BrasileirasPeloMundo.com
COVID-19 Lituânia

Coronavírus na Lituânia

Os desafios da pandemia e coronavírus na Lituânia.

O mundo está vivendo um período de grandes incertezas e assustador para muitas pessoas com a pandemia pelo SARS-Cov 2. Agora, imagine que, além disso, você ainda more em um país no qual você não domina o idioma, pode ser ainda mais desafiador, certo?

Estou morando na Lituânia há pouco mais de dois anos, mas ainda não falo o idioma. Eu entendo apenas algumas palavras básicas, que permitem levar a rotina diária. Mas agora, que tudo ficou de cabeça para baixo, encontrar informações que você realmente consiga entender pode ser difícil.

Veja também: Bem-vindos a Vilnius na Lituânia

Pelo que pude perceber, as autoridades lituanas estavam bastante preocupadas com a chegada do novo coronavírus no país. Isso porque, alguns dias antes do primeiro caso ser diagnosticado, o país já havia declarado estado de emergência e estava dando uma atenção especial para as pessoas que chegassem da China.

Medidas adotadas pelo governo

O primeiro caso da COVID-19 foi diagnosticado em 28 de fevereiro. Poucos dias depois, em 10 de março, mais dois casos foram confirmados. Com isso, o governo começou a tomar medidas mais drásticas e já proibiu eventos com mais de 100 pessoas em locais fechados, fechou todas as escolas, museus, cinemas e academias.

Então, no dia 16 de março o país entrou oficialmente em quarentena. Com essas medidas, apenas farmácias, hospitais e mercados ficariam abertos. Somente os restaurantes com opção de retirada no local estavam funcionando. Além disso, todas as viagens internacionais foram canceladas e somente lituanos e estrangeiros com permissão de residência poderiam entrar no país.

Mesmo assim, quem chegava ao país tinha que ficar 14 dias em quarentena. E, por algum tempo, os voos partindo da Lituânia ainda operaram para que estrangeiros pudessem retornar aos seus países de origem caso desejassem.

A princípio o período de quarentena seria de duas semanas. Entretanto, como o número de casos continuou crescendo, o governo foi estendendo a quarentena e impondo novas restrições. No início de abril, o uso de máscaras (ou qualquer outro tecido que cobrisse nariz e boca) passou a ser obrigatório. Pessoas que não estivessem usando a máscara estariam sujeitas a multa de 500 euros.

Neste mesmo período, a aglomeração de mais de duas pessoas na rua também foi proibida. A menos que as pessoas fossem da mesma família ou que morassem juntas. No feriado de Páscoa a viagem para outras cidades foi permitida somente para as pessoas que comprovassem residência nas cidades de destino.

O governo também criou um número telefônico específico para as pessoas que estivessem com sintomas. Era preciso apenas entrar em contato, responder às perguntas feitas pela atendente e então era enviada uma ambulância para o local.

Além disso, posto de coleta de amostras tipo drive-in também foram disponibilizados em diversos pontos pelo país. Isso fez com que muitas pessoas pudessem ser testadas ao longo da quarentena.

Postos móveis de teste. Foto de Sigismund Gedvila, 15min.

A caminho do fim da quarentena

Hoje, 16 de maio, a Lituânia completa 60 dias em quarentena, que ainda vai durar até o final do mês. Entretanto, com a diminuição do número de casos as restrições já estão diminuindo.

Há cerca de três semanas, os restaurantes já voltaram a funcionar. Entretanto, eles poderiam somente atender clientes nas mesas do lado de fora, com no máximo duas pessoas e com uma certa distância entre as mesas. O uso de máscara ainda era obrigatório e somente poderiam ser retiradas se estivessem comendo ou bebendo.

Para estimular o comércio local, o prefeito de Vilnius ainda suspendeu a cobrança de taxas em 2020 para o uso de áreas públicas (calçadas, ruas e praças) para a colocação de mesas de restaurantes. A medida se tornou notícia pelo mundo, e estão dizendo que Vilnius se tornou um gigante café a céu aberto.

A partir da próxima semana os restaurantes voltarão a funcionar quase que normalmente, apenas tendo que garantir um número limitado de clientes (5 metros quadrados por pessoa). E as máscaras deixarão de ser obrigatórias em locais abertos e sem aglomeração de pessoas, apesar do governo ainda recomendar o seu uso.

Alguns voos internacionais já foram retomados nesta última semana. E a partir da próxima semana as pessoas já poderão circular entre os países bálticos (Lituânia, Letônia e Estônia) sem a necessidade de ficar os 14 dias em quarentena quanto chegarem. Serão permitidas apenas viagens de negócios entre a Lituânia e a Polônia. Entretanto, quem chegar ao país vindo de outros locais da Europa terá que ficar os 14 dias em quarentena.

A vida durante a pandemia na Lituânia

Durante a quarentena na Lituânia as pessoas não estavam proibidas de sair de casa. Apesar disso, a recomendação do governo era para que as pessoas saíssem somente para o que fosse extremamente necessário.

Meu marido e eu moramos afastados da região central e estávamos saindo apenas para ir ao mercado, que fica a 500 metros de casa. Além disso, eu trabalho em pesquisa e, por conta de experimentos que estavam em andamento e para cuidar da colônia de mosquitos pólvora que temos, precisei ir no instituto algumas vezes durante esse período.

Tomamos todos os cuidados com roupas que saíamos e com as compras. Sempre limpando bem os sapatos antes de entrar em casa e todas as embalagens que chegavam do mercado. No início do surto era possível encontrar prateleiras vazias nos mercados e os produtos mais procurados foram: papel higiênico, macarrão, aveia, pão e desinfetantes.

Até o momento em que escrevo este artigo, a Lituânia registrou um total de 1523 casos, o que dá um total de 559 casos por milhão de habitantes; e 54 pessoas mortas por causa da COVID-19. Entretanto, é preciso lembrar que a Lituânia é um país bastante pequeno, com pouco mais de 2,7 milhões de habitantes.

De modo geral, as pessoas seguiram as recomendações dadas pelo governo, mesmo que diversas multas fossem aplicadas diariamente. Aparentemente as coisas estão voltando ao normal, mas ainda é um momento de bastante cautela. Por outro lado, a preocupação com os familiares no Brasil ainda é grande.

Related posts

Covid-19 em Angola

Jacira Ferreira Normand

COVID-19: a quarentena em Toronto

Flávia Bartholo

Para entender o clima da Lituânia

Carolina Romeiro

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site ou suas ferramentas de terceiros usam cookies Aceitar Consulte Mais Informação