BrasileirasPeloMundo.com
Bulgária

Como abrir um negócio na Bulgária

Todos sabem que empreender é sempre uma caixa de surpresas, e há necessidade de muito estudo e planejamento. E sobre empreender fora do país? Sera que é possível? Quais dificuldades extras que teremos pela frente?

Para começar a falar desse assunto, quero primeiro contar um pouco da minha história.

Meu pai é empresário, e sempre cresci com essa vontade, dentro de mim, de abrir meu próprio um negócio um dia. Quando tinha por volta de 16 anos, meu pai abriu um restaurante, e eu comecei a trabalhar na cozinha – que é minha paixão -, mas eu sempre participei de todas as partes que envolve um negócio, inclusive a parte administrativa.

Trabalhei por um tempo, mas sempre tive muita dúvida sobre o que fazer profissionalmente. Me mudei para a Bulgária em 2010, e depois de um ano, voltei para o Brasil por alguns meses, ainda na dúvida do que fazer. Trabalhei novamente no restaurante da minha família, porém desta outra vez, o restaurante estava sendo administrado por meus irmãos, e nesse período, nasceu uma vontade de empreender na mesma área, porém na Bulgária. E assim aconteceu, voltamos, fomos nos planejando para abrir nosso negócio (eu e meu marido ). No começo de 2014, estava com apenas 23 anos na época, ainda com pouca experiência, mas muita garra para começar o negócio.

Eu sempre amei cozinhar, meu irmão é formado em gastronomia e eu sempre estudei muito por conta própria. Também fiz alguns cursos rápidos na área, e achava que estava pronta para comandar uma cozinha. Decidimos abrir uma hamburgueria gourmet, pois além de não ter nenhum lugar que vendesse hambúrguer na cidade onde eu moro aqui na Bulgária, na época também estava super “na moda” hamburguerias gourmet no Brasil.

Mas meu primeiro erro também começou aqui: eu não tinha feito nenhuma pesquisa prévia para saber se eu tinha um público alvo, pois embora esse tipo de empreendimento fosse bem aceito pelos brasileiros, eu não sabia o que esperar quando abrisse um aqui. Então a primeira lição é: pesquisar e entender como é o consumo dessas pessoas onde você vai abrir seu negócio.

Aqui na Bulgária os restaurantes são muito baratos. A minha cidade possui diversos restaurantes muito bons, por um preço muito baixo. Quando abrimos a hamburgueria, queria fazer hambúrgueres com produtos de excelente qualidade e produzir hambúrgueres com 100% de carne bovina, o que seria inviável, pois o preço do hambúrguer seria muito alto, e para os costumes locais, todo hambúrguer é fast food, então, teria que ser muito barato. Então mudamos para carne suína, um hambúrguer mais fininho, e com um preço mais legal, ok? Ok!

Hamburgueria Bombokado, na Bulgária. Foto: Acervo pessoal.

Veio outro problema: ninguém queria esperar de 7 a 10 minutos para ter um hambúrguer fresquinho e feito na hora. Por ser fast food, os clientes queriam entrar e ter o hambúrguer na hora, sem ter que esperar um pouco, mas a qualidade do produto iria cair se eu cedesse a esta vontade dos clientes. Então, perdemos alguns clientes, mas aos poucos, “treinamos” outros, para que esperassem os tais minutinhos.

Começamos comigo na cozinha e meu marido no caixa (que é designer de móveis, mas entrou de cabeça comigo nessa empreitada), mas logo percebemos que precisaríamos contratar outra pessoa. E aí, que outra saga começou: achar pessoas adequadas para o trabalho. Tivemos grandes problemas com todas as pessoas que contratamos. Primeiro, não encontrávamos mão de obra profissional. Como não achávamos pessoas com experiência ou qualificação, passamos a treiná-las, mas além de não fazerem o serviço direito, TODAS elas não foram honestas, pois furtavam produtos da cozinha ou dinheiro.

Aqui na Bulgária, assim como no Brasil, têm muitas pessoas desonestas, e isso foi muito complicado no início. Após mais de um ano mudando de empregados, tivemos um desgaste muito grande (psicológico e financeiro) e acabamos desistindo do negócio, vendendo-o para um amigo nosso em abril de 2017.

No momento, estamos reformando um local e arrumando a documentação para abrir um ponto comercial para outro negócio. Mesmo depois dessa experiência estamos ainda dispostos a empreender aqui, mas com mais cautela, e com mais experiência.

Para concluir, vou fazer uma checklist que pode ajudar você, que assim como eu, pretende se aventurar e empreender em terras estrangeiras.

– Pesquisar e observar muito os hábitos de consumo local.
– Descobrir quem é seu publico alvo.
– Falar bem o idioma local, ou ter alguém de confiança que o faça.
– Ser flexível e estar pronto para qualquer obstáculo.
– Observar o clima e se os hábitos das pessoas mudam conforme o mesmo, por exemplo: o faturamento no verão aqui é ótimo, mas o chega o inverno e, além das vendas reduzirem muito, pois as pessoas saem menos de casa, os custos para manter o aquecimento do local, aumentam muito as contas de eletricidade, então tem que haver um bom planejamento nesse sentido também.

Sei que existem inúmeros outros elementos para se levar em conta no planejamento de um negócio, essas são apenas algumas dicas que achei interessante compartilhar, e também contar um pouco a minha trajetória. E você? Tem planos para embarcar nessa jornada?

Related posts

Dificuldade de adaptação na Bulgária

Aimée Bardella Aihst

Culinária búlgara

Aimée Bardella Aihst

ETIAS – A nova autorização para entrar na Europa

Mel Barbieri

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação