cidades como Varsóvia, Cracóvia, Wrocław (Breslávia), Gdańsk etc. você certamente encontrará pessoas falando inglês, mesmo que não sejam tão fluentes. Enfim, acho que você está no caminho certo: mapas, GPS, um guia de viagens para comunicar o básico, conhecer antes um pouco o idioma, pois o polonês pode até mudar a postura ao ouvir um ‘Dzień dobry’ ou ‘Dziękuję’.
Continue nos acompanhando para saber mais sobre a Polônia e preparar sua viagem.

Do zobaczenia! ( Até logo!)
Vivian

Resposta
Décio Lavos Coimbra Julho 11, 2016 at 11:02 pm

Valeu!!! Dziekuje (ainda que falte umas “cedilhas” nos dois “e”, hehe).. Abraço.

Resposta
Vivian Kulpa Julho 12, 2016 at 8:55 pm

Nie ma za co! ( De nada!)

Resposta
A Língua Polonesa | HR Idiomas - The Academy of Languages Julho 27, 2016 at 7:22 pm

[…] artigo Polônia – O desafio de aprender uma nova língua, escrito por Vivian Kulpa é bem interessante, e é leitura obrigatória para quem está […]

Resposta
Vivian Kulpa Abril 10, 2017 at 10:14 pm

Obrigada pelo comentário!
Abs,
Vivian

Resposta
Hugo Martins Julho 29, 2016 at 2:39 am

Olá, Vivian.
Tenho uma amiga polonesa, até iniciei umas lições no Livemocha, mas infelizmente não está mais disponível. E depois desanimei por não achar um curso online que me atraísse e me prendesse a atenção. Mas depois de olhar seu blog me senti motivado a voltar e aprender um pouco mais dessa linda cultura e história que a Polônia tem a nos mostrar. Obrigado por despertar novamente o desejo de aprender um novo idioma, seu exemplo de superação contagia a todos que leem seu blog.

Resposta
Vivian Kulpa Julho 31, 2016 at 10:31 am

Olá Hugo,

Muito obrigada pelo seu comentário. Aplicativos e sites como estes que citei, e até mesmo vídeos no próprio YouTube são um ótimo começo, mas temos realmente ter foco, pois apredender qualquer idioma requer dedicação.
Após esse contato estudar com um professor ou mesmo fazer um intercâmbio é muito válido mesmo.

Bons estudos e boa sorte!
Abs,
Vivian

Resposta
Alice Agosto 2, 2016 at 6:37 pm

Olá Vivian, muito bom o seu texto. Gostaria de saber se os médicos e dentistas falam em inglês na Polônia.

Obrigada,
Alice

Resposta
Vivian Kulpa Agosto 7, 2016 at 9:02 pm

Olá Alice,

Sim, muitos deles falam, principalmente nas capitais. Mas há muitos que não falam ou falam muito pouco. Porém o que já observei – experiência própria – é que inicialmente eles são meio relutantes para falar inglês, mas por fim, acabam falando.

Obrigada pelo seu comentário.
Abs,
Vivian

Resposta
João Anastácio Setembro 19, 2016 at 1:29 am

Olá Vivian.
Eu nesse ano comecei a fazer faculdade, e desde o seu início tive um contato maior com outras culturas. Comecei a fazer alemão com uma professora nativa, no meio do ano conheci um Suíço que fez estagio por 2 meses no meu departamento, e por meio dele conheci outros intercâmbistas, e atualmente estou com amigos em diversos países da Europa. Em um dado momento decidi tentar aprender a língua deles para ver se conseguia deixar a estadia deles um pouco mais confortável, e com isso comecei com o polonês. Por mais que no momento só saiba algumas poucas palavras penso em realmente aprender o idioma. Aí gostaria de saber se você têm conhecimento de instituições de ensino por aí que dêem aulas de polonês para estrangeiros, e principalmente se alguma oferece bolsa. Agiardo uma resposta e muito obrigado por me proporcionar essa ótima leitura.
Do widzenia

Resposta
Vivian Kulpa Setembro 26, 2016 at 2:39 pm

Olá João,

Obrigada pelo seu comentário!

Eu acredito realmente que a melhor maneira para aprender polonês é estando aqui, pois por ser uma língua muito difirente da nossa, a imersão cultural é essencial.

Diferentemente de outros países europeus, a Polônia não possui um programa de integração para os estrangeiros que aqui vivem. Porém, há muitas escolas particulares (e mesmo professores que dão aulas individuais) que oferecem cursos a partir do nível mais elementar.

Com relação a bolsas de estudo, é possível conseguir algum curso de imersão dependendo do tipo de vínculo que você tenha com a faculdade, mas devido ao processo ser um pouco burocrático, muitos estudantes optam por pagar algum curso/aula particular ( os valores realmente variam, tem que pesquisar).

Vou listar aqui os endereços de algumas destas escolas e institutos/fundações:

http://www.learnpolish.edu.pl/warsaw/index.php
http://www.warszawa.info-migrator.pl/en/news/1798-polish-language-frog-invites-to-language-courses
http://www.instytutjezykowy.pl/en/
http://en.uw.edu.pl/education/language-courses/
http://www.ojp.sjo.pw.edu.pl/en/
http://www.cjp.pl/eng/polish_courses.php
http://www.iko.com.pl/
http://fds.org.pl/en/polish-courses/
http://www.polishcourse.org/

Boa sorte!
Abs,
Vivian

Resposta
Gabriel Marchi Fevereiro 4, 2017 at 9:24 pm

Olá, vivian.
Tenho 15 anos e estou aprendendo polonês de forma autodidata. Textos como esse me ajudam a continuar os estudos, pois o aprendizado é muito difícil para alguém que nunca teve contato com línguas eslavas.
Atualmente já tenho um inglês beirando a fluência, e depois de aprender polonês, pretendo aprender italiano. Por parte é por curiosidade e a alegria de aprender línguas diferentes, mas é também uma questão familiar (minha avó era polaca, e meu avô, italiano).
Me indentifiquei com várias coisas no texto, inclusive com o método de assistir vídeos, ouvir músicas e ler artigos na língua que você está estudando. Foi assim que eu aprendi inglês, e estou aprendendo polonês da mesma maneira.
Muito obrigado por escrever este post, que com certeza ajudou não só eu como muitas outras pessoas no aprendizado de línguas estrangeiras.
Do widzenia 🙂

Resposta
Vivian Kulpa Fevereiro 5, 2017 at 7:53 pm

Olá, Gabriel

Fico muito feliz em ler comentários como o seu, de uma pessoa tão jovem e ao mesmo tempo tão focada no aprendizado de novas línguas.
O polonês é uma língua muito complexa e exige muita dedicação. Acredito que você esteja indo no caminho certo (já com o inglês) para quem sabe, futuramente, estudar aqui algum dia, ou pelo menos, fazer um intercâmbio. 🙂

Muito obrigada pelo seu comentário.
“Powodzenia” e “Do zobaczenia”!
Vivian

Resposta
Cristiane Leme Abril 10, 2017 at 9:12 pm

Suas dicas são muito pertinentes e de grande ajuda. Obrigada pelo ótimo texto!
Beijos

Resposta
Vivian Kulpa Abril 10, 2017 at 10:13 pm

Obrigada, Cris! Beijos! 🙂

Resposta
Jessica Julho 12, 2017 at 9:22 am

Lindo texto, senti como se alguem me entendesse nessa terra que estou descobrindo e amando dia apos dia. <3

Resposta
Vivian Kulpa Julho 12, 2017 at 11:31 am

Olá, Jessica

Muito obrigada pelo seu comentário, fico feliz que esteja aproveitando ao máximo sua estadia aqui.

Abs,
Vivian

Resposta
Fernando Ferreira Setembro 16, 2017 at 7:25 pm

A maior ou menor dificuldade em aprender uma segunda língua depende do idioma materno de cada um.
Um russo, um checo ou um sérvio terá com certeza maior facilidade em aprender polaco do que um inglês ou um português. Do mesmo modo que será muito mais fácil a um português aprender francês ou italiano do que a um alemão ou um polaco.
Há contudo duas línguas na Europa cuja especificidade as torna igualmente difíceis para os falantes de todas as outras – o húngaro e o finlandês.

Resposta
Vivian Kulpa Setembro 18, 2017 at 7:14 am

Olá, Fernando

Sim, certamente aprender uma língua estrangeira do mesmo tronco linguístico de sua língua materna é uma vantagem, mas não é um fator preponderante. Meu marido aprendeu português em seis meses morando no Brasil. E hoje, meu progresso no polonês já avançou bastante, mas continuo na luta.

Obrigada pelo seu comentário.
Abs,
Vivian

Resposta
Rafaela Fevereiro 12, 2018 at 12:59 am

Olá Vivian!
Adorei seu post, me identifiquei muito!
Fiz um intercâmbio na Inglaterra e acabei conhecendo um rapaz Polonês, estamos juntos e eu gostaria muito de aprender a língua.
Quando saímos com os amigos dele eu fico totalmente sem entender nada, é muito chato!
Porém o caminho para aprender Polonês está difícil! Tem algum aplicativo que me explica as regras da língua? Os apps que estou usando me dão frases completas mas eu não tenho nem ideia de como funciona ou como usar certas palavras em outra frase!
Aguardo um retorno, obrigada!
E boa sorte na sua caminhada!!

Resposta
Vivian Kulpa Fevereiro 14, 2018 at 6:32 pm

Olá, Rafaela

Muito obrigada pelo seu comentário e bem-vinda ao clube! 🙂

Olha, eu sempre digo que o melhor (no caso de uma língua tão complexa e diferente para nós como o polonês) é ter aulas com um professor, pois mesmo que você more aqui, não dá, tem que ter aula.

Mas para você ir começando o namoro com a língua, há canais interessantes no youtube como o “Polish in 3 minutes” e o “Learn Polish with Darek”, é bem básico, mas super legal porque é bem básico e no caso do “Polish with Darek”, são horas de frases feitas, para decorar mesmo.

Aplicativos, além do famoso duolingo, eu gosto desses para aprender mais vocabulário, como o Learn Polish Vocabulary, mas tem vários, é só escolher.

Minha dica é: foque na fonética e na pronúncia, tente entender os sons e aprender vocabulário, pois gramática mesmo, só com um professor, porque só ele para explicar as nuances da língua, como funciona, além da gramática em si.

Mais uma vez obrigada pelo seu comentário e boa sorte também!

Abs,
Vivian

Resposta
Beatriz Julho 27, 2018 at 3:21 am

Olá, adorei seu texto!
Estou exatamente na fase de pensar em desistir, estou fazendo aulas de Polonês desde de fevereiro, ando com muita dificuldade e não tenho o tempo que preciso para me dedicar, as vezes parece ser impossível aprender polonês.
Minha mãe é de Varsóvia, fui conhecer em 2016 e me apaixonei, por essa razão resolvi aprender….Deus me ajude a não desistir!!!
Alguma dica extra?kkk
Bjus
Bia

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação