BrasileirasPeloMundo.com
EUA México

Como é viver na fronteira do México com os Estados Unidos

Como é viver na fronteira do México com os Estados Unidos

Desde pequena tive o sonho de morar nos Estados Unidos.  Falava que iria morar na terra da Magia (Flórida no caso, Disney) ou na terra dos cavalos e da música country (Texas). Quando meu esposo recebeu a notícia de sua transferência para Mexicali (Baja Califórnia) ficamos eufóricos, sem saber que lugar era esse. E como falava a palavra Califórnia, só vinha na minha mente: vamos para os Estados Unidos (tá, pode rir)!

Não sabíamos nada sobre o México, nunca me imaginei vivendo no México… Nunca, jamais… Quando conto isso pros meus amigos mexicanos eles se acabam de rir da gente. E hoje nós também.

Claro que depois que se confirmou nossa vinda pra cá, já tínhamos pesquisado tudo e já havíamos descoberto que Baja Califórnia era um estado mexicano e que sua capital, Mexicali, ficava na fronteira com a Califórnia americana. Vivo exatamente a cinco minutos do famoso muro e da guarita que faz divisa com os Estados Unidos.

Curiosidades de viver na fronteira México – EUA

Escolas

A maioria das escolas aqui são bilíngues, ou seja, espanhol e inglês.  Até os maternais tem um pouco de inglês. Ou seja, como muitos dos mexicanos têm seus vistos e atravessam para os Estados Unidos, eles sabem da importância da língua inglesa aqui.

A proximidade é tanta que em algumas casas eles falam mais inglês que espanhol. Não é raro ver nas ruas mães falando ou corrigindo seus filhos em inglês, mesmo sendo mexicanos.

Leia também: A boa educação do povo mexicano

Na escola da minha filha as aulas são 80% em inglês. Apenas as de espanhol, música, educação física  e artes são no idioma local. Todas as outras aulas são em inglês. Outras escolas são um pouco menos criteriosas, mas ainda assim o inglês definitivamente está incluído nas escolas.

Cultura Mexicana-Americana

Aqui se comemora a Páscoa, o Halloween e o Natal com muita influência americana. Na Páscoa do México , não existe o ovo de páscoa, nem de chocolate, nem de nenhuma forma.

Nas fronteiras existe a brincadeira de esconder ovos, onde as crianças têm que achar ovinhos de plástico que são vendidos em várias lojas, papelarias e mercados. Dentro deles se coloca doces, chocolates ou confete (papel picado colorido). A graça é ter uma cestinha e sair procurando os ovos e brincar com os amigos de jogar confete.

O Halloween aqui é muito forte. As crianças têm varias festas na escola pra ir fantasiados, ou nos condomínios, pra ir de casa em casa pegando os doces. E eles decoram as casas com teias de aranha e temas de Halloween, assim como nos Estados Unidos. É uma festa muito comemorada aqui, creio que a segunda mais depois do Natal.

O Natal é simplesmente igual ao norte-americano. As casas são muito decoradas, quase há uma competição de qual casa esta mais iluminada ou decorada. E é uma coisa mais linda que a outra. São muitas luzes, árvores de natal enormes superdecoradas,  muito lindo mesmo.

Existe o jantar de Natal também, e aqui eles influenciam seus filhos a acreditarem em Papai Noel. Tem mães aqui com seus filhos já com 12 anos ainda acreditando no Bom Velhinho. Eles incentivam mesmo as crianças a escreverem as cartas com seus pedidos e fazem de tudo pra realizar exatamente o que esta escrito. Isso realmente me impressionou.

Outra data que algumas família comemoram é  o ”Thanksgiving”, ou seja, Ação de Graças. Muitos porque têm suas famílias misturadas com americanos, e outros por questões de proximidade mesmo.

O famoso Dia dos Mortos, em novembro, que é uma festividade e feriado mexicano, também é comemorado aqui, mas com muito menos intensidade que nas partes do país que não são fronteiriças.

Pagamentos com dólar ou peso?

Outro diferencial pra quem vive nas fronteiras com os EUA são as casas de câmbio. Existem casas de câmbio em muitas avenidas principais por aqui. E acredite, elas competem entre si, e andando por alguns segundos mais você encontra diferenças de preço. Algumas delas são como drive-thru, e você não precisa descer do carro para comprar.

Outra curiosidade é que estas lojas estão nas avenidas, abertas, ou seja, não ficam dentro de plazas ou shoppings, ou como bancos. São como se fosse uma caixa lotérica no Brasil.  Ali você pode tanto vender como comprar dólar.

Em qualquer lugar por aqui como em restaurantes, mercados, médicos, e qualquer outro lugar que aceite pagamento em dinheiro é aceito o dólar. E muitas vezes vale muito a pena, pois valorizam mais o seu dólar ali do que na casa de câmbio. Outros lugares não, mas como o valor da moeda americana varia muito a cada dia, é importante estar atento e ter sempre dólares com você.

Aluguel de casas mobiliadas

Com muita facilidade você encontra casas mobiliadas para alugar nas fronteiras, uma cultura mais típica americana. Tem pouquíssimos apartamentos, na verdade quase nada.

Em sua grande maioria você encontra condomínios fechados com grandes casas, com mobília ou sem, e casas em bairros abertos também. As casas têm preços mais elevados por aqui na divisa que no centro do país. Provavelmente por saber que muitos imigrantes vêm morar aqui por causa de trabalho.

Meu esposo mesmo trabalha numa empresa americana onde trabalham muitos americanos, e muitos deles passam a semana em Mexicali e vão para as suas casas nos Estados Unidos nos fins de semana. Outros vão e voltam todos os dias. Por isso há uma especulação maior nos preços.

Estudantes e trabalhadores mexicanos

Alguns mexicanos que têm dupla cidadania vivem no México pelo custo de vida mais baixo, mas estudam nos Estados Unidos, e com isso atravessam as fronteiras todos os dias para estudar.

Outros mexicanos que  trabalham legalizados do outro lado da fronteira e ganham em dólar, mas preferem viver no México. Tenho vários amigos aqui assim, e quando os pergunto o porquê, eles dizem que pelo custo de vida do México ser mais barato, principalmente se você ganha em dólar. E também por questões de cultura mesmo, preferem viver em seu próprio país. Assim eles vivem com qualidade em seu próprio país.

Este foi um assunto que me deixou curiosa. Pois a nossa visão do povo mexicano é que todos querem viver nos Estados Unidos, e muitos não têm essa ambição e nem essa vontade. Apenas querem viver bem em seu próprio país. E você se impressionaria com a quantidade de mexicano que não tem a mínima vontade de viver nas terras americanas.

Leia também: Costumes e hábitos mexicanos que já entraram na rotina

Custo de vida

O custo de vida aqui na fronteira é mais alto que em algumas partes do centro do país. Segundo algumas pesquisas que fiz, comidas típicas, roupas típicas mexicanas, joias, peças típicas mexicanas de cozinha, todas essas coisas são consideradas  mais caras, pois não são confeccionadas aqui, e sim em outras partes do país, com isso as coisas são mais caras.

Na segunda parte deste texto eu vou falar mais sobre restaurantes, comidas típicas, compras, serviços e como atravessar a fronteira legalmente. Até o próximo mês!

Related posts

Melhores bairros para morar em Seattle

Camila Picolli

Transporte público em Portland

Lorena Nascimento

Vistos para morar nos EUA

Thais Amaral Tellawi

2 comentários

Isaac Carneiro Victal Fevereiro 13, 2019 at 7:06 pm

Uma coisa que já notei é que as cidades da fronteira se parecem um pouco,vendo por fotos nunca estive nelas,com as cidades americanas e além disso as cidades do centro como a capital,Puebla,Guanajuato etc me parecem muito mais bonitas,essa foi minha impressão.Uma cidade que dizem os mexicanos parece ser a melhor do norte é Chihuahua.

Resposta
Fabrícia Erler Março 4, 2019 at 6:30 pm

Sim Issac se parecem mesmo. Pesquisei com outros brasileiros e amigos que moram em fronteiras e eles me falaram isso. e sim, concordo com vc, nao sao cidades tao bonitas como outras mas pro centro do Pais. Puebla, Guadalajara, San Luis POtosi, cidade do Mexico, e muitas outras tem muita cultura e muita coisa linda pra visitar e conhecer, …Obrigada por seu comentario …

Resposta

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação